KAWASAKI VERSYS 1000 CHEGA 2010 CHEGA COM TECNOLOGIA “ATÉ O TALO”

KAWASAKI VERSYS 1000 CHEGA 2010 CHEGA COM TECNOLOGIA “ATÉ O TALO”

A Kawasaki não poupou esforços para deixar sua aventureira esportiva mais radical. Com soluções inovadoras em termos estéticos e, principalmente, no que diz respeito a tecnologia embarcada, a nova Versys 1000 2020 estará disponível nas versões Standard e Grand Tourer. Chega em julho com uma “lista telefônica” de causar inveja na concorrência. Preços entre R$ 55.490 e R$ 66.990 (frete não incluso).

A topo de linha, por exemplo, conta com Quick Shifter bidirecional – o motociclista pode subir e descer marchas sem o auxílio da embreagem –, painel TFT colorido, faróis auxiliares de curva (solução adotada na Triumph Tiger 1200) e suspensão eletrônica, que pode ser ajustada via aplicativo Rideology (já disponível para Android e Apple). Outra novidade é pintura regenerativa que possui uma camada de tinta especial, que permite que os arranhões mais leves se reparem por meio de uma reação química.

Modelo mais moderno em termos de tecnologia que a própria superesportiva H2, a nova Versys 1000 conta com um completo pacote eletrônico que oferece ao motociclista gerenciamento de curvas, controle de tração e os novos modos integrados de pilotagem que atuam em conjunto com a sistema de freios ABS. Confira as principais inovações da Versys 1000.

O que nos resta agora é aguardar, com ansiedade, uma unidade para test-ride e comprovar, na prática, toda a evolução do modelo em termos de segurança e desempenho.
Standard
• Válvula de aceleração eletrônica
• Acelerador eletrônico
• Modo de potência
• Piloto automático
• ABS inteligente
• Central inercial
• Gerenciamento de curvas
• Controle de tração
• Regulagem de manete de embreagem
• Iluminação de LED
• Painel LCD
• Embreagem assistida e deslizante
• Tampa do tanque sem parafusos aparentes
R$ 55.490 (frete não incluso)
Grand Tourer (versão topo ganhou mais tecnologia e acessórios)
• Quick Shifter para cima e para baixo
• Suspensão eletrônica
• Modos de pilotagem integrados
• Luzes de curva em LED
• Painel TFT
• Aquecedor de manoplas
• Bolha maior
• Protetor de mãos
• Top Case
• Malas laterais
• Luzes auxiliares
• Pintura de alta durabilidade
• Slider de suspensão
• Slider de quadro
• Aplicativo Rideology
R$ 66.990 (frete não incluso)

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS | KAWASAKI VERSYS 1000

DIMENSÕES STANDARD GRAND TOURER
Comprimento total 2.270 mm
Largura total 895 mm 950 mm
Altura total 1.465 mm 1.530 mm
Distância entre-eixos 1.520 mm
Altura do solo 150 mm
Altura do assento 820 mm
Peso (ordem de marcha) 253 kg 257 kg
Capacidade do tanque 21 litros
 
PERFORMANCE STANDARD GRAND TOURER
Potência máxima Torque máximo 120 cv a 9.000 rpm 10,4 kgƒ.m a 7.500 rpm
 
MOTOR STANDARD GRAND TOURER
Tipo Diâmetro x curso Deslocamento Taxa de compressão Alimentação   4 cilindros DOHC 77 x 56 mm 1.043 cm3 10,3:1 Injeção eletrônica (38 mm x 4)
 
TRANSMISSÃO STANDARD GRAND TOURER
Transmissão final Número de marchas Relação de marcha:    1ª                                       2ª                                       3ª                                       4ª                                       5ª                                       6ª
Relação de redução primária Relação de redução final
Corrente 6 velocidades 2,692 (35/13) 1,950 (39/20) 1,529 (26/17) 1,304 (30/23) 1,136 (25/22) 0,958 (23/24) 1,627 (83/51) 2,867 (43/15)
 
