HARLEY DIVULGA O PREÇO DA LIVEWIRE: US$ 29.799, CERCA DE R$ 112 MIL

A Harley-Davidson divulgou mais novidades sobre a LiveWire, seu primeiro modelo da linha 2020, que será também a pioneira de uma família totalmente elétrica da marca norte-americana. Exibida inicialmente no Dealer Convention pelo chefe do Departamento de Estilo e Design da marca, Paul James, a moto elétrica da Harley é também o primeiro modelo do projeto “More Roads to H-D”, na tradução literal: ‘Mais estradas para a H-D’. Naquela ocasião, poucas informações estavam disponíveis à imprensa, a não ser que o modelo seria lançado oficialmente em agosto de 2019, já como linha 2020.

Já em Milão, durante o Salão de Motos (Eicma 2018), a equipe do MinutoMotor trouxe novas informações técnicas sobre a moto como, por exemplo, que teria suspensões ajustáveis e carregadores para carga rápida e lenta. Além de freios de alto desempenho da grife Brembo e rodas aro 17 polegadas calçadas com pneus Michelin Scorcher Sport. Porém, a notícia mais importante vinda da ‘Terra do Tio Sam’ é que a LiveWire já está em pré-venda e custará US$ 29.799 – quase R$ 112 mil. A título de comparação, a Electra Glide Ultra Limited custa nos Estados Unidos US$ 28.089 (R$ 105 mil).

Hoje, durante o CES 2019 – maior feira de equipamentos eletrônicos do mundo, que acontece em Las Vegas, a HD aproveitou para apresentar outros dados técnicos sobre a LiveWire: Totalmente elétrico, o novo motor já tem nome: Revelation. Sim, este é o nome, e não é brincadeira! Na primeira vez que li, achei que era uma piada pronta, mas seguindo a linha do motor de arrefecimento líquido que havia recebido o nome de Revolution, até ai, um tanto compreensível. Mas neste caso achei que faltou um certo carisma.

A moto faz de 0-100 km/h em 3,5 segundos. Extremamente rápida, ainda levando-se em conta que não há embreagem para acionar e não há marchas para serem engatadas. Basta girar o acelerador e 100% do torque está disponível instantaneamente. Já a velocidade máxima será de aproximadamente 177 km/h, segundo a marca. A moto elétrica da H-D possui sistema de frenagem com geração de energia, que recarrega a bateria quando há uma frenagem. Sistema similar aos usados nos Formula 1 e em veículos híbridos.

A autonomia será de pouco mais de 170 quilômetros. Com chance de aumentar até a entrega das primeiras unidades. O percurso percorrido pela HD LiveWire já é maior que outras motos similares no mercado (Zero Motorcycles). Mas não dá para aquela longa viagem dos sonhos pela Highway 1 ou Route 66.

A moto contará com um painel 4.3 polegadas em LCD, touchscreen, capaz de mostrar autonomia, velocidade, status da bateria e pode ser customizável e mostrar até a direção ponto-a-ponto. A LiveWire contará ainda com conectividade com o celular – chamado de HD Connect, que informará dados sobre carga de bateria, alertas sobre violação, localização da moto e lembretes/notificações de serviços e revisões.

 

Inicialmente a LiveWire será comercializada em concessionárias específicas nos EUA e também na Europa e contará com três opções de cores: Yellow Fuse, Orange Fuse e Vivid Black.

Texto Dan Morel, do Blog Doctor Dan, especial para MinutoMotor / Fotos Divulgação

 

 

COM OUSADIA E NOVOS MODELOS, HARLEY QUER RENOVAR PÚBLICO


É preciso se reinventar para crescer. Enfrentar desafios, criar novos rumos e oportunidades! A partir de agora a Harley-Davidson adotará uma atitude mais agressiva para renovar seus produtos e, consequentemente, buscar consumidores cada vez mais jovens. Prestes a completar 115 anos, a H-D apresentou em 30 de julho o projeto More Roads to Harley-Davidson. Nestes novos caminhos, a marca terá modelos em novas categorias e até motos de baixa capacidade cúbica produzidas no continente asiático. Essa é a estratégia da marca norte-americana para se popularizar. Segundo a própria Harley, o primeiro passo é criar uma nova plataforma (modular) capaz de servir de base para três novos modelos e de motorização distinta, que podem variar de 500cc a 1.250cc, mas sempre com motor V2.


A notícia está causando o maior alvoroço nos sites especializados e nas mídias sociais. Muita especulação ainda em relação às especificações técnicas. A Pan America 1250 (acima) será uma “adventure touring”. Este ‘tanque de guerra’ estará equipado com motor V2 de 1250cc de arrefecimento líquido. A moto terá suspensões de longo curso (Showa) freios Brembo (duplo disco e pinça de fixação radial na dianteira), painel 100% digital e múltiplas proteções (farol, tanque, motor e manoplas, com pisca integrado). O formato da carenagem frontal lembra a Road Glide, da família Touring. Com a Pan America 1250 os caminhos ganharão novos pisos: terra, areia, cascalho! 

A Streetfighter 975 (acima) lembra muito a XR 1200 X, só que com um design mais agressivo e entre-eixo menor. Ambas chegam em 2020. No ano seguinte será a vez da Custom 1250 (abaixo), que compartilha o motor com a Pan America. A moto fará parte de um seleto grupo formado pelas muscle bike. Sua principal concorrente será a Ducati XDiavel. Começa a ser vendida em 2021. Porém, a ousada estratégia de crescimento começa com a LiveWire (última foto), modelo elétrico que será lançado em agosto de 2019. Ou seja, em breve teremos mais novidades sobre a moto que, em vez de gasolina, traz bateria de íons de lítio. Mas os projetos com energia elétrica não ficarão apenas na moto. Devem ter outras finalidades! A marca ficará eletrizada!


Depois de todo o imbróglio com o presidente Donald Trump, a montadora americana fez uma parceria com uma fábrica asiática, cujo nome está sendo guardado em segredo. O objetivo será entrar no mercado de modelos de baixa cilindrada. O foco estará nas motos entre 250cc a 500cc, destinadas para a Índia e outros mercados da Ásia. Será que futuramente será fabricada no Brasil? Motos de “massa” não são nenhuma novidade para quem tem mais de 50 anos. A marca, que havia sido vendida para a American Machine and Foundry (AMF), vendia no Brasil as Harley-Daidson Motovi SS, nas versões 125/175/250. Os modelos, equipados com motores de um cilindro, eram importados pela Magazine Mesbla, nos anos de 1960.

Ou seja, a marca norte-americana terá uma nova imersão nos modelos de baixa cilindrada. Mas será que a popularização da marca, tida como Premuim, não causará certa estranheza por parte dos mais abonados, que tem na Harley símbolo de status. Muitos clientes tradicionais irão torcer no nariz?! Vender motos populares em marca luxo não será uma tarefa das mais fáceis. Mas a atitude ousada da centenária marca norte-americana mostra que quem fica parado é poste. A mudança de rota e a entrada em novos segmentos podem ser decisivos para o futuro. Meu desejo é que a H-D se reinvente e traga à reboque um público da vez mais jovem para o mundo das duas rodas. As motos podem mudar, as marcas podem mudar e até as pessoas podem mudar. Mas a sensação de vento no rosto, a tal liberdade, continuará viva em todo motociclista.