DE CAIXAS ELETRÔNICOS A MOTOS CUSTOMIZADAS, CONHEÇA O “PAI” DA BIZ

Segue a gente nas mídias
Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
Enviar via Email
Luiz “Careca” Mingione em ação na Given
A história de Luiz Eduardo Fonseca Mingione merece um livro de memórias, já que carrega em seu currículo experiências pra lá de vitoriosas e peculiares. Criou gabinetes para caixas eletrônicos, foi campeão do Rali Dakar com uma 250cc e hoje customiza motos em Milão (ITA). Luiz “Careca”, como é mais conhecido, é também um dos pais da Honda Biz. Diferentemente de sua antecessora Dream, a motoneta traz como diferencial roda traseira de 14 polegadas e espaço sob o assento. Depois de mais de 20 anos no mercado, a CUB da Honda é a quarta moto mais vendida do País.
Com o mokap de uma nova versão da Biz, no Japão
Em 2002, aos 43 anos, Luiz Mingione assumiu novo desafio, agora como piloto. E, de cara, sagrou-se campeão do Rally Paris-Dakar na categoria Super Production para motos até 250 cilindradas. O estreante na maior e mais difícil competição off-road do mundo rodou quase 10 mil quilômetros sobre uma Honda Tornado 250 entre a França e Senegal, passando ainda por Espanha, Marrocos, Mauritânia.
Campeão do Rally Dakar 2002 com uma Honda 250cc
Depois da fama (industrial e esportiva), o Luiz “Careca” teve de ganhar o mundo após sua saída da marca líder do segmento de duas rodas. Nômade, trabalhou na China, trouxe motos asiáticas para o Brasil (Iros) e, mais recentemente, atuou na Turquia para a Ford. Hoje o paulistano do boêmio bairro da Vila Madalena vive na Itália para ficar mais próximo da família da esposa Isabel – filha de japoneses e que tinha restaurante em Milão – e oferecer uma educação de melhor qualidade para o filho Enzo, de 13 anos.
Placa de reconhecimento assinada pelo presidente mundial da Honda
Irrequieto, esbanjando conhecimento técnico e disposição física, Mingione, hoje com 60 anos, ganhou nova oportunidade, agora na Given Motodesign Italy, um estúdio que customiza motos na “Capital Mundial da Moda”! Então é hora de conhecer melhor a história de Luiz “Careca”, campeão de criatividade, que transforma sonhos em peças funcionais. Neste caso, deixar uma exclusivíssima DUU CR&S ainda mais única. A customização feita na Given Motodesign durou quase um ano e consumiu 25 mil Euros. Confira os principais trechos desta entrevista para o MinutoMotor.
A DUU CR&S em sua versão original
MinutoMotor – Vamos falar das principais características da versão original da moto que você ajudou a customizar?
Luiz Mingione – A moto é uma DUU CR&S – em referência ao numeral dois em um dialeto milanês e as iniciais de Cafe Racers e Superbikes. Foram fabricadas cerca de 150 unidades que estão espalhadas pela Europa. Lançada em 2009 no Salão de Motos de Milão (Eicma), a moto artesanal custava 47.628 Euros, cerca de R$ 208 mil. Infelizmente, a empresa frechou em 2013.
O motor da DUU é um dois cilindros em “V” a 56° fabricado pela S&S X-Wedge, que tem 1916 cm³ de capacidade, 100 cv potência, câmbio de seis marchas e chega a 200km/h. A moto traz chassi de treliça em aço e alumínio e belíssimas rodas em liga leve de 17 polegadas. A suspensão dianteira é invertida e parte traseira conta com braço oscilante e monoamortecedor.
A DUU não tem sistema de freios ABS e para parar seus 245kg (peso seco), a moto usa freio a disco 320 mm duplo na frente e disco traseiro de 260 mm fixado na parte interna da roda.
Peças fabricadas exclusivamente para a customização da DUU
MM – Que tipo de personalização foi feita? O cliente fez sugestões?
Mingione – Esta DUU CR&S foi objeto de uma profunda personalização comparada ao modelo original. O cliente deixou a criação a cargo da Given e acompanhou todo o trabalho de perto, dando sugestões. A moto foi inteiramente redesenhada. Foram criadas várias peças nas partes traseira, frontal e lateral. Com a minha ajuda, Donato Cannatello, dono e designer Sênior do estúdio, pode expressar as ideias de customização e estilo com critérios de funcionalidade, estética e exclusividade. A DUU customizada pela Given Motodesign chama atenção por anda passa.
A maioria das peças foram desenhadas em CAD e depois fabricadas em alumínio. Tantas outras foram feitas à mão, seguindo a inspiração do momento. Segundo Donato, neste tipo customização é sempre bom deixar uma parte do trabalho para o coração e a sensibilidade do momento. Com certeza a emoção fez toda a diferença neste projeto.
DUU reestilizada pela Given Motodesign, estúdio que fica em Milão (ITA)
MM – Como foi o passo-a-passo desta personalização. O que foi feito? Quais as dificuldades? Quanto tempo?
Mingione – Esta moto foi o resultado de muito trabalho de projeto, que inclui sempre uma fase preliminar de conceito 2D em que submetemos ao cliente e onde tentamos deixar claro todos os pontos que serão objeto de modificação. Feito isso prosseguimos com a definição do projeto desenvolvendo com o uso do computador, mas também não abdicamos de fazer desenhos a lápis na oficina.
Todas as peças projetadas em CAD foram feitas em CNC em alumínio, plexiglass e ABS, entre outros materiais. Este projeto levou quase um ano de trabalho, desde os schets com as ideias iniciais, trabalho de CAD, fabricação, pintura e acabamento das peças e modificações sugeridas pelo cliente. Algumas dificuldades foram resolvidas durante a montagem. Outros pequenos problemas surgiram durante o teste de rodagem e foram prontamente solucionados.
Moto em fase de reconstrução no estúdio milanês
MM – Quantas pessoas trabalharam neste projeto. Descrever a função de cada elemento da equipe?
Mingione – Trabalharam neste projeto Donato Cannatello, designer, proprietário da Given Motodesign e líder desta customização; Marco Jimenes, designer Sênior; Fabio Spiga Casadio, designer; Paolo Zanetti, mecânico especializado, e eu, que fiquei responsável pela modelagem – clay –, sugestões e soluções para algumas peças, pintura, montagem e teste de rodagem.
Dianteira ganhou formato triangular e monoamortecedor
MM – Alguma solução criativa adotada nesta customização?
Mingione – Sim. Eu posso citar a suspensão dianteira – que traz monoamortecedor Öhlins –, a parte de iluminação traseira e frontal de LED e o uso materiais de acabamento como cobre. Muitas peças foram feitas artesanalmente em resina, ABS, além de outros materiais. Na minha opinião esta reunião de materiais e formas inusitadas fizeram a diferença no visual desta releitura do modelo.
Traseira com peças feitas em cobre e lanterna de LED
MM – Como é trabalhar com o designer que criou a moto originalmente?
Mingione – Já trabalhei com designers da Honda no Japão; chineses da UM United Motorcycle e Zongshen na China; com designers turcos na Ford em Istambul; brasileiros da Honda e agora na Given Motodesign na Itália. É um grande prazer e aprendizado trabalhar com alguém com a experiencia de Donato Cannatello. Ele é experiente, criativo e rápido em buscar soluções para o desenvolvimento e fabricação de peças especiais. Conhece muito de motocicleta, de customização e põe, literalmente, a mão na massa, como um autêntico italiano. Trabalhamos com música na oficina, Apesar da seriedade e responsabilidade na personalização de uma mota há sempre tempo boas histórias, risadas e trocas de experiências. O ambiente e a equipe são excelentes. Estou aprendendo muito com Donato. Ele é diferente de todos os outros com quem já trabalhei na vida. E em nossas reuniões de final do dia sobre o projeto sempre ‘rola’ uma cerveja para descontrair.
Mingione com a nova DUU rodando pelas ruas de Milão (ITA)
MM – Como é o comportamento dinâmico da moto?
Mingione – Apesar do peso, tamanho e sem nenhuma eletrônica embarcada, a nova DUU surpreendeu. Quando tive o primeiro contato com a moto imaginava que seria difícil pilotar na cidade, mas o modelo tem uma ciclística muito boa. Além das modificações estéticas, alteramos o sistema de suspensão dianteira, que ganhou um design exclusivo e oferece bom comportamento.
A DUU tem um bom desempenho na cidade, rodando no trânsito maluco de Milão. Mas ela mostra seu melhor potencial de performance e dirigibilidade nas belas estradas secundarias e autopistas italianas. Ela tem um motor monstruoso e forte, vibrante, literalmente. A moto tem pouca autonomia e não tem o conforto de uma moto japonesa, que é minha referência. Mas, em tiros rápidos, é muito divertida e prazerosa de pilotar. Além, obviamente, de chamar muito a atenção por onde passa, isso em função de seu design totalmente exclusivo.

2 opiniões sobre “DE CAIXAS ELETRÔNICOS A MOTOS CUSTOMIZADAS, CONHEÇA O “PAI” DA BIZ

  • 30/06/2019 em 11:48
    Permalink

    Conheço pessoalmente o Luiz, há muitos anos e sem duvidas, tem foco, conhecimento, batalhador e merecedor dessa exposição estampada nas matérias através das mais diversas fontes. Que venha o reconhecimento acompanhado de muitos resultados positivos. Júlio Costa

    Resposta
    • 01/07/2019 em 13:17
      Permalink

      Caro Júlio,
      O Luiz é um merecedor pela história que construiu e tb por seu caráter.
      Um cara acima da média! E precisamos realmente falar das boas atitudes.
      Espero que matérias assim possam estimular os mais jovens.
      Já que sucesso e dinheiro só se conquistam com muito trabalho.
      Obrigado pela mensagem.
      Forte abraço,
      Aldo Tizzani
      Editor

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *