TESTE: NOVO PEUGEOT 2008, UM SUV MUITO ALÉM DA MULTIDÃO

Até o início da década passada, nos engarrafamentos das grandes cidades brasileiras, ficava evidente o domínio dos hatches compactos no mercado local. Já no trânsito cada vez pior dos dias atuais, chama a atenção a predominância dos utilitários esportivos e dos modelos com apelo aventureiro. Os SUVs e os veículos com adereços “off-road” já são a maioria dos automóveis lançados no Brasil nos últimos tempos e a demanda não para de crescer. Nesse panorama, ninguém quer ficar de fora da briga. Mas o excesso de oferta acaba indo contra a principal razão de compra desse tipo de veículo – que é justamente se diferenciar dos carros “comuns”. Por isso, a Peugeot aposta no estilo para tentar “fazer a diferença” com o novo 2008, que chega agora às concessionárias da marca.

Embora a Peugeot afirme que o design foi desenvolvido exclusivamente para a região pelo Latin America Tech Center do Groupe PSA, na verdade, trata-se de uma remodelação do carro lançado mundialmente em 2013 e no Brasil em abril de 2015. As dimensões permanecem rigorosamente as mesmas – 4,16 metros de comprimento, 1,74 metro de largura, 1,58 metro de altura e 2,54 metros de distância de entre-eixos. As mudanças estão concentradas na dianteira e tornam o novo 2008 muito similar aos SUVs maiores da marca, o 3008 e o 5008. A grade frontal, emoldurada em acabamento em preto e mais verticalizada, traz elementos tridimensionais e ostenta o indefectível emblema do leão. Já o capô está mais horizontalizado, tipicamente SUV. O novo para-choque frontal aumentou o ângulo de ataque do carro, que agora é de 23 graus. Os chamados “dentes do leão”, os recortes agudos na parte inferior dos faróis que remetem aos caninos de um felino, continuam lá, como uma assinatura dos utilitários esportivos da marca. Os faróis são afilados, com luzes diurnas em leds e refletores com lentes semielítpicas. Os protetores pretos na parte inferior da carroceria são item de série para todas as versões.

O novo Peugeot 2008 estará disponível em duas configurações de motorização. Por enquanto, só estão nas lojas as versões com o motor 1.6 EC5 VTI, de 118 cavalos a 5.750 rpm (com etanol), com 16,1 kgfm de torque a 4.750 giros. No último trimestre do ano, será lançada a versão Griffe 1.6 THP, de 173 cavalos a 6 mil rpm e 24,5 kgfm a 4 mil rpm (com etanol). O motor turbo tem 16 válvulas, com duplo comando de válvulas no cabeçote e injeção direta sequencial. O turbocompressor é do tipo Twin-scroll, com bomba eletrônica de alta pressão. Ambos os motores trabalham com o mesmo câmbio automático EAT6 de 6 velocidades da empresa japonesa Aisin – antes, o motor turbo só era usado com o câmbio manual. Traz quatro modos de condução (drive, eco, sport e sequencial), adaptando o veículo às mais diferentes necessidades do proprietário. Para ter respostas mais esportivas do carro, basta acionar o modo “Sport”. E, para reduzir o consumo de combustível em situações de trânsito intenso, o recomendável é acionar a função “Eco”. A versão Griffe THP conta com o Grip Control, que auxilia o motorista na direção ao otimizar a motricidade em diferentes e acidentados terrenos, como neve, areia ou lama. O Grip Control está disponível com cinco ajustes – padrão, areia, neve, lama ou ESP Off.

O novo SUV da Peugeot está disponível em quatro versões. A mais barata é a Allure, equipada de série com dois airbags laterais, ar-condicionado manual, faróis com guia de luz em leds e DRL, controle elétrico para os retrovisores, vidros elétricos dianteiros e traseiros, limitador e regulador de velocidade, volante com comandos integrados, Peugeot Connect Radio de 7”, Android Auto e Apple CarPlay integrados, rodas de aço 16” com calotas, barras de teto e molduras nas caixas de roda pretas. Custa R$ 69.990. A versão Allure Pack acrescenta faróis de neblina, volante revestido em couro, câmera de ré, alarme perimétrico e rodas de liga-leve 16”. Sai por R$ 79.990. A Griffe AT acrescenta à Allure Pack itens como ar-condicionado digital bizone, roda de liga-leve 16” Áquila Diamantada, teto de vidro panorâmico, sensor de chuva e sensor de luminosidade. Sobe para R$ 89.990. E a “top” Griffe THP, que será lançada no final do ano, além de todos os acessórios da versão Griffe AT, vem equipada com motor turbo THP e Grip Control. O preço salta para R$ 99.990. Embora não seja um carro barato, são valores bastante competitivos em relação à concorrência.

