TESTE: NOVO PEUGEOT 2008, UM SUV MUITO ALÉM DA MULTIDÃO

Até o início da década passada, nos engarrafamentos das grandes cidades brasileiras, ficava evidente o domínio dos hatches compactos no mercado local. Já no trânsito cada vez pior dos dias atuais, chama a atenção a predominância dos utilitários esportivos e dos modelos com apelo aventureiro. Os SUVs e os veículos com adereços “off-road” já são a maioria dos automóveis lançados no Brasil nos últimos tempos e a demanda não para de crescer. Nesse panorama, ninguém quer ficar de fora da briga. Mas o excesso de oferta acaba indo contra a principal razão de compra desse tipo de veículo – que é justamente se diferenciar dos carros “comuns”. Por isso, a Peugeot aposta no estilo para tentar “fazer a diferença” com o novo 2008, que chega agora às concessionárias da marca.

Embora a Peugeot afirme que o design foi desenvolvido exclusivamente para a região pelo Latin America Tech Center do Groupe PSA, na verdade, trata-se de uma remodelação do carro lançado mundialmente em 2013 e no Brasil em abril de 2015. As dimensões permanecem rigorosamente as mesmas – 4,16 metros de comprimento, 1,74 metro de largura, 1,58 metro de altura e 2,54 metros de distância de entre-eixos. As mudanças estão concentradas na dianteira e tornam o novo 2008 muito similar aos SUVs maiores da marca, o 3008 e o 5008. A grade frontal, emoldurada em acabamento em preto e mais verticalizada, traz elementos tridimensionais e ostenta o indefectível emblema do leão. Já o capô está mais horizontalizado, tipicamente SUV. O novo para-choque frontal aumentou o ângulo de ataque do carro, que agora é de 23 graus. Os chamados “dentes do leão”, os recortes agudos na parte inferior dos faróis que remetem aos caninos de um felino, continuam lá, como uma assinatura dos utilitários esportivos da marca. Os faróis são afilados, com luzes diurnas em leds e refletores com lentes semielítpicas. Os protetores pretos na parte inferior da carroceria são item de série para todas as versões.

O novo Peugeot 2008 estará disponível em duas configurações de motorização. Por enquanto, só estão nas lojas as versões com o motor 1.6 EC5 VTI, de 118 cavalos a 5.750 rpm (com etanol), com 16,1 kgfm de torque a 4.750 giros. No último trimestre do ano, será lançada a versão Griffe 1.6 THP, de 173 cavalos a 6 mil rpm e 24,5 kgfm a 4 mil rpm (com etanol). O motor turbo tem 16 válvulas, com duplo comando de válvulas no cabeçote e injeção direta sequencial. O turbocompressor é do tipo Twin-scroll, com bomba eletrônica de alta pressão. Ambos os motores trabalham com o mesmo câmbio automático EAT6 de 6 velocidades da empresa japonesa Aisin – antes, o motor turbo só era usado com o câmbio manual. Traz quatro modos de condução (drive, eco, sport e sequencial), adaptando o veículo às mais diferentes necessidades do proprietário. Para ter respostas mais esportivas do carro, basta acionar o modo “Sport”. E, para reduzir o consumo de combustível em situações de trânsito intenso, o recomendável é acionar a função “Eco”. A versão Griffe THP conta com o Grip Control, que auxilia o motorista na direção ao otimizar a motricidade em diferentes e acidentados terrenos, como neve, areia ou lama. O Grip Control está disponível com cinco ajustes – padrão, areia, neve, lama ou ESP Off.

O novo SUV da Peugeot está disponível em quatro versões. A mais barata é a Allure, equipada de série com dois airbags laterais, ar-condicionado manual, faróis com guia de luz em leds e DRL, controle elétrico para os retrovisores, vidros elétricos dianteiros e traseiros, limitador e regulador de velocidade, volante com comandos integrados, Peugeot Connect Radio de 7”, Android Auto e Apple CarPlay integrados, rodas de aço 16” com calotas, barras de teto e molduras nas caixas de roda pretas. Custa R$ 69.990. A versão Allure Pack acrescenta faróis de neblina, volante revestido em couro, câmera de ré, alarme perimétrico e rodas de liga-leve 16”. Sai por R$ 79.990. A Griffe AT acrescenta à Allure Pack itens como ar-condicionado digital bizone, roda de liga-leve 16” Áquila Diamantada, teto de vidro panorâmico, sensor de chuva e sensor de luminosidade. Sobe para R$ 89.990. E a “top” Griffe THP, que será lançada no final do ano, além de todos os acessórios da versão Griffe AT, vem equipada com motor turbo THP e Grip Control. O preço salta para R$ 99.990. Embora não seja um carro barato, são valores bastante competitivos em relação à concorrência.

O lançamento do novo 2008 também celebra o momento maior do plano estratégico Virada Brasil. Iniciado pela Peugeot em 2015, promoveu uma modernização dos produtos no país e uma reestruturação do modelo de negócios. A partir desse trabalho, foi lançado o Peugeot Total Care, um programa que prioriza a transparência e a excelência dos serviços ao consumidor. Para a nova etapa, segundo a marca, caso o cliente não fique satisfeito com o serviço feito em seu veículo, ele não paga pelo valor da mão de obra. Com o Renova Peugeot, a marca se compromete, ao final do programa, em pagar no mínimo 85% do preço da tabela FIPE no veículo usado na troca por um zero-quilômetro. “Este é um momento especial para nós. Depois de muito trabalho, chegamos ao ponto de virada que havíamos planejado. O novo Peugeot 2008 chega justamente para coroar esse ciclo”, comemora Ana Theresa Borsari, Country Manager da Peugeot Brasil. A expectativa da marca é que 80% das vendas neste ano venham da linha de SUVs – 3008, 5008 e, agora, o novo 2008.

Posicionamento diferente
O conceito i-Cockpit, implementado já há algum tempo pela Peugeot, tornou-se uma das identidades mais marcantes dos modelos da marca. O volante de multifunções com dimensões reduzidas no estilo SportDrive tem assistência progressiva elétrica e proporciona um posto de direção realmente diferenciado. O motorista se sente integrado ao veículo e com acessos simples a todas as funcionalidades presentes no painel ou no volante. O painel de instrumentos está posicionado acima do volante, dentro do campo de visão do motorista, o que permite uma completa visualização de toda a condição do veículo sem precisar tirar os olhos da estrada. Os bancos contam com regulagem de altura, profundidade e inclinação, o que ajuda a achar a posição ideal.
A boa distância de entre-eixos, 2,54 metros, proporciona aos passageiros do banco traseiro um espaço confortável para as pernas e cabeças. O porta-malas tem capacidade para 402 litros. Com o rebatimento dos bancos traseiros, o volume sobe para 1.172 litros. O acabamento, embora adote plásticos rígidos, aparenta qualidade. Detalhes cromados emolduram as saídas de ar condicionado, a central multimídia e as portas, em contraste com o acabamento em black piano. Há um bom número de porta-objetos, todos bem funcionais. O porta-luvas é refrigerado. A central multimídia com tela de 7 polegadas é compatível com Google Android Auto e Apple CarPlay e possibilita o espelhamento do celular.

