COM PREÇO ATRATIVO, CONHEÇA A GM S10 LTZ 2.5 FLEX 4X4 AUTOMÁTICA

Com preço pra lá de competitivo (R$ 138.990), a picape Chevrolet S10 LTZ 2.5 flex 4X4 automática se posiciona em uma faixa abaixo das variantes com tração nas quatro rodas e motores a diesel – custa exatos R$ 50 mil a menos que a versão 2.8 turbodiesel com o mesmo acabamento LTZ. Uma diferença expressiva de preço, que dá para levar para casa também um Onix LT manual na cor branco sólido (R$ 48.090) e ainda embolsar quase R$ 2 mil de troco. O motor 2.5 SIDI Flex com injeção direta de combustível entrega 206 cavalos a 6 mil giros e 27,3 kgfm de torque a 4.400 rpm, com etanol. A potência máxima fica ligeiramente acima da versão com o motor a diesel Duramax 2.8 CDTI, com seus duzentos cavalos. Contudo, o torque da configuração a diesel é 87% maior – robustos 51 kgfm. De resto, os recursos de ambas as versões são praticamente idênticos, inclusive a transmissão automática de 6 velocidades com tecnologia Clutch to Clutch que, de acordo com os engenheiros da marca, deixa o câmbio com agilidade semelhante à de um automatizado de dupla embreagem. Na S10 LTZ 2.5 flex 4×4 automática, a transmissão usa o mesmo hardware da versão diesel automática, mas com uma programação específica. Segundo as avaliações do Inmetro, a picape obteve médias de 5,3/6,1 km/l com etanol na cidade/estrada e 8,1/9,1 km/l abastecida com gasolina, nas mesmas condições. Os resultados se traduziram na nota C na categoria e D no geral, que aparecem estampadas na ENCE – Etiqueta Nacional de Conservação de Energia.

Em termos estéticos, a S10 preserva o visual robusto e agressivo da geração lançada em 2012, modernizado pelo “facelift” apresentado no Brasil há três anos, inspirado na Chevrolet Colorado norte-americana e alinhado à atual identidade dos utilitários da marca. Na versão LTZ, as luzes diurnas de leds se destacam no farol e deixam a picape com visual mais contemporâneo e agressivo. As rodas de 18 polegadas com interior escurecido dessa configuração reforçam a elegância. A lista de itens de série da S10 LTZ 2.5 flex 4×4 automática é digna de um utilitário esportivo. Inclui direção elétrica progressiva, alerta de colisão frontal e de saída de faixa, assistente de partida em rampa, controle eletrônico de estabilidade e tração, luzes em leds atrás e na frente e banco do motorista com ajustes elétricos. A central multimídia com tela sensível ao toque de oito polegadas interage com Andoid Auto e Apple CarPlay e traz GPS próprio. Na linha 2020 da S10, o sistema OnStar incorporou uma nova conveniência – agora, para clientes que têm smartphone com sistema operacional Android, é possível enviar indicações de lugares e estabelecimentos diretamente do Waze ou Google Maps para a tela do veículo. Outra novidade da linha 2020 da picape é o apoio de cabeça central do banco traseiro.

Apesar de o preço de R$ 138.990 estar longe de ser considerado barato, a versão LTZ flex automática da picape média da Chevrolet consegue se posicionar favoravelmente não apenas em relação às configurações a diesel, como também em relação a sua principal concorrente flex, a Toyota Hilux SRV 4×4 automática, que parte de R$ 143.290. Ainda mais porque a rival da marca japonesa produzida na Argentina, com seu motor Dual VVT-i 2.7 L 16 V DOHC de 163 cavalos e 25 kgfm com etanol, é 21% menos potente e tem um torque 8% menor.

Experiência a bordo – SUV com caçamba

Vista de dentro para fora, está cada vez mais difícil diferenciar uma picape média de cabine dupla de um utilitário esportivo. Os espaços internos são os mesmos e o conforto, as tecnologias e até as “mordomias” inerentes aos SUVs topo de linha já chegaram às picapes há tempos. Na Chevrolet S10 LTZ 2.5 flex 4×4 automática, o aspecto rústico inerente às picapes médias é atenuado por “pitadas” de sofisticação, como o uso de couro nos revestimentos. Os plásticos rígidos continuam lá, porém a maioria dos revestimentos são agradáveis ao toque. Há uma quantidade generosa de porta-trecos. A central multimídia tem tela sensível ao toque e interage com smartphones com sistema Android e IOS. O banco do motorista conta com ajustes elétricos que facilitam a tarefa de encontrar a melhor posição de dirigir.
O volante multifuncional é prático e a transmissão automática facilita a vida de quem dirige, principalmente nos inexoráveis engarrafamentos do cotidiano urbano. Sistemas semiautônomos de assistência ao motorista, como alerta de colisão frontal e de saída de faixa, dão uma contribuição efetiva em termos de segurança. Para reforçar esse aspecto, tem ainda a direção elétrica progressiva, o assistente de partida em rampa e o controle eletrônico de estabilidade e tração. E o sistema OnStar, com serviços de concierge e demais funções, aparece em sua configuração mais recente.

