SCOOTER PCX 2019 CHEGA MAIS TECNOLÓGICO E PARTE DE R$ 11.620

Sucesso absoluto de vendas no Brasil – 133 mil unidades entre abril de 2013 e janeiro de 2019 – o scooter Honda PCX 150 chega a sua terceira geração com várias novidades e três diferentes versões: de entrada, DLX e Sport, mas preservando suas principais características: economia de combustível, facilidade de pilotagem e praticidade. O PCX 150 de entrada será oferecida nas cores prata metálico e azul perolizado e preço de R$ 11.620. A DLX estará disponível na cor branco perolizado, banco creme e com preço valor de R$ 12.990. Já versão Sport será fabricada na cor prata metálico, com assento em vermelho e preço tambpem de R$ 12.990. Confira abaixo aos destaques da versão 2019 do scooter mais vendido do País:

• Design renovado, com linhas mais angulosas, esportivas
• Novo conjunto ótico com a adoção de iluminação por LED e a presença do DRL (Daytime Running Light) ou luzes de rodagem diurna. A lanterna traseira, também é iluminada por LED
• Painel 100% digital e multifuncional

Smart Key System de chave presencial e freios ABS para as versões DLX e Sport
• Disco de freio na roda traseira para as versões DLX e Sport
• Freios CBS (Combined Brake System), com a utilização de disco e tambor na versão de entrada
• Assento redesenhado visando maior nível de conforto do piloto
• Porta-luvas no escudo frontal ficou maior e tem tomada 12V

• Nova suspensão traseira. O par de amortecedores tem nova calibragem da parte hidráulica e conta com três estágios de regulagem na tensão da mola
• Pneus mais largos. 100/80-14 na dianteira e 120/70-14 na traseira (anteriormente 90/90-14 e 100/90-14)
• Capacidade sob o assento cresceu em 1 litro. Agora são 28 litros para transportar carga, o que dá para guardar um capacete fechado

• Todas as três versões compartilham o mesmo motor de 149,3 cm3, monocilíndrico OHC (Over Head Camshaft), 4 tempos, com injeção eletrônica PGM-FI (Programmed Fuel Injection), a gasolina, arrefecido a líquido e com transmissão automática continuamente variável CVT (V-Matic). A potência máxima é de 13,2 cv a 8.500 rpm e torque máximo de 1,38 kgf.m a 5.000 rpm.

• O tanque de combustível de 8 litros dá ao PCX uma autonomia de cerca de 380 km – segundo dados aferidos ao Instituto de Pesquisas Mauá, com consumo urbano médio de 47,5 km/l.

Os preços divulgados são base Estado de São Paulo. A garantia do scooter Honda é de três anos, sem limite de quilometragem além de sete trocas de óleo gratuitas na rede de concessionárias da marca.

 

PORQUE USAR LUVAS É TÃO IMPORTANTE AO PILOTAR UMA MOTO?

PORQUE USAR LUVAS É TÃO IMPORTANTE AO PILOTAR UMA MOTO?

Depois do capacete – item de segurança obrigatório em todo território nacional –, a luva é um equipamento de segurança indispensável para o motociclista. Ignorada muitas vezes pela maioria dos pilotos, as luvas protegem as mãos (ossos, músculos e pele) de impactos e dilacerações, como também do frio, do sol, de pedriscos e de insetos. 

A mão é uma das ferramentas mais precisas do corpo humano. Usamos tal membro todos os dias para inúmeras tarefas: abrir uma porta, teclar uma mensagem, indicar um caminho ou acenar para um amigo. Elas também são fundamentais para a condução da motocicleta: acionar embreagem, freio, acelerador e, claro, segurar o guidão. 

Quando o motociclista cai da moto, instintivamente ele projeta as mãos à frente e é ai que o membro sofre danos – fraturas, escoriações ou, em casos extremos, a amputação. Ou seja, se o motociclista não estiver com uma luva de qualidade – de preferência de couro – as sequelas podem ser irreversíveis.

