Startup de Brasília (DF) cria espaço ‘perfeito’ para entregadores de delivery

O Auto Posto Original 414, Asa Sul, é o endereço do primeiro ponto de apoio dedicado aos profissionais de delivery que utilizam suas motocicletas, bicicletas e patinetes em Brasília (DF). A infraestrutura – idealizada pela startup Trampay – funciona de domingo a domingo, das 10h às 20h, inclusive feriados. Muitos destes trabalhadores se queixam de uma situação de vulnerabilidade, alta exposição e pouca dignidade para desempenhar suas funções, que, hoje, são mais que essenciais, principalmente neste período de pandemia.

Por isso, a startup brasiliense de benefícios para autônomos e informais, decidiu criar o projeto que tem foco total na segurança e transformação da vida das pessoas e que vai muito além de descontos, benefícios e vantagens. A promessa da Trampay é instalar pelo Brasil vários pontos de apoio os entregadores, um modelo gratuito, independente, ou seja, que recebe prestadores de serviço autônomos e de todas as empresas, plataformas e aplicativos.

“Entendemos que oferecer, gratuitamente, aos profissionais melhores condições na sua jornada de trabalho vai impactar diretamente em uma melhor qualidade do serviço”, conta Jorge Júnior. “A falta de estrutura para estes profissionais é notória, faz com que acabem descansando e se alimentando sentados nas calçadas, sem banheiro, sem conseguir energia para carregar o celular e sem poder levar e esquentar aquela ‘marmitinha’ que foi feita em casa”, explica o executivo.

Instalado na Asa Sul, o primeiro ponto serve de modelo para os demais que virão ainda em 2021. A estrutura conta com wi-fi, copa, banheiro, mesas e cadeiras, tudo com livre acesso. Em Brasília, por exemplo, são mais de 20 mil entregadores e motoboys que podem utilizar do local. “Teremos mais cinco pontos de apoio em Brasília até o final do ano e já temos planos para mais cidades e capitais no Brasil todo a partir de 2022”, revela Jorge Júnior, CEO e Co-fundador da Trampay (foto abaixo).

Fotos Divulgação

“Talvez estejamos diante do maior problema de relacionamento trabalhista: de um lado mais de 6 milhões de motoboys e motoristas de aplicativo e do outro, as plataformas que conversam digitalmente, mas que precisam entender também as subjetividades e esse é o nosso ‘trampo’. Para os motoboys, motogirls e motoristas estamos entregando de volta o sorriso e o reestabelecimento de dignidades e, para as empresas, uma forma de resolver o problema de maneira tangível e idônea”, conclui Tiago Ribeiro, sócio e CFO da Trampay.