SEIS MITOS E VERDADES PARA QUEM PRECISA VENDER UM CARRO USADO

O mercado de usados está aquecido. A cada veículo novo emplacado, quatro seminovos trocam de mãos. Só nos primeiros quatro meses de 2019 quase três milhões de carros mudaram de donos. Mas vender um automóvel não é uma tarefa tão fácil assim. Afinal, há muitos mitos propagados sobre o setor. Questões como a quantidade de proprietários e o período de venda, por exemplo, ainda exercem peso considerável sobre o valor praticado pelas pessoas. Portanto, antes de colocar seu automóvel à venda, pesquise e planeje bastante para conseguir uma negociação rápida e segura. Para nos ajudar nesta missão contamos com o apoio da InstaCarro, uma startup de compra e vendas de carros. Confira os principais mitos e verdades que rondam o mercado de usados:

Veículos brancos, pretos e pratas têm revenda mais fácil
É uma verdade. Os modelos dessas cores são mais “comercializáveis” por conta da grande procura. Além disso, costumam ser padronizadas, ou seja, não apresentam grandes variações – outro ponto que ajuda quem tem essas preferências. Em contrapartida, o verde e o azul são ótimos exemplos de cores que apresentam variação significativa, o que faz com que muitos compradores tenham resistência a essas colorações.

Carros que tiveram um único dono são mais valorizados
É um mito bastante difundido atualmente. O número de donos não é importante, mas sim o cuidado que ele (ou eles) tiveram com o veículo. A maneira de dirigir, a manutenção e outras iniciativas preventivas podem fazer com que o carro de um único proprietário tenha uma conservação pior do que aquele que já passou em várias mãos. Portanto, na hora de anunciar seu automóvel, divulgue, principalmente, os detalhes sobre como ele foi cuidado, revisões, quilometragem, etc.

A quilometragem é muito importante
Verdade! Analisar e divulgar a quilometragem do veículo é um ponto muito importante para uma venda. Entretanto, um índice menor nem sempre representa as melhores opções – afinal, o carro pode ter ficado parado por muito tempo, não recebendo todas as manutenções necessárias. Então, para não sofrer com desconfiança, anuncie a quilometragem, mas dê informações complementares para ajudar em uma decisão mais criteriosa.

Reparar a lataria é positivo na hora de vender o carro
Esse é um mito que muitos acreditam. O custo de reparos e consertos depende da qualidade do serviço, do gasto envolvido para o proprietário atual e da percepção de valor para o novo proprietário. Em muitos casos, o dono do veículo não tem tanto conhecimento técnico sobre peças e pinturas e pode gastar com algo que não ficará de acordo com o gosto e a experiência do potencial comprador – e que, por sua vez, vai descontar do valor da oferta final. Além disso, dependendo do tipo de reparo visual, pode ser que a inspeção do estado de uma peça mais estrutural seja comprometida, permitindo questionamentos se há ocultação de um problema mais grave no carro e, dessa forma, depreciando o valor de venda.

Blindagens e modificações reduzem o valor na revenda
Sim, é verdade. Muitas pessoas gostam de realizar modificações em seus veículos para deixá-los com um toque personalizado e especial, como capôs, pintura e para-choques. Contudo, essa prática impacta diretamente no preço na hora de tentar vendê-lo. Quanto mais distante um veículo estiver do desenho original, mais difícil será encontrar uma pessoa interessada e, com isso, o valor tende a cair. O mesmo vale para blindagens. O custo para instalação e manutenção não é revertido na revenda e o prejuízo fica com o proprietário.

Vale mais vender o carro por conta própria
Um mito bem comum no setor automotivo. As pessoas têm a sensação de que precisam desembolsar uma quantia considerável para que uma empresa faça a venda por eles. Isso pode até ser verdade em alguns casos, mas hoje existem opções seguras, rápidas e eficientes. Os usuários podem, por exemplo, utilizar plataformas online e vários outros meios oferecidos pelas empresas do setor.

