Dia do Motociclistas: já somos um ‘exército’ de 34 milhões de brasileiros

Foto: Mario Villaescusa

Com uma frota nacional de quase 30 milhões de motos e produção anual de cerca de um milhão de unidades – número que faz do Brasil o 7º maior produtor mundial, já fomos o quinto – o número de pessoas habilitadas para este tipo de veículo – categoria A – cresceu 17,5% nos últimos cinco anos. Hoje somos mais de 34 milhões de cidadãos motociclistas -. Só para comparar, em 2016, havia 28.854.518 em todo o País – número muito próximo da população da Arábia Saudita. Para comemorar o Dia do Motociclista, 27 de julho, veja dados deste ‘exército’ de brasileiros. Isso sem computar os garupa e passageiros (mototaxi).

Divulgação

De acordo com dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), analisados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, a moto é usada para mobilidade/locomoção (91%), lazer (66%) e trabalho (15%). Devido a pandemia, muitas pessoas passaram a utilizar o veículo de duas rodas para evitar o transporte público e suas aglomerações e, é claro, gerar renda com as entregas express. Além disso, a moto oferece economia de tempo e de dinheiro.

Foto: Caio Mattos

Entre os habilitados para pilotar motocicletas no Brasil, os homens são maioria com 69%, segundo dados da Abraciclo. No entanto, o número de mulheres ao guidão vem crescendo ao longo dos anos: em 2011, elas representavam 25% das habilitações e hoje representam 31%. A maior faixa etária, tanto para os homens como para as mulheres, está entre 31 e 40 anos. Eles são 30,9%; enquanto elas, 38%. Quanto ao nível de escolaridade, 64% dos motociclistas possuem o ensino médio completo, 21% concluíram o curso superior e 12% têm o fundamental completo.

DUAS MULHERES, DUAS HARLEY E UM SONHO
Foto: Johanes Duarte

A região Sudeste concentra o maior volume de motociclistas, com 42,2% dos habilitados. Na sequência estão o Sul (20,3%), Nordeste (18,7%), Centro Oeste (11,1%) e Norte (7,8%). Já na análise das categorias de motociclistas, as motonetas é a categoria preferida pelas mulheres (67%). O uso das scooters é maior entre os homens (72%).

Divulgação

No acumulado do ano até junho, o ranking dos fabricantes é formado por Honda, com 389.095 unidades vendidas e que corresponde a 75,21% do market share; seguido da Yamaha (95.567 motos emplacadas e 18,47% do mercado). BMW (5.469 – 1,06%), Shineray (5.315 – 1,03%) e Kawasaki (4.236 – 0,82) completam o ‘top five’ das marcas mais comercializadas no Brasil. Mas ainda há espeça para outras montadoras e modelos. Detalhe: o veículo mais vendido do País é a Honda CG, modelo que tem 45 anos de história.