FAZER 250 ABS 2020 É UMA BOA OPÇÃO DE COMPRA. SAIBA POR QUE!

FAZER 250 ABS 2020 É UMA BOA OPÇÃO DE COMPRA. SAIBA POR QUE!

Uma das motos mais bonitas e eficientes de sua categoria, a Yamaha Fazer 250 ABS ganhou uma nova opção de cor em sua versão 2020: vermelho metálico e custa R$ 15.790 (+ frete). Terceiro modelo mais vendido da categoria City, segundo dados de emplacamentos da Fenabrave, com 9.845 unidades entre janeiro e maio, a representante da Yamaha só perde para as Honda CG 160 (127.972) e para a CB 250F Twister (14.678), sua principal concorrente e que tem preço sugerido a partir de R$ 15.140. Mas será que o modelo é uma boa opção de compra?

Em 12 anos de mercado foram fabricadas mais de 300 mil unidades, por isso a Fazer 250 ABS 2020 pode ser um upgrade natural para que tem uma moto 125, 150 ou 160cc. Outros diferenciais: modelo tem garantia de 4 anos e plano de manutenção com preço fixo. Confira abaixo as principais características da Fazer 250 ABS:

Design
A escolha de sua próxima moto passa, certamente, pelo visual. A Fazer 250 2020 conta com um desenho bastante atual, diria até radical pelas linhas adotadas no tanque de combustível, entradas de ar e rabeta. 100% digital, o painel da Fazer 250 ABS é um dos mais completo de sua categoria. Destaque para os indicadores de consumo médio e instantâneo. O modelo usa ainda farol e lanterna traseira em LED.

Agilidade
Por ser ágil e muito prática, a Fazer é uma moto perfeita para dupla jornada, ou seja, rodar trechos urbanos no dia a dia e em viagens curtas nos finais de semana. O modelo se destaca pela ergonomia, conforto e facilidade na pilotagem. Isso se dá graças à redução do peso em 4 kg em relação à geração anterior, a centralização de massa, a geometria bem acertada e ciclística eficiente.

Freios ABS e disco em ambas as rodas
O sistema de freios é composto por disco simples de 282mm e uma pinça de duplo pistão na frente, e disco de 220mm e pinça dupla na traseira. Destaque para o sistema ABS como item de série. Ele impede o travamento das rodas em condições de baixa aderência (asfalto molhado ou sujo), e até mesmo em frenagens de emergência.

Motor e Economia
O monocilíndrico, de arrefecimento misto – uma vez que conta com o auxílio de um radiador de óleo – tem a capacidade de 249,5 cm³ e utiliza duas válvulas acionadas por comando simples no cabeçote. Com gasolina, a potência máxima da Fazer é de 21,3 cv e de 21,5 cv com etanol, ambos a 8.000 rpm. O torque é de 2,1 kgf.m, alcançado a 6.500 giros. O consumo é de mais de 30 km/l.

Garantia
Outra vantagem oferecida na compra de uma Fazer 250 ABS 0 km é a sua garantia de fábrica de 4 anos, a maior do mercado de duas rodas no Brasil. Só para comparar, a Honda dá para a 250 Twister 3 anos de garantia sem limite de quilometragem, mais óleo grátis em 7 revisões. A moto da Yamaha contará ainda com a Revisão Preço Fixo Yamaha. A primeira revisão acontece aos 1.000 Km, a segunda aos 5.000 Km e as demais a cada 5.000 km. Os preços do plano de manutenção variam entre R$ 104 a R$ 474, que pode ser pago em até seis vezes.

Cores e Preço
O modelo 2020 da Yamaha Fazer 250 ABS três opções de cores: azul metálico, vermelho metálico e preto sólido (Preto Eclipse). Preço sugerido de R$ 15.790,00 + frete.

VÍDEO: NISSAN KICKS COM ESTILO E DESIGN NA MEDIDA

Vídeo-teste Nissan Kicks 2018

Quem busca um utilitário esportivo com design moderno e estilo de sobra, o Nissan Kicks pode ser uma alternativa. Quando chegou no mercado em 2016 foi comparado com veículos de categorias superiores. Tecnologia ativa de segurança na versão topo de linha, como controle de tração e estabilidade, controle dinâmico em curvas (regula o movimento da carroceria e utiliza o freio motor e os freios para reduzir o subesterço), câmera com visão 360º com sistema inteligente e o estabilizador ativo de carroceira reforçaram esse posicionamento. MinutoMotor pode rodar com a versão topo de linha, 1.6 SL Pach Tech 2018. Com preço sugerido de R$ 100.990,00, a linha 2019 acabou de chegar na rede Nissan com pouquíssimas alterações.

Quem busca um utilitário esportivo com design modernos e estilo de sobra, o Nissan Kicks pode ser uma alternativa.

A primeira impressão é que o SUV da Nissan, com linhas retas e angulares exteriormente, passa a sensação de modernidade e sofisticação. O teto com cor diferente da carroceria reforça essa percepção e praticamente ditou uma tendência vista no dia a dia das grandes cidades. As rodas com 17 polegadas, calçadas com pneus 205/55 finalizam o conjunto.

Nissan, com linhas retas e angulares exteriormente, passa a sensação de modernidade e sofisticação

Internamente, o utilitário avaliado era equipado com bancos em couro com tonalidade claro, assim como acabamentos no painel. Por não estar acostumado com essa configuração, assim como boa parte dos brasileiros, estranhamos um pouco no início, mas com o passar do tempo é agradável e passa a sensação de amplitude. O que realmente não agradou foi o excesso de plástico no interior do veículo.

Equipado com bancos em couro com tonalidade claro, assim como acabamentos no painel

Já a versão 2019 do Kicks, que chegou recentemente no mercado, adota uma nova central multimídia  Nissan Multi-App de 7” polegadas, que conta com Apple CarPlay e Android Auto para a versão topo de linha, a SL Pack Tech . A versão 2018 avaliada trazia o sistema Multiapp, com rádios AM/FM , CD e DVD player, função RDS, entrada auxiliar para MP3 Player, conector USB, conexão à internet por intermédio de wi-fi pela plataforma Android, download de aplicativos como, por exemplo, Waze e Spotify. Já as versões de entrada e intermediárias não contam com essa atualização. Uma pena.

Motor 1.6 flex de segunda geração, com 114 cv a 5.600 rpm e 15,5 kgfm a 4.000 rpm de torque

Já o motor é o conhecido 1.6 flex de segunda geração, com 114 cv a 5.600 rpm e 15,5 kgfm a 4.000 rpm de torque, combinado com um câmbio CVT que simula seis marchas, deixa o veículo com um dirigir suave, mesmo quando utilizado o discreto modo esporte. Rodando boa parte tempo em trecho urbano, o Kicks marcou média de 5,2 km/l no computador de bordo, isso quando abastecido com etanol. Com 41 litros de capacidade no tanque, a autonomia é modesta.

GOSTAMOS: Design, estilo, duas cores do exterior, ergonomia, tecnologia de segurança ativa

NÃO GOSTAMOS: Excesso de plástico interno, suspensão.

Ficha técnica

Motor:  quatro cilindros, dianteiro, transversal, 1.598 cm³ de cilindrada, 16V, comando duplo, flex