NOVAS LÂMPADAS OSRAM: TECNOLOGIA EM PROL DA SEGURANÇA AUTOMOTIVA

Veja e seja visto! Seguindo esta filosofia, a Osram – multinacional com mais de 110 anos de tradição – apresentou uma série de lançamentos que podem equipar vários tipos de veículos no Brasil. Destaques para a lâmpada de farol LED Cool Blue Intense, além de novos acessórios, faróis auxiliares e faróis principais de LED. A lâmpada de farol LED Cool Blue Intense, por exemplo, conta com 6000K de temperatura de cor e 12V. É a solução mais conveniente para atualizar os faróis, proporcionando um visual elegante e moderno, bem como uma visibilidade aprimorada. Os benefícios ficam por conta do design compacto para maior compatibilidade de veículos. O conjunto não ofusca e proporciona excelente projeção, devido a uma distribuição de luz otimizada, refrigeração ativa de alto desempenho e garantia de dois anos. É a solução ideal para combinar a cor dos faróis de neblina e farol principal (luz baixa e alta) com o DRL (farol diurno) LED original de fábrica (6000K). Confira outras novidades da marca:

LED Driving Premium – lâmpada LED para faróis bivolt (12V e 24V). Compatível com carros, ônibus e caminhões, tem 6000k de temperatura de cor. Produto italiano e garantia de cinco anos. Produto de alto desempenho, o LED Driving Premium oferece maior durabilidade e projeção de luz perfeita, evitando assim o ofuscamento dos demais motoristas.

Working Ligts (barras auxiliares em LED) – Farol auxiliar LED ideal para caminhonetes, jipes e caminhões. Conta com a mais sofisticada tecnologia LED e o design mais moderno do mercado. A linha de faróis auxiliares e barras auxiliares de LED Osram oferecem uma grande variedade de opções, formatos e padrões de projeção de luz. É bivolt e está disponível em três categorias: funcionais, multifuncionais e slim. A função DRL (farol diruno) também está disponível em algumas versões.

Headlights – Farol de LED completo para modernizar os modelos de automóveis: Golf, Amarok e Focus. Solução completa plug and play (ligar e usar) com tecnologia LED na função DRL com 6000k de temperatura de cor, luz direcional em LED na cor âmbar, e luz baixa e alta com tecnologia Xenon de 25W (D8S), que garante até 200% mais luz do que o farol original de fábrica. Com este lançamento, a Osram oferece um upgrade de tecnologia e design para Ford Focus III, VW Golf GVII e Amarok não equipados com faróis de xênon.

De acordo com Ricardo Leptich, CEO da Osram, existem muitas opções no mercado, porém a nossa empresa investe em tecnologia de ponta e aposta na tradição para desenvolver o melhor produto. “Nossos sistemas de iluminação possuem melhor projeção, maior durabilidade e resistência”, garante Leptich.

COMO DEVO PREPARAR E REVISAR MEU CARRO ANTES DE UMA VIAGEM?

Muitas pessoas estarão viajando de carro nesse fim de ano. Mas, antes de pegar a estrada certifique-se de que está tudo em ordem. Confira alguns itens para que seu tão sonhado passeio não se transforme em dor de cabeça:

Bateria

Verifique a condição da bateria. Se você vir vazamentos de ácido, rachaduras ou outros danos, não importa se ele for um carro seminovo ou zero quilômetro, a bateria deve ser substituída.

Os terminais da bateria devem estar sempre apertados e não corroídos. Terminais desgastados ou soltos causam problemas de partida, de direção elétrica, entre outros.

Uma bateria de carro dura, em média, entre 5 e 7 anos. Algumas baterias podem ter vida mais longa: 10 anos. Já outras precisam ser substituídas após 3 anos de uso. Se a bateria de seu carro for antiga, teste-a ou substitua-a se não quiser arriscar em uma longa viagem. Muitas oficinas oferecem um teste de bateria complementar.

Pneus

A profundidade mínima dos sulcos dos pneus é um fator muito importante na questão de segurança. Os sulcos dos pneus, que são pequenos canais esculpidos na banda de rodagem. No seu carro seminovo o sulco deve ter 3 milímetros (verifique o TWI, indicador de nível de desgaste). Menos que isso pode causar um acidente e até te colocar na cadeia antes de prestar depoimento no tribunal.

Estepe

Já pensou ter que trocar um pneu furado do seu carro usado no meio da estrada e descobrir que o estepe está faltando ou está danificado? Além do pneu reserva verifique também se o macaco, a alça e o suporte da roda estão no seu automóvel.

Óleo do motor

Sem óleo, o motor vai superaquecer e, em condições extremas, se autodestruir. Com o motor do seu usado frio, verifique a vareta do nível do óleo. Complete se necessário, por meio da tampa na parte superior do motor, e dê ao óleo tempo para descer até o reservatório antes de verificar novamente o nível. Não deixe transbordar.