CHASSI STANDARD GRAND TOURER
Tipo Diamond
Suspensão:      Dianteira   Garfo telescópico invertido de 43 mm, com ajustes de retorno e pré-carga de mola Garfo telescópico invertido de 43 mm, compressão e retorno controlados pelo KECS, pré-carga de mola ajustável manualmente
                             Traseira Amortecedor a gás com reservatório externo, ajustável em retorno e pré-carga de mola Amortecedor a gás com reservatório externo, compressão e retorno controlados pelo KECS, pré-carga de mola ajustável eletronicamente
Curso:                 Dianteira 150 mm
                              Traseira 152 mm
Cáster 27°
Trail 106 mm
Ângulo de esterçamento (esq./dir.) 34°/34°  
Pneus:              Dianteiro   120/70ZR17M/C (58W)  
                            Traseiro 180/55ZR17M/C (73W)
Freios:              Dianteiro                            2 discos de 310 mm (diâmetro efetivo 276 mm),
Pinças monobloco de montagem radial com 4 pistões opostos
                            Traseiro Disco de 250 mm (diâmetro efetivo 216 mm)
Pinça de pistão único

FAZER 250 ABS 2020 É UMA BOA OPÇÃO DE COMPRA. SAIBA POR QUE!

FAZER 250 ABS 2020 É UMA BOA OPÇÃO DE COMPRA. SAIBA POR QUE!

Uma das motos mais bonitas e eficientes de sua categoria, a Yamaha Fazer 250 ABS ganhou uma nova opção de cor em sua versão 2020: vermelho metálico e custa R$ 15.790 (+ frete). Terceiro modelo mais vendido da categoria City, segundo dados de emplacamentos da Fenabrave, com 9.845 unidades entre janeiro e maio, a representante da Yamaha só perde para as Honda CG 160 (127.972) e para a CB 250F Twister (14.678), sua principal concorrente e que tem preço sugerido a partir de R$ 15.140. Mas será que o modelo é uma boa opção de compra?

Em 12 anos de mercado foram fabricadas mais de 300 mil unidades, por isso a Fazer 250 ABS 2020 pode ser um upgrade natural para que tem uma moto 125, 150 ou 160cc. Outros diferenciais: modelo tem garantia de 4 anos e plano de manutenção com preço fixo. Confira abaixo as principais características da Fazer 250 ABS:

Design
A escolha de sua próxima moto passa, certamente, pelo visual. A Fazer 250 2020 conta com um desenho bastante atual, diria até radical pelas linhas adotadas no tanque de combustível, entradas de ar e rabeta. 100% digital, o painel da Fazer 250 ABS é um dos mais completo de sua categoria. Destaque para os indicadores de consumo médio e instantâneo. O modelo usa ainda farol e lanterna traseira em LED.

Agilidade
Por ser ágil e muito prática, a Fazer é uma moto perfeita para dupla jornada, ou seja, rodar trechos urbanos no dia a dia e em viagens curtas nos finais de semana. O modelo se destaca pela ergonomia, conforto e facilidade na pilotagem. Isso se dá graças à redução do peso em 4 kg em relação à geração anterior, a centralização de massa, a geometria bem acertada e ciclística eficiente.

Freios ABS e disco em ambas as rodas
O sistema de freios é composto por disco simples de 282mm e uma pinça de duplo pistão na frente, e disco de 220mm e pinça dupla na traseira. Destaque para o sistema ABS como item de série. Ele impede o travamento das rodas em condições de baixa aderência (asfalto molhado ou sujo), e até mesmo em frenagens de emergência.

Motor e Economia
O monocilíndrico, de arrefecimento misto – uma vez que conta com o auxílio de um radiador de óleo – tem a capacidade de 249,5 cm³ e utiliza duas válvulas acionadas por comando simples no cabeçote. Com gasolina, a potência máxima da Fazer é de 21,3 cv e de 21,5 cv com etanol, ambos a 8.000 rpm. O torque é de 2,1 kgf.m, alcançado a 6.500 giros. O consumo é de mais de 30 km/l.

Garantia
Outra vantagem oferecida na compra de uma Fazer 250 ABS 0 km é a sua garantia de fábrica de 4 anos, a maior do mercado de duas rodas no Brasil. Só para comparar, a Honda dá para a 250 Twister 3 anos de garantia sem limite de quilometragem, mais óleo grátis em 7 revisões. A moto da Yamaha contará ainda com a Revisão Preço Fixo Yamaha. A primeira revisão acontece aos 1.000 Km, a segunda aos 5.000 Km e as demais a cada 5.000 km. Os preços do plano de manutenção variam entre R$ 104 a R$ 474, que pode ser pago em até seis vezes.