Em alguns casos o motociclista perderá o tato e até os movimentos dos dedos. Ou seja, sem este movimente ficará impossível pilotar uma motocicleta novamente, já que não haverá como engatar marchas ou frear o veículo.

A mão é bastante delicada e flexível. Por isso perder a pele que a reveste poderá comprometer muito os movimentos. Por isso use luvas, sempre. O equipamento de segurança pode ser a diferença entre o motociclista capaz de pilotar ou uma aposentadoria precoce. Por isso invista em sua segurança. Use luvas!!! É o MunitoMotor na campanha de incentivo ao uso de equipamentos de segurança por parte dos motociclistas. 

FORD USA REALIDADE VIRTUAL 3D PARA CRIAR CARROS

FORD USA REALIDADE VIRTUAL 3D PARA CRIAR CARROS

Revolução na indústria automobilística. A Ford é a primeira montadora a usar o Gravity Sketch, nova ferramenta de realidade virtual 3D que permite projetar carros por meio de gestos, com rastreadores de movimento e óculos especiais, sem precisar passar pela fase de esboço em caneta e papel. Além de revolucionar o trabalho dos estúdios de design, a novidade reduz drasticamente o tempo de desenvolvimento dos veículos. “Poder enxergar todos os ângulos do veículo em 360 graus enquanto ele está sendo desenhado realmente libera a criatividade e reforça a nossa proposta de centrar o design no cliente desde o início de cada projeto”, diz Michael Smith, gerente de design da Ford nos EUA.

O design tradicional de automóveis começa com um esboço 2D, que é digitalizado para produzir uma imagem de alta qualidade. Depois, ele é transformado em modelo 3D por um software de design auxiliado por computador (CAD). Esse modelo então é transferido a um ambiente de realidade virtual para análise da viabilidade. Como isso pode levar semanas, os designers selecionam com muito cuidado os projetos que chegam ao estágio de modelagem 3D.

Com o Gravity Sketch todo o processo é feito em questão de horas, usando desde o início um modelo 3D que permite pular o estágio 2D. Os projetistas podem criar o veículo em torno do motorista, girando e visualizando o design 3D em qualquer ângulo e tamanho, e entrar no esboço para ajustar seus detalhes internos. “Essa colaboração com os designers da Ford nos permitiu mergulhar no seu processo criativo e descobrir modos de ajustar o aplicativo para melhor atender às suas necessidades”, diz Oluwaseyi Sosanya, CEO e um dos fundadores da Gravity Sketch.

A introdução do Gravity Sketch em todos os estúdios globais de design da Ford vai agilizar o fluxo de trabalho e também gerar mais oportunidades de colaboração em tempo real entre os times. “Essa ferramenta leva todo o processo para o mundo da realidade virtual. Com ela podemos analisar mais opções de projeto, em menor tempo, e criar melhores veículos para nossos clientes”, completa Smith.

TEST-DRIVE: FIAT TORO 4X4 DIESEL TEM TORQUE E CONFORTO

Uma marca criadora de tendências. Quando a Fiat lançou a Palio Weekend Adventure no Brasil, em 1999, a montadora estava apostando num segmento que ainda não existia, a de veículos com apelo aventureiro, mas não necessariamente com aptidões “mecânicas” para enfrentar o off-road. Deu certo! Com o Toro, não foi diferente. Lançado em 2017, o SUP (Sport Utility Pick-up), definição da fabricante para veículo com características de utilitário com caçamba e capacidade de uma picape; tem como diferencial atributos fora de estrada, como tração 4×4. Novamente, deu certo. Líder no segmento desde o seu lançamento, com 58 mil unidades vendidas somente em 2018 segundo a Fenabrave, MinutoMotor avaliou a versão Freedom 2.0 AT9 4×4 Diesel, que custa R$ 133.990.