Vazamentos

Estacione seu carro em uma pista limpa e plana. Em seguida verifique se há vazamentos de óleo ou de água após algum tempo. Mesmo um pequeno vazamento – fissura na mangueira – pode levar a níveis de fluido perigosamente baixos em uma longa jornada.

Luzes

Verifique todas as suas luzes de seu carro, incluindo as de pisca-alerta e as de freio. Ou peça a um amigo para verificar se há lâmpadas queimadas, ou estacione perto de uma parede branca ou em uma vitrine uma noite para vê-las você mesmo.

Equipamentos de emergência

Equipamentos de emergência incluem lanterna, chaves de fenda, alicate e uma chave inglesa. Embora geralmente ausentes, kits médicos e extintor de incêndio podem ser úteis em caso de pane elétrica ou acidente. Não esqueça do triângulo de aviso refletivo.

Limpadores de para-brisa

Boa visibilidade é vital para uma condução segura. Substitua os limpadores de para-brisa se eles apresentarem desgaste, se não estiverem executando seu trabalho corretamente ou se estiverem deixando marcas no vidro.

Se o seu carro ainda contar com os limpadores originais, você pode substituir apenas as recargas de borracha. Elas custam menos e podem ser facilmente adquiridas em qualquer loja de autopeças.

Ao trocar o limpador coloque uma toalha no para-brisa. Os braços do limpador são acionados por mola e podem bater e rachar o para-brisa quando a lâmina do limpador é removida.

Água do limpador de para-brisa

Às vezes, os jatos d’água usados para limpar o para-brisa precisam ser ajustados. Em muitos carros à venda no mercado, o ângulo de pulverização pode ser modificado. Se as estradas estiverem muito enlameadas, é uma boa ideia manter uma garrafa extra de água no veículo para limpar o para-brisa caso necessário.

Ar-condicionado

Teste o sistema de aquecimento/ar-condicionado de seu automóvel. O climatizador não só resfria o ar dentro do carro, como também elimina a umidade. Se o ar-condicionado não funcionar, o para-brisa vai embaçar por dentro no tempo chuvoso ou frio.

Correia de transmissão

A maioria dos carros à venda no mercado tem um ou dois cintos de acionamento (serpentina). Com o tempo, uma das correias de transmissão pode se desgastar. Se a correia de transmissão quebrar, o carro terá que ser rebocado para a oficina.

Mas antes disso, leve o carro o seu mecânico de confiança. Ele pode verificar o estado das correias durante uma troca de óleo, por exemplo. Se uma correia de transmissão mostrar algum desgaste ou tiver rachaduras, é melhor substituí-la imediatamente. Ninguém quer ficar esperando o guincho no acostamento.

Fluido de arrefecimento

Conduzir o carro com baixo nível do líquido arrefecimento pode causar superaquecimento. Portanto, verifique visualmente o nível do fluido de arrefecimento no reservatório. O nível do líquido deve estar entre as marcas “Baixo” e “Completo”.

Se o nível do fluido estiver baixo, você pode completar usando o tipo de líquido recomendado pelo fabricante. Caso o nível esteja bem abaixo da marca “Baixo”, verifique se há vazamentos no seu sistema de arrefecimento. Cuidado na hora de completar, já que o sistema é pressurizado quando quente.

Filtro de ar

Se o filtro de ar estiver sujo, pode ser uma boa ideia trocá-lo antes da viagem. Um filtro ar em péssimas condições pode até causar perda de ‘fôlego’, de torque, ou seja, falta de força ao encarar subida com carga total, por exemplo.

Fluido de transmissão

Uma longa viagem com carga total, especialmente em uma área montanhosa, coloca muita pressão no sistema de transmissão. Se a troca de fluido da transmissão estiver prestes a vencer faça a troca antes da viagem. Detalhe importante: o nível do fluido só pode ser verificado na concessionária ou em uma oficina de sua confiança.

Manual do proprietário

O manual do proprietário contém muitas informações sobre como rebocar o veículo, até como trocar um pneu furado e onde o macaco está localizado. Se você precisar completar o óleo do motor ou outros fluidos, o manual do proprietário também te dará todas as instruções que você precisa para cada tipo de situação.

Você também pode encontrar informações sobre o que fazer se o motor superaquecer ou como trocar a lâmpada do farol.

Se você não tiver o manual do proprietário, muitos fabricantes de automóveis disponibilizam em seus portais na web uma cópia eletrônica do manual para você baixar, imprimir e consigo.

Compartilhe o post nas suas redes sociais agora mesmo!