Cores e Preço
O modelo 2020 da Yamaha Fazer 250 ABS três opções de cores: azul metálico, vermelho metálico e preto sólido (Preto Eclipse). Preço sugerido de R$ 15.790,00 + frete.

VENDAS DE CONSÓRCIO CRESCEM 16,9% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE

Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC) divulgou pesquisa que mostra que no primeiro quadrimestre do ano, o Sistema de Consórcios contabilizou aumento de 16,9% nas vendas de novas cotas em relação ao mesmo período do ano passado. Saltou de 788 mil (jan-abr/2018) para 921,5 mil (jan-abr/2019), aproximando-se do primeiro milhão.

Os créditos concedidos aos contemplados, possivelmente injetados nos mercados dos diversos setores da cadeia produtiva os quais o consórcio está presente, indicaram aumento de 2,6% de janeiro a abril de 2019, chegando a 13,85 bilhões, reafirmando a relevância da modalidade no desenvolvimento econômico.

No acumulado dos quatro meses, os destaques foram as altas de vendas nos setores de serviços e de veículos pesados com 59,7% e 55,9%, respectivamente. Houve também evoluções positivas nos demais setores – veículos leves, motocicletas, eletroeletrônicos e imóveis.

No caso específico do segmento de duas rodas, O Consórcio Honda é hoje uma administradora referência no setor, com 73% da carteira de clientes ativos no mercado e mais de 33 mil contemplações todos os meses. A empresa já entregou mais de 6 milhões de motos por meio desta modalidade.

Em relação ao volume de vendas, no acumulado de janeiro a abril, houve um crescimento de 7,21%. Foram 250.736 cotas vendidas no primeiro quadrimestre desde ano, ante 233.880 no mesmo período de 2018. Na análise isolada do mês de abril, a comercialização cresceu 5,25% no último mês quando comparado com abril de 2018. Foram 60.414 novas cotas vendidas no último mês, ante 57.399 em abril do ano passado.

O Consórcio Honda comercializou 724.111 cotas no último ano, que representou 28,1% das vendas da Honda em 2018.

‘ROCK IN RIO’ SOBRE DUAS RODAS INICIA A VENDA DE INGRESSOS

Os aficionados por motociclismo já podem adquirir os ingressos para o Festival Duas Rodas, que acontecerá entre os dias 29 de agosto e 1º de setembro, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo (SP). As entradas estarão à venda a partir de R$ 55,00 e oferecerão uma vasta gama de experiências para o público

Espécie de Rock in Rio sobre Duas Rodas, o evento terá shows e lançamentos de motocicletas, até test-ride e apresentações de pilotos. Atrações como Flat Track, Motocross Freestyle e Wheeling também farão parte deste grande parque temático de motos. Os ingressos podem ser comprados através do site www.festivalduasrodas.com . O evento contará com a presença das principais montadoras do setor, como BMW, Dafra, Ducati, Harley-Davidson, Honda, Kawasaki, KTM, Triumph e Yamaha.

Além de uma programação voltada ao mundo de duas rodas, o público poderá curtir shows exclusivos que vão agitar e animar ainda mais o evento. No sábado, quem comanda o som é a banda Capital Inicial, que apresentará grandes sucessos de sua carreira e novas canções que fazem parte do novo álbum “Sonora”.

Já no domingo, o Call The Police, formado pelo guitarrista Andy Summers, do The Police, o baterista João Barone, dos Paralamas do Sucesso, e o baixista Rodrigo Santos, ex-Barão Vermelho, embala a galera com sucessos e hits como “So Lonely”, “Every Breath You Take”, “Roxanne” e “Message in a Bottle”, encerrando o Festival com chave de ouro.

INFORMAÇÕES SOBRE INGRESSOS:
· Street Pass: acesso para toda a área de exposição + pista de mobilidade urbana + estacionamento gratuito para moto
Dia/avulso – R$ 55,00 inteira / R$ 27,50 meia-entrada
Combo 4 dias Inteira – R$ 176,00 (20% de desconto)
Combo 4 dias Meia – Conforme a Lei federal 12.933/2013, que dispõe sobre a meia-entrada, o benefício não será cumulativo com quaisquer outras promoções.
Combo 3 dias Inteira – R$ 148,50 (10% de desconto)
Combo 3 dias Meia – Conforme a Lei federal 12.933/2013, que dispõe sobre a meia-entrada, o benefício não será cumulativo com quaisquer outras promoções.

