De Ducati Monster 797, Virginia Barbosa é a primeira mulher no mundo a finalizar o “Iron Butt”

Engenheira de software e apaixonada por motos, Virginia Barbosa, de 37 anos, é a primeira mulher, em todo o mundo, a cumprir o desafio Iron Butt, prova de resistência e determinação teve mais de 1.600 km percorridos em apenas 24 horas. Para enfrentar e vencer este desafio, a mineira rodou com uma Ducati Monster 797 entre os estados de Minas Gerais e mato Grosso do Sul. “A coragem e a determinação de dominar um novo mundo foram meu principal combustível para superar várias barreiras durante todo esse processo. O primeiro deles foi a falta de experiência e o medo, que foi compensado em resiliência.

“Parti às 3 horas da madrugada de Belo Horizonte e comecei a aventura com o coração a mil por hora. As estradas de Minas Gerais tem muitas curvas e deu para sentir que a moto responde muito bem nas tomadas de curva e na aceleração final. Em Uberaba, as estradas estavam sensacionais para acelerar e com isso testei bastante o poder da minha Monster, que me surpreende cada vez mais”, explica.

No trajeto, já entrando no Mato Grosso do Sul, logo depois de atravessar a ponte sobre o rio Paraná, Virgínia passou direto numa lombada e com o solavanco o GPS soltou da USB e ela não percebeu. Sem a conexão, a bateria do GPS foi baixando e cerca de 100 km depois apagou. “Eu fiquei sem sinal de dados no celular e acabou que na rotatória, ao invés de pegar para Campo Grande, segui direto por mais 100 km. O tempo estava um pouco nublado e quando o sol saiu percebi que o meu destino deveria estar na minha frente e não atrás de mim”, conta relembrando o perrengue. “Consegui ligar pro meu marido e com a localização do meu GPS de segurança ele traçou o caminho para eu chegar na minha rota original e peguei o rumo certo para Campo Grande”.

De volta ao caminho correto Virginia agora precisava abastecer, afinal tinha rodado muitos quilômetros extras. “No planejamento da rota havia um posto de gasolina entre as cidades de Inocência e Águas claras, mas esse posto foi desativado. Decidi seguir viagem. Grande erro. Faltando 10 km para chegar em Inocência deu pane seca na moto”, conta. “Mantive a tranquilidade e achei um reboque para me resgatar”, destaca a piloto.

Mas tudo acabou bem e ao finalizar o desafio Virginia descreve a emoção. “Consegui fazer os 1600 km e nesse momento minha emoção foi a mil. Eu gritava dentro do capacete, buzinava e piscava farol igual uma louca. Isso tudo no meio do nada. Tomada pela emoção, ao passar por uma operação policial, eu não vi o agente fazendo sinal de parada e continuei meu caminho, acelerando para chegar logo no posto e tirar foto da nota de abastecimento final, com meu hodômetro marcando mais de 1600 km”, diz.

“De repente vi uma luz ofuscante atrás de mim e o barulho de sirene e o giroflex da viatura da Polícia Rodoviária Federal ligado. Encostei a moto e ouvi um: mão na cabeça! Nessa hora bateu o desespero: o que eu fiz? Os policiais pediram para eu descer da moto e verificaram minha documentação. Estava tudo em ordem e eles quiseram saber o que eu estava fazendo sozinha, na madrugada, no meio do nada, andando de moto”, relembra o susto. “Falei sobre o desafio e acabei fazendo mais dois amigos”, finaliza.