O lançamento do novo 2008 também celebra o momento maior do plano estratégico Virada Brasil. Iniciado pela Peugeot em 2015, promoveu uma modernização dos produtos no país e uma reestruturação do modelo de negócios. A partir desse trabalho, foi lançado o Peugeot Total Care, um programa que prioriza a transparência e a excelência dos serviços ao consumidor. Para a nova etapa, segundo a marca, caso o cliente não fique satisfeito com o serviço feito em seu veículo, ele não paga pelo valor da mão de obra. Com o Renova Peugeot, a marca se compromete, ao final do programa, em pagar no mínimo 85% do preço da tabela FIPE no veículo usado na troca por um zero-quilômetro. “Este é um momento especial para nós. Depois de muito trabalho, chegamos ao ponto de virada que havíamos planejado. O novo Peugeot 2008 chega justamente para coroar esse ciclo”, comemora Ana Theresa Borsari, Country Manager da Peugeot Brasil. A expectativa da marca é que 80% das vendas neste ano venham da linha de SUVs – 3008, 5008 e, agora, o novo 2008.

Posicionamento diferente
O conceito i-Cockpit, implementado já há algum tempo pela Peugeot, tornou-se uma das identidades mais marcantes dos modelos da marca. O volante de multifunções com dimensões reduzidas no estilo SportDrive tem assistência progressiva elétrica e proporciona um posto de direção realmente diferenciado. O motorista se sente integrado ao veículo e com acessos simples a todas as funcionalidades presentes no painel ou no volante. O painel de instrumentos está posicionado acima do volante, dentro do campo de visão do motorista, o que permite uma completa visualização de toda a condição do veículo sem precisar tirar os olhos da estrada. Os bancos contam com regulagem de altura, profundidade e inclinação, o que ajuda a achar a posição ideal.
A boa distância de entre-eixos, 2,54 metros, proporciona aos passageiros do banco traseiro um espaço confortável para as pernas e cabeças. O porta-malas tem capacidade para 402 litros. Com o rebatimento dos bancos traseiros, o volume sobe para 1.172 litros. O acabamento, embora adote plásticos rígidos, aparenta qualidade. Detalhes cromados emolduram as saídas de ar condicionado, a central multimídia e as portas, em contraste com o acabamento em black piano. Há um bom número de porta-objetos, todos bem funcionais. O porta-luvas é refrigerado. A central multimídia com tela de 7 polegadas é compatível com Google Android Auto e Apple CarPlay e possibilita o espelhamento do celular.

Primeiras impressões
O teste de apresentação do novo 2008, em uma versão Allure Pack, foi realizado em um trajeto de cerca de 150 quilômetros, do bairro do Butantã, na Zona Oeste paulistana, e o Haras Tuiuti, na cidadezinha paulista de mesmo nome, parte em asfalto e um pequeno trecho de estrada de terra. O 2008 Allure Pack se sai bem, tanto no asfalto quanto na terra. Tem boa dirigibilidade e entrega um rodar suave, com um conjunto suspensivo bem equilibrado, que aderna pouco nas curvas, embora o ESP tenha sido reservado para a versão “top” Griffe. O volante de diâmetro menor proporciona um acesso visual ideal ao quadro de instrumentos, posicionado acima dele. A tela do multimídia tem posicionamento e angulação exemplares. As informações estão onde deveriam estar, o que torna a experiência de dirigir mais agradável e relaxante. Para o exterior, a visibilidade é boa e os retrovisores generosos colaboram bastante.
O motor 1.6 aspirado dá conta do recado, sem entregar maiores emoções. Embora as trocas do câmbio automático de 6 velocidades sejam rápidas e eficientes, as retomadas não são tão vigorosas – a esportividade do modelo certamente será melhor representada pelo motor turbinado THP da versão Griffe. Para obter acelerações mais resolutas, é necessário acionar sem piedade o pedal do acelerador, o que aumenta o nível de ruído a bordo. A utilização do modo manual do câmbio é uma alternativa para tornar o comportamento dinâmico mais instigante. Os freios são eficientes, sem desvios de trajetória. A suspensão elevada, com vinte centímetros de vão livre e o ângulo de entrada de 23 graus ajudam a passar por lombadas e até por trilhas leves. A ausência de tração 4×4 não recomenda maiores radicalidades no “off-road”.

Texto e Fotos Luiz Humberto Monteiro Pereira / Agência AutoMotrix

Ficha Técnica
Peugeot 2008 Allure Pack

Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.587 cm³, 16V, 118 cavalos/115 cavalos a 5.750 rpm, 16,1/16,1 kgfm a 4.750/4.000 rpm.
Câmbio: automático, 6 marchas. Tração dianteira.
Direção: elétrica.
Suspensão: dianteira com conjunto tipo Pseudo McPherson, independente, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos pressurizados a gás e barra estabilizadora. Traseira com travessa deformável, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos pressurizados a gás e barra estabilizadora.
Freios: disco ventilado na dianteira e disco sólido na traseira.
Pneus: 205/60 R16.
Dimensões: comprimento de 4,16 metros, largura de 1, 74 metro; altura de 1,58 metro e entre-eixos de 2,54 metros.
Peso: 1.248 kg.
Porta-malas: 402 litros.
Tanque de combustível: 55 litros.
Preço da versão Allure Pack: R$ 79.990.