Primeiras impressões
O teste de apresentação do novo 2008, em uma versão Allure Pack, foi realizado em um trajeto de cerca de 150 quilômetros, do bairro do Butantã, na Zona Oeste paulistana, e o Haras Tuiuti, na cidadezinha paulista de mesmo nome, parte em asfalto e um pequeno trecho de estrada de terra. O 2008 Allure Pack se sai bem, tanto no asfalto quanto na terra. Tem boa dirigibilidade e entrega um rodar suave, com um conjunto suspensivo bem equilibrado, que aderna pouco nas curvas, embora o ESP tenha sido reservado para a versão “top” Griffe. O volante de diâmetro menor proporciona um acesso visual ideal ao quadro de instrumentos, posicionado acima dele. A tela do multimídia tem posicionamento e angulação exemplares. As informações estão onde deveriam estar, o que torna a experiência de dirigir mais agradável e relaxante. Para o exterior, a visibilidade é boa e os retrovisores generosos colaboram bastante.
O motor 1.6 aspirado dá conta do recado, sem entregar maiores emoções. Embora as trocas do câmbio automático de 6 velocidades sejam rápidas e eficientes, as retomadas não são tão vigorosas – a esportividade do modelo certamente será melhor representada pelo motor turbinado THP da versão Griffe. Para obter acelerações mais resolutas, é necessário acionar sem piedade o pedal do acelerador, o que aumenta o nível de ruído a bordo. A utilização do modo manual do câmbio é uma alternativa para tornar o comportamento dinâmico mais instigante. Os freios são eficientes, sem desvios de trajetória. A suspensão elevada, com vinte centímetros de vão livre e o ângulo de entrada de 23 graus ajudam a passar por lombadas e até por trilhas leves. A ausência de tração 4×4 não recomenda maiores radicalidades no “off-road”.

Texto e Fotos Luiz Humberto Monteiro Pereira / Agência AutoMotrix

Ficha Técnica
Peugeot 2008 Allure Pack

Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.587 cm³, 16V, 118 cavalos/115 cavalos a 5.750 rpm, 16,1/16,1 kgfm a 4.750/4.000 rpm.
Câmbio: automático, 6 marchas. Tração dianteira.
Direção: elétrica.
Suspensão: dianteira com conjunto tipo Pseudo McPherson, independente, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos pressurizados a gás e barra estabilizadora. Traseira com travessa deformável, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos pressurizados a gás e barra estabilizadora.
Freios: disco ventilado na dianteira e disco sólido na traseira.
Pneus: 205/60 R16.
Dimensões: comprimento de 4,16 metros, largura de 1, 74 metro; altura de 1,58 metro e entre-eixos de 2,54 metros.
Peso: 1.248 kg.
Porta-malas: 402 litros.
Tanque de combustível: 55 litros.
Preço da versão Allure Pack: R$ 79.990.

HONDA HR-V TOURING 2020 RETORNA COM MOTOR TURBO DE 173 CV

HONDA HR-V TOURING 2020 RETORNA COM MOTOR TURBO DE 173 CV

A Honda lançará, em junho, a linha 2020 do HR-V, com preço sugerido R$ 139.900. A principal novidade do SUV é o retorno da versão Touring, que chega ao mercado ainda mais completa e com a adoção de equipamentos inéditos como, por exemplo, teto solar panorâmico e motor 1.5 Turbo de 173 cv; além de ganhar um visual mais moderno. Traduzindo: a dianteira traz faróis principais e de neblina Full LED, bem como uma nova grade frontal, com acabamento em black piano. O inédito teto solar panorâmico da versão Touring aumenta a sensação de espaço e luminosidade para os ocupantes dos bancos dianteiros e traseiros.

Na parte traseira, o logotipo “Turbo” e o sistema de escapamento em inox com duas saídas completam o design mais arrojado do SUV topo de linha da Honda. Outro diferencial é que essa versão passa a ter – de acordo com a cor externa – a opção de acabamento na cor cinza claro ou preto para bancos – revestidos em couro – laterais de porta, console central e painel.
Equipado com a tecnologia Smart Entry, o HR-V Touring permite a abertura das portas sem o uso da chave, por aproximação, enquanto o botão de partida torna ainda mais cômoda a operação do veículo. Equipado com sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmera de ré – com três modos de visualização – e o exclusivo sistema Honda LaneWatch, o HR-V Touring permite visibilidade total em manobras e durante a condução. Os motociclistas agradecem!

Para quem não sabe, o sistema LaneWatch é composto de uma câmera instalada no retrovisor direito, que amplia o ângulo de visão do motorista além do proporcionado pelo espelho retrovisor, eliminando pontos cegos e projetando essa imagem ampliada no sistema multimídia, ao se acionar a seta, ou mesmo ao pressionar um botão na alavanca. Com isso, o condutor passa a ter muito mais segurança em mudanças de faixa e mais comodidade em manobras. O sistema LaneWatch já era usado no Civic Si.
Para completar, a versão Touring recebe central multimídia de 7 polegadas touchscreen, com conectividade aos sistemas Apple CarPlay e Android Auto, com navegador GPS integrado ao sistema.

Motor turbo de 173 cv
A versão Touring marca a estreia da motorização turbo com injeção direta no HR-V, garantindo alto desempenho e ótima eficiência energética. O motor 1.5 de quatro cilindros traz calibragem específica para o HR-V Touring, já que usa turbo de baixa inércia, injeção direta, variação de tempo de abertura das válvulas de admissão e escape (Dual VTC) e válvula wastegate eletrônica, gerando 173 cv a 5.500 rpm, com o torque de 22.4 kgf.m entre 1.700 rpm a 5.500 rpm.
Este propulsor é acoplado a transmissão continuamente variável (CVT), a mesma adotada no Civic Touring e no CR-V, mas ajustada especificamente para o HR-V Touring, que entrega ampla potência ao longo de toda a faixa de trabalho do motor.

Versões, cores e preços
O HR-V é oferecido em quatro versões, LX, EX e EXL, todas equipadas com o motor 1.8 16V FlexOne de até 140 cv e a renovada versão Touring, com o novo motor 1.5 Turbo, com 173 cv. Em todas as variantes, o HR-V adota transmissão CVT – com simulação de sete velocidades e aletas para trocas de marchas no volante, nas versões EX, EXL e Touring.

O modelo está disponível nas cores: Branco Tafetá (sólido), Prata Platinum, Cinza Barium, Azul Cósmico (metálicos), Branco Estelar, Preto Cristal e Vermelho Mercúrio (perolizados). A versão Touring traz interior na cor cinza nas cores Branco Estelar, Cinza Barium e Azul Cósmico. As demais cores trazem interior com acabamento preto.
HR-V LX: R$ 94.400
HR-V EX: R$ 101.700
HR-V EXL: R$ 111.900

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

VÍDEO: JEEP RENEGADE EM VERSÃO EXCLUSIVA E LIMITADA ‘WILLYS’

Para comemorar a liderança no segmento de utilitários-esportivos (SUVs) no Brasil, a montadora de origem norte-americana apresentou durante o Jeep Day (4/4) mais duas novas versões de seus SUVs, que, aliás, são os líderes da categoria no País.

