Conheça cinco motos 125cc que poderiam estar rodando no Brasil

De fácil pilotagem, a Honda MSX 125 seria uma boa opção de transporte individual / Divulgação

O mercado brasileiro de duas rodas é dominado pelas motos de baixa capacidade cúbica. Os modelos de uso urbano, mais conhecidos com street, tem na linha CG, da Honda, seu principal representante. Ela, as Yamaha Factor e Fazer, entre outras, podem servir de ferramenta de trabalho ou opção de transporte. Já na Europa há uma forte tendência de uso de modelos de 125cc mais modernos, bonitos e com motores mais eficientes e econômicos. Tudo para conquistar o público jovem que não larga o smartphone. Confira a lista com cinco motos 125 ‘cilindradas’ que poderíamos ver rodando aqui no Brasil e seriam boas opções para o motociclista iniciante:

Com design arrojado e rodas aro 12, a Mini Street Xtreme deve atrair  o jovem motociclista / Aldo Tizzani

Honda MSX 125
A pequena MSX125 – Mini Street Xtreme 125 – traz um visual bastante radical, motor pintado de preto e rodas aro 12 polegadas. Fabricado na Ásia, o modelo Honda conta com um completo painel de instrumentos em LCD e pesa apenas 101,7 kg. Já o motor é bastante parecido com o usado na Biz 125. O propulsor da MSX oferece 9,8 cv a 7.000 rpm de potência máxima e 1,11 kgf.m a 5.500 rpm de torque máximo. Conta com duas válvulas e refrigeração a ar, além de injeção eletrônica de combustível e câmbio de quatro velocidades com embreagem manual. Na parte ciclística destaque para suspensão invertida na dianteira e freio a disco em ambas as rodas, com ABS na dianteira.

O modelo de entrada da Kawasaki traz as mesmas linhas modernas de suas irmãs maiores / Aldo Tizzani

Kawasaki Z125
Olhando para o line-up da Kawasaki no Brasil, a moto de entrada é a Versys 300, já que a Z300 está se aposentado com a chegada da Z400. As motos da marca japonesa foram crescendo e sua capacidade cúbica aumentando. Já há espaço para um modelo realmente de entrada com a Z125, como também pata sua irmã de características mais esportivas – a Ninja 125. A ‘motinho’ conta com motor monocilíndrico de 15 cv de potência máxima e câmbio de 5 velocidades. Conta ainda rodas de liga leve de 17 polegadas e freio a disco e sistema ABS.

Mini R1, a YFZ-R125 é o primeiro passo para o mundo das motos superesportivas / Aldo Tizzani

Yamaha YFZ-R125
Cópia em miniatura da superesportiva R1, a YFZ-R125 chama a atenção pelo seu design arrojado, pintura bicolor (azul ou preto, com a parte de baixo da carenagem em preto fosco). A mini esportiva da Yamaha está equipada com motor de um cilindro refrigerado a líquido, que gera 15 cv de potência máxima a 9.000 rpm e torque de 1,65 Kgf.m a 8.000 giros. Conta com suspensão invertida na dianteira e freio a disco em ambas as rodas.

O modelo da Suzuli traz motor de 15 cv de potência e ABS de dois canais / Aldo Tizzani

Suzuki GXS-S 125
O modelo de entrada da Suzuki lembra esteticamente a naked Inazuma 250. Traz um completo painel de instrumentos em LCD, rodas de liga leve, assento em dois níveis e spoiler sob o motor que, aliás, gera 15 cv de potência máxima a 10.000 rpm. O câmbio é de seis velocidades e a moto usa freios a disco, com sistema ABS de dois canais.

Quadro em treliça e painel digital que parece um tablet, a KTM 125 é jovial de ponta a ponta / Aldo Tizzani

KTM Duke 125
A marca austríaca, que conta com novo representante no Brasil, não quer perder consumidores para as japonesas. A Duke 125 traz praticamente as mesmas característica de suas irmãs maiores: desenho radical, quadro em treliça, suspensão WP e painel digital que mais parece um tablet. O motor de um cilindro com arrefecimento a líquido gera 15 cv de potência máxima a 10.000 rpm. Conta com sistema de freios ABS de dois canais e rodas de liga leve.

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.