Num trajeto de aproximadamente 600 quilômetros, com trechos sinuosos entre Bragança Paulista e Serra Negra, em São Paulo, foi possível avaliar as principais qualidades do Toro, como posição de dirigir confortável e o ideal peso da direção elétrica (leve para manobras na cidade e com boa comunicação em velocidades mais altas) e uma suspensão independente nas quatro rodas que garantiu boas respostas em curvas e também na absorção de buracos.

Com motor a diesel, o Toro tem força de sobra mesmo considerando o peso do veículo, afinal, são 35,7 kgf.m e torque a 1.750 rpm. Temos um ligeiro turbo lag, comum nos motores a diesel, mas é bem melhor que a versão flex. Para quem quer utilizar em terrenos mais acidentados, basta acionar no controle central o botão giratório que permite selecionar os modos auto (uso normal), 4WD (que tava a tração com distribuição igual entre os eixos) e a reduzida (para trechos mais acidentados).

Já o câmbio automático não tem trocas tão suaves, dando alguns trancos principalmente em baixas rotações. Quem optar por fazer as trocas pelas borboletas (Paddle Shift), vai perceber uma leve demora para subir e, em algumas situações, as reduções são ignoradas.

Internamente, o Toro tem amplo espaço para quatro ocupantes, inclusive pessoas com mais de 1,70 m nos bancos traseiros. Os assentos são confortáveis e revestidos em couro. Mas o modelo deixa a desejar com relação a central multimídia, aquém ao preço cobrado e conectividade oferecida por outros equipamentos até mesmo da própria FCA.

+ GOSTAMOS: Dirigibilidade, conforto, espaço interno, motorização, direção e suspensão

– NÃO GOSTAMOS: Central Multimídia e câmbio

 

Texto e Fotos: Fernando Eduardo, especial para o MinutoMotor

FIAT TORO FREEDOM 4X4 DIESEL
Ficha técnica

Motor: Turbo e intercooler, diesel, quatro cilindros, dianteiro, transversal, 1.956 cm³ de cilindrada

Potência: 170 cv a 3.750 rpm 

Torque: 35,7 kgf.m a 1.750 rpm

Câmbio: Automático de 9 marchas e tração 4×4 automática

Direção: Elétrica

Suspensão: Independente McPherson na dianteira e multilink na traseira

Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, ABS

Rodas e Pneus: Alumínio aro 17” com pneus 225/65 R 17

Comprimento: 4,91 m

Largura: 1,84 m

Altura: 1,74 m

Entre-eixos: 2,99 m

Capacidade do tanque: 60 litros

Peso: 1.871 kg em ordem de marcha

Caçamba: 820 litros

Carga útil: 1.000 kg

Central multimídia: 5 polegadas

Preço: R$ 133.990

DICAS PARA TRANSPORTAR CORRETAMENTE SUA BIKE

Em 2018 foram produzidas mais de 770 mil bicicletas no Brasil, segundo dados da Abraciclo – associação que reúne os fabricantes de motos e bikes. No verão a procura por uma “magrela” explode e a vontade de passear ao ar livre aumenta, principalmente, nos fins de semana. Mas você sabe como transportar sua bike corretamente? Os suportes para veículos de passeio oferecem diversos modelos. Há os que são acoplados diretamente no porta-malas, os que se conectam nos engates automotivos e os que ficam no teto do automóvel.

Os modelos acoplados ao teto requerem que o veículo já tenha barras transversais onde o suporte de bike é fixado. Nesse mecanismo, a bicicleta é transportada em pé e as rodas ficam sobre trilhos. Em alguns casos, a roda dianteira é retirada e acomodada dentro do veículo. Já os suportes fixados diretamente no porta-malas devem ser bem presos por meio de cintas de fixação, que se encaixam no vão do porta malas do veículo, deixando as bikes em uma posição perpendicular ao solo. Uma outra solução são os suportes de bike acoplados ao engate automotivo, que traz como diferencial a fácil instalação. 

