DICAS PARA TRANSPORTAR CORRETAMENTE SUA BIKE

Segue a gente nas mídias
Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
Enviar via Email

Em 2018 foram produzidas mais de 770 mil bicicletas no Brasil, segundo dados da Abraciclo – associação que reúne os fabricantes de motos e bikes. No verão a procura por uma “magrela” explode e a vontade de passear ao ar livre aumenta, principalmente, nos fins de semana. Mas você sabe como transportar sua bike corretamente? Os suportes para veículos de passeio oferecem diversos modelos. Há os que são acoplados diretamente no porta-malas, os que se conectam nos engates automotivos e os que ficam no teto do automóvel.

Os modelos acoplados ao teto requerem que o veículo já tenha barras transversais onde o suporte de bike é fixado. Nesse mecanismo, a bicicleta é transportada em pé e as rodas ficam sobre trilhos. Em alguns casos, a roda dianteira é retirada e acomodada dentro do veículo. Já os suportes fixados diretamente no porta-malas devem ser bem presos por meio de cintas de fixação, que se encaixam no vão do porta malas do veículo, deixando as bikes em uma posição perpendicular ao solo. Uma outra solução são os suportes de bike acoplados ao engate automotivo, que traz como diferencial a fácil instalação. 

Uma das principais fabricantes destes suportes é a Reese, marca da Horizon Global Brasil. Seus produtos se destacam por design arrojado e funcional, além de apresentarem facilidade de instalação. Alguns modelos contam com sistema antifurto, tanto para bike quanto para o suporte de bike. Os preços partem de R$ 220 (suportes de teto).

Legislação
Fique ligado! Se as bikes cobrirem a placa ou as luzes de sinalização de direção do veículo, mesmo que parcialmente haverá necessidade do uso da régua de sinalização e o uso da segunda placa, de acordo com a Resolução 349/10 do Contran. Outra orientação é a necessidade de respeitar o peso máximo de carga especificado para o veículo. Por isso fique atento as regras de regulamentação para transporte de cargas, regidas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), evitando assim multas e acidentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *