NOVO SCOOTER HONDA ELITE 125 TEM PREÇO DEFINIDO: R$ 8.250

O novo scooter de entrada da Honda já está chegando às lojas. O preço do modelo foi definido esta semana pela montadora: R$ 8.250. Em função de suas características, o Elite 125 tem tudo para ser uma nova referência de mobilidade urbana sobre duas rodas. Traz boa dose de tecnologia, modernidade e design, aliado ao motor injetado e transmissão automática V-Matic. Para maior segurança e conforto, o Elite está equipado com freio CBS, painel LCD, iluminação frontal por LED, porta-capacete sob o assento, além de piso plano. Seu principal concorrente, o Yamaha Neo 125 UBS custa R$ 8.290.

Honda Elite 125 – Especificações técnicas
Tipo: OHC, Monocilíndrico 4 tempos, arrefecido a ar.
Cilindrada: 124, 9 cc
Potência Máxima: 9,34 CV a 7500 rpm
Torque Máximo: 1,05 kgf.m a 6000 rpm
Transmissão: Tipo V – MATIC
Sistema de Partida: Elétrica
Diâmetro x Curso: 52,4 x 57,9 mm
Relação de Compressão: 9.8 : 1
Sistema Alimentação: Injeção Eletrônica PGM-FI
Combustível: Gasolina
Tanque de Combustível: 6,4 litros
Óleo do Motor: 0,8 litro
Chassi: Monobloco (underbone)
Suspensão Dianteira/Curso: Garfo telescópico/ 90 / 80 mm
Suspensão Traseira/Curso: Monoamortecida/ 70 / 70 mm
Freio Dianteiro/Diâmetro: A disco / 160,8 mm / 190 mm
Freio Traseiro/Diâmetro: A tambor / 130 mm
Pneu Dianteiro: 90/90 -12
Pneu Traseiro: 100/90 -10
Comprimento x Largura x Altura: 1735 x 689 x 1118 mm
Distância entre eixos: 1223 mm
Distância mínima do solo: 133 mm
Altura do assento: 772 mm
Peso Seco: 104 kg

LEVORIN FAZ 75 ANOS E AMPLIA LINHA DE PNEUS PARA SCOOTERS

Para comemorar os 75 nos da empresa e ampliar sua participação no segmento moto, a Levorin – que hoje pertence ao grupo Michelin – apresentou uma nova linha de pneus para scooter, que atente a diversos modelos entre 100 a 300cc. Com design moderno, o novo pneu Matrix Scooter é um produto que pode ser usado sem câmara que foca no conforto da pilotagem, unindo aderência e segurança na frenagem em pista molhada. Isso em virtude desenho com sulcos em aclive para melhorar o escoamento de água.Há dez medidas disponíveis ao consumidor no varejo, cobrindo 95% do segmento scooter. Para os pneus dianteiros, as medidas são: 3.50-10, 90/90-10, 90/90-12, 90/90-14, 110/70-13, 110/70-16. E para os pneus traseiros: 100/90-10, 130/70-13, 100/90-14, 130/70-16. Para exemplificar, o novo pneu Matrix Scooter pode ser usado nos modelos Suzuki Burgman (90/90-10 e 100/90-10), Honda Lead (90/90-12 e 100/90-10), Yamaha NMax (110/70-13 e 130/70-13), Honda PCX (90/90-14 e 100/90-14) e até no Dafra Citycom 300i (110/70-16 e 130/70-16).“Retomamos o nome Matrix, referência em motos, oferecendo pneus para scooters de 100 a 300cc com design moderno e esportivo. A novidade chega para completar nosso portfólio de produtos com novas tecnologias, qualidade e confiança”, afirma Francis Ferreira, presidente da Levorin.

