Confira os cuidados pós tratamento de câncer de mama para mulheres motociclistas

Todos os anos, no mês de outubro, vemos extensas campanhas com o objetivo de trazer uma maior conscientização para a necessidade de realização de exames preventivos para uma detecção precoce do câncer de mama. Em paralelo, nos últimos dez anos, em média, a população de mulheres que não apenas acompanham o motociclismo, mas que passaram a uma posição mais central como pilotos, aumentou. Inclusive com movimentos direcionados especificamente a este público como o “Pilote como uma garota”, “Ladies of the Road”, “Aceleradas para Viver”, do grupo Aceleradas; além de marcas envolvendo o motociclismo direcionado especificamente a mulheres como, por exemplo, “Women For The Ride”, da Triumph, e “Legend Ladies”, de Belo Horizonte (MG). Pensando no bem estar da mulher, o MinutoMotor convidou o médico oncologista Daniel Morel para abordar o assunto de forma didática e objetiva todos os cuidados que as mulheres – motociclistas ou não – devem ter. Segue abaixo as orientações:

Cuidado com manobras em baixa velocidade / Divulgação
Cuidado com manobras em baixa velocidade / Divulgação

Apesar de não existir qualquer relação entre pilotar motos e o desenvolvimento de câncer, temos que estar muito atentos à algumas situações que podem ocorrer relativas ao tratamento, que muitos não pensam como “obstáculos” para uma pilotagem segura e eficiente. A depender do estágio da doença – quanto mais precoce o diagnóstico, maior a chance de uma doença inicial e por consequência maior possibilidade de cura -, o tratamento envolverá cirurgia além de possíveis combinações de quimioterapia, radioterapia e hormonioterapia. E o que tudo isso tem a ver com moto?

Ana Pimenta e Ana Sofia levantaram a bandeira da prevenção da doença no projeto The Ride 115 / Johanes Duarte
Ana Pimenta e Ana Sofia levantaram a bandeira da prevenção da doença no projeto The Ride 115 / Johanes Duarte

O tratamento cirúrgico (a depender do tamanho do nódulo e comprometimento de ínguas na axila) pode ser mais conservador ou um pouco mais agressivo com a retirada destas ínguas. Neste sentido, pode haver uma limitação inicial ao movimento do braço da paciente – que é totalmente recuperável, e em algumas ocasiões necessário fisioterapia. Isto pode em um momento inicial, prejudicar o movimento dos braços que é essencial para a manobra de uma motocicleta. Da mesma forma, que o esvaziamento da axila, quando a paciente pega muito peso com aquele braço, pode levar a um linfedema (inchaço do braço que pode ser doloroso). Agora imagine esta paciente tendo que levantar uma motocicleta do chão em caso de queda?

Faça exames regularmente e visite seu médico pelo menos uma vez por ano / Divulgação
Faça exames regularmente e visite seu médico pelo menos uma vez por ano / Divulgação

Da mesma forma, temos que levar em conta as limitações de movimento quando falamos em manobras de baixa velocidade, estacionar e controle da motocicleta. É essencial que saibamos o que conseguimos ou não executar de maneira eficiente, porém sem causar prejuízos ao corpo. Quando é necessário o uso de quimioterapia, temos que lembrar que nenhuma medicação é isenta de efeitos colaterais, porém, com a evolução da medicina, os medicamentos usados hoje em dia têm efeitos que são mais controláveis. Os mais conhecidos são a queda de cabelos, náuseas e vômitos, cansaço e em alguns casos, formigamento nos dedos.

MinutoMotor sempre presente nas campanhas de combate ao câncer de mama / Reprodução
MinutoMotor sempre presente nas campanhas de combate ao câncer de mama / Reprodução

Neste caso, existem medicações de suporte que controlam muito bem estes efeitos indesejados, porém, alguns como o formigamento nos dedos podem levar um certo tempo a desaparecer. Assim, ao pilotar uma moto, a paciente deve estar ciente de uma eventual redução de sensibilidade, ao pressionar os comandos de punho e eventuais manetes de embreagem e freio dianteiro. Claramente, se houver sensação de fadiga ou náuseas, não recomendamos a pilotagem, lembrando sempre de respeitar o seu corpo e seus limites.

Mulheres no comando de suas vidas e de suas motos, mas sempre se cuidando / Divulgação
Mulheres no comando de suas vidas e de suas motos, mas sempre se cuidando / Divulgação

Cada vez mais, temos mulheres que são verdadeiras lutadoras e que sobreviveram à doença, podendo relatar a sua história e experiência. E sempre devemos estar atentos a qualquer situação diferente em nosso corpo. Por isso, faça seus exames regularmente, visite seu médico para consultas anuais e tenha sempre em mente, que a estrada da vida está aberta a frente.

A mamografia é um exame capaz de detectar o câncer de mama no início
Foto Gustavo Urpia/SECOM/Fotos Públicas/R7
A mamografia é um exame capaz de detectar o câncer de mama no início
Foto Gustavo Urpia / SECOM / Fotos Públicas / R7

Só para reforçar a necessidade de visitas anuais ao médico, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) a doença atinge 60 mil mulheres por ano no Brasil. Por isso a é palavra-chave é prevenção.

Texto: Daniel Morel é motociclista, harleyro há 28 anos e médico oncologista

2 Comentários

    • Aldo Tizzani

      Oi Aline,
      Boa tarde!
      Que bom que vc gostou!
      Todos juntos pela saúde da mulher.
      Abs,
      Aldo Tizzani
      Editor-chefe

      Responder

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.