EXPOSIÇÃO REÚNE MAIS DE 200 MANUAIS ORIGINAIS E LIVRES PARA CONSULTA

EXPOSIÇÃO REÚNE MAIS DE 200 MANUAIS ORIGINAIS E LIVRES PARA CONSULTA

Nos veículos mais modernos os livretos de papel foram substituídos por versões eletrônicas que podem ser consultadas em celulares ou pelo sistema multimídia do carro – em alguns casos funcionam até por meio de inteligência artificial. “Com isso nos parece bastante óbvio que o manual do proprietário em seu formato tradicional está com os dias contados, tornando-se uma futura espécie em extinção. Por isso decidimos montar uma exposição em sua homenagem, mostrando as peças históricas mais relevantes de nosso acervo”, explica Marcos Rozen, CEO do MIAU.
A mostra traz ao todo mais de duzentos manuais do proprietário originais, dos anos 60 a 2000, com foco principal em modelos vendidos no mercado brasileiro. O mais antigo é do Jeep Willys 1961 e o mais novo do Ford Fusion 2006. Há várias peças raras, como os manuais do DKW-Vemag Fissore, Willys Itamaraty, VW SP1/SP2, Chrysler Esplanada GTX, MP Lafer, Gurgel X-12, Dardo, VW Variant II, VW Gol GT, VW Santana Executivo e muitos outros. Há também manuais de modelos estrangeiros como BMW 2000, Ford Granada e Vauxhall Cavalier, além de manuais de motos, caminhões e tratores antigos.

Um dos grandes diferenciais da exposição é que todos os manuais podem ser consultados livremente pelos visitantes. “Os museus de todo o mundo estão cada vez mais deixando de ser locais de mera contemplação para se tornarem verdadeiras fontes de contato com os temas que abrangem, permitindo aos visitantes interagirem de forma mais concreta com seus acervos. Essa sempre foi uma marca das exposições do MIAU, que permanece agora com a mostra dos manuais do proprietário”, afirma Rozen.

Curiosidades sobre os manuais
Um dos maiores sonhos dos colecionadores é encontrar um manual do proprietário ‘virgem’, ou seja, sem os dados do comprador preenchidos ou carimbos de entrega ou revisões. Pois esta é a condição de cerca de 75% dos materiais da exposição do MIAU: Rozen explica que “antigamente era comum jornalistas furtarem os manuais de carros de teste cedidos pelas montadoras para avaliação, seja para consultas futuras ou por travessura mesmo. Esta é a origem da maior parte dos manuais do nosso acervo, que por isso estão em branco ou têm apenas carimbos das próprias fábricas e não de alguma concessionária em suas páginas”.

Além disso os manuais trazem, por vezes, informações curiosas ou estranhas sobre os veículos. O do Ford Corcel II 1981, por exemplo, ao explicar o funcionamento do câmbio, ensinava ao motorista pular direto da terceira para a quinta marcha, evitando usar a quarta para assim, segundo o manual, economizar combustível.

Os manuais, afirma o CEO do museu, têm uma ligação profunda com o jornalismo automotivo: antes do advento da internet eram a única fonte prática, rápida e confiável para busca de dados técnicos dos veículos. “Hoje esse hábito caiu em desuso, mas foi largamente aplicado por profissionais da imprensa automotiva por mais de 40 anos. A exposição também é uma forma de recordar e homenagear esse período.”

Abertura no feriado
A exposição Manuais do Proprietário: Futura Espécie em Extinção abrirá as portas na sexta-feira, 19/4, feriado, das 12h às 17h. No sábado, 20/4, e domingo, 21/4, estará aberta das 13h às 17h. Após essas datas a exposição poderá ser visitada nos dias de funcionamento do MIAU, ou seja, sempre aos sábados e domingos das 13h às 17h. Em dias de semana o museu funciona apenas para visitas de grupos fechados e pré-agendados.

Os visitantes da exposição também têm direito a conhecer as outras áreas do museu, que conta com exposição permanente a respeito da história da imprensa automotiva no Brasil e um acervo de livre consulta com mais de mil revistas, livros, catálogos e materiais exclusivos para jornalistas que abordam praticamente todas as fabricantes de veículos do Brasil e do mundo.