EXCLUSIVO – EICMA 2018: NOVIDADES DAS MARCAS JAPONESAS

EXCLUSIVO – EICMA 2018: NOVIDADES DAS MARCAS JAPONESAS


Honda

Boas notícias da Honda vindas da “Vecchia Botta”. Entre novos modelos e atualizações. A nova Honda CBR650F traz um desenho mais radical, melhor ergonomia, luzes de LEDs e conta ainda com painel de LCD, que incorporou indicador de marcha engatada. O modelo ganhou ainda novas rodas. Além disso, quadro e suspensão também foram revisados. Dessa forma, a ciclística da e a sport touring japonesa está seis quilos mais leve. O motor DOHC de 16 válvulas e 649 cm³ foi otimizado e agora oferecer mais 5% de potência acima das 10.000 rpm. O pico de potência fica na casa dos 95 cv, disponível a 12.000 giros. Com uma nova configuração, o motor – que usa e embreagem assistida – oferece agora mais potência e torque em baixos e médios regimes de rotação. Outra novidade é a adoção do controle de tração.

Toda a família 500 da Honda teve melhorias para 2019. A CBR500R assumiu um estilo mais radical. Ganhou iluminação de LED, novo painel de instrumentos LCD que conta agora com indicador de marchas – excelente função para iniciantes – e atualização na suspensão dianteira. O seu motor de dois cilindros ganhou 4% de potência e está mais esperto em baixas rotações. O pico de potência é de quase 48 cv a 8.500 rpm, com torque máximo de 4,38 kgm.f a 7.000 rpm.

Já a versão X, por exemplo, ganhou roda maior na dianteira, de 19 polegadas. A atualização dará um ganho para enfrentar obstáculos com mais facilidade e mudanças de direção com mais precisão.

Kawasaki

No EICMA, a Kawasaki não poupou esforços para trazer o que há de mais moderno em sua linha. A lista começa pela nova Ninja ZX-6R, com motor de636 cc, que não sofria alteração desde 2013, além da atualizada Versys 1000 SE, que ganhou um completo pacote eletrônico, Porém, para nós brasileiros, a expectativa é grande para a chegada da Z400, modelo naked derivado da Ninja 400. E para os iniciantes, novos modelos de entrada: Ninja 125 e Z125.

Suzuki

A Suzuki aproveitou o Salão de Motos de Milão para que o público tivesse oportunidade para ver em primeira mão a nova Katana, releitura de clássico da década de 1980. Já a linha GSX-R1000 2019 recebeu novo visual, novos freios e na parte eletrônica, a moto ganhou a assistência eletrônica do quickshifter para passar as marchas sem o auxilia da embreagem.

Yamaha

Finalmente a Yamaha apresentou no EICMA a versão final de sua trail, a XTZ 700 Ténéré. Depois de dois anos de muitas especulações, o novo modelo chega com motor de dois cilindros de 72 cv de potência máxima, sete quilos de torque . suspensão invertida e painel 100% digital. Tem tudo para ser uma aventureira nata, principalmente para os pilotos mais radicais, que não abrem mão de uma boa prova de enduro ou muitos quilômetros de terra.

Outro destaque fica para a XSR 700 XTRIBUTE,uma clássica inspirada na primeira XT500. O motor é o mesmo que equipa a família MT-07.

O jornalista Aldo Tizzani, do MinutoMotor, viajou à convite do ITA (Italian Trade Agency) e também do ICE (Agência para a internacionalização das empresas italianas)

EXCLUSIVO: EICMA, O MAIOR SALÃO DE MOTOS DO MUNDO – ITALIANAS

EXCLUSIVO: EICMA, O MAIOR SALÃO DE MOTOS DO MUNDO – ITALIANAS

A 76ª edição do Salão de Motos Milão (EICMA 2018), que aconteceu entre 8 e 11 de novembro, na capital econômica da Itália, reuniu exatas 1278 marcas de 44 diferentes países e milhares de visitantes. A maior feira do segmento no mundo foi invadida, literalmente, por fanáticos pelo mundo das duas rodas. O seis megapavilhões ficaram lotados e a ‘capital da moda’ se transformou na ‘cidade da moto’.

Lá era possível ver – e subir – em diversos novos modelos; de marcas, estilos, potência e capacidade cúbica completamente distintas. Das potentes superesportivas até os dóceis scooters, passado pelas aventureiras trails e as tradicionais clássicas. Havia espaço ainda para equipamentos de segurança, inovações tecnológicas e veículos elétricos. Confira as principais novidades deste universo de duas rodas que acontece anualmente em Milão (ITA)

O jornalista Aldo Tizzani, do MinutoMotor, viajou à convite do ITA (Italian Trade Agency) e também do ICE (Agência para a internacionalização das empresas italianas)

Marcas italianas
Aprilia

La Casa de Noale apresentou dois novos produtos bem interessantes, principalmente aos amantes da motovelocidade. A primeira foi a versão 2019 da Aprilia RSV4, que traz motor de 1.100cc mais potente e design ainda mais radical. A outra é a Concept RS 660, uma motoconceito que em breve deverá ganhar a linha de produção.