Fotos: Peter Fazekas/Pexels e Divulgação

GOOGLE ANDROID AUTO GANHA NOVO DESIGN E RECURSOS

A Google anunciou uma nova interface do Android Auto, que será lançado para todos os carros compatíveis no segundo semestre. A nova interface foi projetada para facilitar a vida na hora de ir para a rua, mostrar informações ainda mais úteis – que o motorista possa enxergar numa olhada rápida – e simplificar tarefas que costumamos fazer enquanto dirigindo. Lançado há cinco anos para tornar a experiência atrás do volante mais simples, o Android Auto pode ser usado em mais de 500 modelos de automóveis, de 50 montadoras diferentes. Veja abaixo todas as novidades:

Simplicidade na hora de ir para a rua: Quando você liga o carro, o Android Auto continua tocando a música que você estava ouvindo antes, e abre o aplicativo de navegação que você está habituado a usar. Basta tocar sobre um local sugerido ou dizer “OK Google” para saber como chegar ao destino.
Controle dos aplicativos preferidos: A nova barra de navegação mostra instruções a cada curva. Com ela, você pode controlar os apps e o telefone na mesma tela.
Mais ações com menos comandos: A nova barra de navegação também permite controlar os aplicativos com apenas um toque, sem complicações. Você pode ver instruções sobre o percurso a cada curva, voltar alguns segundos o podcast que estava ouvindo ou atender o telefone – tudo na mesma tela.

Comunicação fácil e segura: O novo centro de notificações mostra chamadas recentes, mensagens e alertas – e você escolhe o momento mais seguro para visualizar, escutar e responder.
Cores suaves para os olhos: O design do Android Auto foi aprimorado para se adaptar melhor ao interior de um carro. O tom escuro, com toques coloridos e fontes fáceis de ler, melhora a visibilidade da tela.
Tela adequada a mais modelos de carros: Para automóveis com visores grandes, o Android Auto agora aproveita ainda melhor esse espaço e mostrar mais informações: quando fazer a próxima curva, comandos para voltar ou avançar uma música e controle de telefonemas.

VENDA DE VEÍCULOS USADOS TAMBÉM ESTÁ EM ALTA

VENDA DE VEÍCULOS USADOS TAMBÉM ESTÁ EM ALTA

A Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores – FENAUTO – divulgou relatório mensal com os resultados das vendas efetivadas no mês de abril. Segundo a entidade, os resultados das vendas de abril, na comparação com março, tiveram um resultado positivo de 13,3%. Essa variação, segundo a análise da federação dos revendedores, se deve ao fato de o Carnaval ter ocorrido em março, favorecendo um contraste maior neste período. O resultado de vendas por dia útil também foi muito expressivo, chegando a 7,9%.

Já o quadro comparativo entre abril deste ano, e o mesmo mês de 2018, mostra um recuo de 1,2%. As vendas acumuladas neste ano ainda se mantém positivas em 0,8%, porém inferiores aos 1,5% registrados até março. Ou seja, já pode-se perceber uma tênue linha de recuo nos valores acumulados, refletindo, também, as expectativas e previsões corrigidas por várias áreas do mercado para o crescimento da economia como um todo.

Em abril foram comercializados 1.177.470 veículos contra 1.039.535 em março. O acumulado no quadrimestre deste ano ficou em 4.499.859 veículos contra 4.464.773 no mesmo período em 2018. Ou seja, para cada carro novo vendido, três usados trocam de mãos no Brasil.

Para o presidente da FENAUTO, Ilídio dos Santos, “as vendas do segmento parecem estar refletindo o estado de espírito manifestado na pesquisa do Índice de Confiança do Consumidor e outros relatórios de diversos agentes do mercado. Continuamos torcendo para que as propostas para o reaquecimento da economia, apresentadas pela nova equipe econômica, sejam aprovadas e implementadas com rapidez para que o mercado possa retomar um ritmo melhor na geração de negócios.”

Carro usado só com laudo
É essencial, para quem vai vender um carro, garantir que ele esteja recebendo uma avaliação técnica. A loja ou concessionária precisa verificar, de forma objetiva, fatores como quilometragem e condições do motor, freio, lataria, pintura e pneus.
“Quando não existe um processo técnico de avaliação, o preço acaba sendo definido por baixo, pela média inferior”, explica Daniel Nino, vice-presidente comercial da Auto Avaliar, plataforma líder no comércio B2B de veículos usados e seminovos no Brasil. A empresa conecta mais de 2,8 mil concessionárias e 30 mil lojistas multimarcas, o que representa 75% do mercado brasileiro.