Impressões ao dirigir – Utilitário de múltiplas utilidades

Seja com etanol ou com gasolina no tanque, o motor 2.5 da S10 LTZ flex 4×4 automática move sem dificuldades os 1.934 quilos da picape, embora sem a “exuberância” das versões a diesel, que oferecem um torque brutalmente maior. Se não esbanja vigor, o “powertrain” da S10 flex permite retomadas convincentes e ultrapassagens sem sustos. O câmbio automático de 6 velocidades gerencia bem a atividade do motor e entrega performances convincentes, tanto no uso urbano quanto nas rodovias. No “off-road”, a picape flex também mostra valentia, com os modos 4×4 e reduzida ajudando a dar conta de transpor a maioria dos obstáculos, sem vacilar ou dar sinais de fadiga. Além do preço menor, outra indiscutível vantagem das versões flex em relação às a diesel é a redução no nível de ruído e de trepidação do motor, fazendo com que a dirigibilidade dessa versão se assemelhe ainda mais com um carro de passeio.
A flexibilidade de uso da S10 LTZ flex 4×4 é tamanha que o motorista quase se esquece de seus incomuns 5,41 metros de comprimento – para quem dirige, o veículo nem parece assim tão longo. A direção é leve nas manobras de estacionamento, no entanto, oferece a necessária consistência em alta velocidade. Todavia, a S10 é uma picape média sobre longarinas, com uma carroceria alta e uma suspensão elevada. Ou seja, as rolagens de carroceria são inevitáveis e perceptíveis em curvas mais fechadas feitas de forma acelerada. Os sistemas semiautônomos de assistência, como os alertas de colisão frontal e de saída de faixa, assim como os controles eletrônicos de tração e de estabilidade, ajudam a corrigir qualquer eventual “empolgação” do motorista. Como em qualquer picape, é sempre prudente redobrar a atenção ao percorrer trechos sinuosos em alta velocidade, principalmente quando se está com a caçamba vazia.

Texto: Luiz Humberto Monteiro Pereira / Agência AutoMotrix
Fotos: Luiza Kreitlon / Agência AutoMotrix

Ficha técnica
Chevrolet S10 LTZ 2.5 Flex 4×4 automática

Carroceria: Picape cabine dupla montada sobre longarinas com quatro portas e cinco lugares. 5,41 metros de comprimento, 1,87 metro de largura, 1,78 metro de altura e 3,10 metros de distância de entre-eixos.
Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, longitudinal, 2.457 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, duplo comando variável de válvulas no cabeçote. Injeção direta de combustível.
Transmissão: Câmbio automático com 6 marchas à frente e uma a ré. Tração traseira com acoplamento de 4×4. Oferece controle eletrônico de tração.
Potência: 197 cavalos a 6.300 rpm com gasolina e 206 cavalos a 6 mil rpm com etanol.
Torque: 26,3 kgfm com gasolina e 27,3 kgfm com etanol, sempre a 4.400 rpm.
Diâmetro e curso: 88 mm x 101 mm. Taxa de compressão: 11,2:1
Suspensão: Dianteira independente com braços articulados, molas helicoidais, barra estabilizadora e amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados. Traseira com feixe de molas semielípticas de dois estágios e amortecedores hidráulicos e pressurizados. Oferece controle de estabilidade.
Pneus: 265/60 R18.
Freios: Dianteiros por discos ventilados e traseiros a tambor. ABS com EBD de série.
Peso: 1.934 kg.
Capacidade de carga: 816 kg.
Tanque de combustível: 76 litros.
Produção: São José dos Campos/SP.
Preço: R$ 138.990.