Ducati

A “Ferrari das motos” trouxe várias novidades ao EICMA, com uma estreia mundial e atualização de vários modelos. Começamos com a Ducati Panigale V4R, considerada uma moto de rua com DNA de pista. Modelo mais potente da Casa de Borgo Panigale, a superesportiva está equipada com motor de quatro cilindros em “V”, a 90º, que gera 221 cavalos de potência máxima – e que pode chegar até 234 cv com a instalação de um escapamento esportivo d Akrapovič. A carenagem do novo modelo foi projetada e desenvolvida pela Ducati Corse – divisão de competição da marca – em parceria com o Ducati Style Center. Tudo pensado para melhorar a eficiência aerodinâmica em alta velocidade. A moto ganhou ainda peças em fibra de carbono, suspensões ajustáveis e muita eletrônica embarcada. Com a Panigale V4R, Ducati competirá no Campeonato Mundial de Superike em 2019.

A nova Hypermotard 950 apresenta uma renovação substancial em comparação com os modelos anteriores 821 e 939, com o retorno do escape (duplo) sob o assento duplo. Já a Multistrada 950 conta com uma nova versão 950S, que agora ganhou suspensão eletrônica. A Diavel 1260 traz uma bela atualização estética e a tradicional linha Monster ganha mais um modelo: a 821 Stealth.

MV Agusta

A MV Agusta sempre mexe com o imaginário do motociclista por meio de seus modelos radicais de exclusivos. Este ano não foi diferente. Destaque para a Brutale 1000 Series Oro. O modelo está equipada com motor de quatro cilindros em linha que gera 208 cv de potência máxima, que pode chegar a 212 com a instalação de um escapamento esportivo. Serão fabricadas apenas 300 unidades e a marca italiana informa que esta macchina atinge 300 km/h.

SWM

Com uma participação muito tímida no mercado brasileiro, a marca que tem sede na cidade de Vares (perto de Milão) exibiu na feira três nakeds com vocação scrambler, que contam com motores de 125, 300 e 400cc. A linha VareZ começa a ser vendida na Europa no início de 2019.

NOVA DUCATI MULTISTRADA 1260 CHEGA POR R$ 74.900

NOVA DUCATI MULTISTRADA 1260 CHEGA POR R$ 74.900

A nova Multistrada 1260 desembarca no Brasil em duas versões – ABS e S – e renova a participação da Ducati no segmento bigtrail de alta cilindrada e que se caracteriza por unir alta tecnologia, conforto e desempenho. De eletrônica sofisticada, nova Multistrada 1260 traz o motor de 1.262 cm³ de capacidade, que oferece 158 cavalos de potência máxima. Em comparação a geração anterior, o motor Testastretta DVT teve um aumento do torque e capacidade de tração. Agora a Ducati Multistrada 1260 entrega mais potência a partir de baixas rotações.

Ou seja, 85% do torque já está disponível a partir de 3.500 rpm com um aumento da curva de 18% a 5.500 rpm, comparado com o modelo anterior. Isso torna o modelo com o maior valor de torque a 4.000 rpm de sua categoria.
Entre as principais novidades destaque para o Ducati Quick Shift, que permite a troca de marchas automática para cima ou para baixo, sem o uso da embreagem (disponível na versão S). E também para o sensor de monitoramento da pressão dos pneus. Os preços sugeridos variam entre R$ 74.900 (ABS) e R$ 84.900, para a versão “S”. A bigtrail da marca italiana fará sua estreia no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo.