O primeiro é a exclusiva edição especial Renegade Willys, cujas 250 unidades, baseadas na versão Trailhawk, homenageiam o Willys MB de 1941, criado para lutar na Segunda Guerra Mundial. Preço: R$ 146.490.

O segundo é o Compass S, série especial baseada na versão Limited Diesel. O modelo traz agora o maior pacote de tecnologia para condução autônoma em um veículo produzido no Brasil. Entre os recursos há controle adaptativo de velocidade (ACC), aviso de colisão frontal com frenagem automática (FCW+) e monitoramento de mudança de faixa com correção ativa (Lane Sense). Preço: R$ 187.990.

Jeep em números
No mês de março, a Jeep obteve no Brasil seu melhor market share no mundo, com 24,9% de participação no mercado de SUVs. Resumindo: de cada quatro utilitários-esportivos emplacados aqui, um ostentava a inconfundível grade dianteira de sete fendas. A fatia da Jeep foi maior que a soma das marcas que ficaram nas segunda e terceira posições, que chegou a 22,5%.

O balanço dos três primeiros meses do ano também é positivo, com a Jeep representando 23,5% do universo de SUVs, enquanto as duas marcas seguintes atingiram, juntas, 23,2%. “É uma enorme satisfação conseguirmos mais esses resultados tão expressivos em relativamente pouco tempo, pois o Polo Automotivo Jeep, que mudou nossa história no país, foi inaugurado há somente quatro anos”, declara Tania Silvestri, diretora da Jeep para América Latina.

VÍDEO: NISSAN KICKS COM ESTILO E DESIGN NA MEDIDA

Vídeo-teste Nissan Kicks 2018

Quem busca um utilitário esportivo com design moderno e estilo de sobra, o Nissan Kicks pode ser uma alternativa. Quando chegou no mercado em 2016 foi comparado com veículos de categorias superiores. Tecnologia ativa de segurança na versão topo de linha, como controle de tração e estabilidade, controle dinâmico em curvas (regula o movimento da carroceria e utiliza o freio motor e os freios para reduzir o subesterço), câmera com visão 360º com sistema inteligente e o estabilizador ativo de carroceira reforçaram esse posicionamento. MinutoMotor pode rodar com a versão topo de linha, 1.6 SL Pach Tech 2018. Com preço sugerido de R$ 100.990,00, a linha 2019 acabou de chegar na rede Nissan com pouquíssimas alterações.

Quem busca um utilitário esportivo com design modernos e estilo de sobra, o Nissan Kicks pode ser uma alternativa.

A primeira impressão é que o SUV da Nissan, com linhas retas e angulares exteriormente, passa a sensação de modernidade e sofisticação. O teto com cor diferente da carroceria reforça essa percepção e praticamente ditou uma tendência vista no dia a dia das grandes cidades. As rodas com 17 polegadas, calçadas com pneus 205/55 finalizam o conjunto.

Nissan, com linhas retas e angulares exteriormente, passa a sensação de modernidade e sofisticação

Internamente, o utilitário avaliado era equipado com bancos em couro com tonalidade claro, assim como acabamentos no painel. Por não estar acostumado com essa configuração, assim como boa parte dos brasileiros, estranhamos um pouco no início, mas com o passar do tempo é agradável e passa a sensação de amplitude. O que realmente não agradou foi o excesso de plástico no interior do veículo.

Equipado com bancos em couro com tonalidade claro, assim como acabamentos no painel

Já a versão 2019 do Kicks, que chegou recentemente no mercado, adota uma nova central multimídia  Nissan Multi-App de 7” polegadas, que conta com Apple CarPlay e Android Auto para a versão topo de linha, a SL Pack Tech . A versão 2018 avaliada trazia o sistema Multiapp, com rádios AM/FM , CD e DVD player, função RDS, entrada auxiliar para MP3 Player, conector USB, conexão à internet por intermédio de wi-fi pela plataforma Android, download de aplicativos como, por exemplo, Waze e Spotify. Já as versões de entrada e intermediárias não contam com essa atualização. Uma pena.

Motor 1.6 flex de segunda geração, com 114 cv a 5.600 rpm e 15,5 kgfm a 4.000 rpm de torque

Já o motor é o conhecido 1.6 flex de segunda geração, com 114 cv a 5.600 rpm e 15,5 kgfm a 4.000 rpm de torque, combinado com um câmbio CVT que simula seis marchas, deixa o veículo com um dirigir suave, mesmo quando utilizado o discreto modo esporte. Rodando boa parte tempo em trecho urbano, o Kicks marcou média de 5,2 km/l no computador de bordo, isso quando abastecido com etanol. Com 41 litros de capacidade no tanque, a autonomia é modesta.

GOSTAMOS: Design, estilo, duas cores do exterior, ergonomia, tecnologia de segurança ativa

NÃO GOSTAMOS: Excesso de plástico interno, suspensão.

Ficha técnica

Motor:  quatro cilindros, dianteiro, transversal, 1.598 cm³ de cilindrada, 16V, comando duplo, flex


Potência: 114 cv a 5.600 rpm 


Torque: 15,5 kgfm a 4.000 rpm 


Câmbio: automático CVT, seis marchas simuladas, tração dianteiro


Direção: Elétrica


Suspensão: Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira


Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, ABS


Rodas e Pneus: liga-leve aro 17” com pneus 205/55


Comprimento: 4,29 m


Largura: 1,76 m


Altura: 1,59 m


Entre-eixos: 2,61 m


Capacidade do tanque: 41 litros

Porta-malas: 432 litros


Peso: 1.146kg 
Central multimídia: 7 polegadas sensível ao toque

Imagens do Kicks 2019

VW T-CROSS 200 TSI COMFORTLINE: NEM TANTO, NEM TÃO POUCO

VW T-CROSS 200 TSI COMFORTLINE: NEM TANTO, NEM TÃO POUCO

A Volkswagen chegou atrasada à “festa” dos utilitários esportivos compactos, segmento automotivo que não para de crescer no Brasil e no mundo desde meados da década passada. Ao longo desse período, modelos como o Ford EcoSport, o Renault Duster, o Jeep Renegade, o Honda HR-V e o Hyundai Creta tiveram seus dias de glória e renderam ótimos resultados para suas marcas. Como chegou depois da concorrência, o primeiro utilitário esportivo “made in Brazil” da Volkswagen teve tempo de desenvolver com calma a sua estratégia. Desembarca nas concessionárias em abril, em quatro configurações, com preços de R$ 84.990 a R$ 109.990. A mais cara é a versão Highline 250 TSI, que tem uma “pegada” mais esportiva e é equipada com motor 1.4 de 150 cavalos com etanol a 4.500 giros e torque de 25,5 kgfm, acoplado à transmissão automática de 6 marchas. Porém, a função de brigar pelas vendas fica mesmo é com as três versões 200 TSI, que investem mais na relação custo/benefício e são movidas pelo propulsor 1.0 com 128 cavalos de potência com etanol a 5.500 rotações por minuto e torque de 20,4 kgfm na faixa de 2 mil a 3.500 rpm, associado ao câmbio manual ou à transmissão automática com 6 marchas e “paddles shifts” no volante para trocas sequenciais. Dessas três versões 200 TSI, a Comfortline é mais bem equipada. Seu preço deixa clara a passagem pelo departamento de marketing da marca. Custa R$ 99.990, estratégicos R$ 10 abaixo dos R$ 100 mil. Um valor que muitos consumidores do segmento se impõem como “teto” para gastar na compra de um novo carro.

