TEST-DRIVE: MAIS MODERNO, O AUDI Q5 ESTÁ COM FÔLEGO DE SOBRA

Com preços a partir de R$ 249.990, a segunda geração do Audi Q5 chega mais leve, mais econômica e com um sistema de tração 4×4 mais eficiente. Em todas as versões, o SUV Premium da marca alemã é equipado com um motor 2.0 TFSI a gasolina de 252 cv de potência, 37,7 kgf.m de torque, câmbio de dupla embreagem de sete velocidades e famosa tração integral QUATTRO. E com os seus 1.720 quilos, uma redução de aproximadamente 50kg em relação a primeira geração, o utilitário é capaz de fazer 0 a 100 km/h em 6,3 segundos, com velocidade máxima de 237 km/h, isso de acordo com a fabricante. MinutoMotor pode avaliar o modelo topo de linha, a Ambition, que custa R$ 297.990.

A primeira impressão é que ele parece o seu irmão maior, o Audi Q7, com linhas mais modernas e visual mais invocado, graças aos detalhes em preto. Com 4,66 metros de comprimento e 2,82 metros de distância entre-eixos, a segunda geração do SUV de luxo cresceu em todos os aspectos, além de passar por um leve “regime”, graças a uma mistura de aços de alta resistência e alumínio na carroceria.

Numa viagem de ida e volta para o sul de Minas Gerais, com quatro ocupantes, o que mais impressionou foram as respostas do silencioso motor 2.0 TFSI, ainda melhores quando o propulsor ultrapassa os 1.500 rpm. Já a suspensão, que surpreende ao absorver com muito conforto as irregularidades do asfalto, também faz parte das novidades da nova geração graças ao sistema ULTRA, capaz de desacoplar o eixo traseiro quando não é necessário, resultando em economia de combustível.

Com cinco modos de condução, comfort, efficiency, dynamics, off-road (que minimiza a força do motor no início) e individual, optamos por utilizar a maior parte da viagem na effiency, garantindo mais economia no consumo de combustível. Agora, quem optar por dirigir na dynamics, tenha certeza que a surpresa fica por conta das respostas mais rápidas do acelerador e o giro do motor subindo mais rápido. Para fazer as trocas de marchas, é possível realiza-las tanto pela manopla ou das aletas atrás do volante.

Dentro do Audi Q5, a tela multimídia de 8,3 polegadas é bonita e chama a atenção, mas deixa a desejar por não ser sensível ao toque, sendo necessário usar o seletor ou os comandos no painel central. Outra forma de utilizar a central é por meio de uma área localizada no console, que pode ser facilmente confundida com um mousepad, mas que também é pouco prática no dia a dia. Já o ar-condicionado também possui a sua. Com nove botões, consegue controlar até o clima do banco de trás. Agora, o painel de instrumentos 100% digital, com dois tipos de layouts, sendo um clássico (velocímetro e conta-giros grandes) e outra com mapa de navegação maior, chama a atenção.

De série, a versão Ambition do Audi Q5 é equipado com trio elétrico, direção elétrica, ar-condicionado automático de três zonas, bancos de couro sintéticos, bancos dianteiros elétricos com ajusto de lombar e memória do banco do motorista, painel de instrumentos 100% digital, controle de velocidade de cruzeiro, sensor de luz e chuva, retrovisor fotocromático, sistema start-stop, volante multifuncional de três raios, teto solar panorâmico, porta-malas com abertura e fechamento elétrico, airbag lateral dianteiro e de cabeça, alarme, faróis 100% LED, lanternas traseiras em LED com indicação dinâmica, assistente de farol alto, faróis com ajuste automático de altura, Auto Hold, sistema limpador de faróis, Parking Assist, câmera de ré, chave presencial e o Audi Sound System com tela de 8,3 polegadas.