Potência: 114 cv a 5.600 rpm 


Torque: 15,5 kgfm a 4.000 rpm 


Câmbio: automático CVT, seis marchas simuladas, tração dianteiro


Direção: Elétrica


Suspensão: Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira


Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, ABS


Rodas e Pneus: liga-leve aro 17” com pneus 205/55


Comprimento: 4,29 m


Largura: 1,76 m


Altura: 1,59 m


Entre-eixos: 2,61 m


Capacidade do tanque: 41 litros

Porta-malas: 432 litros


Peso: 1.146kg 
Central multimídia: 7 polegadas sensível ao toque

Imagens do Kicks 2019

CAOA FECHA ACORDO COM A FORD PARA A FABRICAÇÃO DE CAMINHÕES

CAOA FECHA ACORDO COM A FORD PARA A FABRICAÇÃO DE CAMINHÕES

O noticiário sobre “Pesados” nunca esteve tão em voga. Primeiro a greve dos caminhoneiros ano passado e, recentemente, o fechamento da fábrica da Ford Caminhões no ABC Paulista. Agora uma boa notícia: a Caoa anunciou acordo para a aquisição da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP).
A meta é seguir com a produção de caminhões sob licenciamento e manter a estabilidade social na região – uma grande preocupação dos prefeitos do ABC e também do governador João Dória –, já que a marca norte-americana empregava cerca de 4 mil funcionários naquela unidade.
Para quem não sabe, a Caoa é uma empresa brasileira que produz automóveis e caminhões de pequeno porte das marcas sul-coreana Hyundai, e da chinesa Chery, em duas plantas fabris – uma em Anápolis (GO) e a outra em Jacareí, no Vale do Paraíba (SP).

VW comemora 15 mil unidades produzidas em Resende
A nova família Delivery, da Volkswagen, acaba de superar 15 mil unidades produzidas em Resende (RJ). O marco foi alcançado pouco mais de um ano desde o início das vendas de seus primeiros modelos.
O resultado é bastante positivo: com uma gama de 3,5 até 13 toneladas, os caminhões Delivery avançaram 60% em vendas no primeiro bimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2018, um salto de 1.125 para 1.797 unidades neste início de ano.

VÍDEO: COM FREIOS COMBINADOS, A POP 110I 2019 ESTÁ MAIS SEGURA

VÍDEO: COM FREIOS COMBINADOS, A POP 110I 2019 ESTÁ MAIS SEGURA


Conhecida por sua versatilidade e preço acessível a Pop 110i é, com certeza, o modelo mais econômico da Honda. Ela pode rodar até 50 km com um litro de gasolina e custa R$ 5.790 (frete não incluso). Características que fazem da Pop uma ferramenta de mobilidade para muitos brasileiros que vivem em pequenas cidades e mesmo nos grandes centros urbanos.

A Honda Pop é a quarta moto mais vendida no Brasil e na versão 2019 ganhou nova textura para o assento e freios combinados (Combined Brake System). O sistema de freio CBS é uma exigência da legislação e também um excelente aliado para os pilotos iniciantes.

Neste teste em condições reais de uso, a equipe do MinutoMotor rodou cerca de 300 quilômetros com a Pop 2019. Trafegou pelo trânsito carregado, enfrentou ruas de paralelepípedo, áreas rurais e, de quebra, encarou a Rodovia Fernão Dias, que liga São Paulo a Minas Gerais.

Embora ela não seja projetada para rodar na estrada, em muitos casos o dono da Pop é obrigado a circular nesse tipo de via. Com o crescimento dos grandes centros, nossas estradas se tornaram “grandes avenidas” ligando cidades dormitórios a áreas industriais. Exemplos não faltam nos arredores de São Paulo, Rio de Janeiro ou Belo Horizonte. Em muitos casos o trabalhador mora numa cidade e trabalha (ou estuda) em outra. Nesse caso a motocicleta cumpre seu papel de veículo de deslocamento. Basta olhar nos estacionamentos das fábricas e nas ruas perto das faculdades e perceber a enorme quantidade de motos estacionadas.

Facilidade
Nesta liberdade democrática de ir e vir, a Honda Pop 110 i usa a injeção eletrônica de combustível e um moderno motor de 110 cm³ de capacidade. Configuração que deixa a Pop 110i “espertinha”, isso em função de sua potência (7,9 cv) e também de seu torque (0,90 kgf.m). Seu visual espartano é compensado pela agilidade e economia – ela chega a fazer 50 km/litro de gasolina.

Na cidade ela larga na frente dos carros quando o semáforo abre e roda com muita, muita desenvoltura entre os automóveis. O desempenho favorável acontece graças ao bom acerto do motor, escalonamento do câmbio de quatro velocidades (diferente do utilizado na Biz, já que no caso da Pop conta com a ajuda da embreagem), mas também pelo seu baixo peso: apenas 87 quilos.

