Quais as principais diferenças entre um scooter e uma moto?

Apesar de ser um veículo de duas rodas, o scooter é muito diferente de uma moto. Seja na parte construtiva, na dinâmica de pilotagem e até na tecnologia embarcada. Hoje, os scooters têm desempenhado um papel importante no mercado, atraindo muitos iniciantes para o mundo das duas rodas. Até por conta disto nós, do MinutoMotor, ouvimos muitas dúvidas e para tentar esclarecer algumas delas usaremos como referência o SH300i, scooter de 300cc da Honda. Então vamos entender um pouco mais sobre este veículo que, em breve, voltará a ser referência em termos de mobilidade humana e economia de tempo e dinheiro.

O scooter usa transmissão automática CVT. É ligar e acelerar / Divulgação
O scooter usa transmissão automática CVT. É ligar e acelerar / Divulgação

Como podemos diferenciar um scooter de uma moto? Veja se há alavanca de câmbio no pé esquerdo. Os scooters são automáticos, por isso não há alavanca. Outro detalhe é observar a posição do motor. Em vez da posição mais à frente como nas motocicletas e motonetas, o propulsor dos scooters, em conjunto com a transmissão, está mais próxima da parte traseira, próxima da roda. Nos scooters você também não irá encontrar o tanque de combustível entre as pernas. O que determina a posição de pilotagem sentado e não montado como na maioria das motos.

Não há pedal de câmbio do lado esquerdo do scooter / Divulgação
Não há pedal de câmbio do lado esquerdo do scooter / Divulgação

Então, já que não há pedal de câmbio, o que é o manete que fica do lado esquerdo do guidão? O scooter não tem embreagem para engatar marchas. A transmissão é via CVT. Isto é a tal transmissão automática! É ligar e acelerar. Então, nos scooters os manetes são de freio. Freio traseiro na mão esquerda e dianteiro na mão direita.

No SH 300i não há miolo de chave. O modelo só funciona com a Smart Key / Divulgação
No SH 300i não há miolo de chave. O modelo só funciona com a Smart Key / Divulgação

Já que estamos aqui nos comandos, onde coloco a chave? No caso da SH300i não há miolo de chave. É por presença, chamado de Smart Key pela Honda. Você dá a partida por meio de botão (start), mas a ignição é por intermédio deste conjunto que agrupa alguns comandos como a abertura do assento e trava de guidão. Outros modelos disponíveis no mercado utilizam o tradicional miolo de ignição, onde você deve inserir e girar a chave para ativar a ignição.

O conjunto motor/transmissão do scooter fica próximo da roda traseira / Divulgação
O conjunto motor/transmissão do scooter fica próximo da roda traseira / Divulgação

Quando o assunto é praticidade, os scooter também compartilham soluções com os carros: iluminação em LED e tomada 12V. Aliás, o SH tem uma tomada sob o banco. Em outros modelos a tomada fica no porta-luvas. No caso específico do SH 300i da Honda é necessário comprar um adaptador para fazer o carregamento do smartphone, já que a tomada não é USB. Um ponto importante ao comprar o seu adaptador é observar a amperagem. Veja se a especificação é a mesma da recomendada pelo fabricante. Para isto, consulte o manual. (Capacidade nominal 12W – 12V, 1A). Neste caso o carregador veicular utilizado é da Anker. Cabo e carregador custam em torno de R$ 270.

Sob o assento fica o bocal de abastecimento, porta-capacete e tomada 12V / Divulgação
Sob o assento fica o bocal de abastecimento, porta-capacete e tomada 12V/ Divulgação

Mas onde fica o bocal de abastecimento deste scooter? O bocal também fica sob o banco. Para acessar o piloto tem que descer da moto, liberar a trava no seletor e levantar o assento. Há outros modelos de scooter que o bocal é externo, como no Honda PCX 150, Yamaha NMax 160 e no Dafra Citycom HD 300.

Há espaço para guardar um capacete e outros pequenos objetos / Divulgação
Há espaço para guardar um capacete e outros pequenos objetos / Divulgação

Aliás, uma das características mais marcantes de um scooter é o compartimento sob o assento, popularmente chamado de porta-capacete. São de diversos tamanhos e essencialmente cabe um capacete e outros pequenos objetos. Neste caso, o espeço pode acomodar um capacete aberto ou um com casco pequeno.

O parabrisa pode ser retirado ou substituído por um menor / Divulgação
O parabrisa pode ser retirado ou substituído por um menor / Divulgação

Muitos scooters contam com parabrisa, seja como item de série ou como acessório. A peça tem várias finalidades: item de estética, de funcionalidade ou de proteção. Mas o parabrisa pode ser retirado? Alguns modelos permitem ajustes de altura. Neste caso, não é possível ajustar, mas pode ser retirado. Caso opte por retirar, você deve tirar também o suporte (astes laterais) e posteriormente colocar o acabamento plástico. Caso não tenha as peças de acabamento, elas podem ser compradas na concessionária. O preço gira em torno de R$ 40, o par. Aqui uma ressalva: em função da complexidade faça este serviço em uma oficina autorizanda Honda. Outra opção é colocar um parabrisa menor e que custa na faixa dos R$ 500.

A estrutura do scooter é bem diferente da usada em uma moto / Divulgação
A estrutura do scooter é bem diferente da usada em uma moto / Divulgação

O SH300i tem freios ABS (sistema antitravamento)? Sim, em ambas as rodas. Bom, como o nome diz, o sistema evita que as rodas travem numa frenagem de emergência, permitindo o controle direcional e, em muitas vezes, evitando uma queda. No caso do SH300i, o ABS é um item obrigatório por conta da legislação em vigor no Brasil, na qual todos os modelos de 300cc acima devem ter ABS. Modelos até 300cc devem ter CBS (sistema de freios combinados) ou ABS. Então não estranhem em ver um PCX ou NMax com ABS ou até um Elite com CBS.

Consultoria técnica: Hayato Ikejiri, especial para o MinutoMotor

3 Comentários

  1. Carlos Minkap

    Boa reportagem, tenho uma SH 150 e o ABS nas rodas já me salvou de alguns tombos.
    Deveria ser item obrigatório em todas as motos independente da cilindrada.

    Responder
    • Aldo Tizzani

      Olá Carlos,
      Obrigado por acompanhar o MinutoMotor.
      Já houve uma grande evolução nos sistemas de freio das motocicletas.
      Acho que caminhamos para o ABS obrigatório, primeiramente no modelos 300cc+.
      Tudo é uma questão de eficiência do sistema e de tempo.
      Abs,
      Aldo Tizzani
      Editor-chefe

      Responder

Deixe seu Comentário

Seu E-mail não Será Publicado.