Texto e Fotos: Fernando Eduardo, especial para o MinutoMotor

AUDI Q5

Ficha técnica
Motor: Turbo, quatro cilindros em linha, longitudinal, gasolina, 1.984 cm³ de cilindrada, comando duplo, injeção direta FSI
Potência: 252 cv a 6.000 rpm
Torque: 37,7 kgfm a 4.500 rpm
Câmbio: Dupla embreagem de 7 marchas e tração integral
Direção: Elétrica
Suspensão: Integral multilink
Freios: Discos ventilados na dianteira e traseira
Pneus: 255/45 R 20
Comprimento: 4,66 m
Largura: 1,89 m
Altura: 1,66 m
Entre-eixos: 2,82 m
Capacidade do tanque: 70 litros
Peso: 1.720 kg
Porta-malas: 550 litros
Central multimídia: 8,3 polegadas, não sensível ao toque

  

STARK, UM OFF-ROAD FEITO SOB MEDIDA

STARK, UM OFF-ROAD FEITO SOB MEDIDA

Criado em 2009, o Stark chega em sua segunda geração para atender a um público seletivo e exigente: os praticantes de atividades off-road. Feito sob encomenda, o veículo conta com design e dirigibilidade dos SUV, segunda a TAC Motors. Sua fabricação acontece em Sobral (CE). O motor é o FPT, um 2.3 L 16V que gera 127 cv de potência. Custa R$ 115 mil (original) e é o fora-de-estrada a diesel mais leve do mundo, com 1.635 kg.

Na versão Black Cover, o 4×4 mescla tecnologia de ponta, alto desempenho, robustez e um design de certa forma chamativo. O carro vem equipado com transmissão em cinco velocidades sincronizadas, freios a disco e suspensão independente nas quatro rodas, com oito amortecedores; chassis tubulares de alta resistência que integram sua gaiola de proteção e tanque de combustível com capacidade para 70 litros.

O veículo aventureiro traz como itens de série direção hidráulica, ar-condicionado, vidros e travas elétricas, cinto com três pontas para todos os ocupantes, farol de neblina, porta-objetos, rodas de liga leve, banco traseiro rebatível, retrovisores externos elétricos com luzes integradas, volante com regulagem de altura, odômetro digital, conta-giros, tomada 12 Volts e painel multifuncional – aliás muito parecido com o usado nos carros de passeio.

Com quatro cilindros, o motor Turbodiesel Intercooler fornecido pela FTP – Powertrain Technologies -, conta com injeção direta, oferece potência e bom torque: 127 cv a 3.600 rpm e torque de 30,6 kgf.m a 1.800 rpm, em uma ótima relação peso x potência e baixo consumo. O Stark faz, segundo a montadora, 11 km/l em uso urbano e 13 km/l na estrada. O 4×4 pode ainda receber vários acessórios, para deixá-lo mais aventureiro: base para instalação de guincho, rack, snorkel, skid plate metálico, volante revestido em couro e teto solar.

A estratégia da empresa é aumentar gradativamente sua produção. Aliás, a marca terá cinco distribuidoras regionais – Sudeste, Sul, Centro-Oeste, Norte e Nordeste -, que serão responsáveis pelo relacionamento com clientes. Também foi criada uma parceria de venda com a loja virtual Gama 4×4 – www.gama4x4.com.br -, especializada no mercado off-road.

Inicialmente, o Stark poderá ser adquirido nas cores branca, amarela, verde, vermelha, preta, azul, vinho e laranja Atacama, entre outras. A primeira distribuidora a começar a operar será a Sudeste, com unidades nas cidades de São Paulo e Belo Horizonte

VÍDEO: SERTÕES 2018, DE VOLTA ÀS ORIGENS

VÍDEO: SERTÕES 2018, DE VOLTA ÀS ORIGENS

Maior competição off-road da América Latina, e uma das maiores do mundo, o Rally dos Sertões 2018 parte para sua 26ª edição. De volta às origens, a prova percorrerá 3.600 quilômetros de muita aventura e adrenalina, que exigirá muito de máquinas e pilotos. A competição terá largada promocional em 18 de agosto em Goiânia (GO) e chegada em Fortaleza, no Ceará, em 25 de agosto. O trajeto cruzará, além de Goiás e Ceará, mais dois estados – Bahia, Piauí. O Rally dos Sertões 2018 reunirá pilotos em quatro categorias: motos, quadriciclos, UTVs e carros. Além do sol, os competidores enfrentarão longas especiais e muita areia. Confiras todas as novidades da competição na reportagem do MinutoMotor.

NISSAN REDESCOBRINDO O BRASIL: ETAPA BAHIA

A “Expedição Nissan: À procura do início do Brasil” parte para a sua quarta etapa. Depois de percorrer Minas Gerais, Piauí e Mato Grosso, os aventureiros – entre jornalistas, pesquisadores e convidados – seguirão para o interior da Bahia para conhecer as origens do País por meio da arte rupestre. A expedição, que usa uma frota de 15 picapes Nissan Frontier, passará por locais que guardam registros da presença de nossos ancestrais. O comboio é formado por unidades das duas versões da Frontier vendidas atualmente no mercado brasileiro: a topo de linha LE e a versão intermediária SE, lançada em novembro. Detalhe: A picape da marca japonesa foi a mais premiada de seu segmento no Brasil em 2017.

A arte rupestre na Bahia – que tem mais de 100 sítios catalogados – é reconhecida como memorial de mitos, rituais, assinaturas pessoais, marcas étnicas ou simples representações de atividades lúdicas. O tipo de desenho, as técnicas de aplicação e a composição do pigmento apontam para a passagem de diferentes grupos humanos, que viveram na região da Chapada Diamantina em períodos distintos. Por conta do rico acervo arqueológico, a trupe irá visitar a região do município de Morro Chapéu, que conta com pinturas em grutas e paredes.

A expedição, que já visitou outros três estados, segue o compromisso da companhia de estar cada vez mais presente no dia a dia dos brasileiros e, assim, une os produtos da marca com ações que contribuam para o resgate da história do País. Neste caso, o de resgatar a cultura e a pesquisa científica ao divulgar o rico acervo de pinturas rupestres do Brasil, que muitas vezes é mais conhecido e admirado por estrangeiros do que pelos próprios brasileiros. Há quatro no Brasil, a Nissan instalou seu complexo industrial em Resende (RJ).

MAIS POTENTE, VW AMAROK V6 CUSTA R$ 185 MIL

A Volkswagen Amarok V6 Highline chega com o título de picape média mais potente (225 cavalos) e rápida do mercado brasileiro. Faz de 0 a 100 km/h em apenas 8 segundos, segundo medições da marca”, avalia Gustavo Schmidt, vice-presidente de vendas e marketing da Volkswagen do Brasil. O executivo da montadora aposta que esse apelo vai atrair tanto clientes particulares urbanos como frotas de trabalho, melhorando o desempenho comercial do veículo. O preço sugerido para a Amarok V6 é de R$ 184.990 e o modelo traz outros destaques: sistema multimídia com tela de 6,33” e espelhamento de smartphone, bancos de couro com regulagem elétrica, quatro airbags e faróis bixenônio com LEDs.“A Amarok V6 também vai atrair compradores novos, que antes não tinham na Volkswagen a opção da motorização maior”, afirma o executivo. 

Com a chegada da nova opção, a picape da VW passa a ser oferecida com três opções de motorização, todas diesel: a versão S (cabine simples ou dupla) com motor 2.0 turbodiesel de 140 cv e 34,7 kgfm de torque, associado a câmbio manual de seis marchas; as versões SE, Trendline e Highline equipadas com o 2.0 diesel biturbo de 180 cv e 40,8 kgfm, com caixa manual (SE) ou 42,8 kgfm, com transmissão automática de oito velocidades (Trendline e Highline); e agora a Amarok Highline 3.0 V6 TDI (turbodiesel) de 225 cv e 56,1 kgfm, com o mesmo câmbio automático ZF de oito velocidades e tração integral 4×4.

Em termos de conforto e nível de equipamentos da versão V6 são quase iguais aos da opção Highline 2.0, até agora a mais vendida do mix no varejo. A picape mais potente vem completa, o único opcional são as rodas de liga leve de 19 polegadas, que acrescentam R$ 2.720 ao preço.

A extensa lista de itens de série inclui recursos como faróis bixenônio emoldurados por luzes diurnas de LED, sensores de auxílio ao estacionamento com câmera de ré, freios a disco ventilados nas quatro rodas com sistema de pós-colisão, monitor de pressão dos pneus, controle eletrônico de estabilidade e tração, assistência de partida em rampa e de descida automática em modo off-road, ajuste elétrico dos bancos dianteiros, ar-condicionado digital de dupla zona de temperatura, volante multifuncional e sistema de infoentretenimento “Discover Media”, com tela colorida sensível ao toque de 6,33 polegadas, leitor de CD, duas entradas para SD-Card, Auxiliar e porta USB, além de espelhamento de smartphones.

