VÍDEO EXCLUSIVO: EXÉRCITO BRASILEIRO TESTA HELICÓPTERO TURCO

VÍDEO EXCLUSIVO:  EXÉRCITO BRASILEIRO TESTA HELICÓPTERO TURCO

Maior País da América do Sul, o Brasil ocupa uma área superior a 8.500.000 quilômetros quadrados.Tem 23.102 km de fronteiras, sendo 15.735 km terrestres e 7.367 km marítimas. Com dimensões continentais, nosso País precisa proteger cada centímetro de seu território. Para este trabalho contamos com as Forças Armadas, formada por Exército, Marinha e Aeronáutica. MinutoMotor foi convidado para assistir a demonstração de voo do helicóptero T129 ATAK, da Turkish Aerospace. A exibição aconteceu no final de março, no Comando de Aviação do Exercito (CIAvEx), que fica em Taubaté, no Vale do Paraíba (SP).

O helicóptero, usado pelas Forças Armadas Turcas, é uma das opções do Exército Brasileiro que busca modernizar sua frota de apenas 96 helicópteros multitarefas. Não há hoje no Brasil nenhuma aeronave específica para combate. Atualmente são utilizadas unidades adaptadas para receber armamento.
O T129 ATAK é um helicóptero bimotor de nova geração, com dois lugares em tandem, desenvolvido especificamente para ataque e reconhecimento. O modelo está equipado com dois motores, novos aviônicos, sensores e armas; fuselagem modificada, trem de acionamento reforçado e novo rotor de cauda.

Poder de fogo
O T129A tem grande poderio bélico. O canhão de 20mm está montado numa torre no nariz da aeronave. Tem capacidade de 500 projéteis. Pode transportar até quatro lançadores de foguetes, com um total de 76 foguetes não guiados.
A versão T129B também contará com foguetes Mizrak ATGMS e Cirit (foguetes de 70mm guiados a laser) e mísseis ar-ar Stinger, garantindo operações diurnas e noturnas.

EXPOSIÇÃO REÚNE MAIS DE 200 MANUAIS ORIGINAIS E LIVRES PARA CONSULTA

EXPOSIÇÃO REÚNE MAIS DE 200 MANUAIS ORIGINAIS E LIVRES PARA CONSULTA

Nos veículos mais modernos os livretos de papel foram substituídos por versões eletrônicas que podem ser consultadas em celulares ou pelo sistema multimídia do carro – em alguns casos funcionam até por meio de inteligência artificial. “Com isso nos parece bastante óbvio que o manual do proprietário em seu formato tradicional está com os dias contados, tornando-se uma futura espécie em extinção. Por isso decidimos montar uma exposição em sua homenagem, mostrando as peças históricas mais relevantes de nosso acervo”, explica Marcos Rozen, CEO do MIAU.
A mostra traz ao todo mais de duzentos manuais do proprietário originais, dos anos 60 a 2000, com foco principal em modelos vendidos no mercado brasileiro. O mais antigo é do Jeep Willys 1961 e o mais novo do Ford Fusion 2006. Há várias peças raras, como os manuais do DKW-Vemag Fissore, Willys Itamaraty, VW SP1/SP2, Chrysler Esplanada GTX, MP Lafer, Gurgel X-12, Dardo, VW Variant II, VW Gol GT, VW Santana Executivo e muitos outros. Há também manuais de modelos estrangeiros como BMW 2000, Ford Granada e Vauxhall Cavalier, além de manuais de motos, caminhões e tratores antigos.

Um dos grandes diferenciais da exposição é que todos os manuais podem ser consultados livremente pelos visitantes. “Os museus de todo o mundo estão cada vez mais deixando de ser locais de mera contemplação para se tornarem verdadeiras fontes de contato com os temas que abrangem, permitindo aos visitantes interagirem de forma mais concreta com seus acervos. Essa sempre foi uma marca das exposições do MIAU, que permanece agora com a mostra dos manuais do proprietário”, afirma Rozen.

Curiosidades sobre os manuais
Um dos maiores sonhos dos colecionadores é encontrar um manual do proprietário ‘virgem’, ou seja, sem os dados do comprador preenchidos ou carimbos de entrega ou revisões. Pois esta é a condição de cerca de 75% dos materiais da exposição do MIAU: Rozen explica que “antigamente era comum jornalistas furtarem os manuais de carros de teste cedidos pelas montadoras para avaliação, seja para consultas futuras ou por travessura mesmo. Esta é a origem da maior parte dos manuais do nosso acervo, que por isso estão em branco ou têm apenas carimbos das próprias fábricas e não de alguma concessionária em suas páginas”.