Uma das principais fabricantes destes suportes é a Reese, marca da Horizon Global Brasil. Seus produtos se destacam por design arrojado e funcional, além de apresentarem facilidade de instalação. Alguns modelos contam com sistema antifurto, tanto para bike quanto para o suporte de bike. Os preços partem de R$ 220 (suportes de teto).

Legislação
Fique ligado! Se as bikes cobrirem a placa ou as luzes de sinalização de direção do veículo, mesmo que parcialmente haverá necessidade do uso da régua de sinalização e o uso da segunda placa, de acordo com a Resolução 349/10 do Contran. Outra orientação é a necessidade de respeitar o peso máximo de carga especificado para o veículo. Por isso fique atento as regras de regulamentação para transporte de cargas, regidas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), evitando assim multas e acidentes.

COM 58 RARIDADES, MUSEU DA HONDA ABRE SUAS PORTAS

Uma viagem pela história da motocicleta no Brasil. É essa a sensação que os amantes das duas rodas terão ao visitar o “Honda Fan Club”, museu que a marca reabriu suas portas no último dia 5 de janeiro na cidade de Indaiatuba (SP). Totalmente repaginado, o espaço fica no último piso do Centro Educacional de Trânsito Honda (CETH). O local apresenta uma linha do tempo com máquinas que contam história da evolução do veículos e traz várias curiosidades sobre os modelos Honda, que há mais de 40 anos fazem parte da vida dos brasileiros.

O museu conta com 58 motos, desde a CG 125 1976 – a popular CG ‘bolinha’ –, passando pela CB 400, a primeira grande moto do motociclista brasileiro; até a CBX 750F 1986 (a icônica ‘Sete Galo’). Há ainda outros destaques, como GL 1800 Goldwing Edição 40 anos e CBR 1000RR Fireblade Edição Comemorativa Marc Marquez, atual campeão mundial de Motovelocidade – MotoGP. Há espaço também para exemplares das categorias CUB, trail e street. Além de capacetes, campanhas publicitárias, macacões, fotos e até um poster assinado por c.

“O Honda Fan Club nasceu em 2013, como um museu particular da Honda e vem, ano a ano, agregando novos modelos, por meio dos quais pode-se contar a história das duas rodas no País. A empresa está presente em solo brasileiro há 47 anos e, ao longo deste período, desenvolveu diversos modelos que marcaram época e fizeram parte da vida de milhões de brasileiros. Assim, nada mais justo do que proporcionar a experiência de reviver e conhecer essa história aos motociclistas e admiradores da marca”, comenta Leonardo Almeida, Gerente dos Centros Educacionais de Trânsito Honda.

Leonardo diz que a Honda quer dar oportunidade para que mais pessoas conheçam o nosso museu. “Para o atendimento ao público, preparamos uma estrutura acessível e um ambiente especial alinhado com a história dos modelos em exposição. Ficaremos muito felizes com a visita de todos. Detalhe: as visitas são gratuitas e os visitantes serão atendidos por ordem de chegada. O local conta com acessibilidade. Para isso o prédio ganhou um elevador”.

Localizado nas dependências do CETH, que acabou de completar 20 anos de atividade – confira o vídeo abaixo -, o museu Honda Fan Club recebia visitas esporádicas de alunos dos treinamentos de pilotagem oferecidos pela unidade e convidados em eventos e ações da marca. Agora, os aficionados pela marca irão entrar em um túnel do tempo com boa estrutura e acessibilidade.

Serviço
Museu Honda Fan Club
Data: todos os sábados
Horário: das 09h às 17h
Local: Alameda Comendador Dr. Santoro Mirone, 1460 – Distrito Industrial João Narezzi, Indaiatuba – SP, 13347-300
Informações: (19) 3198-2615

 

HARLEY DIVULGA O PREÇO DA LIVEWIRE: US$ 29.799, CERCA DE R$ 112 MIL

A Harley-Davidson divulgou mais novidades sobre a LiveWire, seu primeiro modelo da linha 2020, que será também a pioneira de uma família totalmente elétrica da marca norte-americana. Exibida inicialmente no Dealer Convention pelo chefe do Departamento de Estilo e Design da marca, Paul James, a moto elétrica da Harley é também o primeiro modelo do projeto “More Roads to H-D”, na tradução literal: ‘Mais estradas para a H-D’. Naquela ocasião, poucas informações estavam disponíveis à imprensa, a não ser que o modelo seria lançado oficialmente em agosto de 2019, já como linha 2020.