Multistrada 1260 ABS – Principais equipamentos
• Bosch IMU (Unidade de Medição Inercial)
• Sistema Bosch-Brembo 9.1ME ABS com assistência em curvas
• Discos dianteiros de 320 mm com pinças Brembo de 4 pistões
• Controle de cruzeiro eletrônico
• Modos de pilotagem
• Modo de Potência Ride-by-Wire
• Ducati Wheelie Control (DWC)
• Controle de Tração Ducati (DTC)
• Controle de retenção de veículo (VHC)
• Altura do assento do piloto ajustável
• Painel de instrumentos em LCD


Multistrada 1260 S – Principais equipamentos
• Ducati Motor Testastretta DVT 1262
• Ducati Quick Shift (DQS) up/down
• Ducati Safety Pack (Bosch Cornering ABS + DTC)
• Bosch IMU (Unidade de Medição Inercial)
• Sistema Bosch-Brembo 9.1ME ABS con assistência em curvas
• Discos dianteiros de 320 mm com pinças Brembo de 4 pistões
• Controle de cruzeiro eletrônico
• Modos de pilotagem
• Modo de Potência Ride-by-Wire
• Ducati Wheelie Control (DWC)
• Controle de Tração Ducati (DTC)
• Controle de retenção de veículo (VHC)
• Ducati Multimedia System (DMS)
• Altura do assento do piloto ajustável
• Painel de instrumentos em LCD
• Sistema de suspensão eletrônica semiativa Sachs Ducati Skyhook Suspension (DSS) Evolution
• Farol Full-LED com Ducati Cornering Lights (DCL)
• Painel de instrumentos com tela de 5” de alta resolução TFT em cores

TESTE: MT-07 2019 ESTÁ MAIS EQUILIBRADA E AGRESSIVA

 

Lançada no Brasil em 2015, a Yamaha MT-07 chega à sua segunda geração. O design está mais agressivo, o conjunto de suspensão aprimorado e os bancos foram redesenhados. Já o motor é o mesmo da versão anterior: dois cilindros em linha de 689cc, quase 75 cv de potência máxima (9.000 rpm) e o torque máximo de 7 kgf.m (6.500 rpm). Disponível nas cores Racing Blue (azul metálico), Matt Gray Fluo (cinza metálico fosco) e Matt Black (preto fosco), a MT-07 2019 chega nas revendas da marca já no próximo dia 20. Preço sugerido de R$33.790, mais frete.

Entre suas concorrentes diretas, a MT-07 vai encarar a Honda CB 650F (motor de quatro cilindros e preço sugerido de R$ 34.900), Ducati Monster 797 (R$39.900) e Kawasaki Z 650 (R$ 29.990). Ambas com motores de dois cilindros.

Com 992 unidades emplacadas entre janeiro e setembro, agora com a reformulação da MT-07 a Yamaha quer crescer ainda mais no mercado naked. Não será por falta de bons motivos. De comportamento dócil e ao mesmo tempo vigoroso, isso acontece em função da adoção da tecnologia Crossplane, que garante entrega da torque e potência sem buracos na aceleração.

Com apenas 183 kg em ordem de marcha, a naked da Yamaha tem a melhor relação peso/potência da categoria: 2,4 kg/cv.

NOVO DESIGN E PAINEL LCD

As mudanças no desenho começaram pelo novo tanque de combustível (14 litros), com destaque para os defletores de ar e abas do radiador. O paralama dianteiro e o farol dianteiro também foram remodelados. O painel de instrumentos, de posicionamento ao centro, tem display em LCD totalmente digital. Conta com relógio, indicadores de marcha e combustível; outros destaques são o conta giros que indica, além da rotação, a faixa de maior torque, e o fundamental indicador de marchas.

Completo, o painel oferece inúmeras outras informações: hodômetro total e parcial, consumo médio, consumo instantâneo, F-trip (hodômetro parcial de reserva de combustível), temperatura do líquido de arrefecimento, temperatura do ar de admissão e o indicador “Eco”, que mostra quando a motocicleta está consumindo de maneira eficiente o combustível considerando rotação do motor, ângulo de abertura da borboleta e velocidade.