Freios que salvam vidas
O modelo está equipado com freios a tambor em ambas as rodas e com a adoção do sistema de freios CBS, o sistema distribui a frenagem de maneira equilibrada entre a traseira e a dianteira, garantindo mais segurança ao piloto, encurtando a distância de frenagem.
Na prática, quando o motociclista aciona o pedal de freio traseiro parte desta força aplicada vai para o freio dianteiro. É aí que está a eficiência da tecnologia do sistema de freios CBS que pode salvar a vida dos menos experientes, já que mesmo sem a intenção, o freio dianteiro é acionado.

Suspensão acertada
Sucesso de vendas principalmente na região Nordeste, o modelo já ultrapassou, desde seu lançamento, um milhão de unidades produzidas na fábrica da Honda em Manaus (AM). Com bom custo-benefício e baixo custo de manutenção, a ‘motoquinha’ também é amplamente usada em lugares onde não há caminhos asfaltados. Detalhe: mais de 80% estradas brasileiras não têm asfalto. Nos deslocamentos por terra ela não faz feio.

A Pop 2019 segue firme e forte graças ao conjunto de suspensão – bichoque na traseira de 83 mm de curso. Na dianteira, garfo telescópico tradicional de 100 mm de curso, que absorve bem as imperfeições.
Em nosso teste, a Honda Pop 110i 2019 se mostrou um “mini tanque de guerra” sobre duas rodas. A ampliação da segurança, a facilidade de pilotar e o peso reduzido aumentam o carisma do modelo que é o mais barato e o mais democrático da Honda.

NOVAS BMW F 750/850 GS SERÃO MONTADAS EM MANAUS (AM)


Apresentadas na última edição do Salão de Motos de Milão (Eicma), as novas BMW F 750 GS e F 850 GS serão montadas em Manaus (AM) pelo sistema CKD e estarão disponíveis ao motociclista brasileiro no último trimestre do ano. Para a produção das novas trail – novas em todos os sentidos: motor, quadro, rodas, suspensões e desenho – a marca alemã investiu em novas tecnologias de manufatura, capacitação dos funcionários da linha de montagem e novos fornecedores locais foram homologados – 14 no total.


Mais “musculosas”, as novas F 750/850 GS estão equipadas com novo motor DOHC, de quatro válvulas por cilindros e refrigeração líquida. O propulsor da 750 gera 77 cv de potência máxima e 8,4 kgf.m de torque máximo. Já o da 850 produz 95 cv de potência e quase 10 quilos de torque.


As novas motocicletas GS da família F dividirão espaço na linha de montagem de Manaus com outros dez modelos: G 310 R, G 310 GS; F 800 GS, F 800 GS Adventure; R 1200 GS, R 1200 GS Adventure; S 1000 R, S 1000 RR; S 1000 XR e F 700 GS – este último modelos foi o primeiro a sair das linhas de montagem, em outubro de 2016.


“Para a produção de motocicletas em Manaus, a fábrica do BMW está focada na tecnologia e na qualidade para trazer novos produtos ao mercado brasileiro”, explica Alejandro Echeagaray, Presidente da fábrica do BMW Group em Manaus (AM). “Com esta nova ação, já investimos aproximadamente R$ 60 milhões nos últimos dois anos para trazer novas tecnologias ao mercado brasileiro”, complementa o executivo.

INDIAN ENCERRA AS OPERAÇÕES NO BRASIL

A Indian Motorcycles chegou oficialmente no Brasil no final de 2015. Apesar de centenária foi a estreante no Salão Duas Rodas daquele ano. Agora, infelizmente, a Polaris – detentora da marca norte-americana – anunciou a suspensão da importação e comercialização das motocicletas Indian para o mercado brasileiro. O processo de transição será de até 120 dias com as concessionárias da marca, que ficam localizadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Goiânia. A Indian Motorcycle vendia no País sete modelos das linhas Midize, Cruiser, Bagger e Touring. 
Em comunicado, a empresa confirma o seu compromisso com os consumidores e dará continuidade aos serviços de pós-venda das motocicletas, incluindo a comercialização de peças de reposição, atendimento à garantia e manutenção em geral, por meio de concessionárias Polaris selecionadas e de novas oficinas credenciadas. A decisão não afeta a operação da marca em outros países onde a Indian Motorcycle está presente.
A falta de rentabilidade do negócio no Brasil, a instabilidade política e econômica e a redução da indústria de motocicletas nos últimos anos foram fatores preponderantes para a tomada de decisão. “Nosso compromisso é de total suporte à rede de concessionárias e aos clientes da Indian Motorcycle nessa transição”, comenta Paulo Brancaglion, Country Manager da Polaris Brasil. Agora a Polaris passa a concentrar todos seus esforços no negócio de veículos off-road: quadriciclos e UTVs.