Já em Milão, durante o Salão de Motos (Eicma 2018), a equipe do MinutoMotor trouxe novas informações técnicas sobre a moto como, por exemplo, que teria suspensões ajustáveis e carregadores para carga rápida e lenta. Além de freios de alto desempenho da grife Brembo e rodas aro 17 polegadas calçadas com pneus Michelin Scorcher Sport. Porém, a notícia mais importante vinda da ‘Terra do Tio Sam’ é que a LiveWire já está em pré-venda e custará US$ 29.799 – quase R$ 112 mil. A título de comparação, a Electra Glide Ultra Limited custa nos Estados Unidos US$ 28.089 (R$ 105 mil).

Hoje, durante o CES 2019 – maior feira de equipamentos eletrônicos do mundo, que acontece em Las Vegas, a HD aproveitou para apresentar outros dados técnicos sobre a LiveWire: Totalmente elétrico, o novo motor já tem nome: Revelation. Sim, este é o nome, e não é brincadeira! Na primeira vez que li, achei que era uma piada pronta, mas seguindo a linha do motor de arrefecimento líquido que havia recebido o nome de Revolution, até ai, um tanto compreensível. Mas neste caso achei que faltou um certo carisma.

A moto faz de 0-100 km/h em 3,5 segundos. Extremamente rápida, ainda levando-se em conta que não há embreagem para acionar e não há marchas para serem engatadas. Basta girar o acelerador e 100% do torque está disponível instantaneamente. Já a velocidade máxima será de aproximadamente 177 km/h, segundo a marca. A moto elétrica da H-D possui sistema de frenagem com geração de energia, que recarrega a bateria quando há uma frenagem. Sistema similar aos usados nos Formula 1 e em veículos híbridos.

A autonomia será de pouco mais de 170 quilômetros. Com chance de aumentar até a entrega das primeiras unidades. O percurso percorrido pela HD LiveWire já é maior que outras motos similares no mercado (Zero Motorcycles). Mas não dá para aquela longa viagem dos sonhos pela Highway 1 ou Route 66.

A moto contará com um painel 4.3 polegadas em LCD, touchscreen, capaz de mostrar autonomia, velocidade, status da bateria e pode ser customizável e mostrar até a direção ponto-a-ponto. A LiveWire contará ainda com conectividade com o celular – chamado de HD Connect, que informará dados sobre carga de bateria, alertas sobre violação, localização da moto e lembretes/notificações de serviços e revisões.

 

Inicialmente a LiveWire será comercializada em concessionárias específicas nos EUA e também na Europa e contará com três opções de cores: Yellow Fuse, Orange Fuse e Vivid Black.

Texto Dan Morel, do Blog Doctor Dan, especial para MinutoMotor / Fotos Divulgação

 

 

TEST-DRIVE: MAIS MODERNO, O AUDI Q5 ESTÁ COM FÔLEGO DE SOBRA

Com preços a partir de R$ 249.990, a segunda geração do Audi Q5 chega mais leve, mais econômica e com um sistema de tração 4×4 mais eficiente. Em todas as versões, o SUV Premium da marca alemã é equipado com um motor 2.0 TFSI a gasolina de 252 cv de potência, 37,7 kgf.m de torque, câmbio de dupla embreagem de sete velocidades e famosa tração integral QUATTRO. E com os seus 1.720 quilos, uma redução de aproximadamente 50kg em relação a primeira geração, o utilitário é capaz de fazer 0 a 100 km/h em 6,3 segundos, com velocidade máxima de 237 km/h, isso de acordo com a fabricante. MinutoMotor pode avaliar o modelo topo de linha, a Ambition, que custa R$ 297.990.

