Brasileiro restaura Vespa 1966 em Portugal e ganha notoriedade na internet

Piaggio Vespa 1966 50s totalmente restaurada / Arquivo pessoal

“O Encontro na Marina de Cascais, litoral de Portugal, era apenas para antigos Volkswagen com motores a ar e com participação do Clube da Vespa do Estoril. Eu e minha esposa Luciana fomos recebidos por Giovani Cavaglia, vice-presidente do clube. Ele pediu para eu colocar a minha Vespinha, ano 1966, recém restaurada, entre as outras ‘italianinhas’. Para minha surpresa, Hugo Carvalhal, criador da página “GoVespaPT” – pediu para tirar uma foto e disse que iria publicar a imagem na internet. Foi dessa forma que a Piaggio Vespa de um brasileiro ganhou notoriedade entre os aficionados pelo icônico veículo em Portugal e pelo mundo”, contou, orgulhoso, Alexandre Nunes, 49 anos, que desde 2016 vive com a família na terra de Pedro Álvares Cabral.


Imagem da Vespinha que viralizou na internet / reprodução

Nunes trabalhou 26 anos como mecânico de aeronaves e é um apaixonado por música e antigomobilismo, com um sentimento especial, até então, pelo Fusca. O pai era dono do sedã da VW, que também foi seu primeiro carro. Nunes teve dois Fuscas: um 1969, todo original e até com manual de proprietário; e um 1985, Série Especial Copa.
Em busca de novos horizontes, Alexandre Nunes fez o caminho inverso de Cabral. Mas antes de cruzar o Atlântico, o paulistano sentiu um aperto no coração por ter de vender o pequeno “besouro”.

Luciana, Alexandre Nunes e a inseparável Vespinha / Arquivo pessoal

Vespa, uma nova paixão
Quando chegou em Portugal tentou encontrar um Fusca antigo para restaurar. Porém não tendo encontrado uma oficina para o restauro e muito menos um lugar adequado para guardar o veículo, o projeto foi inviabilizado.

Hoje o brasileiro vive em Oeiras, no litoral português, que fica a apenas 15 quilômetros de Lisboa. Trabalha na construção civil fazendo pequenos restauros e remodelações de imóveis. E foi por meio de seu novo ofício que surgiu a ideia de restaurar o modelo de duas rodas que surgiu durante a II Guerra Mundial.

A restauração demorou quatro meses / Arquivo pessoal

Executando um trabalho de restauração em um imóvel no centro histórico de Braga viu uma oficina de motos chamada “Ciclo Igreja”, com cinco Vespas antiguíssimas na porta, todas aguardando restauração. Curioso, Nunes foi conhecer a “fábrica de sonhos” de onde saem restauros com alta qualidade, que poderiam ser expostos em qualquer museu de motos do mundo.

“Comecei a frequentar a oficina e fiz amizade com Luciano Igreja, dono da restauradora e diretor do Clube de Vespas do Minho. E, também, com Jorge, filho de Luciano, que é mecânico e restaurador destas ‘macchinas’”, relembra Nunes sobre o início da amizade com os Igreja.

Fachada da Ciclo Igreja, restauradora que fica em Braga, Portugal / Arquivo pessoal

Restauração dentro de uma ‘catedral’
Nestas idas e vindas pela “catedral” da restauração de Braga, Nunes resolveu iniciar, ali, na Ciclo Igreja, uma linda história de amor. E com um belo final feliz, claro!

Depois de garimpar por cerca de três meses na internet, Nunes encontrou um exemplar, ano 1966, com a lataria amassada, podre e totalmente desmontada. “Como tinha a ideia de restaurar o modelo 50s de forma totalmente original fui em frente e adquiriu aquela montoeira de peças. Não perdi tempo e levei as caixas para a Ciclo Igreja”, lembra Nunes.

Estado da lataria antes da restauração / Arquivo pessoal

Jorge Igreja foi o responsável pela a restauração da Vespinha. O minucioso trabalho começou em março. E a data do renascimento oficial é 25 de julho. Com sua Vespa 1966 50s impecável, Alexandre Nunes foi convidado para fazer parte do Clube de Vespas do Minho, da cidade de Braga. Hoje usa com orgulho o escudo da irmandade fixado em sua jaqueta jeans.

Escudo do Vespa Clube do Minho, de Portugal / Arquivo pessoal

Da ferrugem a Vespa zerada
Da estrutura fabricada em chapa foi trocado o assoalho. O escudo dianteiro foi alinhado e desamassado, a lateral traseira esquerda também passou pela funilaria e o paralama dianteiro substituído.

Funilaria na parte lateral da Vespa / Arquivo pessoal

Todas as peças em chapa foram jateadas, dado fundo e três demãos de tinta. As partes inferiores e internas receberam tinta ‘bate pedra’, a mesma utilizada nos automóveis. Peças como pinça de freios e parafusos foram metalizadas. Para recuperar aquele ar nostálgico, a Vespinha ganhou corpo creme e assento em couro caramelo. Para completar o estilo clássico: rodas novas calçadas com pneus faixa branca.

Estado crítico do motor e da suspensão traseira da pequena Vespa / Arquivo pessoal

Já o motor foi totalmente desmontado e jateado. Somente foram substituídas as partes que sofreram desgaste em função do tempo e uso como, por exemplo, juntas do cabeçote. A única peça que não é original no motor é o cilindro, maior, de 102 cm3 de capacidade. A opção foi para a Vespinha – originalmente de 50cc – ter um melhor rendimento e torque, principalmente para encarar uma subida ou rodar com garupa. Agora a Vespa de Nunes está mais espertinha. Além disso, toda parte elétrica é nova: chicote, bobina, interruptor etc.

Detalhe da dianteira: nova roda com pneu faixa branca / Arquivo pessoal

Quase todos os finais de semana Alexandre e Luciana participaram de encontros sempre a bordo de um ícone italiana, além de passeios pela orla de Oeiras. Enfim, um casamento perfeito entre homem e máquina, independente de origem, local ou nacionalidade. E tudo sacramentado na “igreja” de Luciano e Jorge.

9 Comentários

  1. fatima mendes

    muitos parabéns , ficou linda a vespa e é um prazer saber que está nova graças a um belo trabalho e muita paixão , beijinho enorme a casal e muito sucesso.

    Responder
  2. Robson Gomes Nazareth

    Parabéns ao Alexandre , trabalhei com ele no Brasil , grande profissional só não conhecia esse lado nostálgico dele . Só para mexer com ele estou com um Fusca 74 em vias de restauração.

    Responder
    • Aldo Tizzani

      Caro Piano,
      que bom que gostou!
      Sobre cada moto/carro uma bela história.
      Abs e continue acompanhando o MinutoMotor.
      Aldo Tizzani
      Editor

      Responder
    • Aldo Tizzani

      Caro Luiz,
      A história do Nunes e sua Vespinha é inspiradora!
      abs,
      Aldo Tizzani
      Editor

      Responder
    • Aldo Tizzani

      Caro Renato,
      Obrigado pelas palavras de incentivo.
      Sobre cada moto, uma história.
      Abs,
      Aldo

      Responder

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.