APTIV ABRE SUAS PORTAS PARA O FUTURO DA ELETRIFICAÇÃO

A Aptiv, empresa de tecnologia global que fornece arquitetura veicular para praticamente para todas marcas de veículos ao redor do mundo, inaugurou sua nova fábrica em Espírito Santo do Pinhal, que fica a 200 Km de São Paulo. Com um investimento total de R$ 30 milhões, a nova instalação visa atender às necessidades dos clientes com modernos sistemas de distribuição eletroeletrônicos, principalmente chicotes elétricos.

Mas a Aptiv já está pensando na ampliação de sua nova casa – em 3.000 metros quadrados, já nos próximos três anos. Além disso, a empresa está investindo mais R$ 5 milhões em sua unidade de Conceição do Ouro (MG), duplicando a operação e contratando mais 300 colaboradores até o final do ano.

Com a produção de 30 mil chicotes elétricos/dia, “a empresa usou sua nova base em Pinhal como portal para negócios mais ambiciosos ligados à eletrificação e a projetos de veículos autônomos, que exigirão sistemas cada vez mais complexos e que possam administrar melhor a corrente elétrica e os problemas eletromagnéticos nos automóveis, reduzindo as atuais interferências”, observa Alejandro Quiroz, presidente da Aptiv para a América Latina.

Alejandro Quiroz e Eric Carneiro, executivos da Aptiv

Já Eric Carneiro, vice-presidente e diretor executivo da Aptiv para a América do Sul, acredita na evolução do mercado automotivo e também nos novos rumos da indústria mundial, que passa pela eletrificação e carros autônomos. “Aqui em Pinhal serão feitos estes novos e modernos chicotes. O veículo autônomo é parte de um macrossistema que oferecerá uma maior segurança ao ser humano e, nós, da Aptiv, temos que estarmos prontos para esta nova revolução tecnológica”, explica Carneiro.

Crescimento do segmento
Bastante motivado, o vice-presidente e diretor executivo da Aptiv aposta que a retomada de crescimento do setor automobilístico acontecerá no segundo semestre. A previsão de crescimento da empresa no mercado mundial em 2019 deve girar na casa dos 3%. Ou seja, em seis, sete anos, a receita global deve pular de US$ 14 bilhões para US$ 20 bilhões.

Já em Pinhal, com adequação da produção, aumento do número de colaboradores e, obviamente, a ampliação de produção para antigos clientes (VW) e chegada de novos projetos (Toyota e FCA), o faturamento desta unidade deve girar entre 10 e 15%.

Segundo o executivo, “em breve teremos carros de última geração fabricados nos Estados Unidos e Europa – em especial franceses e alemães – com peças produzidas aqui em Espírito Santo do Pinhal. Nossa meta é sermos líderes neste tipo de tecnologia embarcada”, conclui, eufórico, Eric Carneiro.

Os números da Aptiv
Espírito Santo do Pinhal
Área Total – 68 mil m² – duas vezes maior do que a antiga unidade
Área construída – 18.600 m²
Área fabril – 14 mil m²
Área para expansão – 3 mil m²
Total de funcionários – 1.300 colaboradores (60% mulheres e 40% homens, já que a produção conta com a maioria dos processos manuais)
Fornecedores – 208
Itens – 3.525 (36% de produtos importados, 64% fornecedor local)
No Brasil
Número de fábricas – 5
Total de colaboradores – 5 mil

CAOA FECHA ACORDO COM A FORD PARA A FABRICAÇÃO DE CAMINHÕES

CAOA FECHA ACORDO COM A FORD PARA A FABRICAÇÃO DE CAMINHÕES

O noticiário sobre “Pesados” nunca esteve tão em voga. Primeiro a greve dos caminhoneiros ano passado e, recentemente, o fechamento da fábrica da Ford Caminhões no ABC Paulista. Agora uma boa notícia: a Caoa anunciou acordo para a aquisição da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP).
A meta é seguir com a produção de caminhões sob licenciamento e manter a estabilidade social na região – uma grande preocupação dos prefeitos do ABC e também do governador João Dória –, já que a marca norte-americana empregava cerca de 4 mil funcionários naquela unidade.
Para quem não sabe, a Caoa é uma empresa brasileira que produz automóveis e caminhões de pequeno porte das marcas sul-coreana Hyundai, e da chinesa Chery, em duas plantas fabris – uma em Anápolis (GO) e a outra em Jacareí, no Vale do Paraíba (SP).

VW comemora 15 mil unidades produzidas em Resende
A nova família Delivery, da Volkswagen, acaba de superar 15 mil unidades produzidas em Resende (RJ). O marco foi alcançado pouco mais de um ano desde o início das vendas de seus primeiros modelos.
O resultado é bastante positivo: com uma gama de 3,5 até 13 toneladas, os caminhões Delivery avançaram 60% em vendas no primeiro bimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2018, um salto de 1.125 para 1.797 unidades neste início de ano.

TRIUMPH COMEMORA 25 MIL MOTOS E TERÁ SEIS LANÇAMENTOS EM 2019

“Hoje é dia de superação. Dia de comemorar um recorde histórico. Produzimos 25 mil motos em Manaus. Somos a subsidiária que mais cresceu no mundo. Para este ano projetamos um crescimento de 10% acompanhando, claro, o reaquecimento do mercado, isso em função do novo cenário econômico e político. Mas também fruto da força de expansão de nossa rede de concessionárias, pós-venda eficiente e no decorrer do ano traremos mais seis modelos ao País”, afirma Waldyr Ferreira, gerente geral da Triumph Brasil, durante solenidade na planta da marca na capital manauara, em 13 de fevereiro. Segundo o executivo, a meta para 2019 é fabricar cinco mil motos e encerrar o ano com 30 mil motos montadas e vendidas aqui. Número ambicioso, mas não impossível de se concretizar!