A primeira impressão é que ele parece o seu irmão maior, o Audi Q7, com linhas mais modernas e visual mais invocado, graças aos detalhes em preto. Com 4,66 metros de comprimento e 2,82 metros de distância entre-eixos, a segunda geração do SUV de luxo cresceu em todos os aspectos, além de passar por um leve “regime”, graças a uma mistura de aços de alta resistência e alumínio na carroceria.

Numa viagem de ida e volta para o sul de Minas Gerais, com quatro ocupantes, o que mais impressionou foram as respostas do silencioso motor 2.0 TFSI, ainda melhores quando o propulsor ultrapassa os 1.500 rpm. Já a suspensão, que surpreende ao absorver com muito conforto as irregularidades do asfalto, também faz parte das novidades da nova geração graças ao sistema ULTRA, capaz de desacoplar o eixo traseiro quando não é necessário, resultando em economia de combustível.

Com cinco modos de condução, comfort, efficiency, dynamics, off-road (que minimiza a força do motor no início) e individual, optamos por utilizar a maior parte da viagem na effiency, garantindo mais economia no consumo de combustível. Agora, quem optar por dirigir na dynamics, tenha certeza que a surpresa fica por conta das respostas mais rápidas do acelerador e o giro do motor subindo mais rápido. Para fazer as trocas de marchas, é possível realiza-las tanto pela manopla ou das aletas atrás do volante.

Dentro do Audi Q5, a tela multimídia de 8,3 polegadas é bonita e chama a atenção, mas deixa a desejar por não ser sensível ao toque, sendo necessário usar o seletor ou os comandos no painel central. Outra forma de utilizar a central é por meio de uma área localizada no console, que pode ser facilmente confundida com um mousepad, mas que também é pouco prática no dia a dia. Já o ar-condicionado também possui a sua. Com nove botões, consegue controlar até o clima do banco de trás. Agora, o painel de instrumentos 100% digital, com dois tipos de layouts, sendo um clássico (velocímetro e conta-giros grandes) e outra com mapa de navegação maior, chama a atenção.

De série, a versão Ambition do Audi Q5 é equipado com trio elétrico, direção elétrica, ar-condicionado automático de três zonas, bancos de couro sintéticos, bancos dianteiros elétricos com ajusto de lombar e memória do banco do motorista, painel de instrumentos 100% digital, controle de velocidade de cruzeiro, sensor de luz e chuva, retrovisor fotocromático, sistema start-stop, volante multifuncional de três raios, teto solar panorâmico, porta-malas com abertura e fechamento elétrico, airbag lateral dianteiro e de cabeça, alarme, faróis 100% LED, lanternas traseiras em LED com indicação dinâmica, assistente de farol alto, faróis com ajuste automático de altura, Auto Hold, sistema limpador de faróis, Parking Assist, câmera de ré, chave presencial e o Audi Sound System com tela de 8,3 polegadas.

Texto e Fotos: Fernando Eduardo, especial para o MinutoMotor

AUDI Q5

Ficha técnica
Motor: Turbo, quatro cilindros em linha, longitudinal, gasolina, 1.984 cm³ de cilindrada, comando duplo, injeção direta FSI
Potência: 252 cv a 6.000 rpm
Torque: 37,7 kgfm a 4.500 rpm
Câmbio: Dupla embreagem de 7 marchas e tração integral
Direção: Elétrica
Suspensão: Integral multilink
Freios: Discos ventilados na dianteira e traseira
Pneus: 255/45 R 20
Comprimento: 4,66 m
Largura: 1,89 m
Altura: 1,66 m
Entre-eixos: 2,82 m
Capacidade do tanque: 70 litros
Peso: 1.720 kg
Porta-malas: 550 litros
Central multimídia: 8,3 polegadas, não sensível ao toque

  

20 CURIOSIDADES SOBRE OS 60 ANOS DO VOLKSWAGEN FUSCA

Um dos veículos mais queridos pelos brasileiros comemora 60 anos no país. O lendário VW Fusca começou a ser produzido em São Paulo há seis décadas. Para que o aniversário do sedã não passasse em branco, o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) preparou uma lista com 20 curiosidades e informações sobre o carro mais amado do Brasil!