· Show Pass: acesso para toda a área de exposição + pista de mobilidade urbana + acesso para show noturno + estacionamento gratuito para moto
Dia/Avulso – R$ 98,00 inteira / R$ 49,00 meia-entrada
Combo 2 dias Inteira – R$ 176,40 (10% de desconto)
Combo 2 dias Meia – Conforme a Lei federal 12.933/2013, que dispõe sobre a meia-entrada, o benefício não será cumulativo com quaisquer outras promoções.

· Ride Pass: direito ao test-ride em todas as pistas + acesso para toda a área de exposição + acesso para show noturno + estacionamento gratuito para moto.
Valor único – R$ 395,00

· Training Pass: curso de pilotagem com Leandro Mello + direito ao test-ride em todas as pistas + acesso para toda a área de exposição + acesso para show noturno + estacionamento gratuito para moto.
Valor único – R$ 980,00

Classifcação: Livre*
*Menor de 16 anos: acompanhado dos pais ou responsável legal
16 anos em diante: permitida a entrada desacompanhado

Até 10 anos – entrada gratuita
De 11 a 17 anos – necessária a apresentação do ingresso (meia-entrada)

SEGURO DA MOTO CUSTA MENOS DO VOCÊ IMAGINA

Ter uma motocicleta na garagem significa ir e voltar de qualquer lugar, gastando pouco e ainda se divertindo. Quem já desfruta dessa situação não consegue viver sem a sua moto, não é verdade? Porém, existe uma situação bem delicada que não podemos deixar de falar: o risco de roubo.
Infelizmente, somente na cidade de São Paulo, são furtadas mais de 35 motos por dia. Mas esse é um problema que aflige até quem não tem moto. Celulares, relógios, mochilas e cachorros também são roubados.

Uma solução legal, no caso dos veículos – inclusive a moto – é o seguro específico para roubo e furto. Segundo Robson Tricarico – Diretor Comercial da Suhai Seguradora (abaixo), esse tipo de seguro não é tão caro e chega a ser até 80% mais barato que um seguro completo, dependendo do caso.

Quanto custa?
Para saber quanto custa o seguro, fizemos uma cotação de seguro para o estudante Gustavo Bonami (abaixo), morador de Atibaia (SP). Ele tem uma Yamaha Fazer 150 SED, ano 2014, que usa diariamente para ir ao trabalho e também para a faculdade, no período noturno.

A moto do Gustavo vale R$ 6.906,00 pela tabela FIPE (que é usada para calcular os preços de veículos usados). O custo do seguro por um ano de seu moto foi orçado pela Suhai em R$ 642,67 e o valor pode ser pago em até três vezes sem juros, ou 12 parcelas de R$ 69,06. Em caso da moto do Gustavo ser roubada ou furtada ele receberia R$ 6.560,00 que é 95% do valor de tabela.

Seguro completo
Outra possibilidade é fazer um seguro completo. Que dá direito ao conserto da moto em caso de queda, paga despesas médicas e até os custos para arrumar outro veículo – caso o piloto da moto seja o culpado pelo acidente.

Para fazer um seguro desse tipo, pela Porto Seguro, por exemplo, o Gustavo teria que pagar R$ 989,50 a vista ou 11 parcelas de R$ 122,00. Fora isso, essa modalidade de seguro ainda cobra uma franquia em caso de despesas para consertar a moto ou outro veículo.

Como vimos o preço varia bastante, mas seja qual for a opção, ter um seguro é fundamental para rodar mais tranquilo. Pois em caso de furto ou roubo, as autoridades recomendam nunca reagir, mesmo que seja para defender sua tão amada motocicleta.