As novidades que o “big boss” se referiu à ampliação do número de revendas – com destaque para Vitória e Cuiabá e previsão de inauguração para Fortaleza e Salvador –, além do lançamento de vários modelos: Bobber Black, Speed Twin, a Scrambler 1200, nas versões XE e XC; e as atualizações da Street Twin e da Scrambler 900, que começam a desembarcar em nosso mercado a partir de abril. “Hoje, com a linha Tiger, somos líderes na categoria Trail de alta cilindrada. Queremos nos manter nesta posição e, vamos avançar com as clássicas modernas, segmento que temos uma belíssima gama de produtos”, conta Ferreira, dizendo que a moto número 25 mil montada em Manaus só poderia ter sido um Tiger 800 XCa.

Fábrica com alta produtividade

A linha já recebeu, desde sua inauguração, cerca de US$ 13 milhões em investimentos. Com uma estrutura modesta, mas altamente produtiva, a planta conta com 3.000 metros quadrados de área construída. No início desse trabalho a Triumph contava com apenas 19 funcionários. Hoje são 60 colaboradores diretos. A capacidade instalada da “Fábrica 6” é de 7 mil unidades/ano e atualmente monta cerca de 30 unidades/dia. Como a linha é totalmente flexível, os kits que chegam da Inglaterra e, principalmente da Tailândia, e correspondem a 21 modelos (cinco famílias) do line-up.

 

Os kits são recepcionados e as peças são separadas em dois carrinhos, que representam cada um dos lados da moto. Lá são acomodados tanque, painel, comandos e parafusos, muitos parafusos. Para não haver confusão na hora da inserção dos componentes tudo é dividido e identificado em bandejas . Organização do início ao fim do processo. O motor recebe atenção especial, já que é totalmente montado e testado no Brasil. Ao final da linha, todas as motos passam pelo dinamômetro e é feita uma checagem minuciosa na eletrônica e parte elétrica. A parte final do processo, a moto segue para o setor de que prepara a moto para seguir para as concessionárias. Ali, o modelo Triumph voltada para a mesma estrutura que chegou ao País. Tudo embalado, lacrado e com alto nível de sustentabilidade.

Só para se ter uma ideia, em 2012 a subsidiária brasileira havia produzido apenas 228 unidades e hoje há a previsão de montar 5 mil motos. Ou seja, a produção cresceu quase 22 vezes. Além da organização, o baixo turnover – 70% dos colaboradores têm mais de 5 anos de casa –, há um comprometimento de cada um dos funcionários para transformar kits em sonhos sobre duas rodas.

Com o crescimento acima da média do mercado e já pensando na “Indústria 4.0”, a Triumph já está preparada para mudar de endereço e ir para um espaço maior. “Com este novo cenário estamos estudando várias possibilidades. Mudar uma linha de produção requer organização e muito planejamento. A mudança demoraria cerca de três semanas”, afirma Leandro Oliveira, gerente da planta Triumph em Manaus.

No mundo, a marca tem mais de 700 concessionárias e perto de 2.000 funcionários. A produção somada deve ficar pouco abaixo dos 67 mil motos por ano. O faturamento mundial gira em torno de R$ 2,1 bilhões e suas vendas no varejo giram na casa de 64 mil unidades anuais.

NOVA FÁBRICA DA HONDA DÁ ‘START’ EM 2019

Excelente notícia para o mercado automobilístico nacional. A Honda irá iniciar a transferência da produção de automóveis de Sumaré (SP) para a nova planta de Itirapina (SP). A unidade de Sumaré se consolida como centro de produção de motores e componentes, desenvolvimento de automóveis, estratégia e gestão dos negócios do grupo Honda. A mudança ocorrerá gradativamente, a partir do início de 2019, com conclusão prevista para 2021. Detalhe: a fábrica de Itirapina teve um investimento de R$ 1 bilhão e ficou em compasso de espera desde de 2016.


Com base no cenário atual – crescimento gradual –, será preciso fortalecer a estrutura de produção de automóveis para garantir a sustentabilidade do negócio para o futuro. Por meio dessa restruturação, a Honda Automóveis passará a produzir todos os modelos locais na planta de Itirapina (SP). Lê-se: HR-V, WR-V, City, Civic e Fit. A nova unidade é o resultado de um projeto mais moderno e, consequentemente, mais eficiente do ponto de vista de produtividade, com melhor flexibilidade para atender às demandas tecnológicas para atualizações em nossa linha de automóveis. A unidade também apresenta ganhos em sustentabilidade. Um exemplo é o processo de pintura a base d’água que, aliado ao uso de menor quantidade de tinta, é menos poluente, garantindo a mesma qualidade no acabamento.


Com capacidade produtiva nominal de 120 mil unidades por ano, em dois turnos, a fábrica iniciará as atividades com a produção do modelo Fit e contará com a experiência de colaboradores da planta de Sumaré, que serão transferidos para Itirapina. Em Sumaré permanecerão atividades que receberam investimentos recentes: produção do conjunto motor, incluindo Fundição e Usinagem; Injeção Plástica; Ferramentaria; Engenharia da Qualidade; Planejamento Industrial e Logística. A unidade também mantém a sede administrativa da Honda South America, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Automóveis, a Divisão de Peças e o Centro de Treinamento Técnico para concessionárias.