CONTROLE E SEGURANÇA

A principal mudança  ficou mesmo na parte ciclística, já que o conjunto de suspensão teve uma boa evolução. Os amortecedores dianteiros ganharam nova calibragem – mola e óleo – e agora o comportamento é mais firme. Já o amortecedor traseiro (monocross) traz ajuste de retorno, além das nove regulagens de compressão da mola, similar ao da irmã mais velha, a MT-09. Segundo Henrique Tunes, consultor técnico da Yamaha, “essas mudanças dão à nova MT-07 maior agilidade, controle, estabilidade e segurança”.

Falando nisso, a nova geração da naked está equipada com sistema de freios formado por dois discos flutuantes de 282 mm e pinças de 4 pistões cada na dianteira, um disco de 245 mm e pinça simples na traseira, e claro, sistema ABS. 

Impressões de pilotagem

A principal característica da MT-07 2019 é seu torque generoso – quase 7 kgfm, disponíveis a 6500 giros. Isso reflete em muita agilidade no trânsito urbano e também poucas trocas de marcha. Em muitos modelos, as reduções são necessárias para que a moto ganhe velocidade. Não é o caso da MT-07. Por exemplo, rodando no corredor, em baixa velocidade e em quarta marcha engatada, o piloto vai dosando bem giro do acelerador e, consequentemente, a entrega de torque à roda traseira.

Nesta hora a naked se transforma em um scooter, de tão controlada e fácil que é a condução. A naked média da Yamaha entrega tanto torque como potência (74,8 cv a 9.000 rpm) de forma bastante linear.


O novo conjunto de suspensão deixou a moto mais firme, mas não tem a pretensão de ter o mesmo desempenho de uma superesportiva. Com nova mola e óleo, a suspensão dianteira – de 130 de curso – absorve bem os impactos com o piso. A traseira, com ajuste do retorno da mola, oferece mais controle. A sensação de segurança também se dá pelos freios, com sistema ABS, que não deixa as rodas travarem. Na dianteira discos duplos e na traseira disco simples dão conta do recado. Para ajudar neste trabalho, a moto conta com pneus de perfil esportivo.

O conjunto ciclístico, aliado a geometria do chassi tubular, ajuda a MT-07 realizar mudanças bruscas de direção com muita propriedade e contornar curvas se torna um grande prazer.


Outro item que agradou foi a ergonomia. O piloto fica praticamente com os braços retos (guidão largo), coluna mais erata e pernas semiflexionadas, que se encaixam perfeitamente ao desenho do tanque de combustível. Assim a condução é feita de forma bastante relaxada.

GOSTEI

Agilidade e versatilidade – características que se destacam em função do torque do motor, que é liberado desde as baixas rotações.
Novo conjunto de suspensão – deixou a moto mais firme e equilibrada. Uma verdadeira fun bike.
Painel de instrumentos – LCD, 100% digital, com múltiplas funções e indicador de marcha no centro. Informações com fácil visualização.

NÃO GOSTEI

Alça do garupa –  A MT-07 não oferece o item que é essencial para transportar um passageiro com segurança;
Assento duro – Apesar do novo desenho do banco, mais amplo e mais largo, a densidade da espuma está um pouco mais macia. Mesmo assim, em viagens mais longas, o piloto vai sentir certa fadiga.
Pouco tecnologia embarcada – Para uma moto que chega ao consumidor final na casa dos R$ 35 mil, só o sistema de freios ABS é muito pouco. Quem sabe na próxima geração da MT-07 teremos controle de tração e modos de pilotagem, itens adotados na sua irmã mais velha, a MT-09.

 

FICHA TÉCNICA MT-07 2019

 

Motor
4 Tempos / DOHC 8 válvulas / Arrefecimento líquido
Cilindradas (cm³) 689
Quantidade de cilindros 2
Diâmetro X curso (mm) 80×68,6
Taxa de compressão 11.5:1
Torque máximo (kgf.m/rpm) 6,9 / 6.500
Potência máxima (cv/rpm) 74,8 / 9.000
Sistema de partida Elétrica
Sistema de lubrificação Cárter Úmido
Capacidade de óleo do motor (L) 3

Capacidade do tanque de combustível (L) (reserva) 14 (2,7L)
Alimentação Injeção Eletrônica
Sistema de ignição TCI
Transmissão primária Engrenagens
Transmissão secundária Corrente
Embreagem
Úmida / Multi-disco
Câmbio 6 velocidades
Tipo de chassi Diamante
Ângulo de cáster 24º 50′
Trail (mm) 90