Texto: Cicero Lima, especial para o MinutoMotor

SEIS MITOS E VERDADES PARA QUEM PRECISA VENDER UM CARRO USADO

O mercado de usados está aquecido. A cada veículo novo emplacado, quatro seminovos trocam de mãos. Só nos primeiros quatro meses de 2019 quase três milhões de carros mudaram de donos. Mas vender um automóvel não é uma tarefa tão fácil assim. Afinal, há muitos mitos propagados sobre o setor. Questões como a quantidade de proprietários e o período de venda, por exemplo, ainda exercem peso considerável sobre o valor praticado pelas pessoas. Portanto, antes de colocar seu automóvel à venda, pesquise e planeje bastante para conseguir uma negociação rápida e segura. Para nos ajudar nesta missão contamos com o apoio da InstaCarro, uma startup de compra e vendas de carros. Confira os principais mitos e verdades que rondam o mercado de usados:

Veículos brancos, pretos e pratas têm revenda mais fácil
É uma verdade. Os modelos dessas cores são mais “comercializáveis” por conta da grande procura. Além disso, costumam ser padronizadas, ou seja, não apresentam grandes variações – outro ponto que ajuda quem tem essas preferências. Em contrapartida, o verde e o azul são ótimos exemplos de cores que apresentam variação significativa, o que faz com que muitos compradores tenham resistência a essas colorações.

Carros que tiveram um único dono são mais valorizados
É um mito bastante difundido atualmente. O número de donos não é importante, mas sim o cuidado que ele (ou eles) tiveram com o veículo. A maneira de dirigir, a manutenção e outras iniciativas preventivas podem fazer com que o carro de um único proprietário tenha uma conservação pior do que aquele que já passou em várias mãos. Portanto, na hora de anunciar seu automóvel, divulgue, principalmente, os detalhes sobre como ele foi cuidado, revisões, quilometragem, etc.

A quilometragem é muito importante
Verdade! Analisar e divulgar a quilometragem do veículo é um ponto muito importante para uma venda. Entretanto, um índice menor nem sempre representa as melhores opções – afinal, o carro pode ter ficado parado por muito tempo, não recebendo todas as manutenções necessárias. Então, para não sofrer com desconfiança, anuncie a quilometragem, mas dê informações complementares para ajudar em uma decisão mais criteriosa.

Reparar a lataria é positivo na hora de vender o carro
Esse é um mito que muitos acreditam. O custo de reparos e consertos depende da qualidade do serviço, do gasto envolvido para o proprietário atual e da percepção de valor para o novo proprietário. Em muitos casos, o dono do veículo não tem tanto conhecimento técnico sobre peças e pinturas e pode gastar com algo que não ficará de acordo com o gosto e a experiência do potencial comprador – e que, por sua vez, vai descontar do valor da oferta final. Além disso, dependendo do tipo de reparo visual, pode ser que a inspeção do estado de uma peça mais estrutural seja comprometida, permitindo questionamentos se há ocultação de um problema mais grave no carro e, dessa forma, depreciando o valor de venda.

Blindagens e modificações reduzem o valor na revenda
Sim, é verdade. Muitas pessoas gostam de realizar modificações em seus veículos para deixá-los com um toque personalizado e especial, como capôs, pintura e para-choques. Contudo, essa prática impacta diretamente no preço na hora de tentar vendê-lo. Quanto mais distante um veículo estiver do desenho original, mais difícil será encontrar uma pessoa interessada e, com isso, o valor tende a cair. O mesmo vale para blindagens. O custo para instalação e manutenção não é revertido na revenda e o prejuízo fica com o proprietário.

Vale mais vender o carro por conta própria
Um mito bem comum no setor automotivo. As pessoas têm a sensação de que precisam desembolsar uma quantia considerável para que uma empresa faça a venda por eles. Isso pode até ser verdade em alguns casos, mas hoje existem opções seguras, rápidas e eficientes. Os usuários podem, por exemplo, utilizar plataformas online e vários outros meios oferecidos pelas empresas do setor.

APTIV ABRE SUAS PORTAS PARA O FUTURO DA ELETRIFICAÇÃO

A Aptiv, empresa de tecnologia global que fornece arquitetura veicular para praticamente para todas marcas de veículos ao redor do mundo, inaugurou sua nova fábrica em Espírito Santo do Pinhal, que fica a 200 Km de São Paulo. Com um investimento total de R$ 30 milhões, a nova instalação visa atender às necessidades dos clientes com modernos sistemas de distribuição eletroeletrônicos, principalmente chicotes elétricos.

Mas a Aptiv já está pensando na ampliação de sua nova casa – em 3.000 metros quadrados, já nos próximos três anos. Além disso, a empresa está investindo mais R$ 5 milhões em sua unidade de Conceição do Ouro (MG), duplicando a operação e contratando mais 300 colaboradores até o final do ano.