EMPLACAMENTOS: OS 10 CARRO E AS 10 MOTOS MAIS VENDIDAS EM 2019

EMPLACAMENTOS: OS 10 CARRO E AS 10 MOTOS MAIS VENDIDAS EM 2019

O setor da distribuição automotiva, representada pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) divulgou em 2 de maio os dados de emplacamentos de veículos referentes ao mês de abril e acumulado do ano. De janeiro a abril de 2019, 1.244.151 unidades foram licenciadas, o que representa aumento de 12,2% ante as 1.108.897 unidades comercializadas no mesmo período do ano passado. No mês de abril foram emplacados 339.424 veículos, 11,1% acima do volume registrado no mês de março de 2019, quando 305.524 unidades foram licenciadas. Na comparação com abril de 2018, mês que registrou 311.160 unidades emplacadas, a alta é de 9,08%.

Nos segmentos de automóveis e comerciais leves, o resultado do quadrimestre registrou 801.330 unidades emplacadas, representando crescimento de 8,71% perante igual período do ano passado, quando foram licenciadas 737.135 unidades. Em abril, esses dois segmentos, juntos, somaram 221.321 unidades, contra 199.528 em março, registrando alta de 10,92%. Na comparação com as 209.940 unidades de abril de 2018, a evolução foi de 5,42%. Na lista dos mais vendidos (abaixo), destaque para dois SUVs da Jeep: Renegade (8º) e Compass (10º).

Nas motos, a resultado nos primeiros quatro meses do ano reflete uma recuperação de mercado, o que efetivamente teve um crescimento na ordem de 13,68% em abril comparado ao mesmo período de 2018 (93.387 contra 82.149). Já no acumulado do ano foram emplacadas 352.112 motos nos quatro primeiros meses de 2019, contra 301.536 unidades no mesmo período do ano passado. Crescimento de 16,77% segundo os dados da Fenabrave.

No segmento de duas rodas supremacia total da Honda. Dois dez modelos mais vendidos, 7 são da “marca da asa”. Detalhe, a Honda detém 78,98 do share no acumulado do ano. Entre as motos, um estranho no ninho, o scooter PCX 150, que recentemente foi reformulado, ocupa a sexta posição do ranking dos modelos mais vendidos (abaixo).

“O mercado, como um todo, manteve o ritmo de recuperação. A média diária de vendas cresceu 0,5%, o que, para nós, reflete a expectativa de aprovação das reformas, que estão em andamento. Ao analisarmos o volume acumulado, nas vendas do primeiro quadrimestre, que tiveram importante crescimento, observamos que existe uma gradual elevação nos índices de confiança do consumidor, impactados pela provável resolução deste assunto”, declara Alarico Assumpção Júnior, presidente da entidade.

Confira os 10 automóveis e as 10 motocicletas mais vendidas de Janeiro a Abril de 2019

CARROS
Modelo – Unidades emplacadas

  1. GM Onix – 75.130
  2. Hyundai HB 20 – 34.738
  3. Ford KA – 32.765
  4. GM Prisma – 27.270
  5. Peugeot Kwid – 23.981
  6. VW Gol – 23.330
  7. Fiat Argo – 23.073
  8. Jeep Renegade – 21.383
  9. VW Polo – 20.400
  10. Jeep Compass – 17.884

MOTOS
Modelo – Unidades emplacadas

  1. Honda CG 160 – 100.486
  2. Honda Biz – 52.419
  3. Honda NXR 160 Bros – 39.142
  4. Honda Pop 100i – 33.986
  5. Honda CB 250F Twister – 11.767
  6. Honda PCX 150 – 8.768
  7. Yamaha XTZ 150 Crosser – 8.115
  8. Yamaha Fazer 250 – 7.554
  9. Yamaha YBR 150 – 7.009
  10. Honda XRE 300 – 7.002

VÍDEO: NISSAN KICKS COM ESTILO E DESIGN NA MEDIDA

Vídeo-teste Nissan Kicks 2018

Quem busca um utilitário esportivo com design moderno e estilo de sobra, o Nissan Kicks pode ser uma alternativa. Quando chegou no mercado em 2016 foi comparado com veículos de categorias superiores. Tecnologia ativa de segurança na versão topo de linha, como controle de tração e estabilidade, controle dinâmico em curvas (regula o movimento da carroceria e utiliza o freio motor e os freios para reduzir o subesterço), câmera com visão 360º com sistema inteligente e o estabilizador ativo de carroceira reforçaram esse posicionamento. MinutoMotor pode rodar com a versão topo de linha, 1.6 SL Pach Tech 2018. Com preço sugerido de R$ 100.990,00, a linha 2019 acabou de chegar na rede Nissan com pouquíssimas alterações.

Quem busca um utilitário esportivo com design modernos e estilo de sobra, o Nissan Kicks pode ser uma alternativa.

