Mercado de duas rodas fecha 2021 com 1.157.369 unidades emplacadas em todo o país

O mercado de duas rodas viveu um 2021 bastante antagônico. De um lado pandemia, falta de insumos e paralisação na produção. De outro aumentos das entregas via delivery, busca por uma alternativa ao transporte público e, consequentemente, uma solução de mobilidade urbana individual para fugir da Covid, além do alto preço dos combustíveis. No “frigir dos ovos”, o segmento moto teve um bom resultado: crescimento de 13,74% nas vendas de dezembro em relação a novembro (112.403 unidades) e um incremento de 26,42% em relação à 2020. Ou seja, ano passado as marcas estabelecidas no Brasil emplacaram exatas 1.157.369 unidades. Apesar do bom resultado, o segmento está no mesmo patamar de uma década atrás.

Na análise de José Maurício Andreta Júnior, recém-eleito presidente da Fenabrave – entidade que reúne as associações de marca –, a comercialização de motos zero km continua aquecida e as montadoras têm conseguido reduzir o tempo de entrega que, hoje, está na média de 30 dias. “Em meados do ano passado, os compradores aguardavam até 120 dias para receber suas motocicletas”, lembra Andreta Jr., afirmando que apesar da redução da espera, o crédito apresentou piora no índice de aprovações, em dezembro, quando apenas 35% das propostas de financiamentos foram concedidas, contra 48% em novembro. Para 2022, a projeção de vendas para o setor de duas rodas deve bater a casa dos 6% de crescimento.

No ranking das montadoras, a Honda segue na liderança absoluta com 76,25% de market share, que representa 882.483 motos emplacadas em 2021; seguida pela Yamaha que vendeu 201.666 unidades que representa 17,42% de participação no mercado. Os três modelos mais vendidos ano passado são Honda: CG 160 (315.141), Biz 110/125 (159.538) e NXR 160 Bros (128.288). Os segmentos que mais cresceram em 2021 foram: City, Scooter/CUB e Maxitrail. No acumulado, a participação do segmento de duas rodas é de 33%. Ou seja, de cada dez veículos emplacados, três são motos.

Números macro – No balanço geral da entidade em dezembro de 2021, todos os segmentos automotivos tiveram alta em relação ao mês anterior. Com isso, o setor, como um todo, registrou 337.623 emplacamentos de veículos, volume 13,99% superior a novembro. Na comparação com dezembro de 2020, houve retração de pouco mais de 7%. No ano de 2021, o acumulado atingiu 3.497.077 unidades de veículos zero km comercializados, num crescimento de 10,57% sobre 2020.

“Os números estão bem próximos aos divulgados em nossas últimas projeções. O ano de 2021 foi complexo, em diversos aspectos. Ainda vivemos uma crise global, de abastecimento de insumos e componentes na indústria, e novos desafios têm surgido para o setor, como os constantes aumentos nas taxas de juros, que vêm impactando nos financiamentos. Ainda assim, conseguimos fechar o ano de 2021 com o 12o melhor resultado, desde 1957”, afirma José Maurício Andreta Júnior, presidente da Fenabrave.