MODELOS MAIS NEGOCIADOS EM ABRIL/2019*
VW Gol – 71.078 unidades
Fiat Palio – 45.858
Fiat Uno – 45.114
GM Celta – 26.652
Fiat Strada – 23.454
VW Fox – 22.909
Ford Fiesta – 21.667
GM Corsa – 20.674
Fiat Siena – 19.488
Ford Ka – 18.484
*Fonte Fenabrave

CINCO ITENS QUE AUMENTAM RISCO DE ACIDENTES

Motoristas de primeira viagem e até os mais experientes sabem que os carros são projetados e desenvolvidos levando em conta uma série de itens de segurança e proteção ao condutor e passageiros em caso de colisão. Agregar itens ao veículo, dependendo da sua finalidade, pode colocar em risco a segurança de todos os ocupantes, além de aumentar as chances de ferimentos em acidentes. Diante disso, o CESVI Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária) elencou cinco alterações no automóvel que podem trazer riscos aos passageiros.

De acordo com o superintendente técnico do CESVI, Emerson Feliciano, qualquer adaptação no veículo precisa ser avaliada. “Alterações nos equipamentos presentes no carro devem ser analisadas com cautela, ou por um profissional especialista. Ele é capaz de avaliar a possibilidade da perda de dirigibilidade, diminuição da segurança dos ocupantes e, inclusive, a perda de garantia de fábrica do veículo, já que ele está sendo customizado”, alerta.
Abaixo acessórios e customizações que podem aumentar as chances de ferimentos:

  1. Existe algum risco ao trocar a forração dos bancos dianteiros e traseiros?
    A princípio não existe um impeditivo claro para realização dessa troca, desde que se leve em consideração os airbags laterais dos bancos, que geralmente estão presentes nos encostos dos bancos dianteiros. Vale lembrar que a área de abertura não pode ser encoberta, por isso, certifique-se de que o serviço esteja de acordo com os padrões estabelecidos e adotados pela montadora. Também não se deve utilizar capas em veículos que tem airbags laterais.
  2. A capa massageadora aumenta as chances de ferimentos em caso de acidente?
    Acessório muito utilizado por taxistas, motoristas de aplicativos e caminhoneiros que passam horas ao volante. Inicialmente, a capa proporciona uma sensação de bem-estar ao ativar a circulação sanguínea, promovendo maior conforto. Porém, esse item também pode alterar a sensibilidade do condutor, diminuindo sua percepção quanto ao desempenho do carro. Além disso, em curvas e frenagens bruscas, a capa massageadora pode afetar a retenção do motorista junto ao banco, podendo reduzir a eficiência do cinto de segurança. Também é importante avaliar se essa capa não interfere na abertura do airbag lateral, já que ela é presa também no encosto do banco.
  3. O porta-celular ou carregador podem ficar no painel do carro?
    O uso de smartphones em suportes deve ser avaliado com cautela. Ele não deve obstruir a visão dos motoristas em curvas e não deve ficar em locais onde fica indicada a sigla “airbag”, já que no caso de acionamento das bolsas infláveis, esses objetos serão arremessados com toda a força contra o motorista e passageiro.
  4. O rebaixamento do carro é seguro?
    Rebaixar o carro pode prejudicar a estabilidade do carro, o desempenho da suspensão, da carroceria e até dos pneus. Além disso, torna a direção mais desconfortável devido à falta do amortecimento. O ideal é que as alterações no veículo sejam realizadas com base na resolução 479/2014 do CONTRAN.
  5. Farol de xênon é a melhor opção?
    Nessa questão, o farol xênon provoca o ofuscamento da visão do motorista quando esse item não é original do veículo. A intensidade da luz do xênon pode causar danos aos olhos, fazendo com que o condutor da via contrária fique de 1 a 3 segundos com a visibilidade prejudicada. Esse tempo já é suficiente para causar acidentes sérios. Além disso, substituir a lâmpada do veículo por modelos diferentes é passível de multa, conforme resolução 667/17 do CONTRAN.

Fonte: CESVI Brasil

ARGO TREKKING, A VERSÃO AVENTUREIRA DO HATCHBACK DA FIAT

ARGO TREKKING, A VERSÃO AVENTUREIRA DO HATCHBACK DA FIAT

Para quem tem saudade da família Adventure da Fiat, a marca começa a resolver esse problema. Já que seu SUV de verdade, baseado na Toro, deve chegar somente em 2021, eis que eles oferecem uma versão pseudo-aventureira do seu hatchback de entrada: eis o Argo Trekking. Os preços ainda não foram divulgados, mas devem ficar em torno dos R$ 60 mil na versão básica – lembrando que os únicos opcionais são as rodas de liga e a câmera de ré, que devem acrescentar de R$ 2 mil a R$ 3 mil na conta. O Argo Trekking chega no final de abril e tem como principais concorrentes Onix Activ, Ka FreeStyle, HB20X e Sandero Stepway.

Cara de aventureiro
O Argo Trekking tem esse ar de aventureiro urbano. Produto comum para a maioria das montadoras, eles tem cara de SUV, mas coração de carro urbano. No caso do Fiat, ele é baseado na versão Drive 1.3. O motor é o Firefly 1.3 com potência de 109 cv e torque de 14,2 kgfm. A caixa de câmbio é apenas manual de cinco marchas.
Com suspensão elevada e o maior vão livre da categoria (ground clearance) – 210 mm, o novo Fiat Argo Trekking está agora 40 mm mais alto em relação à versão Drive 1.3. Equipado com novos pneus 205/60R15 91H S-ATR WL Pirelli Scorpion (os mesmos modelos que equipam o Jeep Renegade, só que mais estreitos), com banda de rodagem para uso misto e montados exclusivamente para a versão Trekking, proporciona o máximo de desempenho e, mesmo com perfil mais alto, assegura mais conforto e robustez para o veículo, graças ao extenso trabalho de engenharia que revisitou toda a elastocinemática do chassis, passando por molas, amortecedores e até tunning da direção elétrica.

Para completar suas características off road light, voltada para os clientes que desejam sair do asfalto, o Fiat Argo Trekking é o melhor de seu segmento em pisos irregulares, apresentando os mais altos níveis de conforto, mantendo a excelência do comportamento dinâmico do veículo. A nova versão apresenta ainda melhor absorção de impacto e mais segurança em terrenos com baixa aderência, como estradas de terra.

Estiloso
Além de todas as mudanças que foram feitas para que o carro tivesse uma performance e conforto diferenciados na hora de viajar por estradas irregulares, o Fiat Argo Trekking ainda é completo e cheio de estilo, algo muito buscado pelos clientes mais jovens. A nova versão traz equipamentos de série que conferem uma personalidade mais aventureira e esportiva ao seu design tanto por fora quando por dentro.

O Fiat Argo Trekking é a única versão aventureira do segmento com teto bicolor. Traz ainda barras no teto, que é pintado em preto assim como os retrovisores e aerofólio. Em cima, nas laterais inferiores e na traseira, outra novidade: o logotipo “Trekking”. O símbolo é composto por três diferentes formas com significados distintos: transcender, explorar e criar, ou seja, exatamente aquilo que a nova versão permite que seu proprietário faça pelas estradas dentro ou fora das cidades.
A versão tem ainda um adesivo preto no capô, faróis com design em LED, nova moldura da caixa de rodas e do para-choque traseiro na parte inferior, logomarca da Fiat com acabamento exclusivo em cromo escurecido na traseira, ponteira de escapamento trapezoidal com cor exclusiva, além de rodas com aro 15 com calotas escurecidas.

Por dentro, logo ao entrar, chama a atenção o tecido escuro dos bancos de alta qualidade com o contraste da costura laranja, área central com textura quadriculada e o logotipo Trekking bordado. O motorista também logo repara no logotipo Fiat do volante escurecido assim como a peça central do painel e a moldura do console central e, para completar, as saídas de ar são cromadas.
A nova versão traz de série ainda o Uconnect de 7 polegadas touchscreen com Apple CarPlay e Android Auto, vidro dianteiros e traseiros elétricos, retrovisores elétricos e faróis de neblina. Como opcionais, o cliente pode também incluir rodas de liga leve 6.0 de aro 15 com cor exclusiva e câmera de ré com linhas dinâmicas.

Equipamentos Mopar
Além de todos os diferenciais que já fazem parte da versão Trekking, a Mopar oferece muito mais possibilidades de tornar cada Fiat Argo um veículo único. São mais de 50 acessórios disponíveis para o modelo, sendo que dois são exclusivos do Argo Trekking: as barras transversais de teto e o suporte para bicicleta. Este é apoiado naquelas que, por sua vez, precisam das barras longitudinais – item de série específico da configuração aventureira do hatch.
A Mopar também está aproveitando o lançamento do Fiat Argo Trekking para colocar outra novidade no mercado, a rede vertical de carga. Ela permite organizar melhor objetos que ficariam totalmente soltos no porta-malas. Vale dizer ainda que uma das características de estilo de maior destaque do Trekking pode ser adotada em qualquer Argo: o teto escuro. Enquanto a nova versão exibe a capota pintada de preto na fábrica, a Mopar oferece a chance de “envelopar” o teto com um adesivo preto fosco – emprestando um ar mais esportivo do carro e também aumentando a proteção da pintura nessa área.