A primeira impressão é que o SUV da Nissan, com linhas retas e angulares exteriormente, passa a sensação de modernidade e sofisticação. O teto com cor diferente da carroceria reforça essa percepção e praticamente ditou uma tendência vista no dia a dia das grandes cidades. As rodas com 17 polegadas, calçadas com pneus 205/55 finalizam o conjunto.

Nissan, com linhas retas e angulares exteriormente, passa a sensação de modernidade e sofisticação

Internamente, o utilitário avaliado era equipado com bancos em couro com tonalidade claro, assim como acabamentos no painel. Por não estar acostumado com essa configuração, assim como boa parte dos brasileiros, estranhamos um pouco no início, mas com o passar do tempo é agradável e passa a sensação de amplitude. O que realmente não agradou foi o excesso de plástico no interior do veículo.

Equipado com bancos em couro com tonalidade claro, assim como acabamentos no painel

Já a versão 2019 do Kicks, que chegou recentemente no mercado, adota uma nova central multimídia  Nissan Multi-App de 7” polegadas, que conta com Apple CarPlay e Android Auto para a versão topo de linha, a SL Pack Tech . A versão 2018 avaliada trazia o sistema Multiapp, com rádios AM/FM , CD e DVD player, função RDS, entrada auxiliar para MP3 Player, conector USB, conexão à internet por intermédio de wi-fi pela plataforma Android, download de aplicativos como, por exemplo, Waze e Spotify. Já as versões de entrada e intermediárias não contam com essa atualização. Uma pena.

Motor 1.6 flex de segunda geração, com 114 cv a 5.600 rpm e 15,5 kgfm a 4.000 rpm de torque

Já o motor é o conhecido 1.6 flex de segunda geração, com 114 cv a 5.600 rpm e 15,5 kgfm a 4.000 rpm de torque, combinado com um câmbio CVT que simula seis marchas, deixa o veículo com um dirigir suave, mesmo quando utilizado o discreto modo esporte. Rodando boa parte tempo em trecho urbano, o Kicks marcou média de 5,2 km/l no computador de bordo, isso quando abastecido com etanol. Com 41 litros de capacidade no tanque, a autonomia é modesta.

GOSTAMOS: Design, estilo, duas cores do exterior, ergonomia, tecnologia de segurança ativa

NÃO GOSTAMOS: Excesso de plástico interno, suspensão.

Ficha técnica

Motor:  quatro cilindros, dianteiro, transversal, 1.598 cm³ de cilindrada, 16V, comando duplo, flex


Potência: 114 cv a 5.600 rpm 


Torque: 15,5 kgfm a 4.000 rpm 


Câmbio: automático CVT, seis marchas simuladas, tração dianteiro


Direção: Elétrica


Suspensão: Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira


Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, ABS


Rodas e Pneus: liga-leve aro 17” com pneus 205/55


Comprimento: 4,29 m


Largura: 1,76 m


Altura: 1,59 m


Entre-eixos: 2,61 m


Capacidade do tanque: 41 litros

Porta-malas: 432 litros


Peso: 1.146kg 
Central multimídia: 7 polegadas sensível ao toque

Imagens do Kicks 2019

TEST-DRIVE: YARIS SEDAN XLS 1.5 É LACUNA PREENCHIDA

A Toyota é uma grande conhecida do brasileiro. O pós-venda dos seus veículos e valor de revenda jogam sempre a favor dos automóveis da marca. Mas faltava algo no portfólio da fabricante japonesa. Bem, isso já não pode ser mais questionado. A chegada do Yaris, nas versões hatch e sedan, tentam completar e ao mesmo tempo conquistar os clientes do segmento compactos premium. Será que consegue?  avaliou a versão completa do sedan, a XLS 1.5 automática com câmbio CVT, que tem preço sugerido de R$ 83.590.

Logo de cara, o visual agrada, com linhas bem resolvidas. Lembra o irmão mais velho, o Corolla. Com desenho moderno e harmonioso, com faróis alongados integrados a grade dianteira deixam a dianteira do sedan bonita. Já as laterais possuem traços mais suaves e a traseira aposta nas lanternas horizontais, que invadem o porta-malas. E é exatamente neste ponto a primeira falha do Yaris, a falta de cuidado no acabamento do bagageiro.

Já internamente, temos espaço de sobra para quatro ocupantes. Os 2,55 metros de entre-eixos do Yaris Sedan possibilita aos passageiros viajarem com conforto, mas a curvatura da caída do teto podem incomodar os mais altos.

Já o fato do túnel central ser mais baixo, representa um ganho expressivo para as pernas. Outro ponto positivo é ao adentrar no veículo. Mesmo com muito plástico rígido, o desenho no geral é agradável, até mais moderno que o Corolla. O acabamento em preto brilhante tenta dar um ar mais sofisticado, mas para por aí.

A versão topo de linha, avaliada por MinutoMotor, conta ainda com teto solar, sensor de chuva, maçanetas cromadas, faróis com projetor e lâmpadas halógenas, lanternas em LED e sete airbags, adicionando dois laterais, dois de cortina e um de joelhos para o motorista, além dos banco de couro, ar-condicionado digital, nova central multimídia com tela de sete polegadas (um tanto confusa para espelhar e fazer funcionar um smartphone), entre outros mimos.