O T-Cross é montado sobre a plataforma modular MQB, a mesma do hatch Polo e do sedã Virtus. Mede 4,20 metros de comprimento e 1,57 metro de altura. A distância entre os eixos é de 2,65 metros – o mesmo entre-eixos do Virtus. O design é indisfarçavelmente Volkswagen. A identidade com outros modelos da marca é total. A dianteira é alta, com uma grade ampla e faróis de leds integrados. Todas as versões são equipadas com luz de condução diurna (DRL) em leds, integrada ao farol de neblina. A lateral é atravessada por um friso largo em baixo relevo, abaixo das maçanetas das portas, que vai do final do para-lama dianteiro até as lanternas. Na traseira, as lanternas são unidas por uma “ponte” de refletores estendida transversalmente, emoldurada por um painel preto.

Todos os T-Cross vêm com controle de estabilidade (ESC), seis airbags, freios a disco nas quatro rodas com ABS, bloqueio eletrônico do diferencial, direção elétrica e ajuste de altura e distância para o volante, assistente para partida em rampas (Hill Hold), sensores traseiros de estacionamento, sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, faróis com função Coming & Leaving, de neblina com função cornering, luzes de condução diurna e lanternas em led, banco dianteiro do passageiro com encosto rebatível, suporte para smartphone com entrada USB, travas e vidros elétricos e volante multifuncional.

A versão automática acrescenta controle de velocidade, apoio de braço central com porta-objetos, volante multifuncional revestido de couro, duas entradas USB para o banco de trás, saída traseira de ar-condicionado, sistema de som Composition Touch com tela colorida sensível ao toque de 6,5 polegadas e App-Connect. E a Comfortline adiciona ar-condicionado digital, banco do motorista com ajuste lombar, câmera de ré, indicador de pressão dos pneus, manopla da alavanca de câmbio revestida de couro, porta-luvas refrigerado, sistema save de variação do espaço do porta-malas, rodas de liga leve de 17”, sensores de estacionamento e sistema de frenagem automática pós-colisão. Detalhes cromados na grade dianteira pintada em preto brilhante, colunas centrais na cor preto brilhante e para-choque traseiro com apliques cromados na região inferior diferenciam a versão.

Para o T-Cross Comfortline, há quatro pacotes opcionais. O Exclusive & Interactive, que custa R$ 3.950, inclui sistema de infoentretenimento Discover Media com navegador via satélite, tela de 8 polegadas, comando por voz e entrada USB no console central, iluminação ambiente em leds, seletor do modo de condução, sistema Kessy de abertura das portas sem chave e partida do motor por botão; retrovisores externos com rebatimento elétrico e tapetes adicionais de carpete. O pacote Sky View II, de R$ 4.800, traz o teto solar panorâmico, retrovisor interno eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular. O pacote Design View, que sai por R$ 1.950, agrega bancos de couro com detalhes na cor marron e apliques decorativos no painel com detalhes na cor bronze namíbia. O quarto pacote, o Premium, sai por R$ 6.050 e incorpora o sistema Park Assist 3.0, faróis full-led com luz de condução diurna em leds e sistema de som Beats com subwoofer. São oito as opções de cores para a carroceria: branco puro, preto ninja, prata sargas, cinza platinum, vermelho crimson, azul norway e as novas laranja energetic – a do modelo testado – e bronze namibia.

Lugar familiar
Quem entra pela primeira vez no T-Cross 200 TSI Comfortline se impressiona com o espaço. É bastante generoso para um SUV compacto – o entre-eixos de 2,65 metros resulta em bastante área livre para quem viaja no banco traseiro. Tanto na frente quanto atrás, a percepção de espaço é similar aos sedãs médios. O Virtus traz de série itens como cintos de três pontos e apoios de cabeça para todos os assentos, seis airbags e sistemas de ancoragem de assentos infantis. Tudo isso ajudou o mais novo Volkswagen a alcançar cinco estrelas no Latin NCAP, que afere a segurança automotiva na América Latina. Em termos de design interno e acabamento, a sensação de “dejá vù” é inevitável. O motorista tem a impressão de que já esteve naquele carro antes. Há bastante plástico rígido e tecido e muitos detalhes parecidos com os de outros modelos da Volkswagen. Comandos de faróis, ar-condicionado e retrovisores elétricos, assim como o suporte para celular, são todos “herdados” do Gol. Já o volante é similar ao do Polo e do Virtus.

O porta-celular permite pendurar o smartphone no alto do painel para que o motorista possa utilizar dispositivos como o Waze – há inclusive uma entrada USB adicional. O aparato é de série, mas pode ser removido por quem achar que sua presença compromete a estética interna do veículo. O descanso de braço central é ajustável longitudinalmente em 10 centímetros e é o mesmo do Virtus. Sob ele, há um compartimento para guardar objetos. Na versão Comfortline, o sistema de entretenimento é intuitivo e conta com entradas USB, para SD-card e conexão Bluetooth. O sistema integra a imagem da câmera traseira de auxílio ao estacionamento. Também são de série ar-condicionado, direção elétrica, travas e vidros elétricos, alarme, controle de estabilidade e tração, controle de descida, bloqueio eletrônico do diferencial, volante multifuncional com ajustes de altura e profundidade, sensor de estacionamento e espelhos elétricos. O porta-malas tem volume variável de 373 a 420 litros, de acordo com o posicionamento do banco traseiro.

Primeiras impressões
O T-Cross 200 TSI Comfortline é um automóvel fácil de gostar. O SUV compacto se destaca por seu bom comportamento dinâmico e entrega bastante prazer ao dirigir. O motor 200 TSI Total Flex desenvolve potência de até 128 cavalos a 5.500 rpm, com etanol – com gasolina, são 116 cavalos, à mesma rotação. O torque máximo é de 20,4 kgfm (ou 200 Nm, o que justifica a denominação do motor), com gasolina ou etanol, sempre na faixa de 2 mil a 3.500 rpm. São números mais que suficientes para mover com desenvoltura os 1.252 quilos do SUV. Na versão Comfortline, esse motor é combinado a um câmbio automático de 6 marchas com função Tiptronic, que além de uma manopla ergonômica conta com as aletas no volante para troca de marcha. Faz de zero a 100 km/h em 10,4 segundos e atinge 184 km/h de velocidade máxima. Nada extremamente esportivo, mas um conjunto bastante satisfatório. Revestidos em tecido, os bancos dianteiros acomodam bem o corpo e não cansam, mesmo em trajetos longos.