Para mais esclarecimentos, a Polaris criou um canal direto com o cliente Indian:
(11) 3336-5482 ou pelo e-mail: contatobrasil@indianmotorcycle.com

ROAD 5 É O NOVO PNEU DA MICHELIN PARA MOTOS

 

A Michelin, marca francesa de pneus, tem muito o que comemorar. Na planta de Manaus (AM), a empresa já está produzindo o City Pro, destinado à motos street de baixa capacidade cúbica. Direcionado para motos de alta cilindrada, a companhia apresentou o Road 5, evolução do Pilot Road 4, que está disponível para motos esportivas, nakeds e maxitrails. Numa fase inicial, o Road 5 será vendido em 11 dimensões – aro 17 e 19 polegadas.

Segundo a fabricante, o novo pneu oferece maior aderência, principalmente em asfalto molhado e em sua meia vida, ou seja, após os 5 000 quilômetros rodados. “Isso em função da nova estrutura e o desenho do pneu. A medida que o pneu vai ficando gasto, elas vão se tornando sulcos e isso aumenta a aderência até quando ele passa dos 5 mil quilômetros”, explicou Flávio Santana, engenheiro de campo da Michelin. Segundo Santana, o desenho ainda aumenta a capacidade de drenagem da água. Produzido na Espanha, o Road 5 ainda traz tecnologia de duplo composto e reforços na região dos ombros que dá estabilidade e aderência em pilotagem mais esportivas.

 

Teste prático
À convite do fabricante, a equipe do MinutoMotor rodou com uma Yamaha MT-07 com o novo pneu Road 5 pelo interior de São Paulo. Estradas com longas retas, trechos sinuosos, asfalto em péssimas condições, cascalho e até pequenos deslocamentos em estradas de terra. Esse foi o cenário ideal para esta avaliação do novo pneu Michelin.
O Road 5 oferece nova carcaça, desenho mais agressivo, além de boa dose de tecnologia, com composto mais macio nas laterais e sulcos de drenagem maiores. Tudo para garantir mais estabilidade, aderência e agilidade, principalmente nas curvas, mesmo com pista molhada.

Resumindo: as motocicletas evoluíram muito na última década, estão mais potentes e esportivas. Ainda bem que os pneus também ganharam novas tecnologias. E o Michelin Road 5 é um bom exemplo de como domar modelos do segmento sport touring, alguns com mais de 100 cv de potência.

GM INVESTIRÁ R$ 1,2 BI EM SÃO CAETANO DO SUL (SP)

A General Motors Mercosul apresentou as obras de expansão do Complexo Industrial de São Caetano do Sul (SP), que resultam dos novos investimentos de R$ 1,2 bilhão na unidade.  O montante faz parte do maior plano de investimentos da empresa em toda sua história no Brasil, com um total de R$ 13 bilhões que estão sendo aplicados no país entre 2014 e 2020. O solenidade contou com executivos da marca e do governador Geraldo Alckmin.

A unidade do ABC Paulista ganha novo prédio construído com telhas translúcidas, luzes de LED com automação de dimer, ventilação natural, entre outros conceitos de construção sustentável e passa a ocupar 432.300m² de área construída. Como parte do projeto, a unidade terá todas as suas instalações internas redesenhadas e vai incorporar novas tecnologias de manufatura 4.0. Com isso, a fábrica terá sua capacidade anual ampliada de 250 mil para mais de 330 mil veículos por ano.

“A GM celebra 93 anos no Brasil em um processo acelerado de crescimento e inovação. Os novos investimentos vão transformar o Complexo Industrial de São Caetano do Sul em um dos mais eficientes e avançados da indústria. As novas instalações vão permitir a Chevrolet seguir entregando produtos de alta qualidade e tecnologia para continuar liderando o mercado brasileiro”, disse Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul.