TEST-RIDE: Na Olimpíada da aventura, BMW F 850 GS Adventure 40 anos é pódio no triatlo

Os Jogos Olímpicos de Tokyo terminam. Realizada durante a pandemia, a edição histórica da competição marcou a melhor posição do Brasil em uma Olimpíada (12ª colocação). Esportes como o surfe e skate ganharam mais notoriedade com Ítalo Ferreira e Rayssa Leal. Destaque também para as modalidades que exigem superatletas com a maratona – terrestre e aquática – além do pentatlo e o triatlo, que reúne provas de ciclismo, natação e corrida. Se as Olimpíadas tivessem esportes à moto, a BMW F 850 GS subiria ao pódio por sua resistência, velocidade e versatilidade em rodar em qualquer tipo de piso, asfalto, areia ou lama. Tudo em função de seu “biotipo” e arquitetura do motor. A BMW F 850 GS Adventure, edição 40 anos, avaliada pelo MinutoMotor, é oferecida no pacote premium por R$ 76.500.

Além do uniforme comemorativo em preto e amarelo pelo 40 anos da linha GS, BMW F 850 GS Adventure conta com vários equipamentos: controle dinâmico do freio motor; ajuste eletrônico dinâmico da suspensão; sistema de partida sem chave; assistente de troca de marchas; modos de pilotagem; preparação para receber GPS; kit baixo; manoplas aquecidas; monitoramento de pressão dos pneus; controle de velocidade de cruzeiro; luzes auxiliares em LED; suporte para malas laterais em alumínio e três anos de garantia. Na versão Adventure, o tanque de combustível tem capacidade para 23 litros. Ou seja, a moto terá uma autonomia de cerca de 400 quilômetros.

Na prática, a moto é extremamente equilibrada. Motor, chassi, suspenção e freios estão conectados e ‘conversam’ na mesma sintonia, graças a eletrônica embarcada. Falando em motor, um dois cilindros em linha, quatro tempos, 853 cm3 de capacidade, e 80 cv de potência é acionado, um rugido médio-grave é amplificado pelo escapamento. É puro rock ‘n roll. Dá vontade de acelerar e ver até onde a barra da RPM, que fica na parte superior do painel TFT da moto, chega. Em uma tocada mais racional na estrada, a 4.000 giros, a 850 Adventure está a 100 Km/h. Já a 5.000 rpm, a moto está a 125 Km/h sempre querendo mais. E nesta ‘pegada’ não exigi muitas trocas de marcha. O motor é bastante elástico e trabalha muito bem em baixas e médias rotações. Aliás, oferece mais força em menores faixas de giro.

Mas a “brincadeira” começa mesmo a partir dos 6.500 rpm, regime de rotação onde a entrega se dá pelo aumento da adrenalina e no ritmo das batidas do coração do piloto sobre a moto. O câmbio de seis velocidades é bem escalonado, com engates precisos. A grande novidade da F 850 GS Adventure é Controle Dinâmico do Freio Motor, que evita, eletronicamente, que a roda traseira escorregue devido à liberação abrupta do acelerador ou à redução de marcha.

Ciclística acertada – Antes de falar da ciclística, a F 850 GS Adventure apresenta roda aro 21 polegadas na dianteira, que pode enfrentar qualquer tipo de obstáculo, além disso, os aros contam com raios externos, que facilitam muito um reparo rápido (o popular “macarrão”) do pneu sem câmera. Além disso, o equilíbrio do modelo vem do chassi mais rígido e do maior entre-eixos (1.593 mm), principalmente para uma tocada mais raiz no off-road.

Neste test-ride, o jornalista Aldo Tizzani, do MinutoMotor, usou:
Capacete Bieffe B-12 Naked; jaqueta e calça HLX e bota Alpinestars

A capacidade de absorver impactos é uma das principais características da 850 Adventure. Conta com suspensões robustas e de longo curso: garfo telescópico de 230 mm e 215 mm do monoamortecedor. Isso sem falar no ajuste eletrônico dinâmico da suspensão. O sistema calcula a regulagem em função do peso de piloto, piloto + bagagem, piloto + garupa, piloto + garupa + bagagem.

Para terminar, toda a parte eletrônica é muito fácil e intuitiva de habilitar e desabilitar. De cara o piloto se assusta com os botões e seletor, que fica no punho esquerdo. Depois de alguns quilômetros, o motociclista já está habituado com boa parte das funções. Um dos responsáveis por essa sinergia é o painel TFT, colorido, que orienta o motociclista nas mudanças dos modos de pilotagem, condições da moto entre outros ajustes. Além disso, o tanque maior, as molduras – com as entradas de ar mais altas – a 850 consegue atravessar trechos alagados – além dos protetores, sistema de iluminação e freios ABS protegem o piloto e deixam a viagem muito mais segura. Conclusão: a BMW F 850 GS é pódio como uma das melhores bigtrail do mercado.