VENDAS DE VEÍCULOS CRESCE EM 2018

De janeiro a setembro de 2018 foram emplacados 2.650.212 veículos – automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários -, número que representa alta de 12,64%, na comparação com o mesmo período do ano passado. Apenas em setembro, foram comercializadas 299.583 unidades, 8,5% acima do volume registrado em idêntico mês de 2017, quando foram vendidos 276.103 veículos. Entretanto, quando comparado com agosto, este volume representa queda de 14,99%, explicada pelos quatro dias úteis a menos (em setembro foram 19 dias, contra os 23 dias de agosto). Os dados são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).


Nos segmentos de automóveis e de comerciais leves, o viés de alta segue mantido, apresentando, no acumulado dos nove primeiros meses, crescimento de 13,1%, totalizando 1.779.675 unidades. Considerando apenas setembro, estes segmentos apresentaram avanço de 5,77%, na comparação com o mesmo mês do ano passado, contudo, retração de 14,42% ante agosto de 2018.


Para o Presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, a quantidade de dias úteis influenciou, significativamente, no comparativo entre agosto e setembro deste ano. “Em setembro, o mercado sofreu em função da menor quantidade de dias úteis.

Contudo, é importante ressaltar que, na média diária, houve crescimento de 3,6%, nos emplacamentos de automóveis e comerciais leves. Além disso, diante do clima das eleições, naturalmente, o mercado entra em compasso de espera”, enfatiza o Alarico.

Para os emplacamentos totais , a entidade projeta, para este ano, alta de 12,4% sobre 2017, contra os 9,8% estimados anteriormente. A nova projeção da entidade, para os segmentos de Automóveis e Comerciais Leves, aponta para crescimento de 11,9% em 2018. Em julho, a entidade estimava que os segmentos cresceriam 9,7% no ano.

A nova projeção para o segmento de Caminhões é de 38,2% de alta, ante os 24,8% estimados em julho. Para o segmento de Ônibus, a revisão das projeções considera avanço de 23,2% nas vendas de 2018. Em julho, a projeção era de queda de 4,1%. A Fenabrave também está revendo para cima, a projeção para o mercado de Motocicletas, que deve chegar a 9,9% de crescimento, ante os 7,7% estimados anteriormente.

TOP 10 – Carros mais vendidos em 2018 (Jan/Set)
GM Onix               89.284
Hyundai HB20    62.716
Ford Ka                43.678
VW Polo               42.457
Renault Kwid       39.628
Honda HR-V       33.238
Fiat Argo               30.969
Toyota Corolla     29.140
GM Prisma           28.871
VW Fox                 23.235

EM PARCERIA COM A UBER, CAMARO HOT WHEELS CIRCULA EM SP e BH


Você já imaginou solicitar um carro via aplicativo e chegar um Camaro todo customizado para te levar ao seu destino? Isso é possível! Os usuários do aplicativo da Uber que solicitarem um carro (uberX) nas cidades de São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG) poderão ser surpreendidos com um Hot Wheels Camaro em escala real. O Hot Wheels Uber poderá surpreender os usuários do App de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 18h, e sábado e domingo, das 12h à 22h. A ação acontecerá em São Paulo até 14 de outubro e em Belo Horizonte de 15 a 21 de outubro. Desde que o veículo esteja disponível no momento da chamada, excepcionalmente durante o período de vigência da ação, que é realizada em parceria com a Mattel. 

O primeiro Hot Wheels criado pela Mattel foi um Camaro Custom, projetado por Elliot Handler e sua equipe em 1968. Desde então, o Chevrolet Camaro se tornou o carrinho mais desejado pelos colecionadores. Dando continuidade às comemorações do 50º aniversário, Hot Wheels se une à Uber para promover uma experiência exclusiva aos usuários da plataforma de mobilidade, trazendo um Hot Wheels Camaro customizado para as capitais paulista e mineira.


Além disso, o Hot Wheels Uber fará uma parada especial durante o Dia das Crianças. O carro estará estacionado dentro do Parque Villa Lobos, em São Paulo, no dia 12 de outubro, promovendo atividades infantis. A ação ainda dará a oportunidade para os fãs da marca conhecer o ‘carrinho’ – em tamanho natura l – bem de perto. Os passageiros poderão viver uma experiência única e que poderá ser compartilhada nas redes sociais com a hashtag  #ROLÊHOTWHEELS.

CARROS E MOTOS REAGEM: CG 160 VENDE MAIS

O segmento automotivo terminou primeiro semestre com 1,691 milhão de veículos novos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motos) e implementos rodoviários emplacados, crescimento 12,37% em comparação ao mesmo período do ano passado. Em junho foram licenciados 287.721 mil veículos – de todos os segmentos – e implementos, queda de 2,45% em relação a maio. Reflexo da greve dos caminhoneiros. Os dados são da Fenabrave, entidade que reúne os concessionários.