O motor 1.5 com 110 cavalos de potência e 14,9 kgmf de torque quando abastecido com álcool tem sede. No computador de bordo do Yaris Sedan, a máxima alcançada foi de 5 km/l na média, o que no final assustou, já que seu tanque tem apenas 45 litros. Já o câmbio é o mesmo utilizado no Corolla, o conhecido CVT e a suspensão tem acerto mais voltado para o conforto, o que pode incomodar ao passar por vias mais esburacadas. Já na estrada, é bastante agradável.

 

+ GOSTAMOS: Design, conforto, acabamento interno, preço se comparado aos principais rivais

– NÃO GOSTAMOS: Acabamento porta-malas, autonomia, consumo, usabilidade da central multimídia confusa

Texto e Fotos: Fernando Eduardo, especial para o MinutoMotor

YARIS SEDAN XLS 1.5

Ficha Técnica
Motor: quatro cilindros, dianteiro, transversal 1.496 cm³ de cilindrada, 16V, comando duplo variável, flex

Potência: 105/110 cv a 5.600 rpm (G/E)

Torque: 14,3/14,9 kgfm a 4.750 rpm

Câmbio: automático CVT simulando sete marchas

Direção: Elétrica

Suspensão: Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira com barra estabilizadora

Freios: Discos solidos na dianteira e tambores na traseira, ABS

Rodas e Pneus: Liga-leva aro 15” com pneus 185/60 R 15

Comprimento: 4,42 m

Largura: 1,73 m

Altura: 1,49 m

Entre-eixos: 2,54 m

Capacidade do tanque: 45 litros

Peso: 1.150 kg

Central multimídia: 7 polegadas

 

“MECÂNICO VIRTUAL”, ENGIE FAZ DIAGNÓSTICOS DE 10 MIL ITENS

Se você é ligado em carro, manutenção e tecnologia, leia com atenção esta notícia. Disponível para modelos a partir do ano 2002, o Engie – solução que faz diagnósticos de prevenção e manutenção de mais de 10 mil itens de um carro em tempo real – funciona em conjunto com o aplicativo Engie para celular. Criado por uma startup israelense, cofundada por um dos criadores do Waze e do Moovit, Uri Levine, o Engie veio para revolucionar a experiência de manutenção preventiva ao funcionar como um “mecânico virtual”.  

 

O dispositivo Engie verifica o estado geral do veículo e notifica automaticamente o motorista pelo aplicativo caso algum item não esteja funcionando bem. O app, além de indicar oficinas e mecânicos credenciados por região, permite também que o dono do carro peça orçamentos online, arquive informações sobre consumo de combustível. O Engie lembra ainda o motorista onde o carro está estacionado, entre outros serviços úteis. Segundo o fabricante, usados juntos, dispositivo e app são capazes de gerar uma economia de até 30% na manutenção do veículo e em gastos diários.

A instalação é simples e rápida: basta acoplar o dispositivo à entrada OBD2 do carro, que geralmente fica abaixo do volante. Por meio do sistema Bluetooth, o “gadget” envia os dados coletados do carro para o aplicativo Engie baixado no celular. Além de Brasil, o produto só é encontrado em Israel, Reino Unido, EUA, Espanha e México. Nesses países, são 150 mil veículos conectados e 250 mil downloads realizados. No Brasil, um de seus mercados mais promissores, já são 30 mil veículos conectados e 90 mil downloads.

O Engie participa pela primeira vez da Black Friday com desconto de 18% para quem comprar o dispositivo até o dia 25 de novembro.  Os preços variam entre R$ 82, para o sistema operacional Android, e R$ 111, para o iOS. Além disso, a promoção Pague 2 e Leve 3 pelo valor de R$ 164 (Android) e pelo valor de R$ 222 (iOS), valerá até 25 de novembro. A entrega é grátis e a promoção online pode ser acessada no link http://www.blackfriday.engieapp.com.

VEJA: NOVO BMW 8 COUPÉ COM MOTOR V8 DE 530 CV

VEJA: NOVO BMW 8 COUPÉ COM MOTOR V8 DE 530 CV

O luxuoso M850i ​​xDrive Coupé foi parcialmente desvendado pela própria BMW. Sob o capô um inédito motor de oito cilindros que produz  530 cv. Para ajudar a usar esta potência de forma “racional”, o carro alemão apresenta dois modos de pilotagem – Sport e Sport +. O novo modelo traz outros destaques: amortecedores eletronicamente controlados, sistema de controle de estabilidade DSC (Dynamic Stability Control) e sistema de tração nas quatro rodas. A configuração padrão é na roda traseira, mas quando o condutor quiser um pouco mais de diversão ele pode bloquear o diferencial e, assim, proporcionar uma tração máxima ao acelerar nas curvas. O BMW 8 Series Coupé estará à venda na Europa já no primeiro semestre. Sua aparição oficial deverá acontecer durante a tradicional “24 Horas de Le Mans”. 

Um baixo centro de gravidade, altos valores de rigidez para a corroeria e suspensão eletrônica formam a base para as novas características de condução do BMW 8 Series Coupé. No caso do M850i ​​xDrive Coupé, tanto a agilidade como o comportamento direto da direção são adicionalmente auxiliados pela direção ativo integral. Além disso, os amortecedores controlados eletronicamente são capazes de fornecer a estabilidade máxima a qualquer momento, mesmo em trechos de superfície irregular ou piso molhado. 

A utilização do V8 teve contribuição decisiva no aumento de performance do BMW M850i ​​xDrive Coupé. O novo propulsor oferece agora 530 cv de potência máxima. Já o torque é de quase 75 Kgf.m, já disponível a 1.800 rpm (força comparável a um caminhão). O motor de oito cilindros está acolado a uma transmissão esportiva Steptronic também de 8 velocidades, com trocas de marchas mais curtas. Dessa forma, o carro pode acelerar de 0 a 100 km/h em menos de 4 segundos. 

“O novo motor V8 oferece exatamente o equilíbrio certo entre desempenho e emoção, que é o que define o novo BMW 8 Series Coupé”, afirma Christian Billig, chefe da Unidade de Integração de Sistemas. “Acima de tudo, o oito cilindros se harmoniza perfeitamente com a transmissão Steptronic. O som do escape esportivo denuncia a entrega de potência do carro. E graças ao BMW xDrive e ao bloqueio ativo do eixo traseiro, o motor sempre transfere potência ideal para uma melhor condução. 

CAOA CHERY LANÇA SUV TIGGO 2 POR R$ 59.990

A CAOA Chery estreia no mercado brasileiro com o Tiggo 2, primeiro modelo da nova marca. Produzido em Jacareí, interior de São Paulo, o SUV chega com preço competitivo – R$ 59.900 e está disponível em duas versões: Look e ACT. A expectativa é vender 8 mil unidades até o final do ano. Para isso, a nova montadora aposta no amplo espaço interno, bom conteúdo tecnológico e design atraente. Além, é claro, da ampliação da rede de concessionárias. A previsão é inaugurar 30 revendas até dezembro. Atualmente, a Chery conta com apenas 21 concessionárias.

Para se adaptar às nossas condições de piso e ao gosto do motorista brasileiro, o modelo passou por diversos processos de tropicalização. SUV democrático, segundo a marca, o Tiggo 2 foi concebido para atender aos mais variados perfis de consumidores: desde pessoas solteiras e casadas, homens e mulheres, jovens que desejam conectividade, famílias que buscam conforto e espaço, pessoas que gostam de um veículo mais alto, etc.

Sem exageros estéticos, o SUV segue o padrão de design europeu adotado atualmente pela chinesa Chery. Dessa forma, o Tiggo 2 traz linhas fluidas que correm pela lateral, dando a sensação de movimento. O moderno conjunto ótico, com iluminação de LED, traz o nome do modelo na parte interna dos faróis.
Outro destaque do Tiggo 2 são suas generosas dimensões: 2.555 mm de entre-eixos, 1.570 de altura e 1.760 mm de largura, que permitem bom espaço interno e acomodar cinco ocupantes com bom nível de conforto. O SUV tem 4.200 mm de comprimento, com porta malas de 420 litros.

A versão Look conta com ar-condicionado, pacote elétrico completo, rodas de liga-leve 16″, ISOFIX, sensor de estacionamento traseiro, DRL (luz diurna de rodagem) e entre outros itens. Já a ACT, que custa R$ 66.490, além de todas as opções oferecidas na versão Look, traz teto solar, central multimídia de 8″ – com espelhamento de celular Android e IOS -, controle de estabilidade e de tração, assistente de partida em rampa, volante multifuncional em couro, piloto automático e ar-condicionado automático.

As duas versões são equipadas com motor Chery de 1.5l, com 4 válvulas por cilindros e comando de válvulas variável. Conta com alimentação bicombustível e sistema de partida a frio elétrico. A potência do propulsor é de 115 cv a 6.000 rpm (com etanol) e de 110 cv a 6.000 rpm (com gasolina). Seu torque máximo é de 14,9 kgf.m a 2.700 rpm (etanol) e de 13,8 kgf.m a 2.700 rpm (gasolina). A transmissão é manual de 5 velocidades. A montadora promete câmbio automático ainda neste semestre.

O Tiggo 2 conta com cinco opções de cores, sendo duas sólidas (Branco e Preto) e três metálicas (Prata, Azul e Marrom). No caso da versão ACT, existe a opção de teto pintado em preto para as cores Prata, Branco e Azul. O modelo tem três anos de garantia para o veículo completo e cinco anos para motor e câmbio.