Pneu dianteiro Bridgestone 120/70 ZR 17M/C (58W)
Pneu traseiro Bridgestone 180/55 ZR 17M/C (73W)
Freio dianteiro Disco duplo hidráulico com sistema ABS
Ø do freio dianteiro 282
Freio traseiro Disco hidráulico com sistema ABS
Ø do freio traseiro (mm) 245
Suspensão dianteira Garfo telescópico
Suspensão traseira Balança traseira tipo Monocross com link
Curso da suspensão dianteira (mm) 130
Curso da roda traseira (mm) 130

Comprimento total (mm) 2.085
Largura total (mm) 745
Altura total (mm) 1.090
Altura do assento (mm) 805
Altura mínima do solo (mm) 140
Peso em ordem de marcha (kg) 183
Distância entre eixos (mm) 1.400

 

CAPACETE LS2 RAPID MINI É IDEAL PARA A CRIANÇADA

Voltado para o público infantil e também para as mulheres, a LS2 apresenta o capacete Rapid Mini (FF353J). Disponíveis nos tamanhos 48 ao 52, o modelo pode ser encontrado em três opções de grafismo: Monster, Pop Crazy e Monocolor. O casco do Rapid Mini é desenvolvido em HPTT, tecnologia que alia o ABS ao EPS. O resultado é um produto de maior resistência, além de uma excelente capacidade de dissipar a energia de um impacto. Detalhe: atualmente o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) permite que crianças a partir de sete anos possam ser transportadas na garupa da moto. O preço sugerido para o Rapid Mini é de R$ 599,90. Mais informações, acesse ls2.com.br .

Com apenas 1200 gramas, o modelo tem narigueira que auxilia a respiração, forro hipoalérgico cortado a laser, sem costuras em áreas sensíveis, removível e lavável. Conta ainda com viseira em policarbonato com sistema de troca rápida e pinos para colocação de sobreviseira Pinlock. “Os filhos são sempre uma prioridade para os pais e, na hora de escolher o capacete, não pode ser diferente. Por isso optamos em oferecer este produto para um público que ainda não tem muitas opções no mercado”, explica o gerente comercial da LS2 no Brasil, Jonathas Paz.

VÍDEO: VESTIDA DE LARANJA, HONDA CB 500F 2019 ESTÁ NA MODA

Seguindo as principais tendências da moda, a Honda acertou em cheio ao escolher o laranja perolizado para sua família de 500cc, já na versão 2019. Com novas cores e grafismos, a naked fabricada em Manaus (AM) ficou ainda mais radical. Nos quesitos motorização e ciclística, nenhuma novidade: motor bicilíndrico de 50,4 cv de potência e suspensões ajustáveis.


A CB 500F 2019 traz iluminação de LED, painel digital, manete de freio regulável e freios ABS. O conjunto oferece uma tocada ágil e segura, tanto para iniciantes, como também para motociclistas mais experientes. Isso sem falar na economia de combustível. Neste test-ride de mais de 300 quilômetros em circuito misto – cidade e estrada -, o motor de dois cilindros em linha (DOHC) e exatos 471 cm³ fez 27 Km/l.


Com 178 Kg de peso a seco, a 500F é muito versátil e fácil de pilotar. Já os preços variam entre R$ 24.490 (Vermelha e Preta) e R$ 24.890 (Laranja). Veja o vídeo e confira o desempenho dinâmico da CB 500F.

 

SALÃO DO VEÍCULO ELÉTRICO REÚNE NOVIDADES EM SP


O Salão do Veículo Elétrico Latino-Americano trouxe a São Paulo soluções, iniciativas e serviços para auxiliar no crescimento da mobilidade e do mercado de elétricos no país provou. Deixou claro que eletrificação é o futuro da indústria automotiva. Neste ritmo, elétrico, o evento se consolidou como a maior plataforma de debate, impulsão e desenvolvimento da mobilidade elétrica na América Latina. O novo espaço – Transamerica Expo Center – atraiu 50 marcas e permitiu que mais de cinco mil participantes conhecesse a diversidade da mobilidade elétrica tivessem contato com novos produtos e a oportunidade de participar de um test-drive. Além das novidades, uma bela expectativa de crescimento para o segmento. Até 2030, de 15% a 30% dos veículos vendidos no País conterão algum tipo de eletricidade. O VE Latino Americano 2019 já tem data definida. Acontece de 17 a 19 de setembro, no mesmo Transamerica.