Nos automóveis de passeio, a GM lidera com folga. Em junho, o Onix vendeu praticamente o dobro que seu principal concorrente, o HB 20 – 16.218, contra 8.292. No semestre, o compacto da Chevrolet teve 89.620 unidades licenciadas, contra 50.419 do modelo de origem coreana. O terceiro colocado é o Ford Ka, com 48.262 unidades licenciadas nos seis primeiros meses do ano. Nos carros, a Fenabrave prevê crescimento de 9,9%. O segmento deve encerrar o ano com pouco mais de 2 milhões de automóveis emplacados.

Duas rodas
Porém, quem leva o Brasil nas costas, ou melhor, sobre duas rodas, é a Honda CG 160. Em junho foram emplacadas 20.141 unidades. No acumulado do ano, 122.034 motos CG 160 foram licenciadas. Número que coloca, mais uma vez, a street da Honda como o veículo mais vendido do País. Outras duas motos Honda tiveram bom desempenho. Com 65.287 unidades comercializadas nos seis primeiros meses do ano, 10.106 só em junho, a popular Biz é a segunda moto mais vendida, e o terceiro veículo com mais emplacamentos do Brasil. Já a trail NXR 160 teve 16.439 unidades licenciadas em junho e 59.459 no período.


O segmento de duas rodas apresenta leve recuperação, de 6,93 em relação a 2017. No primeiro semestre foram licenciadas 456.889 unidades, contra 427.275 motos no mesmo período do ano passado. A previsão de emplacamentos, segundo a Fenabrave, será de 916.980 unidades, incremento de 7,7% em relação a 2017.

FLAGRAMOS O CHEVROLET COBALT 2019

Jornalismo automotivo se faz na rua, ou melhor, na estrada. Durante a gravação de um vídeo na Serra da Mantiqueira – divisa entre São Paulo e Minas – a equipe do MinutoMotor flagrou um sedã rodando totalmente camuflado. A princípio pensávamos que era um HB 20 S reestilizado. Outra possibilidade seria o novo Toyota Prius Flex, mas este carro já havia sido lançado dias antes. Mas qual seria aquele sedã compacto-médio que estava circulando próximo ao Pico do Itapeva, em Pindamonhangaba?

Apesar da  típica roupagem dos segredos automotivos, um detalhe chamou a atenção: a tradicional “gravatinha” da Chevrolet marcava o tecido preto que cobria a grade frontal. Quando a imagem foi ampliada no computador do cinegrafista Denis Armelini veio a confirmação. Apesar de toda camuflagem e peças improvisadas, o sedã era, com certeza, a nova geração do Cobalt que deve chegar ao mercado em 2019, segundo apurou nossos colegas do portal Motor1.

Apesar das mudanças estéticas e, provavelmente de motorização, o novo sedã compacto-médio da GM deverá manter duas de suas principais características: bom espaço interno e um generoso porta-malas. Aliás, o novo Cobalt usará uma nova plataforma que será dividida com outros cinco modelos: Onix, Prisma e Spin, além de uma picape e um SUV, ambos compactos. Para esta nova fase, a montadora anunciou investimento de R$ 1,4 bilhão no Brasil para justamente a criação da nova família GEM (Global Emerging Markets).

VENDAS CRESCEM NO PRIMEIRO BIMESTRE

Foram emplacados 499.145 veículos no primeiro bimestre do ano. De acordo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), os licenciamentos de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas) tiveram alta de 16,3% nos dois primeiros meses de 2018. Só em fevereiro foram emplacados 230.066 mil veículos, o que representa crescimento de 12,26% na comparação com o mesmo mês de 2017.

Para Alarico Assumpção Júnior, presidente de Fenabrave, o desempenho dos dois primeiros meses do ano está alinhado com as expectativas de retomada das vendas de veículos no País. “Em fevereiro, a média de vendas diárias se mostrou 4,5% acima do registro de janeiro, não fosse o feriado, as vendas teriam sido ainda maiores”, ressalta o empresário. 

Os segmentos de automóveis e comerciais leves somados, apresentaram, neste primeiro bimestre, alta de 18,59% sobre mesmo período do ano passado, totalizando 327.237 unidades. Em fevereiro, apenas, o segmento ficou 14,58% acima de fevereiro de 2017.

