SALÃO DO AUTOMÓVEL ESBANJA OTIMISMO: MARCAS AMERICANAS

Segue a gente nas mídias
Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
Enviar via Email

Após alguns anos de trevas, parece que o mercado automotivo brasileiro reencontrou a luz. Depois que o ainda otimista Salão do Automóvel de São Paulo de 2014 foi sucedido por três anos seguidos de profunda retração nas vendas, com direito a milhares de concessionárias fechadas e uma edição do evento paulistano quase depressiva em 2016, finalmente em 2018 as vendas voltaram a crescer de forma consistente. E as empresas do setor não disfarçam a euforia. Por isso, a trigésima edição do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo – que acontece de 8 a 18 de novembro no São Paulo Expo, na capital paulista – tem ares de celebração, apesar de algumas ausências de marcas que tradicionalmente participam do evento, como Peugeot, Citroën, Land Rover, Jaguar e Volvo, terem resolvido não participar. O público esperado é de mais de 700 mil pessoas que visitarão os mais de 120 estandes, entre fabricantes de veículos e de autopeças e empresas de serviços do setor.

Se a incômoda temporada letárgica ficou para trás, a perspectiva é que seja hora de retomar as vendas – e, coincidentemente, todos têm planos de ampliar suas participações no mercado local. Com esse objetivo, as empresas automotivas instaladas no país aproveitam o Salão de São Paulo para se reafirmar tecnologicamente e confirmar algumas das principais tendências mundiais já evidenciadas em outros motorshows do planeta – proliferação de utilitários esportivos e eletrificação dos motores. Nunca, na história do evento paulistano, tantos SUVs e tantos modelos elétricos e híbridos foram apresentados ao público ao mesmo tempo. Mas, como todo salão de automóveis que se preze, o de São Paulo é também um espaço para experimentação de ousadias estéticas e para testar a reação do público às novas propostas. Como não poderia deixar de ser, há lugar para a exposição de supermáquinas que provavelmente serão absoluta raridade nas ruas. Mas elas se transformam em verdadeiros objetos de veneração nos estandes do São Paulo Expo. Afinal, sonhar – por enquanto – não custa nada. Confira as novidades dos carros de origem norte-americana.

TEXTO E FOTOS Luiz Humberto Monteiro Pereira / Agência AutoMotrix

Chevrolet Bolt EV

A General Motors já avisou que pretende ser líder em carros elétricos em todos os mercados, incluindo a América Latina. Por isso, a marca confirmou no Salão de São Paulo que o Bolt EV estará nas concessionárias brasileiras ainda em 2019, por R$ 175 mil. A proposta do compacto da Chevrolet é ser um carro elétrico viável, para os dias de hoje. Nos Estados Unidos, o Bolt EV tem autonomia declarada de 383 quilômetros. O crossover tem potência de 203 cavalos e torque de 36,8 kgfm.

Jeep Wrangler Rubicon

A estrela da Jeep no Salão do Automóvel de São Paulo é a nova geração do Wrangler. O utilitário esportivo será vendido no Brasil em três versões: Sport, Sahara e Rubicon, sendo essa última a com maior capacidade off-road. A Rubicon estreia o novo motor 2.0 turbo no lugar do antigo V6 3.6. Segundo a marca norte-americana, a nova geração do utilitário está até 90 quilos mais leve, e o novo motor 2.0 tem até 13% a mais de torque do que o anterior. As vendas começam no início de 2019.

Ford Territory

O modelo chinês é a mais recente novidade no portfólio global de SUVs da norte-americana Ford. O estilo traz elementos que caracterizam os modelos da marca nesse segmento. Será lançado na China no início de 2019, com opções de motores a gasolina, híbrido e híbrido plug-in. Será o primeiro modelo da categoria a oferecer o Co-Piloto 360, com recursos avançados como alerta de colisão com sistema autônomo de frenagem. Está sendo exibindo no evento em São Paulo para testar a receptividade do público brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *