HARLEY FABRICARÁ MOTO DE 338CC EM PARCERIA COM QIANJIANG

Com a missão de atrair novos clientes para a marca, a Harley-Davidson anunciou hoje (19/06), uma parceria com a chinesa Qianjiang Motorcycle Company Limited. As empresas querem lançar uma motocicleta menor, mais acessível e, consecutivamente, ampliar a participação da Harley na China e outros países da Ásia, já para o final de 2020. Segundo a agência Reuters, a empresa espera gastar entre US$ 675 milhões a US$ 825 milhões nos próximos quatro anos, cortando custos e gerando receita de US$ 5,9 bilhões a US$ 6,4 bilhões em 2022. Tudo parte do plano de expansão chamado “Mais caminhos para a Harley-Davidson”.

Segundo o comunicado oficial, “esta colaboração une a liderança global da Harley-Davidson com a capacidade de co-desenvolvimento de uma pequena moto premium de 338 cm³ de capacidade -, um dos menores já fabricado pela marca em seus 116 anos de história – para venda, inicialmente, no mercado chinês, sendo seguido por demais mercados asiáticos. A Qianjiang foi o parceiro selecionado pela HD, baseado na sua experiência de desenvolver motocicletas premium de baixa cilindrada, por contar com uma base de fornecedores já estabelecida, possuir capacidade em mercados emergentes e ter a habilidade de atender aos requerimentos dos consumidores”.

Para Matt Levatich, Presidente e Chief Executive Officer da Harley-Davidson, “a companhia sempre teve como princípio trazer inspiração aos pilotos ao redor do mundo. Nosso plano é oferecer nosso estilo de vida e o espírito de liberdade para mais pessoas. Nós estamos animados com esta oportunidade de desenvolver ainda mais a cultura das duas rodas na China, um dos maiores mercados consumidores de motocicleta do mundo”, afirma Levatich, dizendo que a Ásia é a chave para a Harley atingir o seu objetivo, que é crescer 50% até o ano de 2027. Falando em números, as vendas da Harley na China cresceram 27% em 2018 em comparação a 2017, e a companhia já aumentou os investimentos em sua fábrica na Tailândia para atender a esse mercado e evitar tarifas de importação adicionais. Além de um forte interesse pelo mercado indiano.

“Nós estamos satisfeitos de colaborar com a Harley-Davidson”, disse Donhshao GUO, Gerente Geral da Qianjiang. “Temos capacidade de produção e experiência comprovadas na China. Nós estamos comprometidos em melhorar a experiência do motociclista asiático”, disse o executivo chinês.

Segundo a Harley, o novo modelo terá um visual característico e distinto, além de um som que trará boas sensações e que irão se conectar com os novos motociclistas. A nova “little Harley” será produzida na fábrica da Qianjiang, em Winling (Província de Zhejiang), e irá adotar os rigorosos padrões de qualidade da marca norte-americana.

Comentários do autor
A pergunta mais importante que fica, na verdade, é em relação ao mercado brasileiro, que também é considerado um mercado emergente, no qual a líder Honda detém 80% de share de mercado. A primeira análise levaria a crer que não veremos mudança na estratégia da HD para o Brasil, principalmente por suas motos serem vistas e vendidas como produto premium e diferenciado – razão pela qual a Street 500/750 nunca apareceu para ser vendida por aqui, a não ser em uma rápida aparição em uma edição do Harley Days, apenas para pesquisa de mercado.
Por outro lado, analisando os números da Honda e seguindo os passos de outras marcas premium, como a BMW (que lançou a sua 310cc), além da KTM com as suas Duke (200 e 390cc), acredito que a HD possa olhar com carinho a possibilidade de expansão também na América do Sul. Em breve veremos cenas dos próximos capítulos, já que o “Annual Summer Dealer Meeting” acontece nos dias 20 e 21 de agosto, em Milwaukee, estado do Wisconsin. Ou seja, na própria casa da Harley-Davidson.

Texto Dan Morel, do Blog Doctor Dan, especial para MinutoMotor / Fotos Divulgação

2 Comentários

  1. Everson Mira

    A HD jámtem uma motocicleta de 500cc e que não chega aqui..não acredito que está venha para cá..

    Responder
    • Aldo Tizzani

      Caro Everson,
      tudo na vida é oportunidade.
      A HD precisa renovar seu público, atrair motociclistas mais novos.
      Na Ásia pode ser uma opção com fabricação local.
      Aqui é difícil dizer, mesmo com a Harley montando em Manaus (AM).
      Abs,
      Aldo Tizzani
      Editor

      Responder

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.