Além disso os manuais trazem, por vezes, informações curiosas ou estranhas sobre os veículos. O do Ford Corcel II 1981, por exemplo, ao explicar o funcionamento do câmbio, ensinava ao motorista pular direto da terceira para a quinta marcha, evitando usar a quarta para assim, segundo o manual, economizar combustível.

Os manuais, afirma o CEO do museu, têm uma ligação profunda com o jornalismo automotivo: antes do advento da internet eram a única fonte prática, rápida e confiável para busca de dados técnicos dos veículos. “Hoje esse hábito caiu em desuso, mas foi largamente aplicado por profissionais da imprensa automotiva por mais de 40 anos. A exposição também é uma forma de recordar e homenagear esse período.”

Abertura no feriado
A exposição Manuais do Proprietário: Futura Espécie em Extinção abrirá as portas na sexta-feira, 19/4, feriado, das 12h às 17h. No sábado, 20/4, e domingo, 21/4, estará aberta das 13h às 17h. Após essas datas a exposição poderá ser visitada nos dias de funcionamento do MIAU, ou seja, sempre aos sábados e domingos das 13h às 17h. Em dias de semana o museu funciona apenas para visitas de grupos fechados e pré-agendados.

Os visitantes da exposição também têm direito a conhecer as outras áreas do museu, que conta com exposição permanente a respeito da história da imprensa automotiva no Brasil e um acervo de livre consulta com mais de mil revistas, livros, catálogos e materiais exclusivos para jornalistas que abordam praticamente todas as fabricantes de veículos do Brasil e do mundo.

A mostra ficará em cartaz até o início do segundo semestre. Os ingressos, em promoção de meia entrada para todos, custam R$ 15 e o valor é totalmente revertido para manutenção do museu.

Serviço
Exposição Manuais do Proprietário: Futura Espécie em Extinção
Local: MIAU – Museu da Imprensa Automotiva
R. Marcelina, 108 – Vila Romana, São Paulo SP
Site: www.miaumuseu.com.br
Telefone: (11) 98815.7467
Inauguração da exposição em horário especial: 19/4, das 12h às 17h
Horário regular do museu: sábados e domingos, das 13h às 17h
Ingressos: R$ 15, em promoção de meia entrada para todos

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

Para comemorar a liderança no segmento de utilitários-esportivos (SUVs) no Brasil, a montadora de origem norte-americana apresentou durante o Jeep Day (4/4) mais duas novas versões de seus SUVs, que, aliás, são os líderes da categoria no País.

O primeiro é a exclusiva edição especial Renegade Willys, cujas 250 unidades, baseadas na versão Trailhawk, homenageiam o Willys MB de 1941, criado para lutar na Segunda Guerra Mundial. Preço: R$ 146.490.

O segundo é o Compass S, série especial baseada na versão Limited Diesel. O modelo traz agora o maior pacote de tecnologia para condução autônoma em um veículo produzido no Brasil. Entre os recursos há controle adaptativo de velocidade (ACC), aviso de colisão frontal com frenagem automática (FCW+) e monitoramento de mudança de faixa com correção ativa (Lane Sense). Preço: R$ 187.990.

Jeep em números
No mês de março, a Jeep obteve no Brasil seu melhor market share no mundo, com 24,9% de participação no mercado de SUVs. Resumindo: de cada quatro utilitários-esportivos emplacados aqui, um ostentava a inconfundível grade dianteira de sete fendas. A fatia da Jeep foi maior que a soma das marcas que ficaram nas segunda e terceira posições, que chegou a 22,5%.

O balanço dos três primeiros meses do ano também é positivo, com a Jeep representando 23,5% do universo de SUVs, enquanto as duas marcas seguintes atingiram, juntas, 23,2%. “É uma enorme satisfação conseguirmos mais esses resultados tão expressivos em relativamente pouco tempo, pois o Polo Automotivo Jeep, que mudou nossa história no país, foi inaugurado há somente quatro anos”, declara Tania Silvestri, diretora da Jeep para América Latina.

VÍDEO: CIVIC SI VERSUS CBR 1000RR FIREBLADE SP. QUAL É A SUA PRAIA?

VÍDEO: CIVIC SI VERSUS CBR 1000RR FIREBLADE SP. QUAL É A SUA PRAIA?