Com a produção de 30 mil chicotes elétricos/dia, “a empresa usou sua nova base em Pinhal como portal para negócios mais ambiciosos ligados à eletrificação e a projetos de veículos autônomos, que exigirão sistemas cada vez mais complexos e que possam administrar melhor a corrente elétrica e os problemas eletromagnéticos nos automóveis, reduzindo as atuais interferências”, observa Alejandro Quiroz, presidente da Aptiv para a América Latina.

Alejandro Quiroz e Eric Carneiro, executivos da Aptiv

Já Eric Carneiro, vice-presidente e diretor executivo da Aptiv para a América do Sul, acredita na evolução do mercado automotivo e também nos novos rumos da indústria mundial, que passa pela eletrificação e carros autônomos. “Aqui em Pinhal serão feitos estes novos e modernos chicotes. O veículo autônomo é parte de um macrossistema que oferecerá uma maior segurança ao ser humano e, nós, da Aptiv, temos que estarmos prontos para esta nova revolução tecnológica”, explica Carneiro.

Crescimento do segmento
Bastante motivado, o vice-presidente e diretor executivo da Aptiv aposta que a retomada de crescimento do setor automobilístico acontecerá no segundo semestre. A previsão de crescimento da empresa no mercado mundial em 2019 deve girar na casa dos 3%. Ou seja, em seis, sete anos, a receita global deve pular de US$ 14 bilhões para US$ 20 bilhões.

Já em Pinhal, com adequação da produção, aumento do número de colaboradores e, obviamente, a ampliação de produção para antigos clientes (VW) e chegada de novos projetos (Toyota e FCA), o faturamento desta unidade deve girar entre 10 e 15%.

Segundo o executivo, “em breve teremos carros de última geração fabricados nos Estados Unidos e Europa – em especial franceses e alemães – com peças produzidas aqui em Espírito Santo do Pinhal. Nossa meta é sermos líderes neste tipo de tecnologia embarcada”, conclui, eufórico, Eric Carneiro.

Os números da Aptiv
Espírito Santo do Pinhal
Área Total – 68 mil m² – duas vezes maior do que a antiga unidade
Área construída – 18.600 m²
Área fabril – 14 mil m²
Área para expansão – 3 mil m²
Total de funcionários – 1.300 colaboradores (60% mulheres e 40% homens, já que a produção conta com a maioria dos processos manuais)
Fornecedores – 208
Itens – 3.525 (36% de produtos importados, 64% fornecedor local)
No Brasil
Número de fábricas – 5
Total de colaboradores – 5 mil

BIZ, POP, PCX, NMAX E ELITE, OS ‘QUERIDINHOS’ DA MOBILIDADE URBANA

Analisando os dados de emplacamentos divulgados pela Fenabrave – entidade que reúne os distribuidores de veículos –, o MinutoMotor listou cinco modelos, entre CUBs e scooters, que são os queridinhos da mobilidade urbana no Brasil. São fáceis de pilotar, econômicos e tem preços sugeridos que variam R$ 5.790 até R$ 12.390. Os eleitos são a solução de muita gente que não aguenta mais a ineficiência do transporte público, dos congestionamentos, enfim, do estresse no trânsito, principalmente nos grandes centros. Estes modelos de duas rodas são ágeis no deslocamento e oferecer boa economia de tempo e também de dinheiro. Confira abaixo os preços e suas principais características:

Honda Biz – A partir de R$ 7.828
Segunda moto mais vendida no País – só perde para a Honda CG 160 –, a Biz é um veículo genuinamente brasileiro. Para ganhar espaço sob o generoso assento, a pequena CUB ganhou uma roda traseira menos, de 14 polegadas. Hoje, a Honda comercializa duas versões da Biz: 110 e 125cc, ambas equipadas com motores injetados e câmbio rotativo de quatro velocidades. Não há manete para acionamento da embreagem. Há mais de 20 anos no mercado, a Biz tem mais de 40% de seus compradores do sexo feminino e roda cerca de 50 km/l. Nos primeiros quatro meses do ano já foram vendidas 52.419 unidades da Honda Biz

Honda Pop 110i – R$ 5.790
Modelo Honda mais barato vendido no País, a Pop 110i recebeu uma importante melhoria para 2019: freios combinados. Ou seja, quando o motociclista aciona o pedal do freio traseiro, parte quando o motociclista aciona o pedal de freio traseiro parte desta força aplicada vai para o freio dianteiro. O sistema pode salvar a vida dos menos experientes, já que mesmo sem a intenção, o freio dianteiro é acionado. Apesar do visual espartano, a Pop é bem “espertinha” no trânsito, isso em função da potência (7,9 cv) e torque (0,90 kgf.m) de seu pequeno motor de 110 cm³ de capacidade. Faz cerca de 50 km com um litro de gasolina. De janeiro a abril, 33.986 unidades da Pop foram vendidas em todo o Brasil.

