H-D News: Recorde mundial de velocidade e encerramento das operações da marca na Índia

A velocidade final aferida pela LiveWire foi de 177,59 km/h / Divulgação
Projeto LiveWire colhendo bons resultados / Divulgação

Duas notícias sobre o universo Harley-Davidson estão agitando o mundo das duas rodas. Uma boa e uma ruim. A boa é que todos os esforços da marca americana em criar uma moto elétrica realmente eficiente tem dado um bom retorno, mostrando que a engenharia da marca está conseguindo extrair o máximo de desempenho do modelo. A LiveWire, que apareceu no filme “Os Vingadores”, teve excelentes resultados em corridas nos Estados Unidos. Já a “bad news” – não é fake news – é o encerramento das operações na Índia. Sinal que a reestruturação da companhia será ditada fortemente por aspectos comerciais e mercadológicos. Confira os detalhes:

LiveWire bate recorde de velocidade – A Harley-Davidson LiveWire estabeleceu novos recordes de tempo de arrancada e velocidade máxima de uma motocicleta elétrica de produção durante um evento de corrida de arrancada, que aconteceu em 4 de setembro, em Indianapolis (EUA).

Projeto LiveWire colhendo bons resultados / Divulgação
A velocidade final aferida pela LiveWire foi de 177,59 km/h / Divulgação

Angelle Sampey, pilota da equipe Harley-Davidson Screamin’ Eagle/Vance & Hines, saiu de sua moto de competição (HD FXDR Pro Stock) para pilotar a LiveWire e bater o recorde mundial, correndo o oitavo de milha (201,2 metros) em 7,017 segundos e o percurso completo (402,3 metros) em apenas 11,156 segundos. A velocidade final aferida foi de 177,59 km/h. Só por curiosidade, a velocidade máxima da LiveWire 2020 é limitada a 177 km/h.

Harley deixa o mercado indiano – A Harley enviou comunicado para o Security and Exchange Comission informando oficialmente que resolveu encerrar as operações na linha de montagem em Bawal (distrito de Haryana, na Índia) e que a marca irá se retirar por completo daquele mercado.

Harley dá adeus ao mercado indiano / Foto : Johanes Duarte
Harley dá adeus ao mercado indiano / Foto : Johanes Duarte

Muitos ficaram chocados com a notícia, pois a Índia é considerado um dos maiores mercados consumidores do mundo. Entretanto, o piloto indiano compra motos de baixa cilindrada para transporte. Logicamente, além de não ser o público-alvo da Harley, as motos custavam muito caro.

Além disso, a pandemia do novo Coronavírus afetou negativamente as vendas de motos HD naquele país. Em seis meses foram comercializadas apenas 106 unidades. Com o objetivo de atender a base instalada, a HD terá um pequeno escritório no país e irá buscar um parceiro local para prestar serviços aos atuais clientes. Essa retirada estratégica irá render uma economia de US$ 75 milhões. Tudo em prol da reestruturação.

Texto: Dan Morel, especial para o MinutoMotor

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.