No T-Cross 200 TSI Comfortline, arrancadas e retomadas são bem espertas e a elasticidade do conjunto permite até encarar rampas sem precisar recorrer à primeira marcha. O câmbio automático tem um sutil “delay” de reação, principalmente quando os giros caem demais. Nada que chegue a causar incômodo. O nível de rigidez da carroceria e a inclinação nas curvas é bem decente para um utilitário esportivo. A assistência elétrica oferece respostas bem diretas. Os freios, a disco nas quatro rodas, dão conta do recado com eficiência. Sistemas como os controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas e bloqueio eletrônico de diferencial ajudam a tornar a vida do motorista mais tranquila, assim como a câmera de ré e os sensores dianteiros de estacionamento. Já o isolamento acústico poderia ser melhor. O ruído do motor domina o habitáculo quando se pisa forte no acelerador.

Texto e Fotos Luiz Humberto Monteiro Pereira / Agência AutoMotrix

Ficha técnica
Volkswagen T-Cross 200 TSI Comfortline

Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros, 12 válvulas, 999 cm3, turbocompressor. Injeção eletrônica de combustível.
Tração: dianteira
Potência máxima: 115/128 cavalos a 5.500 rpm (G/E)
Torque máximo: 20,4 kgfm de 2 mil a 3.500 rpm (G/E).
Diâmetro e curso: 74,5 x 76,4 mm
Taxa de compressão: 10,5:1
Câmbio: automático Tiptronic de 6 marchas
Direção: elétrica
Suspensão: dianteira com McPherson e traseira com eixo de torção
Freios: disco ventilado (dianteira) e sólido (traseira)
Pneus: 205/55 R17
Direção: elétrica
Dimensões: 4,20 metros de comprimento, 1,75 metro de largura (estimada), 1,72 metro de altura, 2,65 metros de distância entre os eixos
Preço: R$ 99.990.

TEST-DRIVE: SW4 SRV – BOM PARA FAMÍLIA, PÉSSIMO PARA O BOLSO

Com visual moderno, boa lista de equipamentos e motorização robusta, porém beberrona -, a Toyota SW4 2019 se posiciona como um dos utilitários esportivos mais vendidos no mercado nacional. O modelo está disponível em quatro versões de acabamento: SR, SRV, SRX e SRX Diamond. As duas primeiras são equipadas com um motor 2.7 litros flex, enquanto as outras duas com o propulsor 2.8 litros turbo diesel. Os preços partem de R$ 169.190, podendo alcançar salgados R$ 267.690 em sua configuração mais completa. Confira a avaliação feita pelo MinutoMotor.

A SW4 tem 4,79 m de comprimento, daí você pode imaginar que o entre-eixo tem 2,74m isso proporciona muito espaço para os passageiros da segunda fileira. Infelizmente não acontece na terceira fileira, além de ter pouco espaço, como o banco da segunda fileira não corre sobre trilhos, dificulta bem o acesso para as fileiras de trás. O espaço para as pernas dos passageiros é bem estreito para adultos, cabendo confortavelmente somente duas crianças. Apesar da robustez, o utilitário esportivo da Toyota chama a atenção pelas linhas exclusivas, com destaque para a dianteira agressiva, que ganhou a adoção do faróis que tem desenho fluído e projetor de LED para facho alto e baixo na versão topo de linha.

Na traseira, as lanternas também são usam LED. Para facilitar o acesso dos usuários à cabine, o conta com estribo. Já os retrovisores são rebatidos eletricamente. O modelo tem 1,85 de largura e 1,83 de altura.

Internamente o SUV da Toyota tem defletor de ar no teto para os passageiros dos bancos traseiros. Além disso, os ocupantes têm o controle independente das saídas de ar e temperatura. No habitáculo, há uma mescla de tonalidades e materiais no acabamento. Tem couro em tons – marrom e preto-, detalhes imitando madeira e em preto brilhante, maçanetas cromadas e apliques em cor prata.

A central multimídia da Toyota não é muito intuitiva, embora tenha DVD e TV Digital, que funciona somente com o carro parado; além de câmera de ré e navegador.

Em termos de conforto, o SW4 vem bem recheado: acendimento automático dos faróis, ar-condicionado dual zona, banco traseiro bipartido, rebatível, reclinável e com descansa-braços, chave tipo canivete, volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade, compartimento refrigerado no painel, controle de cruzeiro, faróis com follow me home, modos de condução Eco e Power, vidros, travas e retrovisores elétricos.

Falando de segurança, o SUV da Toyota tem airbag duplo frontal para motorista, laterais para os passageiro e de cortina e airbag para os joelhos.

Para total controle do carro nas estradas e ruas, o SW4 tem controles de estabilidade e tração, assistente de subida, assistente de reboque, luz auxiliar de freio em LED, luz de condução diurna, luz de frenagem emergencial, freios ABS com EBD e BAS, sensor de estacionamento traseiro e Isofix. Já o porta-malas tem um bom espaço – 500 litros- , mesmo com a terceira fileira de bancos levantadas, ainda sobra espaço para colocar pequenas malas e mochilas.

O Toyota SW4 SRV uso o propulsor Dual VVT-i Flex 2.7 com 163 cv de potência a 5.000 rpm, quando abastecidos com etanol, e 159 cv, também a 5.000 rpm, com gasolina. Com 1.880 kg, a Toyota SW4 SRV 2.7 Flex, mesmo com transmissão automática de seis velocidades, não pode ir muito longe, pois peca no quesito economia.

No sistema de transmissão há uma opção de mudanças manuais na alavanca e atrás do volante (shift padle), mas o motor fraco exige muito giro alto e paciência. Nesta avaliação conseguimos apenas 4,9 km/litro no etanol e 7,1 km/litro na gasolina, em circuito urbano. Na estrada, ela faz 5,9 km/litro no etanol e 8 km/litro na gasolina.

Em curvas bem fechadas e a traseira começa a sair facilmente. A estabilidade é condizente com a proposta. Ou seja, não dá para brincar em serviço. Os pneus cantam imediatamente e na pior das hipóteses com segurança, os controles de tração e estabilidade entram em ação.

Toyota SW4

Ficha técnica

Motor: quatro cilindros, dianteiro, longitudinal 2.646 cm³ de cilindrada, 16V, flex

Potência: 158/163 cv a 5.000 rpm (G/E)

Torque: 25,0 kgfm a 4.000 rpm

Câmbio: automático com modo manual de seis marchas

Direção: Hidráulica

Suspensão: Independente McPherson na dianteira com barra estabilizadora e 4-link e molas helicoidal na traseira

Freios: Discos ventilados na dianteira e na traseira com ABS e EBD (distribuição de força e frenagem)

Rodas e Pneus: liga-leve aro 17” com pneus 265/65 R 17

Comprimento: 4,79 m

Largura: 1,85 m

Altura: 1,83 m

Entre-eixos: 2,74 m

Capacidade do tanque: 80 litros

Peso: 1.880 kg (Em ordem de marcha)

TESTE-DRIVE: HONDA HR-V LX CONTINUA NA EVOLUÇÃO

TESTE-DRIVE: HONDA HR-V LX CONTINUA NA EVOLUÇÃO

Sucesso de vendas da Honda desde 2015, quando foi lançado, o HR-V 2019 chega ao mercado reestilizado, com destaque para a grade dianteira cromada e novos faróis projetores com luzes diurnas em LED para todas as versões. Já na traseira, o utilitário esportivo conta com lanternas em LED com detalhes escurecidos e novas rodas aro 17 polegadas, calçados com pneus 215/55. MinutoMotor avaliou a versão de entrada, a LX, que tem preço sugerido de R$ 92.500,00.

Por fora, as mudanças foram mais pontuais e garantem ao HR-V a atualização necessária para acompanhar os demais mercados da Honda. Mas o que realmente mudou foi a suspensão do SUV, retrabalhada para absorver melhor as imperfeições e atender a uma das principais reclamações dos consumidores, o barulho incomodo de uma batida seca na traseira que acontecia no modelo anterior.

Outras mudanças que serão sentidas no dia a dia é a nova programação do câmbio CVT (nas versões EX e EXL simulam sete marchas), que melhorou as respostas em aceleração e diminuí a necessidade do aumento da rotação em determinadas situações, e isolamento acústico aprimorado, que varia de acordo com a versão.

O motor continua o 1.8 litro com 140 cv e 17,3 kgmf quando abastecido com gasolina. Numa viagem de ida e volta com quatro pessoas de São Paulo até Amparo, com trechos de serra, o HR-V teve como média 12 km/l de acordo com o computador de bordo. Os quatro ocupantes puderam viajar confortavelmente e o que chama a atenção é a conhecida versatilidade do interior modular dos bancos traseiros, chamado pela marca de “Magic Seat”. Já os bancos dianteiros são novos, com melhor apoio ao corpo, e o console central tem acabamento em black piano, que garante um ar de sofisticação.

Dentre os itens de série, estão ar-condicionado, direção elétrica, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa (HSA) e luzes de frenagem de emergência (ESS), freio de estacionamento com assistente de partida em rampas, controle de cruzeiro e faróis de neblina, vidros elétricos com toque para subida/descida e destravamento do porta-malas pela chave. O que deixa a desejar numa versão desse valor são: a falta de multimídia de 5 polegadas sensível ao toque com Android Auto ou Apple CarPlay, câmera de ré e sensores de estacionamento e também bancos em couro.

+ GOSTAMOS: Design, conforto, acabamento interno, nova suspensão e programação do câmbio

– NÃO GOSTAMOS: Falta de: câmera de ré, sensor de estacionamento, espelhamento do celular e banco em couro

 

 

Ficha técnica
Motor: quatro cilindros, dianteiro, transversal, 1.799 cm³ de cilindrada, 16V, flex

Potência: 140/139 cv a 6.500/6.300 rpm (G/E)

Torque: 17,3/17,4 kgfm a 4.800/5.000 rpm (G/E)

Câmbio: automático CVT

Direção: Elétrica

Suspensão: Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, ABS

Rodas e Pneus: liga-leve aro 17” com pneus 215/55

Comprimento: 4,32 m

Largura: 1,77 m

Altura: 1,58 m

Entre-eixos: 2,61 m

Capacidade do tanque: 51 litros

Peso: 1.271 kg

Central multimídia: 5 polegadas

TEST-DRIVE: MAIS MODERNO, O AUDI Q5 ESTÁ COM FÔLEGO DE SOBRA

Com preços a partir de R$ 249.990, a segunda geração do Audi Q5 chega mais leve, mais econômica e com um sistema de tração 4×4 mais eficiente. Em todas as versões, o SUV Premium da marca alemã é equipado com um motor 2.0 TFSI a gasolina de 252 cv de potência, 37,7 kgf.m de torque, câmbio de dupla embreagem de sete velocidades e famosa tração integral QUATTRO. E com os seus 1.720 quilos, uma redução de aproximadamente 50kg em relação a primeira geração, o utilitário é capaz de fazer 0 a 100 km/h em 6,3 segundos, com velocidade máxima de 237 km/h, isso de acordo com a fabricante. MinutoMotor pode avaliar o modelo topo de linha, a Ambition, que custa R$ 297.990.

A primeira impressão é que ele parece o seu irmão maior, o Audi Q7, com linhas mais modernas e visual mais invocado, graças aos detalhes em preto. Com 4,66 metros de comprimento e 2,82 metros de distância entre-eixos, a segunda geração do SUV de luxo cresceu em todos os aspectos, além de passar por um leve “regime”, graças a uma mistura de aços de alta resistência e alumínio na carroceria.

Numa viagem de ida e volta para o sul de Minas Gerais, com quatro ocupantes, o que mais impressionou foram as respostas do silencioso motor 2.0 TFSI, ainda melhores quando o propulsor ultrapassa os 1.500 rpm. Já a suspensão, que surpreende ao absorver com muito conforto as irregularidades do asfalto, também faz parte das novidades da nova geração graças ao sistema ULTRA, capaz de desacoplar o eixo traseiro quando não é necessário, resultando em economia de combustível.

Com cinco modos de condução, comfort, efficiency, dynamics, off-road (que minimiza a força do motor no início) e individual, optamos por utilizar a maior parte da viagem na effiency, garantindo mais economia no consumo de combustível. Agora, quem optar por dirigir na dynamics, tenha certeza que a surpresa fica por conta das respostas mais rápidas do acelerador e o giro do motor subindo mais rápido. Para fazer as trocas de marchas, é possível realiza-las tanto pela manopla ou das aletas atrás do volante.

Dentro do Audi Q5, a tela multimídia de 8,3 polegadas é bonita e chama a atenção, mas deixa a desejar por não ser sensível ao toque, sendo necessário usar o seletor ou os comandos no painel central. Outra forma de utilizar a central é por meio de uma área localizada no console, que pode ser facilmente confundida com um mousepad, mas que também é pouco prática no dia a dia. Já o ar-condicionado também possui a sua. Com nove botões, consegue controlar até o clima do banco de trás. Agora, o painel de instrumentos 100% digital, com dois tipos de layouts, sendo um clássico (velocímetro e conta-giros grandes) e outra com mapa de navegação maior, chama a atenção.

De série, a versão Ambition do Audi Q5 é equipado com trio elétrico, direção elétrica, ar-condicionado automático de três zonas, bancos de couro sintéticos, bancos dianteiros elétricos com ajusto de lombar e memória do banco do motorista, painel de instrumentos 100% digital, controle de velocidade de cruzeiro, sensor de luz e chuva, retrovisor fotocromático, sistema start-stop, volante multifuncional de três raios, teto solar panorâmico, porta-malas com abertura e fechamento elétrico, airbag lateral dianteiro e de cabeça, alarme, faróis 100% LED, lanternas traseiras em LED com indicação dinâmica, assistente de farol alto, faróis com ajuste automático de altura, Auto Hold, sistema limpador de faróis, Parking Assist, câmera de ré, chave presencial e o Audi Sound System com tela de 8,3 polegadas.