Honda PCX 150 – A partir de R$ 11.620
Líder da categoria, o scooter PCX 150 passou por uma completa reformulação. O design foi revigorado, com linhas mais esportivas; ganhou iluminação de LED; o motor agora oferece uma maior eficiência energética e baixos níveis de emissão de poluentes. Traz a facilidade da transmissão automática continuamente variável CVT. É só ligar e acelerar! Para maior comodidade do piloto, o porta-luvas no escudo frontal ficou maior e conta com tomada 12V para carregar um smartphone. Além disso, o PCX ganhou nova suspensão traseira e mais espaço sob o assento (28 litros). O modelo chega a sua terceira geração com três diferentes versões: de entrada, com freios combinados; DLX e Sport, com freios ABS e disco de freio na roda traseira. Nos primeiros quatro meses do ano já foram vendidas 8.768 unidades.

Yamaha NMax 160 ABS – R$ 12.390
O modelo da Yamaha traz um belo conjunto estético, aliado a uma eficiente ciclística – destaque para freios à disco com ABS nas duas rodas – e motor injetado de 160cc (15,1 cv a 8.000 rpm de potência máxima e torque máximo de 1,47 kgf a 6.000 rpm). A facilidade na condução também vem da transmissão automática CVT e rodas aro 13 polegadas. A autonomia é de 200 quilômetros, ou seja, chega a rodar cerca de 40 km com um litro de gasolina. Com painel 100% digital, iluminação de LED e porta objetos com capacidade de 25 litros sob o assento, o scooter mais vendido da Yamaha é o produto mais caro entre os “queridinhos” da mobilidade urbana. De janeiro a abril, 4.747 unidades do NMax foram comercializadas em todo o território nacional.

Honda Elite 125 – R$ 8.500
O Elite 125 tem tudo para ser uma nova referência de mobilidade urbana sobre duas rodas. Traz boa dose de tecnologia, modernidade e design, aliado ao motor injetado e transmissão automática. Para maior segurança e conforto, o scooter da Honda está equipado com freio combinados, painel LCD, iluminação frontal por LED, porta-capacete sob o assento (20 litros), além de piso plano. Traz pneus de perfil mais alto, se comparado com seu antecessor, o Lead. Vai colaborar com o conforto, já que terá como absorver melhor as imperfeições do piso. Faz cerca de 50 km/l. Nos primeiros quatro meses do ano já foram vendidas 4.742 unidades do Elite.

KWID OUTSIDER: O SUV COMPACTO DA RENAULT ESTÁ MAIS DESCOLADO

KWID OUTSIDER: O SUV COMPACTO DA RENAULT ESTÁ MAIS DESCOLADO

A Renault lança o Kwid Outsider, a versão mais descolada e aventureira de seu compacto SUV. O veículo apresenta novidades em design e conectividade. A versão traz de série a nova central multimídia de 7 polegadas (Media Evolution), única do segmento com tecnologia Android Auto e Apple Carplay, que permite usar Spotify, Waze, Google Maps (Android Auto) e reproduzir áudios de Whatsapp na tela touchscreen capacitiva. O Kwid Outsider também recebeu skis frontal e traseiro, barras de teto, proteção lateral, moldura do farol de neblina e calotas na cor preta. Já o interior do veículo apresenta novo revestimento dos bancos com detalhes alaranjados nas portas, volante e câmbio. O Kwid Outsider chega ao mercado brasileiro por R$ 43.990.

Linha Kwid
Com a chegada da versão Outsider, a linha Kwid agora apresenta quatro versões de acabamento: Life, Zen, Intense e Outsider, nas opções de cores Orange Ocre, Branco Marfim, Vermelho Fogo, Branco Neige, Prata Étoile e Preto Nacré. Confira abaixo as os principais itens de série de todas as versões da linha Kwid.

