CHEVROLET CORVETTE GANHA LIVRO DA EDITORA ALAÚDE

Lançado em 1953, o Chevrolet Corvette é um dos superesportivos mais icônicos e desejados de todos os tempos, com uma trajetória que transcende a da própria indústria automotiva. O sucesso deste modelo lhe rendeu diferentes versões, motores, transmissões e edições especiais, conquistando uma legião de adoradores no Brasil e no mundo.

Ricamente ilustrado com fotos raras dos arquivos da própria General Motors e, ainda, com imagens deslumbrantes dos modelos mais modernos, esta obra de arte nos leva por uma incrível viagem por toda a história desse clássico do automobilismo, contando desde os detalhes do desenvolvimento do projeto até as inúmeras curiosidades e dados técnicos das diferentes gerações do veículo.

O texto foi produzido pelo jornalista Fernando Miragaya atua há mais de 20 anos como colaborador nas principais publicações e sites especializados do país. Parabéns a Alaúde pela iniciativa; ao colega Miragaya pela pesquisa e textos e também aos colegas da GM.

FICHA TÉCNICA:

Título: Clássicos Esportivos – Corvette
Autor: Fernando Miragaya
Formato: 18 x 18 cm
Nº de Páginas: 108
Edição: 1ª, 2018
Acabamento: capa dura, colorido
ISBN: 978-85-7881-571-4
Preço: R$39,90

JAQUETA SERRA LS2: VERSATILIDADE NAS VERSÕES MASCULINA E FEMININA

Versatilidade. Essa é a palavra-chave que define a nova jaqueta Serra da LS2. Com versões masculina e feminina, o modelo pode ser usado tanto no dia a dia, como também em viagens. Indicada para donos de motos street ou nakeds, a Serra é confeccionada em tecido Oxford 600D. Conta com membrana impermeável e forro térmico removível. Traz ainda detalhes refletivos para aumentar a visibilidade do piloto. O modelo é resistente a abrasão, vento e umidade. Conta ainda com protetores removíveis nos ombros, cotovelos e coluna. Tudo pensado para deixar a pilotagem mais confortável e segura.

A LS2 não esqueceu da mulher motociclista – que pilota sua própria moto ou que vai na garupa. A jaqueta Serra Lady (abaixo) é mais acinturada, se moldando melhor ao corpo feminino. Esta versão conta com gola com fecho instantâneo regulável, mangas com sistema de velcro e botão de pressão, além de punhos e cintura, ambos ajustáveis com velcro. O preço é bastante competitivo: R$ 799,90. Visite: ls2.com.br

CB 400: UMA MOTO – LITERALMENTE – DE COLEÇÃO


Entre amostras de tecido, moldes, manequins e talões de pedido, Evandro Luiz de Souza Baptista tem uma paixão especial por rodas e motores. Desde a infância, o comerciante do ramo do vestuário feminino tinha em seu imaginário pilotar carros de corrida. Na fase adulta Evandro conseguiu realizar parte de seus sonhos acelerando um kart em Interlagos (SP), circuito no qual ganhou algumas provas amadoras.

Fã de carteirinha de Ayrton Senna que, aliás, morou no mesmo bairro (Horto Florestal, extremo da Zona Norte de São Paulo), Evandro acompanhou todos os passos do vizinho campeão. “Ele era um piloto diferenciado, dono de um estilo único. Senna impressionava por sua dedicação e postura positiva frente às adversidades”. Mas o que Ayrton e Evandro têm em comum? A paixão pela velocidade e pelas motos. No caso do comerciante, uma Honda CB 400 1981 impecavelmente “zerada”! 


Em função da correria do dia a dia, do excesso de trabalho e por sua paixão por carros, especificamente pelos Fiat Uno 1.5R e Tempra Style Turbo, sedã que está na família desde 1.995 -, a CB 400 ficou parada por dois períodos, que totalizaram 12 anos de hibernação. Hoje, com exatos 27.240 quilômetros rodados, a primeira grande moto do brasileiro traz o visual – e a aura – de uma unidade que acabou de sair da linha de montagem.

A pintura é reluzente e os adesivos estão intactos. Por cima do polimento do motor, a CB ganhou uma demão de verniz, que protege e dá mais vida ao propulsor de dois cilindros, de ‘impressionantes’ 40 cavalos de potência máxima. Detalhe: os parafusos foram zincados para não enferrujar. Recentemente a moto ganhou pneus novos. “A CB nunca foi restaurada, apenas cuidamos de sua estética e fizemos uma completa manutenção mecânica. Nível máximo de conservação para dar aquelas voltinhas de final de semana”, comemora o comerciante de 57 anos.


Na garagem da casa dos Baptista, a moto saiu do estado de inércia e ganhou vida já na segunda ‘pedalada’. O motor propagou um som médio, ritmado, sem bater válvulas. A moto está com o Evandro desde que saiu da concessionária. O próximo passo será reunir a papelada para garantir a placa preta, indicada para veículos fabricados há mais de 30 anos e que conserva suas características originais de fabricação.

Mas a paixão pela máquina está sempre na memória do paulistano que levava o modelo, literalmente, para passear. “Eu colocava a moto na carreta para curtir a viagem de carro e lá, no destino, aproveitava para fazer passeios curtos de CB em companhia da minha esposa Cibele”, conta quase que gargalhando, lembrando das aventuras por Monte Verde (SP) e Guarapari (ES). “A moto saia de frente e de traseira no barro e na areia”.


Tamanho natural e miniatura – Para formar dupla com a Honda CB original de fábrica, o comerciante uniu seu outro hobby: o de colecionar de miniaturas. Há pouco tempo o comerciante fez uma encomenda para Claudio Antonio da Silva, da Claus Miniatura, modelista de Minaçu, interior de Goiás (GO).

Em escala 1:12, a mini CB 400 de Evandro traz riqueza de detalhes. Tanque, rabeta, farol, escapamentos, além da cor. Tudo igual ao modelo de tamanho original. “Depois da encomenda, a motinho demorou quase três meses para chegar. Fiquei preocupado, mas valeu a espera, já que a miniatura feita em resina de forma artesanal é muito bem acabada”, explica o comerciante de São Paulo.

Ayrton, Ayrton, Ayrton Senna do Brasil!!! – Além da CB 400, a Evandro Baptista tem um santuário na parte superior de sua casa no qual guarda algumas recordações do tempo do kart – fotos e troféus – e 204 miniaturas, exemplares de marcas europeias, norte-americanas, japoneses, modelos dos anos 1930, clássicos nacionais, esportivos e, é claro, uma coleção completa de carros pilotados pelo ídolo Ayrton Senna.

São 22 réplicas, desde a Mercedes C190 até a Willians, passando pelo kart e também pelas equipes Toleman, Lotus e os carros campeões da McLaren. Oito miniaturas em tamanho 1:18 e mais 14 em escala 1:43. A coleção começou em 1992 com os populares “carrinhos de ferro” da Matchbox.


Seja em tamanho real ou em miniatura, “a CB 400 era o sonho de consumo, um marco da indústria nacional. Aliás, sonho para poucos. O modelo Honda carregava status, glamour. Época de um motociclismo romântico. Comparando, seria como comprar hoje modelos de luxo da BMW, Harley ou Triumph”, finaliza, saudosista, Evandro Baptista, que se diz um apaixonado pelo ronco dos motores de três cilindros da marca inglesa.

FOTOS: Renato Teixeira