Texto e Fotos: Fernando Eduardo, especial para o MinutoMotor

AUDI Q5

Ficha técnica
Motor: Turbo, quatro cilindros em linha, longitudinal, gasolina, 1.984 cm³ de cilindrada, comando duplo, injeção direta FSI
Potência: 252 cv a 6.000 rpm
Torque: 37,7 kgfm a 4.500 rpm
Câmbio: Dupla embreagem de 7 marchas e tração integral
Direção: Elétrica
Suspensão: Integral multilink
Freios: Discos ventilados na dianteira e traseira
Pneus: 255/45 R 20
Comprimento: 4,66 m
Largura: 1,89 m
Altura: 1,66 m
Entre-eixos: 2,82 m
Capacidade do tanque: 70 litros
Peso: 1.720 kg
Porta-malas: 550 litros
Central multimídia: 8,3 polegadas, não sensível ao toque

  

TESTE-DRIVE: JEEP COMPASS LONGITUDE, O QUERIDINHO DO MERCADO

Com preços a partir de R$ 111.990, o Jeep Compass pode ser considerado um sucesso de vendas. Primeiro por ser o SUV mais emplacado no acumulado até novembro, com 55.522 unidades de acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Segundo, por estar entre os dez veículos mais emplacados de todo o Brasil. Minuto Motor pode avaliar a edição limitada Night Eagle, baseada na versão Longitude, para conhecer os atributos do utilitário que conquistou o mercado. Infelizmente, já não é mais possível encontrar a Night Eagle nas concessionárias. Uma pena!

Equipado com motor quatro cilindros, 2.0 Tigershark Flex, o propulsor é capaz de desenvolver 166 cv e 20,5 kgfm a 4.000 rpm quando abastecido com etanol e 159 cv e 19,9 kgfm a 4.000 rpm com gasolina, levando o Jeep Compass de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos e com velocidade máxima de 192 km/h, sempre com câmbio automático de 6 velocidades, com opção de trocais manuais graças as aletas atrás do volante. Além da versão flex 4×2, também é possível encontrar nas concessionárias o modelo equipado com o motor turbodiesel 2.0 Multijet II 4×4, com nove marchas, 170 cv a 3.750 rpm e 35,7 kgfm a 1.750 rpm (Longitude, Limited e Trailhawk).

Com visual que agrada boa parte dos consumidores, sempre com linhas bem resolvidas, sobretudo pela grade dianteira com as tradicionais sete fendas verticais, o Jeep Compass Longitude 2019 conta com rodas de 18 polegadas, retrovisores laterais com rebatimento elétrico e tela de 7” no painel de instrumentos.
Ainda nos itens de série, o utilitário esportivo conta com controle de estabilidade, que inclui sistemas eletrônicos anticapotamento, ar-condicionado digital bizona, bancos revestidos em couro e central multimídia com tela de 8,4 polegadas compatível com Apple CarPlay e Android Auto, além de assistente de partida em rampa e monitoramento de pressão dos pneus.

O Compass conta também com coluna de direção com regulagem de altura e de distância, regulagem manual da altura do banco, câmera de ré com ótima visualização na tela multimídia, volante com comandos de telefonia, som e controle de velocidade, garantindo boa ergonomia para os ocupantes e motorista, deixando a dirigibilidade mais agradável.

Numa viagem entre São Paulo e Pouso Alegre (MG), com direito a conhecer o Laboratório Nacional de Astrofísica, localizado em Itajubá, também no estado mineiro, o Compass mostrou-se confortável e com comportamento exemplar para quatro ocupantes e malas. Durante o trajeto, de aproximadamente três horas, foi possível conhecer um pouco mais dos atributos do utilitário, suas tecnologias e sistemas eletrônicos. Pena que o motor 2.0 TigerShark Flex poderia ser um pouco mais forte.

Texto e Fotos: Fernando Eduardo, especial para o MinutoMotor

 Ficha técnica – Jeep Compass 2.0 flex Longitude 4×2

Motor – de quatro cilindros linha, flex, 1.995 cm³ de cilindrada, com potências de 166 cv (etanol) a 6.000 rpm e 159 cv (gasolina) a 6.000 rpm e torques máximos de 20,5 kgfm (etanol) a 4.000 rpm e 19,9 kgfm (gasolina) a 4.000 rpm
Transmissão – tração dianteira e câmbio automático de seis marchas
Direção – tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica
Freios – disco ventilado na dianteira, e sólido na traseira
Suspensão – dianteira, McPherson, com barra estabilizadora; traseira, McPherson com braços laterais/transversais e barra estabilizadora
Capacidades –Tanque de combustível, 60 litros; carga útil (passageiros + bagagem), 400 kg; porta-malas, 410 litros
Rodas/pneus – 7×18”de liga de alumínio/225/55R18
Peso – 1.546 kg
Dimensões (metro) – comprimento, 4,41; largura, 1,81; altura, 1,63; distância entre-eixos, 2,64
Desempenho – velocidades máximas, 192 km/h (etanol) e 188 km/h (gasolina); aceleração até 100 km/h, 10,6 (etanol) e 10,9 (gasolina)
Consumo (km/l) – urbano, 6,1 (etanol) e 8,8 (g); estrada, 7,5 (etanol) e 10,8 (g)
Dimensões – Compr.: 4,41 m / Largura: 1,81 m / Altura: 1,63 m / Entre-eixos: 2,63 m

SALÃO DO AUTOMÓVEL: BALANÇO E HARD NEWS

O melhor salão da história

A aposta dos organizadores do Salão do Automóvel em enfatizar a experiência para os visitantes da 30a edição deu certo. Uma prova disso foi o número aproximado de 742 mil pessoas que visitaram o São Paulo Expo desde o último dia 8. O evento apresentou marcas grandiosas como os 66 modelos lançados, 45 mil test drives, mais de 1.200 atividades interativas, mais de 540 veículos em exposição e aproximadamente 100 eventos paralelos, com destaque para a inédita Arena New Mobility. As montadoras aproveitaram o evento para apresentar seus modelos elétricos e lançamentos, como foram os casos do Audi e-Tron, Chevrolet Bolt, Nissan Leaf e Renault Zoe.

O tema Mobilidade foi amplamente debatido na Arena New Mobility, que recebeu mais de 130 palestrantes, entre eles jornalistas, representantes de empresas, start-ups e referências do setor, que abordaram diversos temas referentes ao futuro da mobilidade urbana. O projeto foi decisivo para o retorno da Bosch ao Salão do Automóvel depois de 24 anos e apresentou o espaço ao lado de patrocinadores como CBMM, Discovery, Goodyear e Smarters.
Ao entrar no pavilhão do São Paulo Expo, o público viu de perto as principais novidades de Audi, BMW, CAOA Chery, Chevrolet, Chrysler, Dodge, Ferrari, Fiat, Ford, Honda, Hyundai, Jeep, KIA, Lamborghini, Lexus, Lifan, Maserati, Mercedes-Benz, Mini, Mitsubishi, Nissan, Porsche, Renault, Rolls Royce, Subaru, Suzuki, Toyota, Troller e Volkswagen. Além das montadoras, o total de expositores foi 25% maior em relação à edição de 2016.