A mostra ficará em cartaz até o início do segundo semestre. Os ingressos, em promoção de meia entrada para todos, custam R$ 15 e o valor é totalmente revertido para manutenção do museu.

Serviço
Exposição Manuais do Proprietário: Futura Espécie em Extinção
Local: MIAU – Museu da Imprensa Automotiva
R. Marcelina, 108 – Vila Romana, São Paulo SP
Site: www.miaumuseu.com.br
Telefone: (11) 98815.7467
Inauguração da exposição em horário especial: 19/4, das 12h às 17h
Horário regular do museu: sábados e domingos, das 13h às 17h
Ingressos: R$ 15, em promoção de meia entrada para todos

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

Para comemorar a liderança no segmento de utilitários-esportivos (SUVs) no Brasil, a montadora de origem norte-americana apresentou durante o Jeep Day (4/4) mais duas novas versões de seus SUVs, que, aliás, são os líderes da categoria no País.

O primeiro é a exclusiva edição especial Renegade Willys, cujas 250 unidades, baseadas na versão Trailhawk, homenageiam o Willys MB de 1941, criado para lutar na Segunda Guerra Mundial. Preço: R$ 146.490.

O segundo é o Compass S, série especial baseada na versão Limited Diesel. O modelo traz agora o maior pacote de tecnologia para condução autônoma em um veículo produzido no Brasil. Entre os recursos há controle adaptativo de velocidade (ACC), aviso de colisão frontal com frenagem automática (FCW+) e monitoramento de mudança de faixa com correção ativa (Lane Sense). Preço: R$ 187.990.

Jeep em números
No mês de março, a Jeep obteve no Brasil seu melhor market share no mundo, com 24,9% de participação no mercado de SUVs. Resumindo: de cada quatro utilitários-esportivos emplacados aqui, um ostentava a inconfundível grade dianteira de sete fendas. A fatia da Jeep foi maior que a soma das marcas que ficaram nas segunda e terceira posições, que chegou a 22,5%.

O balanço dos três primeiros meses do ano também é positivo, com a Jeep representando 23,5% do universo de SUVs, enquanto as duas marcas seguintes atingiram, juntas, 23,2%. “É uma enorme satisfação conseguirmos mais esses resultados tão expressivos em relativamente pouco tempo, pois o Polo Automotivo Jeep, que mudou nossa história no país, foi inaugurado há somente quatro anos”, declara Tania Silvestri, diretora da Jeep para América Latina.

VÍDEO: CONHEÇA EM DETALHES O NOVO JEEP WRANGLER RUBICON

VÍDEO: CONHEÇA EM DETALHES O NOVO JEEP WRANGLER RUBICON

A Jeep confirmou no último dia 4 abril, Dia Mundial do Jeep, que irá importar a versão mais “off-road” do trilheiro Wrangler. A chegada do novo modelo está prevista para o segundo semestre, em duas opções: Sahara e Rubicon. Aliás, o nome Rubicon é uma homenagem a uma das trilhas mais famosas e complexas que o SUV enfrenta anualmente em encontros de fãs e jipeiros nos Estados Unidos.

Vale ressaltar que todo Wrangler já nasce com o selo “Trail Rated” que garante seu potencial off-road, ao atender as exigências da Jeep em cinco quesitos: tração, distância do solo, articulação, manobrabilidade e capacidade de submersão.

Equipado com motor 2.0 turbo de impressionantes 272 cavalos e 40,8 kgfm de torque, o Wrangler conta com câmbio automático de oito marchas. A versão Rubicon traz como diferencial suspensão até 5 cm mais alta que a de um Wrangler convencional, diferenciais de bloqueio eletrônico, pneus mais lameiros é maior proteção de carroceria.

Multimídia de última geração
Pela primeira vez, o Jeep Wrangler oferece a quarta geração do conjunto multimídia Uconnect, com tela de toque de 8,4 polegadas. O novo sistema inclui recursos fáceis de usar, potência de processamento aprimorada, tempos de inicialização mais rápidos e gráficos de alta resolução. Além de navegação GPS própria e conectividade com os sistemas Apple Car Play e Android Auto.

Outra exclusividade do Uconnect no Wrangler são as Off-Road Pages. Essas telas passam informações importantes como os graus de inclinação lateral e longitudinal do veículo, o modo de tração selecionado, o grau de esterço da direção, as coordenadas geográficas, altitude em relação ao nível do mar, entre outras.