1. A produção brasileira do Fusca começou em 3 de janeiro de 1959.
2. Os primeiros saíram da fábrica Anchieta da montadora Volkswagen.
3. No sistema do Detran.SP, constam atualmente 827.202 unidades registradas.
4. É o modelo mais colecionado no Estado de São Paulo. Do total de veículos registrados, 6.927 têm a cobiçada placa preta, para colecionadores.
5. São Paulo (com 3.856 unidades), Campinas (com 193) e São Bernardo do Campo (com 167) são as cidades com mais Fuscas com placa preta.

6. O primeiro modelo do Fusca foi lançado na Alemanha em 1935. Ele foi chamado de Volkswagen (ou carro do povo).
7. O automóvel foi criado pelo alemão Ferdinand Porsche (sim, o mesmo da marca Porsche).
8. O Fusca também é conhecido como Beetle (ou “besouro”, em inglês).
9. Bug, Käfer, Type 1, Carocha, Coccinelle, Escarabajo, Maggiolino são alguns exemplos de nomes ou apelidos do Fusca em alguns países.
10. No Brasil, ele chegou como Volkswagen Sedan. E sua fabricação por aqui começou em 1959 e foi até 1986.

11. No Rio Grande do Sul ficou conhecido como Fuca; no Paraná, como Fuqui.
12. De seu projeto, surgiram ainda outros sucessos, como a Brasília e a Variant.
13. Em 1993, o Fusca voltou à linha de produção, a pedido do então presidente Itamar Franco. A nova fase durou até 1996.
14. Houve até uma última versão, a Série Ouro, que teve apenas 1.500 unidades.
15. Durante os anos 1970, a produção do “besouro” bateu a marca de 1,5 milhão de veículos fabricados no Brasil. Ao todo, foram fabricados cerca de 3,3 milhões de Fuscas.

16. No mundo todo, a produção foi de mais de 21,5 milhões de unidades.
17. Até hoje, o Fusca está entre os modelos mais fabricados de todos os tempos, seja no Brasil ou no mundo.
18. No dia 22 de junho é comemorado o Dia Mundial do Fusca. No Brasil, existe ainda o Dia Nacional do Fusca, em 20 de janeiro.
19. O Fusca permaneceu na liderança de vendas do mercado automobilístico por 24 anos consecutivos (entre 1959 e 1982).
20. Sua produção mundial foi encerrada em 2003, no México.

VÍDEO: TRIUMPH CRIA KIT PARA DEIXAR A THRUXTON R MAIS INVOCADA

VÍDEO: TRIUMPH CRIA KIT PARA DEIXAR A THRUXTON R MAIS INVOCADA

Comemorando seis anos de atuação oficial no Brasil, a Triumph resolveu criar um kit de personalização inspirado nas nostálgicas Cafe Racers. Dessa forma, a marca inglesa quer que o motociclista brasileiro deixe sua Thruxton R com um visual mais invocado, alinhado ao seu estilo de vida e personalidade. Disponível na rede de concessionárias da marca, o kit Inspiration custa R$ 4.990 e é formado por:

1. Protetor do joelho,
2. Parabrisa pintado,
3. Kit de fixação do parabrisa,
4. Semiguidão,
5. Kit de remoção do paralama traseiro com lanterna traseira compacta,
6. Silenciosos em aço inox escovado, da Vance & Hines;
7. Pequenos piscas dianteiro em LED,
8. Pequenos piscas traseiro em LED,
9. Alça do tanque de couro e aço inox e
10. Manoplas