TROLLER T4 VENCE O RALLY CERAPIÓ 2018

O Troller T4 foi o campeão da 31ª edição do Rally Cerapió 2018 na categoria Master. Considerada uma das maiores provas off-road da América Latina, o Cerapió reuniu cerca de 400 competidores que foram divididos nas categorias carros 4×4, motos, quadriciclos, UTV’s e bikes. Competição que exige muito dos pilotos e também dos equipamentos, o Cerapió oferece todos os tipos de dificuldades, entre relevo e clima. Para cruzar a linha de chegada os pilotos tiveram de atravessar regiões de caatinga, fazendas, serras, rios e riachos durante os quatro dias de prova. Foram mais de 1.000 km entre o Ceará e Piauí.

Imagens: Divulgação

Esta edição do rali teve a largada em Trairi, uma das regiões mais belas do litoral norte cearense, e seguiu em direção a Sobral. Depois cruzou a Serra da Meruoca rumo ao litoral do Piauí até Parnaíba, cidade que fica na entrada para o único delta em mar aberto das Américas. Passou também por Piripiri e terminou em Teresina, capital do Estado.
Categoria Master

Imagens: Divulgação

Pilotando o único Troller T4 da categoria Master, Fernando Lage e Gustavo Schmidt assumiram a liderança no segundo dia do rali e mantiveram a posição até o final. Experiente, a dupla vencedora é conhecida pela participação na Copa Troller. “O Cerapió deste ano foi perfeito. Estava do jeito que a gente gosta, com muitas dificuldades. Acredito que ganhamos pela regularidade durante todos os dias”, conta Gustavo. Já para Fernando, foram quatro dias de superação. “A competição foi muito disputada, exigindo muito do carro e do piloto”, completa.
Nascido para o off-road

Imagens: Divulgação

O Troller T4 foi criado para enfrentar todo tipo de terreno. Além de carroceria produzida em compósito especial, o veículo off-road está equipado com motor 3.2 turbodiesel de 200 cv de potência máxima, transmissão manual de seis velocidades, comando eletrônico de tração, diferencial traseiro autoblocante e freio a disco nas quatro rodas com sistema ABS e EBD.
No interior, itens alguns itens de conforto, entre eles, ar-condicionado automático digital de dupla zona, som de última geração com Bluetooth, vidros elétricos e teto solar duplo de vidro aumentam o conforto para rodar também na cidade.
Classificação final – Rally Cerapió 2018
Carros – Master
1º Fernando Lage / Gustavo Schmidt #742 – Belo Horizonte (MG) – 220 pontos
2º Paulo de Goes / Jhonatan Ardigo #701 – Joinville (SC) – 217 pontos
3º Renato Martins / Enedir Silva Junior #709 – Belo Horizonte (MG) – 202 pontos
4º Fabio Carvalho / Claudio Flores #704 – Belo Horizonte (MG) – 188 pontos
5º Maycon Soares / Daniel Rodrigues #708 – Teresina (PI) – 50 pontos – 162 pontos

Carros – Graduado
1º Luis Eduardo de Melo / Carlos Eduardo de Melo #720 – Recife (PE) – 204 pontos
2º Felipe Ferro / Jonatas Carvalho #745 – Teresina (PI) – 203 pontos
3º Pedro Mendes / Giovani Brigido #740 – Teresina (PI) – 181 pontos
4º Rodger Nobre / Mauricio Oliveira #741 – Fortaleza (CE) – 172 pontos
5º Edson Fonseca Junior / Bruno Lima #715 – Salvador (BA) – 148 pontos

Carros – Turismo
1º André de Carvalho / André Luiz de Carvalho Filho #748 – São Luis (MA) – 215 pontos
2º Leonardo Selva / Leonardo Mendonça #737 – Recife (PE) – 205 pontos
3º Gilmar Comin / Cristiano Finardi #733 – Jaboatão dos Guararapes (PE) – 195 pontos
4º Felipe Portella / Raphaela Fonseca #735 – Rio de Janeiro (RJ) – 193 pontos
5º Paulo Lima / Marcelo Borsatto #734 – Brasília (DF) – 192 pontos

Carros – Júnior
1º Evanio Magalhães / Sabina Rodrigues #749 – Benevides (PA) – 232 pontos
2º Felipe Mesquita / Felippe Granja #746 – São Luis (MA) – 204 pontos
3º Claudio Ferreira / Igor de Carvalho #728 – Fortaleza (CE) – 200 pontos
4º Lauro Lopes Filho / João da Silva Neto #731 – Tersina (PI) – 191 pontos
5º Arilton Parente / Arilton Parente Junior #727 – Teresina (PI) – 178 pontos

UTVs – Graduado
1º Diogo Cavalcante / Wellington Junior #602 – Fortaleza (CE) – 230 pontos
2º José Rufino Neto / Glauco Junior #604 – Fortaleza (CE) – 220 pontos
3º Claudio Cavalcante / Luis Felipe Eckel #607 – Aquiraz (CE) – 218 pontos
4º Jaime Souza Neto / Ivo Mayer #603 – Parnaíba (PI) – 180 pontos
5º Alamo Souza / Fábio Machado #609 – Fortaleza (CE) – 169 pontos

UTVs – Novato
1º Luana Buscaroli / Tulio Malta #611 – São Paulo (SP) – 238 pontos
2º Felipe Chaves / Gabriel dos Santos #616 – Fortaleza (CE) – 210 pontos
3º Gustavo de Souza / Bruno Menezes #610 – Recife (PE) – 194 pontos
4º Robson Santos / Juan Ferreia #613 – Eusébio (CE) – 177 pontos
5º Silvio Tiecher / Hyung Amorim #614 – Brasília (DF) – 174 pontos

Quadriciclo – Graduado
1º Wescley Dutra #309 – Fortaleza (CE) – 233 pontos
2º Italo Santiago #310 – Fortaleza (CE) – 228 pontos
3º Helio Pessoa #308 – Fortaleza (CE) – 221 pontos
4º Roberto da Silva #311 – Fortaleza (CE) – 58 pontos

Quadriciclo – Novato
1º Andre Furtado #303 – Belém (PA) – 250 pontos
2º André de Oliveira #302 – Manaus (AM) – 212 pontos
3º Lucas Guerra #307 – Teresina (PI) – 201 pontos
4º Glaydson da Silva #305 – Teresina (PI) – 192 pontos
5º Marcos Rocha #306 – Caracol (PI) – 174 pontos

Discovery Sport com motor diesel consegue rodar 1.000 km de SP a Foz do Iguaçu

A promessa do Discovery Sport com motor turbodiesel (2,2 litros de quatro cilindros, 190 cavalos e 42,8 kgfm de torque) é rodar aproximadamente 900 quilômetros com apenas um tanque de combustível (que possui 65 litros).

Fiz uma viagem com os amigos de São Paulo (SP) a Foz do Iguaçu (PR), distância de praticamente 1.000 km, para testar sua eficiência e provar se o SUV é capaz de cumprir a promessa.

Mas não foi a realidade, quando chegamos em Londrina (PR) com um pouco mais de 600Km o ponteiro do combustível já estava na reserva, e tive que abastecer.

É claro que essa viagem foi feita com todas as características de uma viagem normal.
O ar condicionado ficou ligado praticamente toda a viagem e a velocidade foi respeitado o limite da rodovia.

A Discovery possui um sistema ECO que possibilita a economia de combustível. A informação no próprio manual do carro é que esse sistema diminui um pouco a condição do ar condicionado, e mexe na curva de aceleração. Deixando ele um pouco mas “xoxo”.

Então resolvi fazer a viagem de ida com o sistema ligado e a volto com ele totalmente ligado. A conclusão foi que pouco mudou em questão de economia.

Com espaço para até sete pessoas, o Discovery também surpreende pelo sistema de entretenimento sofisticado e acabamento luxuoso, mas assusta por conta do preço: R$ 270.700. Saiba mais sobre o SUV na video-reportagem desta página.

BMW X2

Picture 1 of 20

Imagens: Divulgação/BMW