À frente do motorista, salta aos olhos a tela colorida de 7” no centro do quadro de instrumentos, com inúmeras possibilidades de configuração e uma simpática surpresa ao dar a partida – um dos vários easter eggs espalhados pelo veículo. Nesse visor, também podem ser selecionadas muitas das informações do monitor central do Uconnect.

Mais segurança
A segurança e proteção dos ocupantes tem sido primordial ao desenvolver o novo Jeep Wrangler, que se reflete nas dezenas de componentes de segurança ativos e passivos. Como por exemplo: quatro air bags sendo dois frontais e dois laterais, controles de tração, de estabilidade (ESC) e oscilação da carroceria (ERM), assistente de partida em rampa (HSA) e assistente de descida (HDC) Os preços sugeridos para os Wrangler são de R$ 259.990 (2p) e R$ 274.990 (4p).

Texto: André Deliberato, especial para o MinutoMotor

DUCATI BR: CRESCIMENTO, CONCESSIONÁRIA MODELO E NOVA SUPERESPORTIVA

DUCATI BR: CRESCIMENTO, CONCESSIONÁRIA MODELO E NOVA SUPERESPORTIVA

Enfim, a luz. Depois de um período de forte retração, o segmento de duas rodas está se recuperando de forma gradativa. Segundo dados da Fenabrave, que reúne os concessionários de todo o País, o setor teve crescimento de quase 18% no primeiro trimestre, comparado ao mesmo período de 2018. No acumulado do ano já foram vendidas quase 260 mil motos. Essa retomada de crescimento tem dado uma injeção de ânimo ao mundo corporativo, que não está poupando esforços para ampliar sua capilaridade. Bons exemplos não faltam!

A Triumph, por exemplo, abriu revendas em Várzea Grande (MT) e Fortaleza (CE), além da reinaugurar a Triple, que foi para o Distrito de Sousas, em Campinas (SP). A marca inglesa também prometeu cinco lançamentos para este ano. A Harley-Davidson deve ter mais uma revenda na região Sudeste, que também terá uma realocação. Tudo indica que a marca norte-americana reabrirá uma loja na região Nordeste. Em março, a Ducati inaugurou revenda em Campo Grande (MS), sua primeira concessionária integrada no modelo Audi-Ducati. É a décima loja da marca italiana no Brasil.

O novo formato inclui um espaço exclusivo de 100 metros quadrados para motocicletas com oficina e pátio. Já a área de showroom apresenta um novo modelo de exposição – as motocicletas estarão distribuídas pela concessionária ao lado dos carros da Audi -, numa sinergia entre os modelos de quatro e duas rodas.

Crescimento
Falando na “Ferrari das Motos”, 2019 começou acelerado. A marca italiana registrou o melhor trimestre desde o início da sua operação no País em 2012. Foram 297 unidades emplacadas impulsionando um crescimento de 26% da marca nos primeiros três meses do ano no comparativo com igual período de 2018.

“Este resultado inédito é reflexo do trabalho consistente realizado pela Ducati do Brasil nos últimos dois anos e meio. Sem dúvida a unidade brasileira está em seu melhor momento”, explica Diego Borghi, presidente da subsidiária no País. Segundo o executivo, além da consistência nas ações, “temos sido persistentes ao demonstrar que é possível conquistar mercado, melhorar a rentabilidade e aumentar a capilaridade no território brasileiro. Só para comparar, o mercado de duas rodas acima de 500 cm3 evoluiu apenas 4,3% nos primeiros três meses do ano”, afirma Borghi.

Panigale V4 R à venda
Para deixar os ducatistas, amantes da velocidade ainda mais animados, a marca confirmou a pré-venda da Panigale V 4 R. A nova superesportiva apresenta um novo motor Desmosedici Stradale R, de quatro cilindros, 998 cm3, que oferece 221 cv de potência máxima, distribuídos em apenas 172 quilos.

As encomendas da versão R, modelo mais potente e de maior desempenho já construído pela Ducati, serão feitas por meio dos concessionários. O preço da Panigale V4 R é de R$ 250 mil. Para fazer parte deste seleto grupo, o abonado piloto deverá pagar 20% do valor da moto (R$ 50 mil) já no ato da reserva.

EXCLUSIVO: ENTREVISTA COM ISSAO MIZOGUCHI, PRESIDENTE DA HONDA

Cada companhia enxerga o momento econômico – interno e global – de formas distintas. Enquanto a Ford fecha sua unidade em São Bernardo do Campo (SP), a Moto Honda da Amazônia anuncia um novo ciclo de investimentos em sua fábrica em Manaus (AM). A empresa prevê aportes na ordem de R$ 500 milhões até 2021. O objetivo é realizar uma completa transformação na cadeia produtiva: melhorias significativas em termos de logística, avanços tecnológicos, maior eficiência e, consequentemente, maior competitividade e aumento na produção. Detalhe: a Honda detém hoje quase 80% do share do mercado de duas rodas no Brasil, cuja produção nacional já superou 24 milhões de unidades, isso desde 1976 com a CG 125. É a Honda em sua incansável “metamorfose ambulante”! Tudo para melhorar processos e diminuir impactos ao meio ambiente.

Issao Mizoguchi, presidente da Honda; Wilson Lima, governador do Estado do Amazonas; e Alfredo de Menezes Júnior, superintendente da Suframa.

“Em 48 anos de Brasil, acompanhamos o amadurecimento deste mercado e, claro, do público consumidor que está cada vez mais exigente em quesitos como design, segurança, tecnologias amigáveis ao meio ambiente e preço. Assim, estamos fortalecendo a nossa eficiência no processo produtivo para continuarmos satisfazendo nossos consumidores e obtendo a competitividade internacional em um segmento cada vez mais concorrido e globalizado”, comenta Issao Mizoguchi, presidente da Honda South America.

A modernização da planta de Manaus – a maior da Honda no mundo em termos de produção verticalizada, já que fabrica 90% de todos os componentes utilizados em seus modelos – consiste na renovação de equipamentos, construção de novos, reposicionamento de linhas produtivas e melhoria dos postos de trabalho estão entre as ações que serão implementadas na fábrica nos próximos três anos com o objetivo de tornar a Moto Honda ainda mais eficiente.

Para se obter um fluxo produtivo mais interligado e com menor movimentação, algumas áreas da empresa serão realocadas. A iniciativa terá início com o agrupamento dos processos para a fabricação de motores, a partir da transferência da fundição, da usinagem, da pintura alumínio e da montagem dos motores para uma nova estrutura predial, inaugurando, assim, a fábrica de motores.

A primeira área a ser transferida será a fundição, cujo novo galpão já está construído e possui 13.852 mil metros quadrados. A partir do segundo semestre deste ano ocorrerá a transferência do processo de usinagem, também para um novo local, com 11.928 metros quadrados, que está em obras no momento.

Já a transferência da pintura alumínio e da nova montagem dos motores, que também ganharão novos prédios, deverá estar concluída até 2020. Da mesma forma, simultaneamente à fábrica de motores, será conduzida a modernização de toda a cadeia produtiva, incluindo a montagem de motos, a produção do chassi, a produção de peças plásticas, os processos de soldagem e pintura dos tanques, além dos departamentos de embalagem e expedição.

Diretoria da Honda – (Júlio Koga à dir) – , além do governador do Amazonas e o superintendente da Suframa

“Estamos engajados em tornar a Honda referência em produtividade. Esta iniciativa irá proporcionar maior flexibilidade e rapidez à nossa operação para superar cada dia mais as expectativas de nossos clientes”, explica Júlio Koga, vice-presidente Industrial da Moto Honda da Amazônia.

  • O jornalista Aldo Tizzani viajou para Manaus (AM) à convite da Honda 

TRIUMPH COMEMORA 25 MIL MOTOS E TERÁ SEIS LANÇAMENTOS EM 2019

“Hoje é dia de superação. Dia de comemorar um recorde histórico. Produzimos 25 mil motos em Manaus. Somos a subsidiária que mais cresceu no mundo. Para este ano projetamos um crescimento de 10% acompanhando, claro, o reaquecimento do mercado, isso em função do novo cenário econômico e político. Mas também fruto da força de expansão de nossa rede de concessionárias, pós-venda eficiente e no decorrer do ano traremos mais seis modelos ao País”, afirma Waldyr Ferreira, gerente geral da Triumph Brasil, durante solenidade na planta da marca na capital manauara, em 13 de fevereiro. Segundo o executivo, a meta para 2019 é fabricar cinco mil motos e encerrar o ano com 30 mil motos montadas e vendidas aqui. Número ambicioso, mas não impossível de se concretizar!