NOVA FÁBRICA DA HONDA DÁ ‘START’ EM 2019

Excelente notícia para o mercado automobilístico nacional. A Honda irá iniciar a transferência da produção de automóveis de Sumaré (SP) para a nova planta de Itirapina (SP). A unidade de Sumaré se consolida como centro de produção de motores e componentes, desenvolvimento de automóveis, estratégia e gestão dos negócios do grupo Honda. A mudança ocorrerá gradativamente, a partir do início de 2019, com conclusão prevista para 2021. Detalhe: a fábrica de Itirapina teve um investimento de R$ 1 bilhão e ficou em compasso de espera desde de 2016.


Com base no cenário atual – crescimento gradual –, será preciso fortalecer a estrutura de produção de automóveis para garantir a sustentabilidade do negócio para o futuro. Por meio dessa restruturação, a Honda Automóveis passará a produzir todos os modelos locais na planta de Itirapina (SP). Lê-se: HR-V, WR-V, City, Civic e Fit. A nova unidade é o resultado de um projeto mais moderno e, consequentemente, mais eficiente do ponto de vista de produtividade, com melhor flexibilidade para atender às demandas tecnológicas para atualizações em nossa linha de automóveis. A unidade também apresenta ganhos em sustentabilidade. Um exemplo é o processo de pintura a base d’água que, aliado ao uso de menor quantidade de tinta, é menos poluente, garantindo a mesma qualidade no acabamento.


Com capacidade produtiva nominal de 120 mil unidades por ano, em dois turnos, a fábrica iniciará as atividades com a produção do modelo Fit e contará com a experiência de colaboradores da planta de Sumaré, que serão transferidos para Itirapina. Em Sumaré permanecerão atividades que receberam investimentos recentes: produção do conjunto motor, incluindo Fundição e Usinagem; Injeção Plástica; Ferramentaria; Engenharia da Qualidade; Planejamento Industrial e Logística. A unidade também mantém a sede administrativa da Honda South America, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Automóveis, a Divisão de Peças e o Centro de Treinamento Técnico para concessionárias.

VENDAS CRESCEM NO PRIMEIRO BIMESTRE

Foram emplacados 499.145 veículos no primeiro bimestre do ano. De acordo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), os licenciamentos de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas) tiveram alta de 16,3% nos dois primeiros meses de 2018. Só em fevereiro foram emplacados 230.066 mil veículos, o que representa crescimento de 12,26% na comparação com o mesmo mês de 2017.

Para Alarico Assumpção Júnior, presidente de Fenabrave, o desempenho dos dois primeiros meses do ano está alinhado com as expectativas de retomada das vendas de veículos no País. “Em fevereiro, a média de vendas diárias se mostrou 4,5% acima do registro de janeiro, não fosse o feriado, as vendas teriam sido ainda maiores”, ressalta o empresário. 

Os segmentos de automóveis e comerciais leves somados, apresentaram, neste primeiro bimestre, alta de 18,59% sobre mesmo período do ano passado, totalizando 327.237 unidades. Em fevereiro, apenas, o segmento ficou 14,58% acima de fevereiro de 2017.

O setor de caminhões também mostrou forte retomada. Em janeiro e fevereiro foram licenciadas 8.699 unidades, 56,71% acima do volume do mesmo intervalo de 2017. Apenas em fevereiro o setor somou 4.106 unidades emplacadas, 57,26% acima do resultado de idêntico mês do ano passado, mas 10,6% abaixo do volume de janeiro.

Já o mercado de motocicletas dá sinais de recuperação. Nos dois primeiros meses do ano foram comercializadas 140.040 unidades, 9,32% acima do volume de vendas do primeiro bimestre de 2017. Em fevereiro, as 63.013 motos licenciadas. Resultado que aponta alta de 4,15% ante fevereiro de 2017, mas retração de 18,19% ante janeiro.

TROLLER T4 VENCE O RALLY CERAPIÓ 2018

O Troller T4 foi o campeão da 31ª edição do Rally Cerapió 2018 na categoria Master. Considerada uma das maiores provas off-road da América Latina, o Cerapió reuniu cerca de 400 competidores que foram divididos nas categorias carros 4×4, motos, quadriciclos, UTV’s e bikes. Competição que exige muito dos pilotos e também dos equipamentos, o Cerapió oferece todos os tipos de dificuldades, entre relevo e clima. Para cruzar a linha de chegada os pilotos tiveram de atravessar regiões de caatinga, fazendas, serras, rios e riachos durante os quatro dias de prova. Foram mais de 1.000 km entre o Ceará e Piauí.

