Centodieci, o hipercarro da Bugatti que custa R$ 36 milhões

Serão fabricadas apenas 10 unidades do Bugatti Centodieci

Design agressivo, potência avassaladora e exclusividade. Estes são os pilares da Bugatti. A fabricante francesa de carros hiperesportivos – que tem 110 anos de história – segue agora acelerando rumo ao futuro com o Centodieci (110, em italiano), que terá edição limitada em dez unidades e custará 8 milhões de Euros, mais de R$ 36 milhões. Valor superior a muitos jatos executivos.

O Centodieci traz elementos do EB 110, modelo dos anos 90, e motor derivado do Chiron

Há muitas áreas nas quais o Bugatti Centodieci lembra o EB110, supercarro esportivo construído nos anos 90. “A ideia foi criar uma interpretação moderna em termos de forma e tecnologia “, diz Achim Anscheidt, líder de designer da Bugatti.

EB 110, Centodieci e Chiron três ícones produzidos pela francesa Bugatti

“Transportar esse visual clássico para o novo milênio sem copiá-lo era tecnicamente complexo. Tivemos que elaborar uma maneira de combinar as características do EB110 e também do Chiron e criar uma aparência estética completamente diferente, isso sem perder a identidade Bugatti”, afirma Anscheidt.

A roda de liga leve do Centodieci é uma obra de arte

Resumindo, a releitura que deu origem ao Centodieci ficou extremamente radical e aerodinâmica. Nada se perdeu e houve uma sinergia entre vários elementos. Da icônica ferradura até a lanterna traseira, passando pelas luzes diurnas em LED, entradas de ar laterais e o grande aerofólio.

Em função do desempenho do motor e do coeficiente aerodinâmico, o Centodieci chega a 380 km/h

Motor de 16 cilindros em ‘W’ e 1.600 cv
Em vez do tradicional V12, o exclusivo Centodieci está equipado com um motor W16 de 8.0 litros, derivado do Chiron, só que com a potência aumentada para 1.600 cv. Uma usina de força que leva o hipercarro francês de 0 a 100 km/h em 2,4 segundos; a 200 km/h em 6,1 segundos e a 300 km/h em 13,1 segundos. A velocidade máxima, segundo a Bugatti, é cortada eletronicamente a 380 km/h.

A ferradura no parachoque é uma marca registrada dos hipercarros Bugatti

“Não é apenas a velocidade máxima que faz um carro esportivo se transformar em um hipercarro. Com o Centodieci demonstramos mais uma vez que design, qualidade e desempenho são igualmente importantes”, concluí Stephan Winkelmann, presidente da fábrica de sonhos sobre rodas.

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.