As novidades que o “big boss” se referiu à ampliação do número de revendas – com destaque para Vitória e Cuiabá e previsão de inauguração para Fortaleza e Salvador –, além do lançamento de vários modelos: Bobber Black, Speed Twin, a Scrambler 1200, nas versões XE e XC; e as atualizações da Street Twin e da Scrambler 900, que começam a desembarcar em nosso mercado a partir de abril. “Hoje, com a linha Tiger, somos líderes na categoria Trail de alta cilindrada. Queremos nos manter nesta posição e, vamos avançar com as clássicas modernas, segmento que temos uma belíssima gama de produtos”, conta Ferreira, dizendo que a moto número 25 mil montada em Manaus só poderia ter sido um Tiger 800 XCa.

Fábrica com alta produtividade

A linha já recebeu, desde sua inauguração, cerca de US$ 13 milhões em investimentos. Com uma estrutura modesta, mas altamente produtiva, a planta conta com 3.000 metros quadrados de área construída. No início desse trabalho a Triumph contava com apenas 19 funcionários. Hoje são 60 colaboradores diretos. A capacidade instalada da “Fábrica 6” é de 7 mil unidades/ano e atualmente monta cerca de 30 unidades/dia. Como a linha é totalmente flexível, os kits que chegam da Inglaterra e, principalmente da Tailândia, e correspondem a 21 modelos (cinco famílias) do line-up.

 

Os kits são recepcionados e as peças são separadas em dois carrinhos, que representam cada um dos lados da moto. Lá são acomodados tanque, painel, comandos e parafusos, muitos parafusos. Para não haver confusão na hora da inserção dos componentes tudo é dividido e identificado em bandejas . Organização do início ao fim do processo. O motor recebe atenção especial, já que é totalmente montado e testado no Brasil. Ao final da linha, todas as motos passam pelo dinamômetro e é feita uma checagem minuciosa na eletrônica e parte elétrica. A parte final do processo, a moto segue para o setor de que prepara a moto para seguir para as concessionárias. Ali, o modelo Triumph voltada para a mesma estrutura que chegou ao País. Tudo embalado, lacrado e com alto nível de sustentabilidade.

Só para se ter uma ideia, em 2012 a subsidiária brasileira havia produzido apenas 228 unidades e hoje há a previsão de montar 5 mil motos. Ou seja, a produção cresceu quase 22 vezes. Além da organização, o baixo turnover – 70% dos colaboradores têm mais de 5 anos de casa –, há um comprometimento de cada um dos funcionários para transformar kits em sonhos sobre duas rodas.

Com o crescimento acima da média do mercado e já pensando na “Indústria 4.0”, a Triumph já está preparada para mudar de endereço e ir para um espaço maior. “Com este novo cenário estamos estudando várias possibilidades. Mudar uma linha de produção requer organização e muito planejamento. A mudança demoraria cerca de três semanas”, afirma Leandro Oliveira, gerente da planta Triumph em Manaus.

No mundo, a marca tem mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários. A produção somada deve ficar pouco abaixo dos 67 mil motos por ano. O faturamento mundial gira em torno de R$ 2,1 bilhões e suas vendas no varejo giram na casa de 64 mil unidades anuais.

YAMAHA CROSSER 150 2019 GANHA FREIOS ABS DE SÉRIE

Depois da radical reformulação que Yamaha fez na XTZ 250 Lander ABS – com exceção do motor –, a marca dos três diapasões também resolveu dar um up grade tecnológico e estético na sua trail urbana de entrada. A Crosser 2019 é a primeira moto de sua categoria – on/off até 160cc – a estar equipada com freio ABS de série – na roda dianteira. Sua principal concorrente, a Honda NXR 160 Bros ESDD usa freios combinados (CBS). O ABS evita o travamento da roda dianteira em situações de emergência ou piso com baixa aderência. Além disso, o modelo ganhou freio a disco na roda traseira, que garante mais equilíbrio ao conjunto. Mas as mudanças no param por aí!