Imagens: Divulgação

Esta edição do rali teve a largada em Trairi, uma das regiões mais belas do litoral norte cearense, e seguiu em direção a Sobral. Depois cruzou a Serra da Meruoca rumo ao litoral do Piauí até Parnaíba, cidade que fica na entrada para o único delta em mar aberto das Américas. Passou também por Piripiri e terminou em Teresina, capital do Estado.
Categoria Master

Imagens: Divulgação

Pilotando o único Troller T4 da categoria Master, Fernando Lage e Gustavo Schmidt assumiram a liderança no segundo dia do rali e mantiveram a posição até o final. Experiente, a dupla vencedora é conhecida pela participação na Copa Troller. “O Cerapió deste ano foi perfeito. Estava do jeito que a gente gosta, com muitas dificuldades. Acredito que ganhamos pela regularidade durante todos os dias”, conta Gustavo. Já para Fernando, foram quatro dias de superação. “A competição foi muito disputada, exigindo muito do carro e do piloto”, completa.
Nascido para o off-road

Imagens: Divulgação

O Troller T4 foi criado para enfrentar todo tipo de terreno. Além de carroceria produzida em compósito especial, o veículo off-road está equipado com motor 3.2 turbodiesel de 200 cv de potência máxima, transmissão manual de seis velocidades, comando eletrônico de tração, diferencial traseiro autoblocante e freio a disco nas quatro rodas com sistema ABS e EBD.
No interior, itens alguns itens de conforto, entre eles, ar-condicionado automático digital de dupla zona, som de última geração com Bluetooth, vidros elétricos e teto solar duplo de vidro aumentam o conforto para rodar também na cidade.
Classificação final – Rally Cerapió 2018
Carros – Master
1º Fernando Lage / Gustavo Schmidt #742 – Belo Horizonte (MG) – 220 pontos
2º Paulo de Goes / Jhonatan Ardigo #701 – Joinville (SC) – 217 pontos
3º Renato Martins / Enedir Silva Junior #709 – Belo Horizonte (MG) – 202 pontos
4º Fabio Carvalho / Claudio Flores #704 – Belo Horizonte (MG) – 188 pontos
5º Maycon Soares / Daniel Rodrigues #708 – Teresina (PI) – 50 pontos – 162 pontos

Carros – Graduado
1º Luis Eduardo de Melo / Carlos Eduardo de Melo #720 – Recife (PE) – 204 pontos
2º Felipe Ferro / Jonatas Carvalho #745 – Teresina (PI) – 203 pontos
3º Pedro Mendes / Giovani Brigido #740 – Teresina (PI) – 181 pontos
4º Rodger Nobre / Mauricio Oliveira #741 – Fortaleza (CE) – 172 pontos
5º Edson Fonseca Junior / Bruno Lima #715 – Salvador (BA) – 148 pontos

Carros – Turismo
1º André de Carvalho / André Luiz de Carvalho Filho #748 – São Luis (MA) – 215 pontos
2º Leonardo Selva / Leonardo Mendonça #737 – Recife (PE) – 205 pontos
3º Gilmar Comin / Cristiano Finardi #733 – Jaboatão dos Guararapes (PE) – 195 pontos
4º Felipe Portella / Raphaela Fonseca #735 – Rio de Janeiro (RJ) – 193 pontos
5º Paulo Lima / Marcelo Borsatto #734 – Brasília (DF) – 192 pontos

Carros – Júnior
1º Evanio Magalhães / Sabina Rodrigues #749 – Benevides (PA) – 232 pontos
2º Felipe Mesquita / Felippe Granja #746 – São Luis (MA) – 204 pontos
3º Claudio Ferreira / Igor de Carvalho #728 – Fortaleza (CE) – 200 pontos
4º Lauro Lopes Filho / João da Silva Neto #731 – Tersina (PI) – 191 pontos
5º Arilton Parente / Arilton Parente Junior #727 – Teresina (PI) – 178 pontos

UTVs – Graduado
1º Diogo Cavalcante / Wellington Junior #602 – Fortaleza (CE) – 230 pontos
2º José Rufino Neto / Glauco Junior #604 – Fortaleza (CE) – 220 pontos
3º Claudio Cavalcante / Luis Felipe Eckel #607 – Aquiraz (CE) – 218 pontos
4º Jaime Souza Neto / Ivo Mayer #603 – Parnaíba (PI) – 180 pontos
5º Alamo Souza / Fábio Machado #609 – Fortaleza (CE) – 169 pontos

UTVs – Novato
1º Luana Buscaroli / Tulio Malta #611 – São Paulo (SP) – 238 pontos
2º Felipe Chaves / Gabriel dos Santos #616 – Fortaleza (CE) – 210 pontos
3º Gustavo de Souza / Bruno Menezes #610 – Recife (PE) – 194 pontos
4º Robson Santos / Juan Ferreia #613 – Eusébio (CE) – 177 pontos
5º Silvio Tiecher / Hyung Amorim #614 – Brasília (DF) – 174 pontos

Quadriciclo – Graduado
1º Wescley Dutra #309 – Fortaleza (CE) – 233 pontos
2º Italo Santiago #310 – Fortaleza (CE) – 228 pontos
3º Helio Pessoa #308 – Fortaleza (CE) – 221 pontos
4º Roberto da Silva #311 – Fortaleza (CE) – 58 pontos

Quadriciclo – Novato
1º Andre Furtado #303 – Belém (PA) – 250 pontos
2º André de Oliveira #302 – Manaus (AM) – 212 pontos
3º Lucas Guerra #307 – Teresina (PI) – 201 pontos
4º Glaydson da Silva #305 – Teresina (PI) – 192 pontos
5º Marcos Rocha #306 – Caracol (PI) – 174 pontos