Espalhadas por cerca de 6000 m², marcas como Toyota, Lexus, Volvo, Mercedes, Renault, BYD, Siemens e Eletra marcaram presença no evento, exibindo seus modelos híbridos e elétricos. “Este ano, pudemos apresentar o Prius híbrido flex, primeiro protótipo do mundo, ainda em fase de teste, mas que já gerou muita expectativa de quem visitou nosso estande. Sentimos que, esse ano, a feira está mais organizada, profissional, com um público interessante. Para nós, é muito importante participar, pois temos a oportunidade de disseminar a tecnologia híbrida para o público”, comentou Thiago Sugahara, chefe de departamento para assuntos governamentais da Toyota. Já a Lexus fez o lançamento do NX300, SUV de luxo da marca japonesa.

A Volvo aproveitou o salão para apresentar os modelos híbridos XC90 e XC60. O primeiro, inclusive, esteve disponível para teste drive. “É bem diferente. O carro é silencioso, tem uma outra pegada. Gostei muito da experiência”, contou Jonas Pereira dos Santos, instrutor de elétrica na Auto Jonas Elétrica e Treinamentos. Já o XC60 foi apresentado em primeira mão durante o evento. Em função de sua popularidade, a Volvo decidiu lançar seu modelo mais vendido no mundo – o XC60 -, em versão híbrida.

A área de teste drive, aliás, foi uma das principais atrações do evento, com cerca de 1300 testes entre veículos e motos. A Riba aproveitou a feira para anunciar o lançamento de seu aplicativo de scooters elétricas compartilhadas, que inicia em novembro, na capital paulista, por apenas R$0,59 o minuto de uso.

Já a experiência com bicicletas elétricas, diciclos, patinetes e outros levíssimos eletrificados também não ficou para trás e movimentou o pavilhão com mais de 500 testes. Além disso, o público pode experimentar o kart elétrico e a pilotagem de drones. O piloto de Fórmula-E, Lucas Di Grassi também marcou presença no evento, e falou sobre o lançamento da bicicleta de sua marca. “Decidi investir na mobilidade elétrica e, há um ano e meio iniciamos o desenvolvimento da bicicleta em parceria com a CBMM. Após um período de testes, estamos prontos para de fato entrar no mercado com a proposta que pensamos inicialmente, que é a do aluguel mensal de R$ 190”, contou o piloto.

Para nortear e iluminar o caminho do segmento, a consultoria McKinsey apresentou um estudo inédito sobre os veículos elétricos no Brasil e no mundo e as perspectivas para os próximos 12 anos. A projeção que até 2030, de 15% a 30% dos veículos vendidos terão algum tipo de eletricidade. “O Brasil vende dois milhões de carros por ano, e apenas 3000 são elétricos. Apesar disso, começamos a enxergar algumas mudanças de comportamento, incentivo da indústria e investimento em novas tecnologias. Por isso precisamos entender o que precisa ser melhorado para avançarmos ainda mais”, revelou Bernardo Ferreira, sócio associado da McKinsey.

DOC MOTO: HARLEY FXDR 114 NO BRASIL E AS NOVAS CORES PARA 2019

 

Antes que me perguntem, o lineup brasileiro terá sim a nova FXDR 114 e a Sport Glide, que foi lançada como modelo mid-year em 2018. Ambas já estão em processo de homologação no País. Abaixo minha percepção e comentários sobre os modelos e as paletas de cores.