Esportividade é um termo bastante habitual na Honda e muitas vezes levado ao extremo: basta olhar a quantidade de títulos mundiais que a empresa fundada por Soichiro Honda conquistou nas principais categorias do esporte a motor, entre Formula 1 e MotoGP. Neste comparativo colocamos lado a lado o que a marca japonesa tem de mais especial no mercado brasileiro: de um lado o Civic SI e do outro, a CBR 1000RR Fireblade SP. Em comum o DNA esportivo e a boa dose de tecnologia embarcada. Isso sem falar que os dois veículos compartilham da mesma arquitetura do motor: um quatro cilindros em linha. Uma pergunta: qual é a sua praia? Moto ou carro?

Produzido pelo MinutoMotor em parceria com a Miopia Filmes, este conteúdo contou com a participação de André Deliberato, um especialista no assunto que trabalhou sete anos em UOL Carros. Neste comparativo entre os modelos mais “apimentados” da Honda, Deliberato – que oficialmente passa a colaborar com o MinutoMotor – nos empresta todo seu conhecimento para falar desse rojão de 208 cv de potência máxima, que mais parece um kart com ar-condicionado.

Guiar o Civic Si significa ter a mais pura esportividade japonesa em suas mãos. Câmbio preciso com engates extremamente rápidos, motor turbo com fôlego de sobra e dinâmica com excelente comportamento em curvas: o Si 2019 une todas as melhores características de um kart em um cupê de alto desempenho. Sim, cupê! O novo Civic Si só chega importado ao Brasil na versão de duas portas e com caimento exclusivo na coluna traseira. Custa R$ 162.900.

Pilotar a CBR 1000RR Fireblade SP é ter uma moto de competição homologada para a rua. O modelo é utilizado pela Honda na principal categoria da motovelocidade nacional, a Superbike Brasil. Não é um ‘brinquedo’ para pilotos inexperientes, já que potência e torque se apresentam de forma instantânea, isso em função do acelerador eletrônico.

A Fireblade SP conta com seis modos de pilotagem, sendo três já pré-programados e outros dois totalmente customizáveis. Para uso em pista, por exemplo, a entrega de potência é absurda e as trocas de marchas via quickshift são rápidas e precisas. Até o pneu da SP é homologado para pista, que oferece maior aderência, principalmente em curvas mais acentuadas. Resumindo: motor, ciclística e eletrônica estão na mesma sintonia. O que reflete em um controle total numa pilotagem mais agressiva! Custa R$ 79.900.

DUCATI BR: CRESCIMENTO, CONCESSIONÁRIA MODELO E NOVA SUPERESPORTIVA

DUCATI BR: CRESCIMENTO, CONCESSIONÁRIA MODELO E NOVA SUPERESPORTIVA

Enfim, a luz. Depois de um período de forte retração, o segmento de duas rodas está se recuperando de forma gradativa. Segundo dados da Fenabrave, que reúne os concessionários de todo o País, o setor teve crescimento de quase 18% no primeiro trimestre, comparado ao mesmo período de 2018. No acumulado do ano já foram vendidas quase 260 mil motos. Essa retomada de crescimento tem dado uma injeção de ânimo ao mundo corporativo, que não está poupando esforços para ampliar sua capilaridade. Bons exemplos não faltam!

A Triumph, por exemplo, abriu revendas em Várzea Grande (MT) e Fortaleza (CE), além da reinaugurar a Triple, que foi para o Distrito de Sousas, em Campinas (SP). A marca inglesa também prometeu cinco lançamentos para este ano. A Harley-Davidson deve ter mais uma revenda na região Sudeste, que também terá uma realocação. Tudo indica que a marca norte-americana reabrirá uma loja na região Nordeste. Em março, a Ducati inaugurou revenda em Campo Grande (MS), sua primeira concessionária integrada no modelo Audi-Ducati. É a décima loja da marca italiana no Brasil.

O novo formato inclui um espaço exclusivo de 100 metros quadrados para motocicletas com oficina e pátio. Já a área de showroom apresenta um novo modelo de exposição – as motocicletas estarão distribuídas pela concessionária ao lado dos carros da Audi -, numa sinergia entre os modelos de quatro e duas rodas.

Crescimento
Falando na “Ferrari das Motos”, 2019 começou acelerado. A marca italiana registrou o melhor trimestre desde o início da sua operação no País em 2012. Foram 297 unidades emplacadas impulsionando um crescimento de 26% da marca nos primeiros três meses do ano no comparativo com igual período de 2018.

