PESQUISA EXCLUSIVA: MOTO, UM BEM NECESSÁRIO

“A greve dos caminhoneiros, que aconteceu em maio, impactou diretamente na vida dos brasileiros. Com a paralisação deste importante modal de transporte nós, do Ibope Inteligência, queríamos saber o quão importante é o uso da motocicleta no dia a dia das pessoas”, explica Soraia Amaral Silva, gerente de atendimento e planejamento de consumo e serviços do instituto. Segundo a pesquisadora a principal pergunta feita pela internet para duas mil pessoas, entre 21 e 29 de junho, foi: Quando você pensa em moto, o que vem à sua cabeça? De acordo com os dados aferidos pelo Ibope Inteligência, a motocicleta está presente no cotidiano de 75% do público consultado (motociclista e não usuários). Ou seja, a empresa de pesquisa chegou a conclusão que pelo menos uma vez por mês a grande maioria dos pesquisados usa serviços de transporte ligados à moto. Resumindo: a motocicleta é força vital para a economia, ou melhor, um bem necessário.

O fato é que, segundo Soraia Silva, o veículo de duas rodas é utilizado com frequência, mas parece invisível frente à opinião pública. “Ela – a moto – passa muitas vezes despercebida. Mas hoje é fundamental na sociedade moderna, principalmente nos grandes centros”, observa a gerente do Ibope. Porém, só lembramos de seu uso quando precisamos de um remédio, de um novo cartão de crédito ou da sagrada pizza no final de semana.

Por isso, o Ibope Inteligência perguntou aos internautas qual a importância da moto no seu dia a dia. Somente 25% dos entrevistados responderam que a motocicleta é muito importante no seu dia a dia. “E isso aumenta significativamente quando olhamos de maneira isolada. Já para os que usam a moto no seu cotidiano, o percentual quase dá um salto triplo, com aproximadamente 70% de lembrança”, contabiliza Soraia Silva.

“A moto, assim como os outros veículos de transporte, pode ser percebida pelo seu uso individual, mas nesse caso é um mercado que segue crescendo e sendo a alternativa para um consumidor cada vez mais preocupado com o tempo e com estilo de vida”, conclui explica Soraia Silva, gerente do Ibope Inteligência.

Detalhe importante: segundo dados do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, de 2017, apenas 20% dos lares brasileiros possuem moto. Podemos concluir que há um longo trabalho para incentivar o uso da motocicleta, que pode ser ferramenta de trabalho, opção ao transporte público ou instrumento de lazer.  Além disso, a moto é mais ágil e econômica que um carro. Só para comparar, um modelo básico equipado com um motor de 150/160 cm³ de capacidade cúbica por rodar cerca de 40 quilômetros com um litro de gasolina. Um carro de entrada, com motor 1.0/1.3 l, gasta cerca de 10 km/l na cidade. Isso sem falar no alto custo de manutenção do automóvel.