Conheça aplicativos que podem dar mais mobilidade e segurança aos motoboys de São Paulo

São mais de 16 mil vagas públicas na cidade de São Paulo / Divulgação
São mais de 16 mil vagas públicas na cidade de São Paulo / Divulgação

A vida de motociclista Ciro Ralfe, de 34 anos, começou aos 17 com uma Honda Biz. Hoje pilota no dia a dia uma CG 150 e, nos finais de semana, uma Triumph Tiger 800. Seja com a street da Honda ou com a bigtrail inglesa, o piloto sempre teve dificuldades para encontrar vagas para estacionar sua moto na cidade de São Paulo. Em função de ser um fanático pela mobilidade com segurança, Ciro, um especialista em marketing mobile, criou em julho de 2019 o Motop, um aplicativo que tem como principal função o mapeamento de mais de 16 mil vagas nos famosos “bolsões” de estacionamento para motos.

O APP Motop tem mais de 3 mil usuários/mês em busca de vagas / Divulgação
O APP Motop tem mais de 3 mil usuários/mês em busca de vagas / Divulgação

“Descobri que a minha necessidade era também a de milhares de ‘motocas’ que rodam pela Grande São Paulo. Desde o lançamento tivemos 15 mil downloads e contamos com mais de três mil usuários/mês. Além de usarem o APP para encontrar um bom local para parar, há cadastradas mais de 1.300 motopeças. Hoje, por meio de uma experiência digital, ligamos as duas pontas desse segmento, ou seja, ajudando os motociclistas a terem sua vida facilitada e divulgando os lojistas e seus produtos. As vendas são feitas via cupons de descontos. Moto parada é prejuízo no bolso”, analisa Ciro, idealizador do Motop, dizendo que hoje, em função da pandemia, mais de 60% dos usuários do aplicativo são entregadores. Como curiosidade, 2% são garupa, que tem a missão de organizar o roteiro e ajudar nas entregas.

Por meio do APP é possível buscar peças e serviços / Reproduçãoo
Por meio do APP é possível buscar peças e serviços / Reprodução

Como funciona?
O aplicativo Motop veio ajudar a solucionar o problema de forma simples: o motociclista coloca o seu destino e os bolsões disponíveis mais próximos são mapeados por geolocalização. Além disso, o motociclista tem no APP uma lista com todos os bolsões mais próximos de sua localização. Se desejar, pode traçar a rota diretamente para o bolsão usando um aplicativo de GPS (Waze, Google Maps).

O bolsão é escolhido via aplicativo de localização / Reprodução
O bolsão é escolhido via aplicativo de localização / Reprodução

O próximo passo, segundo fundador e CEO do Motop, será a ampliação do serviço com o cadastramento dos estacionamentos privados, além de aumentar a interação entre esta comunidade, que pode ter mais de 1,5 milhões de motociclistas rodando na capital. Por meio do APP, o usuário pode fazer também a avaliação do bolsão em termos de segurança.

No Aisa9 educação no trânsito gera menos acidentes e pontos / Divulgação
No Aisa9 educação no trânsito gera menos acidentes e pontos / Divulgação

Educação via Aisa9

Imagine ter no seu smartphone em tempo real e totalmente grátis informações sobre buracos nas vias e ocorrências de trânsito. O Aisa9 está diretamente ligado a uma conduta mais segura sobre a motocicleta. Para tal conscientização, o aplicativo conta com o apoio da Honda, por intermédio de seu programa Harmonia no Trânsito.

Pilotar seguindo as lei de trânsito se transformam em prêmio / Reprodução
Pilotar seguindo as lei de trânsito se transformam em prêmio / Reprodução

Depois de baixar o APP , ative a pontuação e receba alertas sonoros ou vibratórios por excessos de velocidade, por exemplo. Cada quilômetro percorrido com boa conduta gera pontos que dará acesso à descontos e benefícios exclusivos em serviços e produtos para o piloto e sua moto, como manutenção, troca de óleo, vale-abastecimento, acessórios e até crédito para celular.

2 Comentários

  1. Sandra

    Ideia genial, facilitar a vida do trabalhador que é tão importante para nossa cidade, ainda mais com essa pandemia.

    Responder
    • Aldo Tizzani

      Sandra,
      Obrigado pela mensagem.
      Realmente os APPs facilitaram a vida de todos, principalmente em períodos de calamidade pública.

      Abs,

      Aldo Tizzani
      Editor Chefe

      Responder

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.