O setor de caminhões também mostrou forte retomada. Em janeiro e fevereiro foram licenciadas 8.699 unidades, 56,71% acima do volume do mesmo intervalo de 2017. Apenas em fevereiro o setor somou 4.106 unidades emplacadas, 57,26% acima do resultado de idêntico mês do ano passado, mas 10,6% abaixo do volume de janeiro.

Já o mercado de motocicletas dá sinais de recuperação. Nos dois primeiros meses do ano foram comercializadas 140.040 unidades, 9,32% acima do volume de vendas do primeiro bimestre de 2017. Em fevereiro, as 63.013 motos licenciadas. Resultado que aponta alta de 4,15% ante fevereiro de 2017, mas retração de 18,19% ante janeiro.

GM INVESTIRÁ R$ 1,2 BI EM SÃO CAETANO DO SUL (SP)

A General Motors Mercosul apresentou as obras de expansão do Complexo Industrial de São Caetano do Sul (SP), que resultam dos novos investimentos de R$ 1,2 bilhão na unidade.  O montante faz parte do maior plano de investimentos da empresa em toda sua história no Brasil, com um total de R$ 13 bilhões que estão sendo aplicados no país entre 2014 e 2020. O solenidade contou com executivos da marca e do governador Geraldo Alckmin.

A unidade do ABC Paulista ganha novo prédio construído com telhas translúcidas, luzes de LED com automação de dimer, ventilação natural, entre outros conceitos de construção sustentável e passa a ocupar 432.300m² de área construída. Como parte do projeto, a unidade terá todas as suas instalações internas redesenhadas e vai incorporar novas tecnologias de manufatura 4.0. Com isso, a fábrica terá sua capacidade anual ampliada de 250 mil para mais de 330 mil veículos por ano.

“A GM celebra 93 anos no Brasil em um processo acelerado de crescimento e inovação. Os novos investimentos vão transformar o Complexo Industrial de São Caetano do Sul em um dos mais eficientes e avançados da indústria. As novas instalações vão permitir a Chevrolet seguir entregando produtos de alta qualidade e tecnologia para continuar liderando o mercado brasileiro”, disse Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul.

Onix ganha 3 estrelas no Latinncap com nova estrutura.

Imagem: Divulgação
Onix ganha 3 estrelas no Latinncap

O recentemente melhorado Chevrolet Onix 2018 conseguiu, três estrelas para a Proteção do Ocupante Adulto e três estrelas para a Proteção do Ocupante Infantil.

O Chevrolet Onix, fabricado no Brasil, tinha sido avaliado pelo Latin NCAP em 2017, obtendo um decepcionante resultado de zero estrela para a Proteção do Ocupante Adulto. Com essa nota a Chevrolet decidiu melhorar o Onix e patrocinar uma nova avaliação do modelo em 2018.
O Onix, produzido desde 15 de janeiro de 2018 (a partir do VIN 9BGKS48U0JG313644), foi melhorado com reforços estruturais, quanto à proteção, contra impactos laterais, elementos de absorção da energia nas portas.

A proteção para os ocupantes adultos conseguiu alcançar, apenas, as três estrelas, apresentando uma proteção fraca para o peito do adulto no impacto frontal e no lateral.

Imagem: Divulgação
Onix ganha 3 estrelas no Latinncap

A Proteção do Ocupante Infantil mostrou um resultado de três estrelas com proteção no teste de impacto frontal.

Imagem: Divulgação
Onix ganha 3 estrelas no Latinncap

O Onix conta ainda com um cinto pélvico (dois pontos) somente no banco traseiro central.

Imagem: Divulgação
Onix ganha 3 estrelas no Latinncap

O hatchback havia zerado no crash-test do ano passado, por conta do desempenho no impacto lateral – as portas abriram e a coluna B não aguentou o impacto.
A General Motors reforçou a estrutura tanto do hatch quanto do sedã Prisma e entregou para que o Latin NCAP fizesse um novo teste. Segundo a entidade, o compacto passou a ser produzido com essas melhorias no dia 15 de janeiro deste ano.

No impacto frontal, o desempenho foi próximo ao do teste anterior. A estrutura é considerada estável, mas ainda sofre alguns problemas nas área dos pés que é considerada instável. A proteção ao peito do motorista é conciderada como fraca e os joelhos tem proteção singular, pelo risco de baterem contra estruturas atrás do painel.
No impacto lateral, o Onix reforçado não teve o problema do antigo, mantendo as portas fechadas.
Já adiantaram uma das novidades da linha 2018 do Onix: adição de ISOFIX para cadeirinhas infantis. E também ganhou um novo cinto de segurança para o motorista.