Texto: Mário Salgado, do ShopCar (MS), especial para o MinutoMotor

VW GOL, FIAT PALIO E UNO: CARROS USADOS “BONS DE NEGÓCIO”

VW GOL, FIAT PALIO E UNO: CARROS USADOS “BONS DE NEGÓCIO”

Contra números não há argumentos. Se algum comerciante disser que o Chevrolet Meriva “é bom de negócio” mostre prá ele que você sabe das coisas. O mononolume da Chevrolet está apenas na 48ª posição no mercado de emplacamentos de carros usados no primeiro trimestre. Segundo dados da Fenabrave foram vendidos apenas 3.211 unidades do Meriva, nos três primeiros meses de 2019. Na outra ponta do relatório está o líder Gol que acumula 62.716 unidades emplacadas no mesmo período.

O VW Gol puxa um crescimento do mercado de carros usados segue a todo vapor . A venda acumulada é de 2.152.966 unidades contra os 2.135.990 do ano passado, um crescimento de 0,79% no mesmo período com o total dos meses janeiro, fevereiro e março.

Dentro desse universo, os carros mais vendidos foram o Gol, seguido pelo Fiat Palio com 40.742 unidades e pelo Uno com 40.423 emplacamentos. Na escala dos 50 carros usados mais comercializados do Brasil, o Honda HR-V é o último com 3.094 unidades antes dele está o Peuget 206 com 3.182 e o GM Meriva, que foi a escolha de apenas 3.211 consumidores.

Texto Cicero Lima, especial para o MinutoMotor

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

Para comemorar a liderança no segmento de utilitários-esportivos (SUVs) no Brasil, a montadora de origem norte-americana apresentou durante o Jeep Day (4/4) mais duas novas versões de seus SUVs, que, aliás, são os líderes da categoria no País.

O primeiro é a exclusiva edição especial Renegade Willys, cujas 250 unidades, baseadas na versão Trailhawk, homenageiam o Willys MB de 1941, criado para lutar na Segunda Guerra Mundial. Preço: R$ 146.490.

O segundo é o Compass S, série especial baseada na versão Limited Diesel. O modelo traz agora o maior pacote de tecnologia para condução autônoma em um veículo produzido no Brasil. Entre os recursos há controle adaptativo de velocidade (ACC), aviso de colisão frontal com frenagem automática (FCW+) e monitoramento de mudança de faixa com correção ativa (Lane Sense). Preço: R$ 187.990.

Jeep em números
No mês de março, a Jeep obteve no Brasil seu melhor market share no mundo, com 24,9% de participação no mercado de SUVs. Resumindo: de cada quatro utilitários-esportivos emplacados aqui, um ostentava a inconfundível grade dianteira de sete fendas. A fatia da Jeep foi maior que a soma das marcas que ficaram nas segunda e terceira posições, que chegou a 22,5%.

O balanço dos três primeiros meses do ano também é positivo, com a Jeep representando 23,5% do universo de SUVs, enquanto as duas marcas seguintes atingiram, juntas, 23,2%. “É uma enorme satisfação conseguirmos mais esses resultados tão expressivos em relativamente pouco tempo, pois o Polo Automotivo Jeep, que mudou nossa história no país, foi inaugurado há somente quatro anos”, declara Tania Silvestri, diretora da Jeep para América Latina.

TEST-DRIVE: SW4 SRV – BOM PARA FAMÍLIA, PÉSSIMO PARA O BOLSO

Com visual moderno, boa lista de equipamentos e motorização robusta, porém beberrona -, a Toyota SW4 2019 se posiciona como um dos utilitários esportivos mais vendidos no mercado nacional. O modelo está disponível em quatro versões de acabamento: SR, SRV, SRX e SRX Diamond. As duas primeiras são equipadas com um motor 2.7 litros flex, enquanto as outras duas com o propulsor 2.8 litros turbo diesel. Os preços partem de R$ 169.190, podendo alcançar salgados R$ 267.690 em sua configuração mais completa. Confira a avaliação feita pelo MinutoMotor.