Como cheguei nos EUA em pleno Labor Day (feriado americano análogo ao nosso Dia do Trabalho) acreditei que não iria encontrar lojas abertas no estado da Flórida. A minha primeira opção foi a Palm Beach Harley-Davidson que, de fato, estava fechada. Segui adiante para a pequena cidade de Stuart para conhecer a revenda Treasure Coast Harley-Davidson. Lá fui razoavelmente bem atendido e digo, razoavelmente, pois minha intenção era apenas olhar os novos modelos e comprar uma camisa que procurava. Lá pude ver algumas motos em cores que potencialmente me interessariam no Brasil, já que as mudanças da linha Harley 2019 foram principalmente cosméticas, vamos lá:

FXDR 114

Divulgação

O modelo foi o único lançamento para a linha 2019 (até o momento) e fonte de muitos comentários tanto positivos, como negativos. De uma maneira geral, a moto traz linhas bem agressivas e, com certeza, vai atrair o público que ficou órfão da família da V-Rod. Como só tive a possibilidade de ver em Vivid Black posso dizer que o modelo lembra, em alguns aspectos, a Night Rod Special, principalmente no tocante a posição de pilotagem.

Divulgação

O banco é um tanto desconfortável para longos percursos, mas o propósito do modelo não será este. E para quem perguntar, a tampa atrás do banco sai e dá para um “buraco” que não pode se chamar de porta-trecos. Na verdade, a intenção da marca foi deixar um espaço para a instalação de um banco para uma eventual garupa.
De fato, o filtro de ar, que foi desenhado para ser algo similar ao oferecido pela linha Screamin’ Eagle, ficou um tanto estranho, virando alvo de piadinhas no Brasil, já que foi comparado com uma furadeira Bosch. Realmente, o brasileiro é muito criativo.
Uma solução que achei um tanto estranha e levanta dúvidas quanto sua durabilidade é o “para-lama” traseiro. A peça é feita em plástico.

Divulgação

A FXDR 114 promete ser um sucesso de vendas, especialmente por deixar o motor de arrefecimento líquido de lado e ter instalado no berço do chassi o tradicional V2 com refrigeração a ar, que traz de volta o som do motor digno de uma HD, ainda que o Milwaukee Eight não se compare com o som dos Evolution.

Heritage Classic


Billiard Blue & Billiard White. Esta combinação de cores ficou muito interessante e talvez ficasse melhor ainda se a Heritage tivesse os cromados de volta. Se a HD-BR decidir incluir como opção será uma cor popular . Com o motor 107 Milwaukee Eight haverá duas opções de cores em dois tons para a Heritage: Wicked Red e Twisted Cherry (já conhecida da linha 2018, em outros modelos).
O azul, que parece em fotos como sendo um azul-marinho brilhante, ao vivo dá a impressão de ser uma cor sólida, que não fica tão bonita assim a não ser na combinação de dois tons.

Fat Boy


Talvez uma das cores mais bonitas para 2019 e que estará na Fat Boy e na Deluxe (na Heritage terá uma opção dois tons, porém só na versão equipada com o motor de 114 Milwaukee Eight). É um marrom metálico, lindo, chamado de Rawhide. Estará disponível também como opção Denim (fosca) na Iron e também na Fat Bob. Porém a cor metálica é algo simplesmente maravilhosa e de muito bom gosto.

Deluxe e Low Rider


Em 2018, a opção de dois tons de marrom com prata foi uma combinação interessante, entretanto, para 2019 a HD preferiu seguir uma linha mais tradicional em oferecer um azul (diferente da Heritage) com prata, chamado de Midnight Blue & Barracuda Silver. Quem olha a moto dentro do showroom tem uma certa dificuldade em ver que a cor é azul, pois é tão escuro que facilmente se confunde com preto.
Na foto acima, a Deluxe até dá para parecer que é azul. A Low Rider também ganhou a cor Midnight Blue, que também parece preto.
Outra cor que pude ver na Low Rider foi o Barracuda Silver, que também deixa a moto bonita (ainda que preferisse o Bonneville Salt, de 2018).

Slim


A Slim na foto promocional tanto do site da HD como do catálogo, em Billiard Blue, faz parecer que a moto é um azul lindo, metálico, mas ao vivo perde um pouco o impacto. Entretanto, há um amarelo fosco chamado de Rugged Gold Denim que ficou bem interessante, além do mesmo vermelho fosco das touring. Resta saber quais serão as cores que a HD-BR pretende comercializar. Gosto não se discute. Façam suas apostas?

Texto e Fotos Dan Morel, do Blog Doctor Dan, especial para MinutoMotor