A Crosser 2019 traz agora um painel mais completo. Conta-giros analógico e visor LCD digital que apresentam múltiplas funções: velocímetro, hodômetro parcial e total, marcador de combustível, fuel trip e relógio. Em ambas as versões – “S” (para-lama é baixo, junto a roda, para uso no asfalto) e “Z”(paralama mais alto, mais aventureira) –, a Crosser é equipada com lampejador de farol alto. Há ainda indicador “Eco”, para uma pilotagem mais focada na economia de combustível e indicador de marchas, útil para o motociclista entrante.

Para se adaptar à altura do piloto, a Crosser traz guidão ajustável, que melhorou a ergonomia do motociclista. A Yamaha manteve o assento em dois níveis. Segundo a marca, a nova versão da Crosser aumentou a sensação de conforto com a adoção da suspensão traseira do tipo monocross com link, capaz de absorver melhor as imperfeições do piso. Para ajudar neste trabalho, a moto usa roda aro 19 polegadas na dianteira e 17 polegadas na traseira, calçadas com pneus de uso misto.

O motor é o bom e velho conhecido: Monocilíndrico arrefecido a ar, com exatos 149cm3 de capacidade, capaz de gerar 12,2 cv de a potência máxima quando abastecido com gasolina, e 12,4 cv com etanol. O modelo conta com fácil manutenção, baixo consumo e boa autonomia (taque de combustível com capacidade para 12 litros). 

A nova Crosser 2019 segue com três anos garantia e também faz parte do programa Revisão Preço Fixo da Yamaha. Estará disponível nas revendas já no início de março. A Crosser “S” tem o preço sugerido de R$ 12.390,00 (+ frete) e será vendida nas cores branco e preto. Já a versão “Z”, duas opções de cores: azul e preto. E valor de R$ 12.590,00 (+ frete).

NISSAN COMEMORA 300 MIL VEÍCULOS PRODUZIDOS EM RESENDE

NISSAN COMEMORA 300 MIL VEÍCULOS PRODUZIDOS EM RESENDE

A Nissan alcançou os 300 mil veículos produzidos no Complexo Industrial de Resende (RJ). Um Nissan Kicks foi o responsável pela marca histórica. Inaugurada em abril de 2014, a unidade do sul fluminense produz o crossover Nissan Kicks e os compactos March e Versa. Em setembro de 2017, cerca de três anos e meio após o início das operações, a fábrica chegou aos 150 mil carros produzidos. Para alcançar a marca histórica, a Nissan precisou de apenas 16 meses. As atividades na unidade vão desde a área de estamparia até as pistas de testes, passando pela chaparia, pintura, injeção de plásticos, montagem e inspeção de qualidade, além da fábrica de motores.

Mais que atender às demandas do mercado brasileiro e as necessidades do consumidor, o Complexo também é um importante centro de exportações para toda a América Latina. Veículos produzidos em Resende são exportadas para diferentes mercados, como Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Panamá, Peru, Paraguai e Uruguai. A fábrica de Resende é a primeira da Nissan na América Latina, operação que conta também desde julho de 2018 com a fábrica de picapes de Santa Isabel, em Córdoba, na Argentina, onde é produzida a Nissan Frontier.

“Seguimos um altíssimo padrão japonês de qualidade, e o esforço de todas as equipes se reflete no sucesso de nossa marca. Nossa fábrica é um dos pilares que sustentam o crescimento da Nissan na América Latina, e estamos cumprindo nossos objetivos. A marca de 300 mil carros produzidos reforça ainda mais o compromisso da Nissan com o país e com a região”, disse Sergio Casillas, vice-presidente de Operações de Manufatura da Nissan América Latina.

 

COM 58 RARIDADES, MUSEU DA HONDA ABRE SUAS PORTAS

Uma viagem pela história da motocicleta no Brasil. É essa a sensação que os amantes das duas rodas terão ao visitar o “Honda Fan Club”, museu que a marca reabriu suas portas no último dia 5 de janeiro na cidade de Indaiatuba (SP). Totalmente repaginado, o espaço fica no último piso do Centro Educacional de Trânsito Honda (CETH). O local apresenta uma linha do tempo com máquinas que contam história da evolução do veículos e traz várias curiosidades sobre os modelos Honda, que há mais de 40 anos fazem parte da vida dos brasileiros.

