COMO DEVO PREPARAR E REVISAR MEU CARRO ANTES DE UMA VIAGEM?

Muitas pessoas estarão viajando de carro nesse fim de ano. Mas, antes de pegar a estrada certifique-se de que está tudo em ordem. Confira alguns itens para que seu tão sonhado passeio não se transforme em dor de cabeça:

Bateria

Verifique a condição da bateria. Se você vir vazamentos de ácido, rachaduras ou outros danos, não importa se ele for um carro seminovo ou zero quilômetro, a bateria deve ser substituída.

Os terminais da bateria devem estar sempre apertados e não corroídos. Terminais desgastados ou soltos causam problemas de partida, de direção elétrica, entre outros.

Uma bateria de carro dura, em média, entre 5 e 7 anos. Algumas baterias podem ter vida mais longa: 10 anos. Já outras precisam ser substituídas após 3 anos de uso. Se a bateria de seu carro for antiga, teste-a ou substitua-a se não quiser arriscar em uma longa viagem. Muitas oficinas oferecem um teste de bateria complementar.

Pneus

A profundidade mínima dos sulcos dos pneus é um fator muito importante na questão de segurança. Os sulcos dos pneus, que são pequenos canais esculpidos na banda de rodagem. No seu carro seminovo o sulco deve ter 3 milímetros (verifique o TWI, indicador de nível de desgaste). Menos que isso pode causar um acidente e até te colocar na cadeia antes de prestar depoimento no tribunal.

Estepe

Já pensou ter que trocar um pneu furado do seu carro usado no meio da estrada e descobrir que o estepe está faltando ou está danificado? Além do pneu reserva verifique também se o macaco, a alça e o suporte da roda estão no seu automóvel.

Óleo do motor

Sem óleo, o motor vai superaquecer e, em condições extremas, se autodestruir. Com o motor do seu usado frio, verifique a vareta do nível do óleo. Complete se necessário, por meio da tampa na parte superior do motor, e dê ao óleo tempo para descer até o reservatório antes de verificar novamente o nível. Não deixe transbordar.

Vazamentos

Estacione seu carro em uma pista limpa e plana. Em seguida verifique se há vazamentos de óleo ou de água após algum tempo. Mesmo um pequeno vazamento – fissura na mangueira – pode levar a níveis de fluido perigosamente baixos em uma longa jornada.

Luzes

Verifique todas as suas luzes de seu carro, incluindo as de pisca-alerta e as de freio. Ou peça a um amigo para verificar se há lâmpadas queimadas, ou estacione perto de uma parede branca ou em uma vitrine uma noite para vê-las você mesmo.

Equipamentos de emergência

Equipamentos de emergência incluem lanterna, chaves de fenda, alicate e uma chave inglesa. Embora geralmente ausentes, kits médicos e extintor de incêndio podem ser úteis em caso de pane elétrica ou acidente. Não esqueça do triângulo de aviso refletivo.

Limpadores de para-brisa

Boa visibilidade é vital para uma condução segura. Substitua os limpadores de para-brisa se eles apresentarem desgaste, se não estiverem executando seu trabalho corretamente ou se estiverem deixando marcas no vidro.

Se o seu carro ainda contar com os limpadores originais, você pode substituir apenas as recargas de borracha. Elas custam menos e podem ser facilmente adquiridas em qualquer loja de autopeças.

Ao trocar o limpador coloque uma toalha no para-brisa. Os braços do limpador são acionados por mola e podem bater e rachar o para-brisa quando a lâmina do limpador é removida.

Água do limpador de para-brisa

Às vezes, os jatos d’água usados para limpar o para-brisa precisam ser ajustados. Em muitos carros à venda no mercado, o ângulo de pulverização pode ser modificado. Se as estradas estiverem muito enlameadas, é uma boa ideia manter uma garrafa extra de água no veículo para limpar o para-brisa caso necessário.

Ar-condicionado

Teste o sistema de aquecimento/ar-condicionado de seu automóvel. O climatizador não só resfria o ar dentro do carro, como também elimina a umidade. Se o ar-condicionado não funcionar, o para-brisa vai embaçar por dentro no tempo chuvoso ou frio.

Correia de transmissão

A maioria dos carros à venda no mercado tem um ou dois cintos de acionamento (serpentina). Com o tempo, uma das correias de transmissão pode se desgastar. Se a correia de transmissão quebrar, o carro terá que ser rebocado para a oficina.

Mas antes disso, leve o carro o seu mecânico de confiança. Ele pode verificar o estado das correias durante uma troca de óleo, por exemplo. Se uma correia de transmissão mostrar algum desgaste ou tiver rachaduras, é melhor substituí-la imediatamente. Ninguém quer ficar esperando o guincho no acostamento.

Fluido de arrefecimento

Conduzir o carro com baixo nível do líquido arrefecimento pode causar superaquecimento. Portanto, verifique visualmente o nível do fluido de arrefecimento no reservatório. O nível do líquido deve estar entre as marcas “Baixo” e “Completo”.

Se o nível do fluido estiver baixo, você pode completar usando o tipo de líquido recomendado pelo fabricante. Caso o nível esteja bem abaixo da marca “Baixo”, verifique se há vazamentos no seu sistema de arrefecimento. Cuidado na hora de completar, já que o sistema é pressurizado quando quente.

Filtro de ar

Se o filtro de ar estiver sujo, pode ser uma boa ideia trocá-lo antes da viagem. Um filtro ar em péssimas condições pode até causar perda de ‘fôlego’, de torque, ou seja, falta de força ao encarar subida com carga total, por exemplo.

Fluido de transmissão

Uma longa viagem com carga total, especialmente em uma área montanhosa, coloca muita pressão no sistema de transmissão. Se a troca de fluido da transmissão estiver prestes a vencer faça a troca antes da viagem. Detalhe importante: o nível do fluido só pode ser verificado na concessionária ou em uma oficina de sua confiança.

Manual do proprietário

O manual do proprietário contém muitas informações sobre como rebocar o veículo, até como trocar um pneu furado e onde o macaco está localizado. Se você precisar completar o óleo do motor ou outros fluidos, o manual do proprietário também te dará todas as instruções que você precisa para cada tipo de situação.

Você também pode encontrar informações sobre o que fazer se o motor superaquecer ou como trocar a lâmpada do farol.

Se você não tiver o manual do proprietário, muitos fabricantes de automóveis disponibilizam em seus portais na web uma cópia eletrônica do manual para você baixar, imprimir e consigo.

Compartilhe o post nas suas redes sociais agora mesmo!

Fotos: Peter Fazekas/Pexels e Divulgação

HOJE É SEXTA: VAMOS PRATICAR O MOTOTURISMO?

 

Ferramenta de trabalho, opção inteligente para a questão da mobilidade urbana, a moto é também um instrumento de prazer. Já que ela pode levar o homem a conhecer novos lugares, novas culturas… Pode ser considerada um agente de socialização. Não há nada melhor que depois de dezenas de quilômetros rodados parar em uma cidadezinha, fazer novas amizades – ou rever velhos amigos de estrada –, poder trocar experiências e contar ‘causos’. E isso é uma experiência única!
Pode ser ainda um ‘rolê’ no centro velho, conhecer uma cidade histórica, descer para o litoral e ver o mar. Muitas vezes a moto se transforma em um tanque de guerra que enfrenta obstáculos. Em outras oportunidades em um avião para devorar as curvas de um autódromo em alta velocidade. É ir até onde a imaginação deixar (ou a rodovia permitir). Praticar o mototurismo é um estado de espírito, um estilo de vida que rejuvenesce as pessoas .
Não tem nenhuma ligação com marca, modelo ou cilindrada. Claro que há afinidades, gosto pessoal. Mas no final não importa o tamanho do “brinquedo”. O que importa mesmo é se aventurar, programar roteiros incríveis, já que a moto não tem fronteiras. Espero que as 11 fotos de Johanes Duarte, do Photo & Road, inspirem muitas pessoas a redescobrirem o Brasil sobre duas rodas, um País continental de inúmeras belezas!
Revise a moto, faça as malas e boa viagem. Bons equipamentos são fundamentais para uma viagem mais confortável e segura. Ah! Não esqueça da capa de chuva. O smartphone também é indispensável para registrar os momentos de alegria e descontração. Agora é pé na estrada!!!

FOTOS: Johanes Duarte / Photo & Road – www.photoandroad.com