Desktop: Mobile:

Versão de entrada da Toro -Endurance Turbo Flex 270 – custa a partir de R$ 119.590

Sticky:

Uma picape com atributos de conforto e dirigibilidade de um utilitário esportivo. Foi com essa proposta simples e ambiciosa que a Fiat Toro foi apresentada, em 2016. O veículo produzido na cidade pernambucana de Goiana tornou-se um sucesso instantâneo de vendas no Brasil e, desde então, já emplacou quase 300 mil unidades. A versão de entrada da Toro é a única que preserva as lâmpadas convencionais nos faróis principais – todas as outras são de leds – e também a única a não ter os auxiliares de neblina – em seus lugares, há apenas nichos sem função. Em todas as versões da Toro, o capô ganhou duas protuberâncias para ampliar a sensação de “musculatura” do conjunto. O preço da Toro Endurance Turbo 270 AT6 começa em R$ 119.590 se for na cor sólida Vermelho Colorado (versão testado).

Na frente, além dos faróis com DRL em leds, destacam-se os novos frisos na grade, o logo da marca centralizado, a Fiat Flag (uma micro-bandeira italiana estilizada) e o para-choque redesenhado. Na traseira, as lanternas mantiveram o formato, porém, passaram a ser em leds. A porta da caçamba permanece bipartida, com abertura lateral. Na Endurance, as maçanetas externas, as carenagens dos retrovisores, as molduras das janelas e a coluna central das portas são em preto. As rodas de aço estampado trazem calotas que imitam as de alumínio e calçam pneus 215/65 R16 On Road. No lugar do rack com barras longitudinais teto das outras versões, a Endurance oferece um singelo “porta-escadas” – uma barra preta que serve para apoiar e amarrar volumes maiores na caçamba.

Para mais ou para menos – Na linha 2022 da Toro, uma evolução notável ocorreu em relação aos porta-objetos, que melhoram em quantidade e qualidade. Agora, é possível abrigar com segurança celular, chaves, carteira e garrafas – e nada sai do lugar nas rampas e acelerações bruscas, como ocorria no modelo antigo. Na configuração Endurance, o acabamento do interior utiliza materiais que não transmitem requinte, porém, aparentam qualidade. Os bancos frontais têm bons ajustes e são confortáveis, entretanto, os de trás têm um encosto muito verticalizado – mais inclinação tornaria as viagens longas mais agradáveis.

Na Toro mais básica, a central multimídia “touchscreen” de 7 polegadas tem alta definição de 800×480 pixels, o sistema funciona com Android 8.0 e uma CPU de 800 MHz. A interface com o usuário é simples e intuitiva, facilitada pelos comandos no volante. Há USB e auxiliar, além de conexão Bluetooth. Infelizmente, a Endurance não oferece câmera de ré – equipamento corriqueiro em compactos bem mais baratos. Faz falta nas manobras e estacionamentos apertados. Na Toro, só está disponível a partir da versão Freedom.

Desempenho convincente – Com o motor 1.3 GSE Turbo Flex T270, a Toro anda mais, é menos rumorosa, trepida menos e oferece um rodar mais assemelhado ao dos carros de passeio do que as antigas 1.8 Flex. Tem 180 cavalos (com gasolina) e 185 cavalos (com etanol) e um bom torque de 27,5 kgfm, disponível já em 1.750 giros. O câmbio automático Aisin de 6 marchas é eficiente e ajuda a dar ao veículo um comportamento “esperto”. É possível acionar as marchas manualmente na alavanca do câmbio – “paddles shifts”, só a partir da versão Freedom. A tecla Sport muda as respostas do câmbio, do pedal do acelerador e o peso da direção. A entrada do turbo é perceptível, de 1.500 a 2 mil giros.

A estabilidade se aproxima à dos sedãs e as rolagens são discretas, apesar da carroceria elevada. As suspensões MacPherson na frente e multilink atrás ajudam a conferir um rodar agradável e consistente, mesmo sem carga na caçamba – ou seja, com baixo peso no eixo traseiro – e em velocidades maiores. Nos trechos sinuosos, a carroceria sacoleja um pouco, mas é preciso “forçar a barra” para que as assistências dinâmicas entrem em ação. A direção elétrica é um tanto leve.

Segundo a Fiat, a aceleração de zero a 100 km/h da Endurance Turbo 270 AT6 é feita em 11,2 segundos (gasolina) e em 11 segundos (etanol). A velocidade máxima é de 195,5 km/h (gasolina) e de 197,5 km/h (etanol). Com um motor turbo totalmente novo, era de se esperar um consumo de combustível expressivamente mais baixo do que na antiga versão 1.8 Flex. No entanto, não é o que acontece. De acordo com o Inmetro, na cidade, são 9,4 km/l com gasolina e 6,5 km/l com etanol. Na estrada, são 10,8 km/l com gasolina e de 8 km/l com etanol.

Texto: Luiz Humberto Monteiro Pereira / AutoMotrix
Fotos: Luiza Kreitlon / AutoMotrix

Ficha Técnica
Fiat Toro Endurance Turbo Flex T270

Motor: dianteiro, transversal, 1.332 cm3, quatro cilindros, 16 válvulas, comando simples com variador no escape e MultiAir na admissão, injeção direta, turbo, flex
Potência: 180 cavalos (gasolina), 185 cavalos (etanol) a 5.750 rpm
Torque: 27,5 kgfm a 1.750 rpm
Combustível: gasolina e etanol
Transmissão: automática de 6 marchas à frente e uma à ré
Tração: dianteira
Freio: ABS e ESC, dianteiros com disco ventilado e traseiros com tambor
Suspensão: dianteira tipo MacPherson com rodas independentes e barra estabilizadora, traseira tipo multilink com rodas independentes e barra estabilizadora
Direção: elétrica com pinhão e cremalheira
Rodas: aço estampado 65×16
Pneus: 215/65 R16 On Road
Peso: 1.646 quilos
Capacidade de carga: 750 quilos
Dimensões: comprimento de 4,94 metros, largura de 1,84 metro, altura de 1,73 metro e entre-eixos de 2,99 metros
Altura livre do solo: 25,9 centímetros
Ângulo de entrada: 25,7 graus
Ângulo de saída: 28,4 graus
Tanque de combustível: 55 litros
Preço: R$ 119.590 (R$ 120.340 na versão avaliada, com o opcional da capota marítima)