O museu conta com 58 motos, desde a CG 125 1976 – a popular CG ‘bolinha’ –, passando pela CB 400, a primeira grande moto do motociclista brasileiro; até a CBX 750F 1986 (a icônica ‘Sete Galo’). Há ainda outros destaques, como GL 1800 Goldwing Edição 40 anos e CBR 1000RR Fireblade Edição Comemorativa Marc Marquez, atual campeão mundial de Motovelocidade – MotoGP. Há espaço também para exemplares das categorias CUB, trail e street. Além de capacetes, campanhas publicitárias, macacões, fotos e até um poster assinado por c.

“O Honda Fan Club nasceu em 2013, como um museu particular da Honda e vem, ano a ano, agregando novos modelos, por meio dos quais pode-se contar a história das duas rodas no País. A empresa está presente em solo brasileiro há 47 anos e, ao longo deste período, desenvolveu diversos modelos que marcaram época e fizeram parte da vida de milhões de brasileiros. Assim, nada mais justo do que proporcionar a experiência de reviver e conhecer essa história aos motociclistas e admiradores da marca”, comenta Leonardo Almeida, Gerente dos Centros Educacionais de Trânsito Honda.

Leonardo diz que a Honda quer dar oportunidade para que mais pessoas conheçam o nosso museu. “Para o atendimento ao público, preparamos uma estrutura acessível e um ambiente especial alinhado com a história dos modelos em exposição. Ficaremos muito felizes com a visita de todos. Detalhe: as visitas são gratuitas e os visitantes serão atendidos por ordem de chegada. O local conta com acessibilidade. Para isso o prédio ganhou um elevador”.

Localizado nas dependências do CETH, que acabou de completar 20 anos de atividade – confira o vídeo abaixo -, o museu Honda Fan Club recebia visitas esporádicas de alunos dos treinamentos de pilotagem oferecidos pela unidade e convidados em eventos e ações da marca. Agora, os aficionados pela marca irão entrar em um túnel do tempo com boa estrutura e acessibilidade.

Serviço
Museu Honda Fan Club
Data: todos os sábados
Horário: das 09h às 17h
Local: Alameda Comendador Dr. Santoro Mirone, 1460 – Distrito Industrial João Narezzi, Indaiatuba – SP, 13347-300
Informações: (19) 3198-2615

 

TRIUMPH PROMOVE EVENTO DE TECNOLOGIA E LAZER DENTRO DO SENAI

TRIUMPH PROMOVE EVENTO DE TECNOLOGIA E LAZER DENTRO DO SENAI


Para comemorar sua bem-sucedida parceria de quatro anos com o Senai, a Triumph realizou o “Triumph Tech”, com foco em tecnologia, experiência de pilotagem dos modelos da marca e também lazer e diversão para toda a família. O evento aconteceu na unidade Conde José Vicente de Azevedo do Senai, instalada no bairro do Ipiranga (Rua Moreira de Godói, 226), em São Paulo (SP)

“Desde 2014, a Triumph já investiu cerca de R$ 700 mil nesta parceria com o Senai, com o objetivo de aprimorar e ampliar cada vez o treinamento técnico oferecido aos profissionais que atuam nas nossas 15 Concessionárias”, explica Waldyr Ferreira, General Manager da Triumph Brasil. Entre mecânicos, chefes de oficina, consultores de serviço e gestores de pós-venda, cerca de 310 especialistas já passaram por treinamentos realizados pela Triumph com apoio do Senai neste período, sempre buscando desenvolver nestes profissionais os conhecimentos sobre os produtos da marca inglesa.

“Optamos por trabalhar junto com o Senai devido à necessidade de criarmos um programa de cursos básicos e continuados de qualidade para atender a nossa rede. Nos diversos treinamentos disponíveis neste período, buscamos desenvolver as competências técnicas e comportamentais dos profissionais, proporcionando um conhecimento sólido sobre a marca”, afirma Cláudio Peruche, gerente de Pós-Vendas da Triumph. Atualmente, a empresa mantem no local quatro elevadores e 13 motocicletas para serem utilizadas nos vários cursos e treinamentos.

O evento reuniu mais de 800 pessoas