Versão Outsider – R$ 43.990
Barras de teto, skis frontal e traseiro, moldura do farol de neblina, proteção lateral, retrovisores elétricos, calotas na cor preta, detalhes em laranja no volante, câmbio, portas e bancos. Media Evolution com Android Auto, Apple Carplay e câmera de ré, abertura elétrica do porta-malas, rodas Flexwheel e chave dobrável.

Versão Intense – R$ 41.890
Retrovisores elétricos, faróis de neblina cromados, Media Evolution com Android Auto, Apple Carplay e câmera de ré, abertura elétrica do porta-malas, rodas Flexwheel e chave dobrável. Além de diferentes detalhes de acabamento externo e interno.

Versão Zen – R$ 38.790
Direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos, rádio com Bluetooth e entradas USB e AUX.

Versão Life – R$ 33.290
Principais itens de série: rodas 14”, dois airbags laterais, dois airbags frontais, dois Isofix, predisposição para rádio e indicadores de troca de marcha e de condução.

Os diferenciais do SUV
O Kwid é o único veículo do segmento a trazer de série quatro airbags, sendo dois laterais e dois frontais, em todas as versões. São de série também duas fixações Isofix para cadeirinhas infantis e alertas visual e sonoro, além do pré-tensionador dos cintos de segurança dianteiros.
Com 2.423 mm de entre-eixos, o Kwid garante aos ocupantes um excelente espaço interno. No interior do veículo o ocupante do banco traseiro tem o maior espaço para os joelhos do segmento. O mesmo ocorre com o compartimento de bagagem, que acomoda 290 litros e é o maior da categoria. Com banco rebatível chega até 1.100 litros.

Principais características
O Kwid foi primeiro SUV compacto urbano lançado no Brasil. O veículo se destaca pela maior altura do solo (180 mm) da categoria e os ângulos de entrada (24°) e de saída (40°) dignos do segmento SUV.

A linha Kwid está equipada com o motor 1.0 SCe (Smart Control Efficiency) com três cilindros, 12 válvulas, duplo comando de válvulas (DOHC) e bloco em alumínio. A transmissão é manual de cinco marchas. Abastecido com etanol, rende 70 cv de potência a 5.500 rpm e torque de 9,8 kgfm a 4.250 rpm. Com gasolina, são 66 cv a 5.500 rpm e 9,4 kgfm a 4.250 rpm.

Veículo mais econômico do segmento no uso misto, segundo a Renault, o Kwid Outsider faz 14,1 km/l com gasolina e 9,6 km/l com etanol. Na estrada, 14,4 km/l com gasolina e 10 km/l com etanol. No uso urbano, os números são 13,8 km/l com gasolina e 9,8 km/l com etanol.

LÍDER ENTRE OS SUVs, JEEP RENEGADE REEDITA O PACOTE NIGHT EAGLE

LÍDER ENTRE OS SUVs, JEEP RENEGADE REEDITA O PACOTE NIGHT EAGLE

A Jeep retomou o pacote Night Eagle para o Renegade Sport Flex A/T. A versão mais recheada de equipamentos conta agora central multimídia Uconnect de 7” polegadas (tela igual à do Compass Sport) – compatível com Android Auto e Apple CarPlay -, ar-condicionado dual zone e sensores traseiros de estacionamento. O preço sugerido do Renegade Night Eagle é de R$ 92.020 (R$ 85.990 da versão Sport automática básica, mais R$ 4.500 do kit e a adição de mais R$ 1.530 pela pintura metálica: Cinza Antique, Prata Billet e Preto Carbon. )

Na parte visual, o utilitário esportivo adotou pintura preta nas rodas de liga leve aro 17” (de acabamento brilhante), teto, laterais acima das portas e logotipos. Por dentro, o tema “all-black” continua dando o tom em todas as molduras (aros do volante multifuncional, saídas de ar, alto-falantes e base da alavanca de câmbio).

Segundo dados da Fenabrave, entre janeiro a abril já foram
emplacamentos exatas 21.383 unidades do líder Renegade, 3.499 a mais do que o segundo colocado, o Jeep Compass (campeão de vendas em 2017 e 2018). Os dois somados representam 24% do segmento, praticamente um quarto do total de vendas da categoria.