Um passeio de quilômetros de histórias sobre o mundo das duas rodas

E as Royals e seus pilotos na estrada sentido Socorro para conhecer o acervo de motos e bikes

Parece que o mundo das duas rodas está voltando ao seu ritmo normal com a realização de coletivas e lançamentos presenciais. Que saudade de pilotar uma moto na estrada! No último dia 2 de abril, a concessionária Royal Enfield SP promoveu seu primeiro passeio depois de dois anos (pandemia). Destino: o Centro Cultural Movimento (CCM), que fica em Socorro (SP), a cerca de 150 quilômetros da capital paulista. Por volta das 9 horas, os clientes e amigos se reuniram na loja para um café. Logo na sequência um rápido briefing sobre o percurso e “pé na estrada”, com duas paradas programadas para hidratação. O grupo, de 30 motos – entre Interceptor 650, Himalayan e Meteor 350 – foi “puxado” por Raul Fernandes, um dos sócios do grupo 2W Motors, da qual a Royal Enfield SP faz parte. Aliás, a marca anglo-indiana completou recentemente 120 anos de história.

Motos da marca anglo-indiana estacionadas na frente do Centro Cultural Movimento, em Socorro (SP)

Depois de deixar a zona Sul de São Paulo e rodar pelas Marginais Pinheiros e Tietê, o grupo seguiu pelas rodovias Bandeirantes e Anhanguera até a primeira parada na “Frutas Rodon”, já em Jundiaí. O “bonde” rodou exemplarmente em formação também por estradas secundárias, de mão simples. O trajeto foi emoldurado pelas belas serras e, consequentemente, um circuito bastante sinuoso. Na segunda e última parada, os motociclistas se reagruparam no posto Shell, já na saída de Bragança. Faltavam apenas 50 quilômetros até Socorro. Além do clima ameno e céu azul, contrariando as previsões mais otimistas, outras surpresas ainda estavam por vir.

Parte do acervo que conta a história de motos e personagens que fizeram a história do veículo no Brasil

Na chegada ao Centro Cultural Movimento, o grupo foi recepcionado por Carlãozinho Coachman. O próprio curador do acervo fez uma emocionante visita monitorada e contou muitas histórias de personagens, ícones do motociclismo brasileiro. Os visitantes puderam conferir de perto inúmeros modelos de motos e bikes lançadas no País ao longo dos últimos 120 anos. O CCM fica em uma antiga estação ferroviária.

Alex de Oliveira e Raul Fernandes, da Royal Enfield SP, com a Meteor 350 no Centro Cultural Movimento

“Estou muito feliz por estar presente no primeiro passeio de 2022 e ter prazer de puxar o grupo! Despois da estrada foi um privilégio acompanhar a visita guiada do meu amigo Calãozinho no Centro Cultural Movimento. São muitas histórias incríveis do motociclismo brasileiro. Acompanhei de perto toda a trajetória e lutas do meu ex-chefe – revista Motociclismo – para transformar um sonho em realizada”, afirmou Raul Fernandes, da 2W Motors.

Parte do acervo de motos e bicicletas que estão reunidas em Socorro

Para o engenheiro de testes, Flávio Vaz, há um belo acervo que está ancorado em boas histórias. “É muita informação reunida em apenas um lugar. Vale a pena visitar o museu e também conhecer a região”, afirma o professor da USP, dono de uma trail Himalayan.

Aldo Tizzani, editor do MinutoMotor, e Carlãozinho Coachman, escritor e curador do CCM

E para coroar esta jornada promovida pela concessionária Royal Enfield SP, tivemos o primeiro contato com o o livro “Duas Rodas e uma Nação” que resgata, em 256 páginas, 120 anos de história dos veículos de duas rodas no País e os personagens que fizeram parte desta linha do tempo. “Além da paixão pelas duas rodas, o livro tem conteúdo histórico, conhecimento e anos de experiências para compartilhar com o público. E é, acima de tudo, uma homenagem a homens e mulheres que se dedicaram pelo crescimento e popularização destes incríveis veículos de duas rodas, que são usados como lazer – nas estradas e nas pistas – além de ferramenta de trabalho”, conclui o “arqueólogo” das motos Carlãozinho Coachman, que também é o autor e coordenador editorial da obra.

Marco da Paz: momento de profunda reflexão

Socorro recebeu ainda o Marco da Paz, que está na mesma área do CCM. O monumento exalta a paz entre os homens e está presente em poucas cidades pelo mundo. A inauguração reflete um momento de profunda reflexão sobre os dias de hoje, principalmente no caso da invasão da Rússia na Ucrânia, que traz à tona os horrores da guerra.