Juntas, as montadoras apresentaram 66 novos modelos para o público, comprovando a importância do Salão do Automóvel para o setor no País. Os modelos elétricos e híbridos, tendências mundiais, foram amplamente explorados pelas montadoras. As empresas também aproveitaram a ocasião para reforçar a importância desse portfólio, destacando também os modelos autônomos. O que se viu foi uma verdadeira exposição de supermáquinas mas também de modelos que cabem no bolso do brasileiro.

Gringo no pedaço

A paixão do brasileiro por carros icônicos coloca o novo Chevrolet Camaro como uma das principais atrações do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo. É a primeira aparição do modelo fora dos Estados Unidos. O superesportivo é apresentado no Brasil na versão SS cupê e conversível com aperfeiçoamentos na performance do motor 6.2 V8 de 461 cavalos, associado à nova transmissão automática sequencial de 10 velocidades com função “launch control”, para arrancadas bruscas com a máxima eficiência. O novo Camaro se diferencia também pelo design mais imponente e esportivo. A nova geração do “muscle car” deve chegar ao mercado brasileiro no início de 2019.

Pelas costas

O Ford EcoSport passou recentemente por uma profunda renovação de conteúdo, com a introdução do motor 1.5 Ti-VCT de três cilindros, da nova transmissão automática e da central multimídia Sync 3. A marca norte-americana revela agora o próximo passo para completar a transformação de seu SUV compacto: o lançamento de uma versão sem o estepe afixado na tampa do porta-malas. O futuro modelo de produção, que será a versão Titanium do EcoSport, é uma das atrações da Ford no Salão de São Paulo. O modelo projetado e desenvolvido no Brasil será o primeiro da categoria a adotar o “Run Flat Tire”, um pneu que roda até 80 quilômetros com pressão zero.

Balão de ensaio

A Kia Motors destaca em seu estande no Salão de São Paulo o SUV compacto Stonic, desenvolvido sobre a plataforma do hatch Rio. Apesar de estar exposto na mostra paulistana, o Stonic foi projetado para o mercado europeu e não deve ser lançado no Brasil. A intenção da marca sul-coreana é testar as reações do público sobre o carro pois está projetando um modelo similar para o nosso país. Embora a Kia guarde os detalhes sobre o futuro utilitário esportivo a sete chaves, comenta-se que poderá utilizar a plataforma do Cerato, com porte um pouco maior em relação ao Stonic e mais espaço interno.

SUV e cupê

O novo Audi Q8 é uma das estrelas da marca alemã no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo. O modelo tem a proposta de combinar a elegância de um cupê de quatro portas de luxo à versatilidade de um SUV de grande porte. Interior com dimensões generosas e compartimento de bagagens variável, sistema operacional de última geração, suspensão tecnológica, sistemas de assistência inteligentes e tração integral permanente quattro caracterizam a personalidade do Q8. Para o nosso mercado, o novo Q8 será equipado com motor 3.0 TFSI (turbo) com 340 cavalos de potência, associado à transmissão tiptronic de 8 velocidades.

Novo A

A Mercedes-Benz promete muita modernidade em termos de interface com o usuário na quarta geração do Classe A. O modelo chega ao Brasil nas configurações hatch e sedã e conta com motor 2.0 turbo de quatro cilindros com 224 cavalos de potência. Previsto para chegar ao mercado em 2019, o novo Classe A está sendo exposto no Salão de São Paulo. É o primeiro modelo da marca alemã a contar com o sistema de multimídia MBUX. A plataforma tem um “cockpit” de duas telas integradas com reconhecimento de voz, acessível por meio das palavras-chave “olá”, “oi ou “e aí?”, seguidas por “Mercedes”.

Game não virtual

A Hyundai mostra pela primeira vez fora da Europa e dos Estados Unidos o conceito N 2025 Vision Gran Turismo, modelo que antecipa o futuro dos veículos de alto desempenho da fabricante sul-coreana. O carro está exposto no Salão do Automóvel de São Paulo e servirá também como “padrinho” da HB20 Motorsports, categoria que está sendo lançada no evento paulistano, com estreia em 2019. Criado a partir da série de jogos Gran Turismo Sport do PlayStation, o N 2025 se inspira na aeronáutica e nos testes feitos no “Rogers Dry Lake”, no qual pilotos e astronautas treinavam para viagens ao espaço, como no filme Os Eleitos.

Losango com caçamba

Ainda sem data para estrear como veículo de produção, a picape média Alaskan está sendo mostrada pela Renault no Salão de São Paulo como conceito. O novo modelo da fabricante francesa será construído na Argentina, ao lado das “irmãs de plataforma”, a Nissan Frontier e a Mercedes Classe X, prevista para chegar ao mercado no próximo ano. O “protótipo” da Alaskan mostrada em São Paulo é equipada com o mesmo motor 2.3 diesel biturbo de 190 cavalos e o câmbio automático de 7 velocidades da Frontier, vendida há mais de duas décadas.

Dragão SUV

A Lifan Motors se apresenta no Salão de São Paulo com uma linha completamente renovada de veículos, incluindo três SUVs e uma minivan. Os seis anos de atuação no mercado brasileiro e os quatro modelos exibidos na mostra paulistana atestam o novo patamar de qualidade alcançado pela fabricante chinesa. A principal atração da marca asiática em São Paulo é o X70, modelo que terá a missão de disputar espaço no competitivo segmento dos SUVs. O utilitário esportivo da Lifan tem motor 2.0 de quatro cilindros que desenvolve 140 cavalos e 18,9 kgfm de torque.

Presença brasileira

Fabricante nascida em São José dos Campos/SP, a D2D Motors confirma no Salão de São Paulo a construção de sua planta na cidade de Linhares, no Espírito Santo, com investimento de R$ 30 milhões na primeira fase do projeto. Na mostra paulista, a marca brasileira destaca o mini carro Sky, exposto como protótipo na edição de 2016 do Salão de São Paulo. O Sky utiliza motor fornecido pela Chery. “O carro tem muitos diferenciais para o segmento. O projeto se concentra no design e na qualidade de acabamento”, afirma Eduardo Eberhardt, idealizador e presidente da D2D Motors.

Na pista

Já vem de longe na história dos grandes salões automotivos: se a Ferrari está presente na mostra, ela é a grande estrela. No Salão de São Paulo, não é diferente. Desta vez, a “prima donna” é a 488 Pista. A máquina da Casa de Maranello tem motor 4.0 V8 com 720 cavalos de potência, que faz o “bólido” vermelho acelerar de zero a 100 km/h em apenas 2,8 segundos e chegar aos 340 km/h, números similares aos de outra grande atração da mostra, o McLaren Senna. Mas, não tem jeito. Não há visitante do evento que não pare em frente à Ferrari 488 e não “babe” um pouco.

 

Texto: Daniel Dias  /  Fotos: Humberto Monteiro Pereira / Agência AutoMotrix e Divulgação