A SW4 tem 4,79 m de comprimento, daí você pode imaginar que o entre-eixo tem 2,74m isso proporciona muito espaço para os passageiros da segunda fileira. Infelizmente não acontece na terceira fileira, além de ter pouco espaço, como o banco da segunda fileira não corre sobre trilhos, dificulta bem o acesso para as fileiras de trás. O espaço para as pernas dos passageiros é bem estreito para adultos, cabendo confortavelmente somente duas crianças. Apesar da robustez, o utilitário esportivo da Toyota chama a atenção pelas linhas exclusivas, com destaque para a dianteira agressiva, que ganhou a adoção do faróis que tem desenho fluído e projetor de LED para facho alto e baixo na versão topo de linha.

Na traseira, as lanternas também são usam LED. Para facilitar o acesso dos usuários à cabine, o conta com estribo. Já os retrovisores são rebatidos eletricamente. O modelo tem 1,85 de largura e 1,83 de altura.

Internamente o SUV da Toyota tem defletor de ar no teto para os passageiros dos bancos traseiros. Além disso, os ocupantes têm o controle independente das saídas de ar e temperatura. No habitáculo, há uma mescla de tonalidades e materiais no acabamento. Tem couro em tons – marrom e preto-, detalhes imitando madeira e em preto brilhante, maçanetas cromadas e apliques em cor prata.

A central multimídia da Toyota não é muito intuitiva, embora tenha DVD e TV Digital, que funciona somente com o carro parado; além de câmera de ré e navegador.

Em termos de conforto, o SW4 vem bem recheado: acendimento automático dos faróis, ar-condicionado dual zona, banco traseiro bipartido, rebatível, reclinável e com descansa-braços, chave tipo canivete, volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade, compartimento refrigerado no painel, controle de cruzeiro, faróis com follow me home, modos de condução Eco e Power, vidros, travas e retrovisores elétricos.

Falando de segurança, o SUV da Toyota tem airbag duplo frontal para motorista, laterais para os passageiro e de cortina e airbag para os joelhos.

Para total controle do carro nas estradas e ruas, o SW4 tem controles de estabilidade e tração, assistente de subida, assistente de reboque, luz auxiliar de freio em LED, luz de condução diurna, luz de frenagem emergencial, freios ABS com EBD e BAS, sensor de estacionamento traseiro e Isofix. Já o porta-malas tem um bom espaço – 500 litros- , mesmo com a terceira fileira de bancos levantadas, ainda sobra espaço para colocar pequenas malas e mochilas.

O Toyota SW4 SRV uso o propulsor Dual VVT-i Flex 2.7 com 163 cv de potência a 5.000 rpm, quando abastecidos com etanol, e 159 cv, também a 5.000 rpm, com gasolina. Com 1.880 kg, a Toyota SW4 SRV 2.7 Flex, mesmo com transmissão automática de seis velocidades, não pode ir muito longe, pois peca no quesito economia.

No sistema de transmissão há uma opção de mudanças manuais na alavanca e atrás do volante (shift padle), mas o motor fraco exige muito giro alto e paciência. Nesta avaliação conseguimos apenas 4,9 km/litro no etanol e 7,1 km/litro na gasolina, em circuito urbano. Na estrada, ela faz 5,9 km/litro no etanol e 8 km/litro na gasolina.

Em curvas bem fechadas e a traseira começa a sair facilmente. A estabilidade é condizente com a proposta. Ou seja, não dá para brincar em serviço. Os pneus cantam imediatamente e na pior das hipóteses com segurança, os controles de tração e estabilidade entram em ação.

Toyota SW4

Ficha técnica

Motor: quatro cilindros, dianteiro, longitudinal 2.646 cm³ de cilindrada, 16V, flex

Potência: 158/163 cv a 5.000 rpm (G/E)

Torque: 25,0 kgfm a 4.000 rpm

Câmbio: automático com modo manual de seis marchas

Direção: Hidráulica

Suspensão: Independente McPherson na dianteira com barra estabilizadora e 4-link e molas helicoidal na traseira

Freios: Discos ventilados na dianteira e na traseira com ABS e EBD (distribuição de força e frenagem)

Rodas e Pneus: liga-leve aro 17” com pneus 265/65 R 17

Comprimento: 4,79 m

Largura: 1,85 m

Altura: 1,83 m

Entre-eixos: 2,74 m

Capacidade do tanque: 80 litros

Peso: 1.880 kg (Em ordem de marcha)