“Este resultado inédito é reflexo do trabalho consistente realizado pela Ducati do Brasil nos últimos dois anos e meio. Sem dúvida a unidade brasileira está em seu melhor momento”, explica Diego Borghi, presidente da subsidiária no País. Segundo o executivo, além da consistência nas ações, “temos sido persistentes ao demonstrar que é possível conquistar mercado, melhorar a rentabilidade e aumentar a capilaridade no território brasileiro. Só para comparar, o mercado de duas rodas acima de 500 cm3 evoluiu apenas 4,3% nos primeiros três meses do ano”, afirma Borghi.

Panigale V4 R à venda
Para deixar os ducatistas, amantes da velocidade ainda mais animados, a marca confirmou a pré-venda da Panigale V 4 R. A nova superesportiva apresenta um novo motor Desmosedici Stradale R, de quatro cilindros, 998 cm3, que oferece 221 cv de potência máxima, distribuídos em apenas 172 quilos.

As encomendas da versão R, modelo mais potente e de maior desempenho já construído pela Ducati, serão feitas por meio dos concessionários. O preço da Panigale V4 R é de R$ 250 mil. Para fazer parte deste seleto grupo, o abonado piloto deverá pagar 20% do valor da moto (R$ 50 mil) já no ato da reserva.

SCANIA IRÁ VENDER PEÇAS ORIGINAIS PELA INTERNET

SCANIA IRÁ VENDER PEÇAS ORIGINAIS PELA INTERNET
Scania S 620 V8 6×4

A Scania inicia a comercialização de peças pela internet. A fabricante sueca é a primeira da indústria de veículos comerciais (caminhões, ônibus e motores industriais, marítimos e para grupos geradores) a ter uma loja oficial no Mercado Livre. O cliente pode encontrar as ofertas pelo portal www.scaniaofertas.com.br ou diretamente no Mercado Livre: loja.mercadolivre.com.br/scania .

Os pedidos poderão ser feitos de qualquer região do Brasil. O acesso do usuário à loja no Mercado Livre é fácil e os processos de escolha do item e de compra são muito amigáveis e ágeis. Para maior comodidade ou ganho de tempo há opção de entrega no endereço do cliente ou retirada na concessionária. A novidade completa mais uma etapa da jornada da marca na transição para um sistema de transporte mais sustentável, em que a digitalização e a conectividade são essenciais para o moderno formato da gestão no transporte.

Scania S 620 V8 6×4

“Iniciamos uma nova era para a comercialização de peças. O comércio eletrônico abre mais um canal de contato com os clientes, pois traremos nossa rede ainda mais próxima deles. O parcelamento em até 12 vezes é um grande atrativo”, afirma Fábio Souza, diretor de Serviços da Scania no Brasil. “A rede de concessionárias será fundamental neste processo, pois cuidará da operacionalização da venda. Estamos abrindo novas oportunidades com potenciais clientes, especialmente de veículos mais antigos.”

A variedade de peças originais disponíveis na loja virtual engloba diversas linhas. “O aumento de opções acontecerá ao longo dos próximos meses. Estamos com um planejamento bem direcionado para as necessidades mais requisitadas do dia a dia. Queremos agilizar ao máximo o tempo que o cliente levará para receber a encomenda”, diz Lincoln Garcia, responsável pelo gerenciamento da loja virtual.

CAOA FECHA ACORDO COM A FORD PARA A FABRICAÇÃO DE CAMINHÕES

CAOA FECHA ACORDO COM A FORD PARA A FABRICAÇÃO DE CAMINHÕES

O noticiário sobre “Pesados” nunca esteve tão em voga. Primeiro a greve dos caminhoneiros ano passado e, recentemente, o fechamento da fábrica da Ford Caminhões no ABC Paulista. Agora uma boa notícia: a Caoa anunciou acordo para a aquisição da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP).
A meta é seguir com a produção de caminhões sob licenciamento e manter a estabilidade social na região – uma grande preocupação dos prefeitos do ABC e também do governador João Dória –, já que a marca norte-americana empregava cerca de 4 mil funcionários naquela unidade.
Para quem não sabe, a Caoa é uma empresa brasileira que produz automóveis e caminhões de pequeno porte das marcas sul-coreana Hyundai, e da chinesa Chery, em duas plantas fabris – uma em Anápolis (GO) e a outra em Jacareí, no Vale do Paraíba (SP).

VW comemora 15 mil unidades produzidas em Resende
A nova família Delivery, da Volkswagen, acaba de superar 15 mil unidades produzidas em Resende (RJ). O marco foi alcançado pouco mais de um ano desde o início das vendas de seus primeiros modelos.
O resultado é bastante positivo: com uma gama de 3,5 até 13 toneladas, os caminhões Delivery avançaram 60% em vendas no primeiro bimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2018, um salto de 1.125 para 1.797 unidades neste início de ano.

VÍDEO: COM FREIOS COMBINADOS, A POP 110I 2019 ESTÁ MAIS SEGURA

VÍDEO: COM FREIOS COMBINADOS, A POP 110I 2019 ESTÁ MAIS SEGURA


Conhecida por sua versatilidade e preço acessível a Pop 110i é, com certeza, o modelo mais econômico da Honda. Ela pode rodar até 50 km com um litro de gasolina e custa R$ 5.790 (frete não incluso). Características que fazem da Pop uma ferramenta de mobilidade para muitos brasileiros que vivem em pequenas cidades e mesmo nos grandes centros urbanos.

A Honda Pop é a quarta moto mais vendida no Brasil e na versão 2019 ganhou nova textura para o assento e freios combinados (Combined Brake System). O sistema de freio CBS é uma exigência da legislação e também um excelente aliado para os pilotos iniciantes.

Neste teste em condições reais de uso, a equipe do MinutoMotor rodou cerca de 300 quilômetros com a Pop 2019. Trafegou pelo trânsito carregado, enfrentou ruas de paralelepípedo, áreas rurais e, de quebra, encarou a Rodovia Fernão Dias, que liga São Paulo a Minas Gerais.

Embora ela não seja projetada para rodar na estrada, em muitos casos o dono da Pop é obrigado a circular nesse tipo de via. Com o crescimento dos grandes centros, nossas estradas se tornaram “grandes avenidas” ligando cidades dormitórios a áreas industriais. Exemplos não faltam nos arredores de São Paulo, Rio de Janeiro ou Belo Horizonte. Em muitos casos o trabalhador mora numa cidade e trabalha (ou estuda) em outra. Nesse caso a motocicleta cumpre seu papel de veículo de deslocamento. Basta olhar nos estacionamentos das fábricas e nas ruas perto das faculdades e perceber a enorme quantidade de motos estacionadas.

Facilidade
Nesta liberdade democrática de ir e vir, a Honda Pop 110 i usa a injeção eletrônica de combustível e um moderno motor de 110 cm³ de capacidade. Configuração que deixa a Pop 110i “espertinha”, isso em função de sua potência (7,9 cv) e também de seu torque (0,90 kgf.m). Seu visual espartano é compensado pela agilidade e economia – ela chega a fazer 50 km/litro de gasolina.

Na cidade ela larga na frente dos carros quando o semáforo abre e roda com muita, muita desenvoltura entre os automóveis. O desempenho favorável acontece graças ao bom acerto do motor, escalonamento do câmbio de quatro velocidades (diferente do utilizado na Biz, já que no caso da Pop conta com a ajuda da embreagem), mas também pelo seu baixo peso: apenas 87 quilos.

Freios que salvam vidas
O modelo está equipado com freios a tambor em ambas as rodas e com a adoção do sistema de freios CBS, o sistema distribui a frenagem de maneira equilibrada entre a traseira e a dianteira, garantindo mais segurança ao piloto, encurtando a distância de frenagem.
Na prática, quando o motociclista aciona o pedal de freio traseiro parte desta força aplicada vai para o freio dianteiro. É aí que está a eficiência da tecnologia do sistema de freios CBS que pode salvar a vida dos menos experientes, já que mesmo sem a intenção, o freio dianteiro é acionado.

Suspensão acertada
Sucesso de vendas principalmente na região Nordeste, o modelo já ultrapassou, desde seu lançamento, um milhão de unidades produzidas na fábrica da Honda em Manaus (AM). Com bom custo-benefício e baixo custo de manutenção, a ‘motoquinha’ também é amplamente usada em lugares onde não há caminhos asfaltados. Detalhe: mais de 80% estradas brasileiras não têm asfalto. Nos deslocamentos por terra ela não faz feio.

A Pop 2019 segue firme e forte graças ao conjunto de suspensão – bichoque na traseira de 83 mm de curso. Na dianteira, garfo telescópico tradicional de 100 mm de curso, que absorve bem as imperfeições.
Em nosso teste, a Honda Pop 110i 2019 se mostrou um “mini tanque de guerra” sobre duas rodas. A ampliação da segurança, a facilidade de pilotar e o peso reduzido aumentam o carisma do modelo que é o mais barato e o mais democrático da Honda.

FUSCAS E CARROS DE CORRIDA NO CONJUNTO NACIONAL

FUSCAS E CARROS DE CORRIDA NO CONJUNTO NACIONAL

Vai até 6 de abril, no espaço Cultural do Conjunto Nacional, a Semana Cultural da Velocidade (Velocult), que comemora os 60 anos da chegada ao Brasil de um dos carros mais simpáticos e icônicos da indústria nacional: o VW Sedan, ou simplesmente “Fusca”. A mostra, que completa 10 anos, é idealizada pelo artista plástico Paulo Soláriz.

Há diversos exemplares do “Besouro” decorando o piso térreo do Conjunto Nacional. São modelos de vários anos, cores e configurações de motorização e acabamento. Ou seja, há Fuscas para todos os gostos.

Além dos simpáticos clássicos da marca alemã, existem também quatro bólidos de competição para agradar os loucos por velocidade que se dirigirem à exposição.

Trata-se de dois Chevrolet Opala, configurados para as pistas de corridas. Um da categoria “Old Stock Race” e o outro da “Opala 250”, que fazem a festa dos “Opaleiros” de plantão e demais admiradores de automobilismo de competição, especialmente os mais saudosistas.

E ainda há os outros dois monopostos da F-Inter, bólidos pensados e nascidos para serem rápidos e seguros dentro dos traçados de um circuito. Os MG15 em questão são os de numeral 03 e cor azul, pilotado pelo Edu Bruza e também o de numeral 13 e cor verde, pilotado pelo Marcelo Zebrinha. Esses carros estiveram recentemente competindo no autódromo paulistano de Interlagos.

Exposição Velocult
Até 06 de abril
Entrada franca
Conjunto Nacional – Av. Paulista, 2073 – SP/SP

BÊ-A-BÁ: O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA DE FREIOS ABS

BÊ-A-BÁ: O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA DE FREIOS ABS

O ABS (Antilock Braking System) é um sistema de segurança ativa que evita que as rodas travem em frenagens de emergência – situação em que o veículo corre o risco de perder a aderência à pista e derrapar. As derrapagens estão entre os fatores que mais contribuem para a ocorrência de acidentes. Com o ABS, as rodas continuam com aderência à pista, o motorista mantém o controle sobre o veículo, sua estabilidade, e pode desviar de obstáculos mesmo pisando fundo no freio. Mas você sabe como esse mecanismo opera no veículo? É o que vamos ver agora, com informações do Cesvi Brasil – Centro de Experimentação e Segurança Viária.

Esse sistema eletrônico faz um monitoramento da rotação de cada roda, comparando-as com a velocidade do veículo. O ABS só entra em ação quando essa rotação da roda diminui muito em relação à velocidade do carro, indicando uma frenagem de emergência. O sistema envia sinais para que haja alternâncias muito rápidas entre alívio e pressão sobre os freios, que ocorrem em frações de segundo – tempo suficiente para evitar que as rodas travem.

Honda CB 250 Twister com freios ABS de série

Freios mais eficientes também nas motos
O ABS também está em vários modelos de duas rodas. Nas motos, o princípio é o mesmo dos automóveis: aplicando-se força normal e firme nos manetes de freio, há a distribuição eletrônica da intensidade de frenagem nas rodas traseira e dianteira, evitando o travamento. Detalhe: até o final deste ano, segundo norma do Contran, editada em 2016, todas as motocicletas novas devem vir equipadas, de série, com freios ABS (acima de 300cc) ou freios combinados (CBS), para modelos de até 300cc.

Pise fundo
Com um sistema convencional de frenagem, o motorista geralmente tem receio de pisar com toda a força no pedal do freio, pois sabe que as rodas podem travar. Com o ABS, não funciona assim. Numa frenagem de emergência, você deve pressionar o pedal do freio e manter a pressão sobre ele com força máxima – sem medo. Você pode vir a perceber um tremor do pedal, mas mantenha a pressão assim mesmo, até atingir a velocidade adequada para o desvio do obstáculo à frente. O tremor é característico do sistema ABS e acontece pela rápida variação na pressão do freio.
É importante ter em mente que velocidade tem limite. Não há recurso de segurança que salve vidas se houver um exagero no risco proporcionado por uma combinação entre excesso de velocidade e manobras perigosas.